Todos os artigos de Valupi

Revolution through evolution

Study shows gardening may help reduce cancer risk, boost mental health
.
Yes, it’s true – a walk in the woods actually helps with anxiety and depression
.
Good hydration linked to healthy aging
.
Time-restricted eating reshapes gene expression throughout the body
.
Travelling farther away from home linked to better health
.
Perfectionists are more likely to burn out, extensive study suggests
.
A brain game may predict your risk of infection
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Dominguice

Num Estado de direito democrático, a oposição parlamentar e a imprensa desfrutam de variados direitos, liberdades e garantias estabelecidos constitucionalmente. Com eles podem fiscalizar e questionar os actos governativos e os governantes, assim como demais entidades públicas e privadas. Para além disso, o cidadão pode fazer uma denúncia no Ministério Público acerca de qualquer indício de ilícitos relativos ao Governo e/ou aos governantes. Em Portugal, não se conhece o mínimo entrave ou limitação à actividade da oposição parlamentar e da imprensa, nem ao acesso ao Ministério Público por parte dos cidadãos. Subterraneamente, usa-se a comunicação social para lançar suspeitas contra o Governo e/ou os governantes que podem dar origem a inquéritos judiciais ou ficarem a pairar como difamações e calúnias. Nos casos extremos, como no Face Oculta e na Operação Marquês (os exemplos mais importantes pela sua extensão e gravidade), agentes judiciais cometem crimes conluiados com responsáveis da imprensa para atacarem judicial e politicamente os alvos governativos e seus próximos. Estes crimes são aceites pela sociedade e pelo regime como uma prerrogativa da direita portuguesa.

Como ensina a Filosofia, a Física e a filha-da-putice, há sempre uma pulsão para o caos por melhor organizado que seja o sistema.

Entretanto, na realidade

A ministra falou ainda sobre a moção de Censura ao Governo, apresentada pela Iniciativa Liberal, esta quinta-feira, no Parlamento — e que contou apenas com o apoio do Chega. Para Mariana Vieira da Silva, foi a prova de que a oposição está dividida e sem ideias para o país.

"A moção de censura ao Governo, além de ter chumbado, nem sequer uniu a oposição — nem sequer uniu a oposição de direita", atirou.

"Aquilo que demonstrou é que nenhuma força política, mais ninguém, tem um caminho para o país enfrentar a crise que tem pela frente", concluiu.


Fonte

Daniel Oliveira, especialista em “Meu rico Pedro Nuno Santos”

Em 3 de Maio de 2018, à tardinha, Daniel Oliveira ainda não odiava António Costa. Precisamente ao contrário, estava-lhe muito grato, até embevecido ou reverente, porque tinha conseguido meter o primeiro-ministro na emissão inaugural do seu novo projecto comercial: Perguntar Não Ofende. A entrevista não acrescentou nada ao “jornalismo” convencional na categoria. O formato apenas pretende legitimar a farronca do autor em ordem a se poder esticar na publicitação das suas próprias ideias em vez de se concentrar na interrogação e explicitação das ideias dos convidados. Mas inclusive por aí estamos condenados à irrelevância.

Nisto chega 2019 e o PS ganha as eleições. Daniel Oliveira começa a odiar António Costa porque o socialista preferiu respeitar o seu programa eleitoral e não aceitou governar com as políticas do Bloco, apesar de continuar em minoria no Parlamento. Um ódio que crescia na relação direta em que Costa ignorava o boicote dos bloquistas e conseguia aprovar Orçamentos com o PCP. Na crise de 2021, que levaria a eleições em 2022, o prolixo comentador andava de cabeça perdida e tinha-se entregado de alma e influência mediática ao mais retinto assassinato de carácter do primeiro-ministro e secretário-geral do PS. Jurava que Costa ia fugir para Bruxelas onde ficaria como serviçal do imperialismo capitalista e a viver como um nababo. Um Durão Barroso, mas em pior, pois tinha atraiçoado tudo e todos, o povo e o sonho lindo da Geringonça, só para satisfazer a sua monstruosa e sórdida ambição de vaidade, riqueza e mordomias.

Eis o palco em que o maniqueísmo de chinela e alguidar se cristalizou como retórica oficial do Sr. Oliveira. Invariavelmente, qualquer peripécia com polémicas e saídas de membros do Governo passou a ser um delenda Carthago apontado a António Costa, pintado como reles manipulador dos cordeiros sacrificiais que se tinham juntado a ele, levados ao engano pela sua desvalida inocência. Uma dessas vítimas imberbes, garantiu e garante o visionário a soldo do Balsemão, é Pedro Nuno Santos. Este socialista aparece-lhe com a aura messiânica de ser o profeta da Geringonça, aquele que levará a esquerda pura e verdadeira para a terra prometida: poder servir-se de um Governo socialista para aplicar as suas opções ideológicas sem carecer de respaldo eleitoral.

Quod erat demonstrandum:

«Claro que Pedro Nuno Santos, longe do governo, perde boa parte do poder que tem no aparelho do PS. Mas António Costa preferia tê-lo lá. Frágil, com o dossier do aeroporto arrancado das suas mãos e a ser torrado no dificílimo (mas indispensável) objetivo de salvar a TAP. Assim, pairará, como Alexandra Leitão, mas com muitíssimo mais impacto político dentro e fora do PS. Se o governo correr bem, estará longe do poder e perderá esta oportunidade. Mas tem 45 anos, muito tempo para regressar. Se correr mal, e há tanto por onde correr mal, estará fora, pronto para assumir um caminho alternativo para os socialistas. Ninguém dirá que qualquer desavença política com Costa é fruto do ressentimento, porque toda a gente sabe o que politicamente os divide desde o dia em que a “geringonça” acabou. O que para um foi um expediente para segurar o poder, para outro foi um projeto político.»

Fonte

Pacheco Pereira, especialista em “teses interessantíssimas sobre Santo Agostinho”

O melhor cómico da actualidade chama-se Pacheco Pereira. Num dos palcos onde actua, acaba de produzir um número de gargalhar a bom gargalhar. Começou por reconhecer que aquilo que ali produz, dizer coisas sobre a política nacional, não passa de uma actividade que vive de si própria, da performance. Porém, não retirou daí qualquer consequência ética, cívica, sociológica ou até cultural. Porquê? Porque adora ser muito bem pago, e ter protagonismo mediático, pela logomaquia há décadas despejada no espaço público. São as delícias do moralismo profissionalizado, o qual acaba sempre na suprema auto-indulgência. O apreciador do talento humorístico do eterno Pacheco solta aqui a primeira gargalhada. Depois reconheceu que esta crise com Alexandra Reis, que levou à demissão de Pedro Nuno Santos, não tinha especial gravidade, quase nenhuma importância. Na prática, ofereceu-se para director de comunicação do Governo, detalhando o que ele teria feito e mandado fazer para abafar a polémica logo ao início. As gargalhadas rebentam ainda mais sonoras. No fim, ao simular o elogio fúnebre de Joseph Ratzinger, saiu-se com esta maviosa pilhéria:

"«Eu conheço os textos dele. Ele tem uma tese interessantíssima sobre Santo Agostinho.»

Infelizmente, não teve tempo para sequer deixar meia pista a respeito da substância desse alto interesse apregoado. Ora, não se duvida que o dono da magnífica biblioteca da Marmeleira conheça nalguma extensão a obra teológica e filosófica de Bento XVI, sendo capaz de expor com erudição e eloquência as inevitavelmente superficiais razões pelas quais o considera uma sapientíssima figura do catolicismo contemporâneo. O que já não se concebe é a situação em que o Pacheco educador da classe política conseguisse justificar o supino interesse da tese de Ratzinger sobre Santo Agostinho — pois para isso o nosso craque teria de ser o que não é: um especialista em Santo Agostinho. Santo Agostinho, senhores ouvintes, quem é que queima as pestanas a ler teses sobre Santo Agostinho para saber o que é interessante ou imitação na oceânica literatura ao dispor?

Assim, o que fica é tão-só a sua pulsão para épater les burgessos, indo sacar aos fundilhos da memória um texto que calhou ler já nem ele se lembra quando e que, nesta ocasião, lhe garantiu o sentimento de superioridade intelectual sobre a cáfila de brutos que nem sequer imaginavam que o falecido papa escreveu cenas tão impecáveis acerca do impecável Agostinho ladrão de pêras e completamente doente no que à sexualidade humana diz respeito. Santa gargalhada.

Para conferir

Marcelo, especialista no “português comum”

«O Presidente da República disse hoje que "há quem pense" que seria "bonito" a secretária de Estado do Tesouro prescindir da indemnização da TAP, ainda que a lei permita receber os 500 mil euros e exercer funções governativas.

"É como pensam muitos portugueses, dizem: a senhora saiu daquele lugar, tinha direito por lei a ter aquilo, mas na medida em que está a exercer uma função pública há quem pense que era bonito prescindir disso, atendendo a que está noutra função."

O Presidente da República considerou que "ao português comum, que vive com determinado salário, nessa situação de dificuldades, esses valores fazem-lhe muita impressão".»



Fonte

Seria interessante ouvir Marcelo a vocalizar os pensamentos do “português comum” a respeito da Igreja Católica, da cidadania, da democracia, da liberdade, da moral, da sexualidade, da igualdade de género, do racismo, da xenofobia, da classe política, da ciência, do regime, da Constituição e do actual Presidente da República.

Escusado esperar sentado.

Revolution through evolution

Females on average perform better than males on a ‘theory of mind’ test across 57 countries
.
People sleep the least from early 30s to early 50s
.
Computer Vision Is Superior to Surgeons in Identifying Spinal Implants
.
Spontaneous baby movements have purpose
.
Hunter-gatherer social ties spread pottery-making far and wide
.
Volatile pay for gig workers linked to health problems
.
‘Turning a blind eye’ a typical response to threatening managerial controls

2023, modo de usar

Caros amigos, que mil graças desçam sobre as vossas augustas cabeças e vos encham de maravilhas nos 365 dias a partir de hoje ao dispor. São estes os meus votos, façam favor de os usar para legitimarem a vossa soberania existencial.

Para 2023, recomendo que se gastem 3 meses a passear a pé, mais 3 meses a ler livros em papel, mais 3 meses a conversar com estes e aquelas, mais 3 meses a descobrir o fogo e a inventar a roda.

Prontos, o segredo para o melhor 2023 de sempre está revelado. Agora é com vossemecês.

Pode sempre ser pior

A ressacar de uma pandemia, Putin achou que essa era a janela de oportunidade perfeita para dar vazão à sua megalomania criminosa e imperialista. Pensava, ou alguém pensou por ele, que a Europa e os EUA iriam repetir a passividade com que viram a Crimeia ser abarbatada pela Rússia, deixando agora a Ucrânia ser anexada por inteiro e os ucranianos a sofrerem o castigo putinista, para não perturbarem as suas economias nem assustarem os seus eleitorados “ocidentais”. Enganou-se completamente no cálculo e assim arrastou o Mundo para novos sofrimentos e para uma insana ameaça de uso de armas nucleares na Europa. A tal “operação especial” que iria ser um passeio até Kiev é, na geopolítica, uma guerra que causará ainda maiores riscos internacionais se for ganha pelo invasor.

Por cá, esse evento recordou-nos do pior do PCP. E também nos deu uma chusma de maluquinhos “anti-ocidentais”, mistela do inesgotável antiamericanismo da esquerda pura e verdadeira com os antitudo, das vacinas ao Estado, passando pela defesa da democracia e da liberdade, e acabando na anti-inteligência. É uma lição a respeito do poder dos vieses cognitivos, essa condenação mental à estupidez que todos, sem excepção, transportamos nalgum grau. Só que no caso do putinismo deve-se ter tolerância zero face a quem escolhe apoiar, aplaudindo ou justificando, o responsável único pelas mortes e pela destruição.

Quanto à política nacional, são ainda os vieses a moldar o rumo dos acontecimentos. Deles veio o chumbo absurdo de um Orçamento. Daí vieram eleições com uma tão inesperada quanto irónica maioria absoluta do PS. A que se seguiu um período doentio em que não existe oposição viável, limitando-se os agentes políticos à esquerda e à direita a envenenar o espaço público em vez de pensarem a coisa pública.

Um ano de merda? Não, pá, foi o melhor 2022 de sempre. Podia ter sido tão pior, né?

Serviço da IL ao PS

IL já entregou moção de censura. Governo posto à prova na quarta-feira

As oposições não resistem a reduzir a política ao circo mediático onde são levadas ao colo. As suas energias são dirigidas ao “desgaste”, à “destruição”, do poder vigente. Daí adorarem as crises políticas, quanto maiores melhor. Onde se podem exaltar, mostrar as favolas, imaginarem-se generais a dar ordem para invadir a cidadela cercada.

Nada aprendem com os resultados eleitorais. Nadinha de nada.

Pois é Marcelo, faz qualquer coisa

João Paulo Ribeiro pensou na coisa, já a tinha pensada há muito, e não perdeu a oportunidade. Chegou-se à frente e disse das boas ao Presidente. Disse-lhe as verdades, a verdade do verdadeiro povo: Marcelo confrontado na rua: “O senhor fala muito bem, mas não faz nada”

Vamos assumir que a dupla João Paulo Ribeiro&João Paulo Ribeiro (pai e filho) representam as populações na base da pirâmide social e, num improviso, conseguiram articular os seus maiores problemas e carências frente às câmaras. A ser assim, segue-se que em Portugal, “há 40 anos”, “os tribunais não trabalham, não temos saúde, não temos educação, não temos justiça.” Mais: o Presidente da República não faz nada, apenas fala bem, e a ele se deve, por omissão, que Sócrates tenha recebido 3 mil euros por mês estando preso, isto enquanto um bombeiro ganha só 400 euros. Há também uma referência à actualidade dos baldes de água no combate aos fogos.

Pai e filho estavam exaltados, e por uma excelente razão: se a ideia é confrontar o Chefe de Estado no meio da rua, não temendo os seus seguranças e demais forças da ordem, há que ter ponderosos motivos para tal. E o pai, pelo menos esse, tinha. De facto, passarem-se 40 anos e ainda não termos saúde, educação e justiça é demais. Precisamos de quem nos dê isso e já, alguém que “faça alguma coisa”.

Podemos achar que os dois senhores são densamente broncos, ou que estavam alcoolizados, ou que é uma questão de temperamento, ou que terão uma fulgurante carreira política no Chega. Tudo inútil para o que mais importa, o qual é relativo à atitude de Marcelo. Ele foi paciente, compassivo, até amoroso. Na ânsia de conseguir falar, e de dizer algo objectivamente relevante no contraditório, ocorreu-lhe a temática da descida na mortalidade infantil. Seria a prova de que os tais 40 anos sempre serviram para, pelo menos, nos podermos orgulhar desse feito mesmo que o resto da saúde nacional fosse inexistente. Perante a chegada dos bebés, João Paulo Ribeiro pai, e muito a propósito, de imediato ripostou “Não venha agora com panos quentes!” Os panos quentes, na sua hierarquia de valor, deviam era ser enviados para os tais bebés a precisar de cuidados em vez de os sentir a atingir-lhe a mioleira. Ora, podia Marcelo ter respondido de forma diferente, e mais proveitosa para a Grei, face ao descontrolo emocional da dupla? Sim.

Marcelo devia ter parado. Ficado a ouvir. E depois convidar os senhores a irem ao Palácio de Belém conversar com ele com mais tempo, com chá e bolachas, com fotos no jardim, pois estava muito interessado no que eles tinham para dizer, queria conhecer as suas soluções para as questões que lhes estavam a causar tamanha indignação, tamanha fúria. Se eles aceitassem, Marcelo conseguiria gerar uma onda de agrado popular e popularucho tão ao seu gosto. Assim, incapaz de sequer acalmar um pobre diabo, e validando com a sua cumplicidade nas referências a Sócrates e Salgado o lumpenchunguismo que a direita anda há 15 anos a alimentar (e donde nasceu Ventura pela mão de Passos), o que fica é apenas uma exploração mediática da fragilidade de um Presidente da República, por um lado, e uma promoção da violência política dos decadentes, pelo outro.

A demissão de governantes como antidepressivo

A decisão de Fernando Medina, ao demitir Alexandra Reis, justifica-se pelas razões que o comunicado respectivo aponta: necessidade política face às características processuais e financeiras do episódio numa empresa com capitais públicos.

Numa outra ladeira desta caso, para lá da felicidade dos populistas, há a registar que a hipocrisia reina suprema nos cínicos e nos moralistas profissionais. Como sempre, desde que há que registos históricos da sua actividade. Porque a demissão da senhora não resolve problema algum, seja lá ele qual for. Nem dela se retira lição alguma, seja ela qual for. É apenas carne para o canhão da violência simbólica e da vanglória.

Revolution through evolution

Men may not ‘perceive’ domestic tasks as needing doing in the same way as women, philosophers argue
.
Male gender bias deters men from some career paths
.
Children and young people need lessons in building strong relationships to counteract negative role models and “Disneyfied” portrayals of love, experts say
.
New study examines links between parents’ income and sexual orientation of their children
.
Research shows significant cardiovascular benefits at 6,000 daily walking steps at any pace
.
More than fun and games: Celebrations can benefit your health and well-being
.
People find good in villains
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Dominguice

Se um electrão é exactamente igual a outro electrão, um fotão a outro fotão, uma célula a outra igual célula, então, provavelmente, certamente, absolutamente, a consciência subjectiva, o eu na sua nudez, sem a personalidade e as memórias, sem o corpo e a situação, será também exactamente igual em todos nós, em todos os seres conscientes de si próprios.

A ser assim, e assim é, têm razão os proponentes da Teoria Quântica de Campo. E os místicos.

A TVI descobriu que Santos Silva é rico

José Eduardo Moniz é o director-geral da TVI e na TVI trabalha Sandra Felgueiras. Dois pesos-pesados na indústria da calúnia, e a receita fatal para isto: Exclusivo. Amigo de Sócrates ainda lucra milhões com o Estado

Quem perder o seu rico tempo a ler ou ouvir o conteúdo da peça vai descobrir que a TVI descobriu ser Santos Silva um fulano que tem muito sucesso nos negócios há perto de 40 anos, talvez mais. O espectador atento também ficará na posse de uma informação potencialmente chocante: existem em Portugal autarquias onde o PS venceu as eleições respectivas e cujos executivos autárquicos recorrem aos serviços de empresas de Santos Silva ou a grupos onde as empresas de Santos Silva estão presentes juntamente com outras. Naturalmente, tal situação não é algo a que José Eduardo Moniz e Sandra Felgueiras consigam responder com indiferença, eles tinham de fazer algo, tinham de reagir.

O discurso é chunga o suficiente para se topar logo qual é o plano. Trata-se de tentar boicotar os negócios de Santos Silva, pelo menos com entidades públicas. Razão? Sócrates. Existindo Sócrates não se justifica que existam para terceiros a decência, a deontologia de imprensa e o Estado de direito. Qualquer pulha assina por baixo este axioma. Donde, há que perseguir sem descanso os alvos da canalhice encartada, de preferência conseguindo causar-lhes irreparáveis danos na reputação e no património. Se depois acabarem ilibados na Justiça ou lá perto, pelo menos deste tratamento já não se safam. E, no arrastão, seja quem for que tenha ligação profissional, social e/ou pessoal aos diabolizados recebe pela mesma tabela.

O absoluto silêncio, quando não é aplauso, com que o regime, a sociedade e a comunidade aceitam o permanente linchamento dos agora acusados na Operação Marquês é um zilião de vezes pior do que a pior versão (a ser verdade) das calúnias que sobre eles se abateram.