Todos os artigos de Valupi

Quem tramou Armando Vara? Nós todos (Ep4)

Apesar de Rui Rio – alguém que já tinha começado a revelar a natureza do bluff de que é feito aquando da pulhémica à volta do fim do mandato de Joana Marques Vidal, mas que então ainda prometia bater-se por um oásis de decência e responsabilidade na direita partidária (algo de que parece ter desistido, como a vocalização para a demissão de Centeno consagra) – o contexto que dá origem à criação da II comissão de inquérito parlamentar à recapitalização CGD envolve a Cofina, uma ex-vedeta do BE que se transformou numa caluniadora profissional, a direita decadente em ano eleitoral e um ecossistema mediático onde medra uma legião de “jornalistas de referência” cuja missão diária é a de arrotarem postas de pescada ao serviço da agenda político-financeira de quem lhes paga (pista: ninguém do PS ou simpatizante dos socialistas lhes paga). A desculpa para este circo foi encontrada numa duvidosa auditoria da Ernst & Young aos “Actos de Gestão praticados entre 2000 e 2015”, tendo dela sido retiradas passagens que serviram para voltar a incendiar o espaço público com o auto-de-fé contra Armando Vara.

A existência de “campanhas negras” para derrubar políticos com difamações e calúnias não é um exclusivo português nem sequer começou na política americana no século XX, antes pode remontar ao que gerou o julgamento de Péricles, senão antes. Provavelmente, o modelo democrático jamais deixará de ter caluniadores no activo por pulsões antropológicas e limitações cognitivas inerentes a escolhas que se fazem colectivamente a partir de percepções individuais desvairadamente aleatórias. Dados os mecanismos evolutivos de protecção contra estranhos e doenças, conseguir associar a um adversário a imagem de não ser um dos “nossos” e a de ser “perigoso” traz vantagens altamente eficazes para as disputas eleitorais onde as emoções tóxicas superam as razões analíticas na enorme maioria dos votantes. É o caso, paradigmático, com a pessoa pública e civil de Vara, transformado pela elite política e mediática num símbolo da corrupção após ter entrado no BCP e dada a sua proximidade relacional privada com Sócrates. O poder da aldrabice posta a circular é avassalador, até conseguindo recrutar para a sua propagação a esquerda; incluindo figuras gradas no PS e comentadores que se julgam muito espertos e outros que o são realmente. Porém, contudo, no entanto, a patranha do “assalto ao BCP” e do “regabofe na CGD”, tudo isto orquestrado e dirigido por um primeiro-ministro em funções, exige que se suspenda a actividade neuronal para ser aceite.

Mariana Mortágua chegou a esta farsa com o perfume da fama obtido na comissão parlamentar de inquérito ao caso Espírito Santo. Infelizmente, logo na segunda pergunta da sua primeira inquirição (Ep3) podemos inferir que a deputada é profundamente ignorante do que importa discernir em nome da República acerca da CGD. Ou melhor, a sua preparação para a comissão em causa consistiu tão-somente na leitura e visionamento de peças “jornalísticas” que já estavam na posse do nome dos culpados e da tipologia dos seus crimes. Daí o enviesamento e a irrelevância das suas perguntas, e daí a sua incapacidade para se relacionar dialogicamente com as extensas, detalhadas e curiais respostas que ia obtendo.

Vara deixa testemunhos memoráveis, tal a transparência profissional com que se expõe e o sentimento de orgulho com que defende a instituição Caixa Geral de Depósitos e o bom nome de todos com quem lá trabalhou. Pensar que o Ministério Público usou o empréstimo a Vale do Lobo para conseguir enfiar na “Operação Marquês” mais um popularíssimo alvo do ódio político e da indústria da calúnia revela, de facto, um polvo – um polvo à moda de Aveiro.

Começa a semana com isto

In this episode you will hear about:

– Why our identities often differ from how others perceive us
– How most of our people-perception happens unconsciously
– Some of the agendas/lenses we use during people-perception
– How introverts and shy people get misunderstood more often and what they can do about it
– How we form a concept of our self identity reflectively (via the eyes of others)
– The “If I didn’t know you better, I’d think you were ___” exercise
– Two phases of thinking
– How our minds are miserly and like to jump to conclusions
– How we tend to speak when we want to appear warm vs. intelligent
– Promotion vs. prevention motivational styles
– Defensive pessimism
– How willpower is not a good approach to habit change
– Forming new habits and circumventing temptations

How to Be Understood and Reach Your Goals with Dr. Heidi Grant Halvorson

.
.

Revolution through evolution

Evidence that human brains replay our waking experiences while we sleep
.
More berries, apples and tea may have protective benefits against Alzheimer’s
.
We believe we’re less likely than others are to fall for online scams
.
Robot vacuum cleaner conveys seven dwarf personalities by movement alone
.
Loneliness in Times of Isolation
.
Study finds that uploading photos to social media leaves self-image starving
.
Workers happy despite crisis and uncertainty
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Quem tramou Armando Vara? Nós todos (Ep3)

A imagem dos deputados sentados no hemiciclo a ouvir alguém a falar, outro deputado ou governante, como se nada mais tivessem de fazer durante o dia para sacar o seu ao fim do mês e viverem à grande e à de-putedo, corresponde a uma das caricaturas favoritas tanto dos broncos como dos pulhas. Estes dois grupos convivem em simbiose, os pulhas exploram os broncos e os broncos aplaudem os pulhas. Mas há diferenças radicais entre eles: o bronco teve azar, o pulha acha-se com sorte. Quer dizer que é mais provável um bronco deixar de o ser do que um pulha largar o osso. Se a matéria for atinente ao que seja o Estado de direito democrático, o bronco começa o lento processo de resgate da inteligência própria quando se permite aumentar o seu conhecimento acerca dos princípios republicanos, da teoria e prática democrática, da lógica das instituições públicas, das condições e circunstâncias em que se produz, valida e estabelece a legislação. O pulha já passou pelo mesmo descobrimento, conhece de ginjeira o que a casa gasta, mas agora escolhe utilizar a sua inteligência para se aproveitar da falta dela nas suas vítimas.

As comissões de inquérito parlamentar são tratadas com os pés na imprensa portuguesa. O editorialismo e o comentariado são unânimes no cinismo, e até desprezo, com que reduzem as CPI a pouco mais do que comícios para historiador rever e para a indústria da calúnia e o sensacionalismo lá irem buscar lenha para queimar os alvos. Culpa primeira na ordem do tempo? A dos deputados, será a conclusão inevitável. Tanto nas intervenções como no desfecho, a elaboração e aprovação dos relatórios finais, o drama é invariavelmente tribal com os partidos a vestirem a camisola da interpretação sectária dos factos apurados. O que nos leva para a culpa segunda, a da comunidade. A quase totalidade dos cidadãos, num cálculo para mim impossível de fazer mas que não me surpreenderia se excedesse os 99% da população, não liga pevide ao que se passa realmente nas comissões de inquérito. Por razões óbvias: tal exigiria literacias e conhecimentos especializados em Direito, Economia e Finanças (pelo menos, mas há mais e muito mais) que não possuem nem consideram necessário, sequer importante, virem a obter. Donde, basta-lhes a versão espectacular, redutora e descontextualizada que a comunicação social oferece de acordo com a vulgata populista reinante e os oportunismos de ocasião.

Ora, as CPI, como consta do Artigo 1.º do Regime Jurídico dos Inquéritos Parlamentares, “têm por função vigiar pelo cumprimento da Constituição e das leis e apreciar os atos do Governo e da Administração“. Esta responsabilidade, no plano formal, é levada a sério, conferindo-se às CPI os mesmo poderes de investigação das autoridades judiciais. Isto significa, pragmaticamente, “podemos ter acesso à papelada que quisermos” e “podemos chamar, interrogar e deixar com a imagem em risco quem nos apetecer”. Havendo alguém seriamente preocupado com as temáticas da fiscalização das autoridades e do combate à corrupção em Portugal, essa ave rara iria fazer da ARTV – Canal Parlamento a sua fonte principal de informação. Porque estão lá os conteúdos mais completos e detalhados, e suficientes, para se chegarem às melhores hipóteses acerca dessas temáticas. Só que ninguém os utiliza, nem sequer os jornalistas – ou principalmente os jornalistas, os quais não se concebem como investigadores isentos, na sua enorme maioria, antes como advogados das causas e dos interesses dos seus patrões. Exagero? É averiguar quantos viram todas as sessões da II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco. E se não viram, melhor se entende como é tão fácil ajudar a esconder o que se passou nas quase seis horas em que Vara foi interrogado – pela segunda vez – no mesmo local e sobre o mesmo assunto.

A partir do minuto 14.30 da inquirição de Constança Urbano de Sousa (Ep2) podemos testemunhar um dos momentos mais clarividentes sobre o que esteve em causa no modo como se usou Vara para atacar Sócrates e o PS – portanto, para judicializar a política; por tanto, para violentar e emporcalhar o Estado de direito. A deputada, irritada com a franqueza na resposta que tinha acabado de ouvir, e para a qual não encontrou nada de válido para ripostar a não ser recorrer à difamação, avançou a direito para os terrenos da calúnia usando um dos sofismas que tinham sido explorados insistentemente pelos deputados do PSD e CDS noutras audições a diferentes protagonistas das decisões na CGD à época na berlinda. A resposta de Vara, indignada, é transparente. O que estava em causa era absolutamente irrelevante, ridículo, e nem isso a deputada sabia. Ainda mais grave, a deputada, do PS, não foi capaz de assumir a sua tão alta responsabilidade naquela comissão e naquele papel outorgado pela liberdade dos restantes concidadãos. Essa ausência de respeito pelo respeito que Vara estava a demonstrar possuir pela Assembleia da República foi uma exuberante manifestação da pior corrupção que nos pode atingir: vermos os representantes do Soberano enterrados na ignorância e na cobardia.

Instantâneos

Bus driver shared this video days before his death

5-year-old daughter of Detroit first responders dies after being diagnosed with coronavirus

Cab driver. Harvard dad. Covid-19 victim.

Couple married 73 years dies hours apart after Covid-19 fight

Coronavirus: Brothers die on same day in Newport

An ER doctor who continued to treat patients after she recovered from Covid-19 has died by suicide

Bishop who said “God is larger than” Covid-19 has died from the disease

Será o jornalismo demasiado importante para ficar nas mãos dos jornalistas?

«Comunicar é uma missão de particular responsabilidade em tempos de pandemia. É preciso alertar para todos os riscos, sem excesso de pormenores técnicos ou detalhes suscetíveis de causar pânico. Há que esclarecer e dar confiança quando é preciso retomar rotinas, sem deixar que as pessoas baixem a guarda. Sabendo, além do mais, que a mesma mensagem é apreendida de forma diferente pelas pessoas, consoante os seus próprios temperamentos e medos, e portanto nunca há uma dose certa ou exata para o peso que se carrega em cada frase.

Essa dificuldade é agravada cada vez que são cometidos ziguezagues na estratégia de comunicação. Exemplo clássico é a posição das autoridades de Saúde relativamente ao uso generalizado de máscaras. Começou por ser recusada essa orientação, com o argumento de que o uso poderia transmitir uma falsa sensação de segurança, acabando por ser adotada a utilização obrigatória quando começou a haver quantidade suficiente disponível no mercado.»


Inês Cardoso – 06 Maio, 2020

*_*

6 de Maio, não se trata de erro. E uma aparente especialista em comunicação veio discorrer em público sobre comunicação. Aparentemente para esclarecimento, ou enriquecimento, do debate público acerca da comunicação do Governo. Mas, a ser assim, porquê mentir? Por distracção? Por maldade? Por burrice?

Dizer que a alteração sobre o uso de máscaras pelos cidadãos em situações públicas é um “exemplo clássico” seja do que for começa logo por encher o ar com os sinuosos aromas do tinto. Rematar que a alteração ocorrida recentemente decorre causalmente do aumento da quantidade de máscaras no mercado é prova definitiva de bebedeira. Os factos são outros, tendo sido a OMS a repetir desde o principio que as máscaras, à luz do conhecimento científico sobre o coronavírus e das lições aprendidas com outras epidemias, deviam ser reservadas para grupos específicos da população quando em ambientes especiais (doentes, pessoal de saúde, grupos de risco). Esta recomendação manteve-se inalterável durante longas semanas, só começando a ser alterada quando se recolheu evidência acerca da percentagem de infectados que permaneciam assintomáticos durante longos períodos, ou mesmo até ao fim, da permanência do vírus no seu organismo. Isto levou, ao longo de Abril, ao reconhecimento de que a prática oriental do uso generalizado de máscara em espaços públicos reforçaria a protecção comunitária ao reduzir a propagação a partir dos assintomáticos – mas não por ser a máscara a barreira completamente segura que evita a contaminação de quem a usa, a lavagem das mãos e o isolamento sempre foram o foco principal das mensagens e campanhas de comunicação das autoridades de saúde e governativas.

Donde, não há “ziguezague” na “estratégia de comunicação” porra nenhuma porque a invocada estratégia de comunicação, como todos podem constatar diariamente à hora de almoço, tem sido rigorosamente a mesma desde o primeiro dia da epidemia em Portugal: apresentar a melhor informação possível que esteja disponível para utilização política. Tal levou a uma pedagogia na comunicação estatal onde princípios e modelos epistemológicos têm sido explicitados para se dar conta da inevitável incerteza com que a ciência opera e constrói conhecimento. O tempo da investigação não tem qualquer relação de necessidade com o tempo da política, ainda menos com a falta de tempo dos jornalistas. Na Europa e nos EUA, mas não só, o ciclo comunicativo passou por fases iguais, sendo comum até ao final de Março a noção de que o mais importante era estabelecer regras e hábitos de distanciamento físico (chamado erradamente de “social”) em vez de estar a induzir em erro a população a respeito de algo que os especialistas não consideravam eficaz, por um lado, e que consideravam potencialmente arriscado, pelo outro.

Quase todos os jornalistas concebem-se como paladinos da “verdade” e do “interesse público”, o que começa por ser fixe dado corresponder ao ideal romântico da profissão, mas quando utilizam os vastos poderes de que dispõem para aumentar a desconfiança e confusão na audiência – o que o texto acima citado consegue de uma forma que arrisco carimbar como “exemplo clássico” – algo de completamente errado se está a passar. Se um jornalista nem sequer consegue exibir literacia científica, então, provavelmente, tudo o que venha a dizer sobre Governos, política e até comunicação está infectado por uma ignorância viral.

Revolution through evolution

Hugs and kisses: Research connects affection, attachment style and marriage satisfaction
.
How to Talk to Children about Death During the COVID-19 Pandemic
.
9/11 research reveals effective strategies to cope with COVID-19 stress
.
Republicans more inclined to share fake news on social media
.
They remember: Communities of microbes found to have working memory
.
Why smartphones are digital truth serum
.
Economic Damage Could Be Worse Without Lockdown and Social Distancing – Study
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Quem tramou Armando Vara? Nós todos (Ep2)

Armando Vara transportou desde o caso da Fundação para a Prevenção e Segurança Rodoviária, ocorrido no ano 2000 e acabando por ser arquivado, o odor a corrupção. Embora apenas os caçadores de socráticos se lembrem do episódio, sendo quase nenhuns os bípedes implumes que saibam o que realmente aconteceu, Vara passaria a ser atacado politicamente sem descanso por causa dessa brecha no seu prestígio. O objectivo político e mediático era o de transformar uma nódoa no seu currículo numa ferida mortal no seu bom nome. A sua amizade pessoal e companheirismo político com Sócrates tornava esse calcanhar de Aquiles no alvo obsessivo para tentar atingir dois inimigos com uma calúnia só.

A crise económica internacional de 2008, a qual veio transformar num cataclismo homérico o terramoto que já estava a acontecer no império bancário da oligarquia portuguesa desde 2007 com a guerra intestina no BCP entre Jardim Gonçalves e o seu delfim Paulo Teixeira Pinto e a anunciada queda no abismo do BPN e do BPP, conduziu a banca para um período de selvajaria accionista própria de tempos desesperados que, imprevisivelmente, acabou por levar Vara a trocar a CGD pelo BCP – onde entraria por cima para escândalo e rancor da direita decadente. Quem perder 1 minuto a recordar aqueles que acompanhavam Vara na nova equipa de gestão, e quem o apoiou na assembleia geral que votou e aprovou por enorme maioria o seu nome, não mais perderá metade de meio nanosegundo dando crédito à teoria da conspiração e à calúnia do “assalto ao BCP”. Porém, as circunstâncias eram tão graves para os antigos donos do poder financeiro português – e para Cavaco, a quem a oligarquia exigia acção decisiva contra um Sócrates sem medo dela – que uma inaudita e implacável golpada-vingança foi montada com recurso aos instrumentos da Justiça e das polícias e usando o embuste do Sócrates tirano, bandido e louco, capaz de corromper tudo e todos (menos a gente séria que o ia apanhar e enfiar na cadeia, claro) e de meter o regime no bolso, como capa das violências que estavam dispostos a cometer. A operação “Face Oculta”, com a sua audaciosa e ilegal ambição, não existiu por causa de um reles sucateiro e suas trafulhices sucateiras. O prémio cobiçado era outro, um que continua ainda hoje a render adrenalina no tribalismo político e gera ódio para dar e vender na indústria da calúnia.

Virgílio Macedo teve meses para se preparar. Seria o primeiro a entrar na arena, o primeiro a mostrar serviço. Apareceu frente a Vara depois de ter combinado com o grupo parlamentar a estratégia para dar cabo do bicho. E não vinha sozinho, trazia pelo menos mais três deputados que lhe foram dando ajudas ao longo do interrogatório, um deles sendo o soberbo estadista e fascinante talento tribunício de seu nome Duarte Marques. A situação era comparável à de vermos o exército de Aníbal perante um singelo rato (pun intended). Frente ao Virgílio imperial e castigador prostrava-se um presidiário enterrado para a política e para o mundo profissional, e de novo enterrado no mais importante processo judicial do Portugal democrático, a “Operação Marquês”. O palco era a Assembleia da República, o mandato equiparado ao das autoridades judiciais. Virgílio sorria impante de confiança, ia triturar o patife sem demora.

Quem tiver visto o vídeo (Ep1) pode constatar: aos 6 minutos da audição, o rato deixou os elefantes de Aníbal assarapantados, sem saberem para onde fugir. 6 minutos é quanto basta para ficarmos com um sumário executivo do que foram as restantes 5 horas e 24 minutos. O pulha não se preparou para um confronto com a honestidade intelectual.

O melhor discurso de Marcelo continua a ser o de 17 de Outubro de 2017

O Presidente da República foi à Assembleia da dita comemorar solenemente o 25 de Abril com um discurso de 16 minutos e 38 segundos onde fez uma exposição didáctica sobre a efeméride. O registo foi paternalzinho, parecia estar a falar para um filho muito querido e muito estarolas, contextualizado pelas actuais crises na saúde, na economia e na vida social. Alguns à esquerda e na direita decente vocalizaram alto o seu aplauso, carimbando o discurso com adjectivação encomiasta, senão ditirâmbica, em reconhecimento da inequívoca defesa do simbolismo abrilista – o simbolismo da liberdade e da democracia adentro de um Estado de direito como a ideologia fundadora e reguladora da Constituição. Mas talvez estes emocionados ouvintes apenas estivessem em desforço por causa do folclore de ocasião da direita decadente; decadente porque, lá está, continua a depender de fanáticos e pulhas para fazer prova de vida. Talvez o discurso em causa mereça o que já está a ter nem uma semana ainda lhe passou por cima: completa indiferença, fatal esquecimento.

Comparemos com os 11 minutos e 33 segundos de Outubro de 2017. Começa por ter laivos de improviso, embora surja após aviso prévio e no dia imediatamente a seguir à solitária comunicação ao País de Costa, esta feita na residência oficial em São Bento para lhe conferir dignidade institucional. Por contraste, e com um significado que foi explorado por todas as palavras, todos os silêncios, todas as expressões de rosto e de voz, Marcelo falava ao povo a partir do povo, na fustigada Oliveira do Hospital. E tinha muito para contar. Começou em estilo fotojornalista, qual Fernão Lopes presidencial, descrevendo os variegados sofrimentos que os incêndios causaram com recurso a ilustrações anedóticas e bucólicas, colmeias e sinos a rebate. A indisfarçável pantomima ocupou um terço do discurso, consistindo na pintura de um fresco do seu abraço às vítimas, o mural do seu personalismo gloriosamente católico. Esta primeira parte foi invocada como o suporte para a mudança de papel: a pessoa igual às outras pessoas, a pessoa do coração misericordioso, era também o Presidente da República. E estava na hora de o Presidente distribuir tau-tau, puxar orelhas, tomar conta disto. Entrávamos no segundo acto, onde a mensagem foi a tal que ouvíamos de manhã à noite desde Pedrógão e o assalto a Tancos pela boca e dedos do editorialismo, do comentariado e do passismo: o Estado falhou… por culpa exclusiva do PS. Estava o cenário montado para a conclusão e epílogo. Marcelo declarou que o seu presente mandato e o eventual seguinte acabavam de ficar ligados umbilicalmente aos incêndios de 2017. As fichas foram postas todas na mesa, cabendo ao adversário mostrar se ia a jogo ou desistia. Ir a jogo implicava não acreditar no bluff marcelista, isso de ter ameaçado abrir uma crise política e dissolver a Assembleia caso o Governo insistisse em governar sem depender de Belém. Desistir implicava que Costa entregasse a cabeça de Constança Urbano de Sousa numa bandeja e participasse no logro de se fingir que a Presidência da República tem mais legitimidade política do que a Assembleia da República.

O discurso de 17 de Outubro de 2017 saiu perfeito no conteúdo, na forma e na execução. O seu à-vontade permitiu-lhe brincar aos padrecos, gozando o prato de estar a dar um sermão aos governantes socialistas e demais deputados. Chegou ao ponto de largar esta maravilha de teologia demagógica ou vice-versa:

Se falei aos portugueses primeiro como pessoa foi para tornar bem claro que sempre, e mais ainda em tempos como estes, olhar para os dramas de pessoas de carne e osso com a distância das teorias, dos sistemas ou das estruturas, por muito necessário que possa ser, é passar ao lado do fundamental, na vida como na política. E o fundamental é o que vai na alma de cada uma e de cada um dos portugueses.

Marcelo estava no pico da forma e sabia que não podia perder. Ia espancar e chantagear um Governo derrotado por calamidades naturais e disfunções públicas que calhavam acontecer em cima umas das outras para felicidade dos pulhas e dos broncos. E ia aumentar com esse oportunismo o seu apoio popular, o principal objectivo da encenação. Sabemos que Marcelo foi sofisticada e superiormente cínico porque o seu domínio sobre os códigos populistas merece estudo académico. Todas as vítimas por ele referidas, com tanto gosto que até sorrisos lhe escapavam incontroladamente ao listar desgraças, esses mortos usados como palanque, foram carne para o seu canhão eleitoralista.

Marcelo serviu-se gulosamente de acontecimentos que nenhum outro Governo poderia ter evitado para com eles obter ganhos sectários e pessoais. De lá para cá muito se passou e ele é agora um líder gravemente fragilizado precisamente por ter falhado numa crise onde não havia bodes expiatórios nem hipótese de usar os impérios mediáticos da direita para a baixa política. Não é com o Marcelo que queremos ir para a guerra, ficámos todos a saber quando desapareceu do comando após ter andado a beijocar o seu povo.

Triste sina a dos comentadeiros profissionais

«Ainda nos vamos arrepender de ter tolerado, alguns com bonomia, a alegoria da ‘guerra’ para descrever a resposta à covid-19. Estava-se a ver que a imagética guerreira se iria espalhar sem amanhã, os governantes adoram imaginar-se como Churchill de charuto ou como Eisenhower na sala dos mapas, com tanques miniatura à voz dos chefes (Schwarzkopf na “Tempestade do Deserto” é um mito mais infeliz, melhor ficar com Eisenhower). O problema é que uma guerra que não é guerra conforta governantes que se pensam como um comando militar, permitindo a ideia de que viveremos em exceção permanente. Não faltarão ministros inebriados pelo silêncio no espaço público ou pela vontade de calar oposições. Há um Orbán escondido em cada esquina do poder.»


Francisco Louçã

*_*

Do que fala o Anacleto? As utilizações da semântica militar são de uso corrente, desde sempre e para todo o sempre, nos discursos medicinais e das políticas de saúde. Acaso os antibióticos e as vacinas não são uns dos melhores recursos que os humanos descobriram para “combater” as doenças? Estamos no reino dos clichés mais estafados – mas precisamente porque são úteis, eficazes, bondosos na sua ênfase retórica. No caso da crise da pandemia de coronavírus e suas consequências patológicas, a COVID-19, alguns dirigentes políticos aplicaram em discursos que se pretendiam institucionalmente fortes termos directamente relacionados com as guerras entre povos e nações. Estavam a recorrer a uma analogia de percepção e entendimento imediato para alertarem e prepararem as sociedades para alterações radicais na economia e estilo de vida que, exactamente, só comparam com situações de guerra militar mesmo que esta crise de saúde e de produção e consumo económicos tenha inúmeras e inevitáveis diferenças. O curioso é constatar que quem tal simetria adoptou nas democracias ocidentais não sofre de tiques ditatoriais nem se lhes conhecem pulsões bélicas. Foram precisamente aqueles que entram nesse retrato perigoso e decadente, como Trump e Bolsonaro, quem disparou na direcção oposta, negando durante meses as evidências que vinham da China e alastravam pelo mundo e preferindo o pensamento mágico e uma ignorância científica que não estará longe de ser criminosa.

O comentário deste comentador profissional (nessa condição o faz) é, portanto, absurdo. Não existe qualquer imagética guerreira a espalhar-se seja onde for, especialmente se falarmos da Europa, a não ser nos vulgares discursos mediáticos sobre aqueles que estão “na linha da frente” e a quem se tem reconhecido o justo “heroísmo” com que “lutam” arriscando a sua vida para salvar as nossas. Não existe, e é pena, pois há uma tradição guerreira, que os militares de vocação cultivam, inerente à génese da democracia – portanto, garante da liberdade sobre a qual se erigiu o Estado de direito. A religião e o exército, para um fanático como o Anacleto, podem não passar de excrescências imperialistas que os amanhãs que cantam estão fadados para apagar da História, daí ter carregado de lança em riste contra moinhos. Mas bastaria recordar os inventores atenienses da “política”, recordar Rousseau, recordar o 25 de Abril, para reconhecer que um exército não é mau nem bom, depende. Depende da comunidade.

No vídeo musical à disposição acima, vemos um dos maiores sucessos populares (em visualizações) com cantores portugueses. Os valores de produção da coisa são paupérrimos e a realização é amadora. Contudo, o efeito de mergulho emocional na audiência é imediato e os mecanismos de narrativa presentes (elementos das Forças Armadas Portuguesas, o apoio médico e social à crise, a bandeira nacional, a letra patriótica, a melodia lírica – e os artistas, com a sua semiótica corporal e vocal) despertam um sentimento de ligação colectiva profundamente envolvente. Ninguém de ninguém sai da experiência que o vídeo oferece com vontade de pegar em armas, de culpar chineses ou de abolir direitos cívicos. É precisamente ao contrário, ficamos unidos subjectivamente a qualquer outro ser humano que se encontre a sofrer ou a ajudar quem sofre – independentemente do género, idade, cor da pele, nacionalidade e profissão. Queremos imitá-los, ou saudá-los, agradecer-lhes.

Portugal teve uma guerra colonial que causou milhares de mortos, feridos, mutilados e traumatizados. Quando o regime mudou, esta gente foi alvo de esquecimento, desprezo e mesmo ostracismo. A um sofrimento indizível, o combate onde se pode morrer de um momento para o outro, seguiu-se um sofrimento inefável, a morte lenta na pobreza, na dor e na impotência. A cegueira ideológica à esquerda nunca se preocupou com eles e a cegueira ideológica à direita apenas os explorou oportunisticamente. E, apesar dos pesares, nos militares está depositada a arte da guerra sem a qual não teríamos sobrevivido como espécie e não nos teríamos civilizado.

A cegueira ideológica, ou egocêntrica, é um combustível inesgotável para os nossos comentadores profissionais.

Revolution through evolution

Children Who Hold “Benevolent” Sexist Views are Also Likely to Possess “Hostile” Ones
.
From watching reruns to relationships, there are many ways of feeling connected
.
Infant temperament predicts personality more than 20 years later
.
From Voldemort to Vader, fictional villains may draw us to darker versions of ourselves
.
People may know the best decision – and not make it
.
In Epidemics, the Wealthy Have Always Fled
.
‘Disease triangle’ indicates COVID-19 peak isn’t the end
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Quem tramou Armando Vara? Nós todos (Ep1)

Foi o pulha certo para a pulhice do momento. Quando André Ventura declarou que o estado de emergência iria trazer de volta a “cultura da impunidade” estava a usar uma senha criada por Paula Teixeira da Cruz enquanto ministra da Justiça – “o tempo da impunidade“/ “o fim da impunidade” – a qual foi explorada à outrance por uma maioria parlamentar, um Governo, um Presidente da República, uma procuradora-geral da República, um procurador e um juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal como capa de perseguições políticas contra Sócrates e qualquer outro cidadão, com ou sem ligação ao PS, que pudesse ser apanhado e carimbado pelo Ministério Público como “cúmplice socrático”, num frenesim mediático-judicial que ainda hoje continua e continuará durante décadas na direita decadente.

Ventura apontou os holofotes para Armando Vara. Era o exemplo que tinha para dar do iminente, eminente e assustador perigo do estado de emergência, ver-se um fulano que foi condenado a 5 anos de prisão por causa de supostos crimes pecuniários tentados que nunca se realizaram, e por causa de 25 mil euros que nunca se descobriram na sua posse nem há prova de lhe terem sido entregues, a sair de um estabelecimento prisional por questões de saúde e ir para prisão domiciliária durante o período da pandemia. Acontece que Ventura estava a acertar em cheio no sentimento nacional, daí o silêncio com que a sua expressão de ódio desumano e violência cívica foi recebida. O regime e a comunidade concordam com o Ventura nesta matéria. Vara não merece perdão nem misericórdia.

Este blogue nasceu em Novembro de 2005 e, in illo tempore, eu não tencionava escrever sobre política corrente. Havia quem o fizesse sistemática e apaixonadamente no grupo inicial, o qual rapidamente cresceu com outras vedetas de igual calibre e vocação. Mas o balão rapidamente esvaziou e, apenas 6 meses depois, o blogue sofreu uma debandada quase geral e esteve para desaparecer ainda antes do Verão de 2006. Três malucos aguentaram o barco e eu aceitei manter a herança do posicionamento inicial, começando a dizer disparates sobre o quotidiano da governação e dos partidos. Factores imprevistos levaram a que o Aspirina B ganhasse uma notoriedade na então “blogosfera política” que ultrapassou a mais fantasiosa capacidade de previsão que tivesse alguma vez tido. Quando vi o Pacheco Pereira na Sábado (portanto, a troco de dinheiro) a garantir que este e mais dois blogues davam guarida a membros do Governo de Sócrates que neles escreviam sob anonimato – isto ao mesmo tempo que acusava esses blogues de lançarem calúnias, para ao mal não faltar a caramunha – não tive apenas uma experiência de pasmo hilariante, igualmente recebi uma profunda lição de antropologia.

Nestes quinze anos de acompanhamento diário da política nacional e de introdução à ciência política tenho sido um inveterado aprendiz. As minhas opiniões não ultrapassam a banalidade descuidada e não me recomendo a ninguém, antes sugiro a quem passa que gaste a ligação à Internet, ou o corpinho, com actividades que não provoquem remorso pelo inevitável desperdício dos preciosos neurónios. Porém, cumpro-me ao revelar neste dia comemorativo da liberdade e da democracia nacionais que a mais importante aprendizagem sobre Portugal, até à hora em que teclo, foi obtida ao ver a totalidade das audições da II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco. Motivava-me o retrato que Marques Mendes e Manuela Moura Guedes, para dar só os referentes mais espectacularmente doentios, fizeram na televisão a respeito de um indivíduo de seu nome Armando Vara. Disseram que ele era, em simultâneo, o maior dos incompetentes e o mais sofisticado dos ladrões. Acusaram-no de ter sido o singular arquitecto ou o sabujo verdugo da ruína de bancos e do Estado. Cuspiram-se para a câmara no desvario bacante de o assassinarem simbolicamente.

Ora, não se concebe situação de maior fragilidade política do que essa de já se estar acusado, condenado e preso e ainda ter de sair da cadeia para enfrentar um tribunal só de políticos. Um tribunal político onde todos os intervenientes, à excepção do inquirido, trabalham para a acusação. O único advogado de defesa permitido tratando-se de Armando Vara, o primeiro e único preso na História de Portugal por crime de tráfico de influências à data, só podia ser o próprio. O próprio contra todos, sem condições de se preparar para o embate e carregando a certeza de ir ser alvo de insultos, ofensas, humilhações e desprezo odiento durante o tempo da sua exposição na Assembleia da República. Parecia-me uma ocasião imperdível para, finalmente, ficar a conhecer os podres dessa figura que representa por antonomásia a corrupção e o alarme público, como agitou o Ventura há dias. Como é que ser tão desprovido de competências bancárias e tão manifestamente criminoso conseguiria resistir à avalanche de factos, de argumentação litigante e retórica letal que foi lançada contra a sua desgraçada pessoa por impolutos e ferozes deputados?

O que encontrei dividi em 12 episódios. Cada vídeo apresenta uma intervenção por partido que se reproduz na íntegra, mantendo a ordem sequencial da sessão. Acrescentei o vídeo da ronda final, em que todos os partidos lançam perguntas para Vara responder em conjunto e onde também deixa a sua última declaração, e ainda o vídeo da sua declaração inicial, prévia às intervenções dos deputados, a terminar a série.

Se alguém fizer o que fiz, ouvir as partes com sagrada curiosidade, vai ter um hercúleo trabalho para não se comover com o linchamento que nós todos estamos a fazer, ou a deixar fazer, a este cidadão, a este português, a esta pessoa.

.
.