25 thoughts on “LEMBRAR NATÁLIA”

  1. Gosto da escrita do Eduardo Pitta. E também gostava (ainda gosto) da Natália. Mas era desnecessário o folclore da deslocação “aos matos da Guiné”. Afinal, o Spínola estava em Bissau…

  2. Caro Valupi, óptima ideia de lembrarmos e homenagearmos Natália. Nunca será demais.
    O que me causa estranheza, é donde veio a idéia de que Natália foi apoiante da Fla?

  3. ora nem mais, não sabia do aniversário mas andava a farejar dentro do Cantares dos Trovadores Galego-Portugueses dela, e agora no Lulio. Para a homenagem à Natália fica a versão original transcrita de uma estrofe de uma cantiga de Gil Condes, 1º metade do século XIII:

    Já eu non ei por quen trobar
    e já não ei en coraçon,
    por que non sei já quen amar;
    poren mi míngua razon,
    ca me filhou Deus mia senhor,
    a que filh’o Demo maior
    quantas cousas que suas son.

    Andará por aqui o Reis? Agora deu-me saudades.

  4. caro Z, ou pequeno rectángulo,ou infinito: obrigado pelas saudades da nossa fermosa lingua de origem, lá vai mais outra tambem com saudades.

    Como vivo coitada, madre, por meu amigo,
    ca m’enviou mandado que se vai no ferido:
    ¡e por el vivo coitada!
    Como vivo coitada, madre, por meu amado,
    ca m’enviou mandado que se vai no fossado:
    ¡e por el vivo coitada!
    Ca m’enviou mandado que se vai no ferido,
    eu a Santa Cecilia de coraçón o digo:
    ¡e por el vivo coitada!
    Ca m’enviou mandado que se vai no fossado,
    eu a Santa Cecilia de coraçón o falo:
    ¡e por el vivo coitada!

  5. pois isto dos amores dá cabo de qualquer um, vá lá que os amores por pontes são eternos a menos de um desmoronamento, o que aliás também acontece, mas pronto.

    Agora o Ramon Lull, Livro do Amigo e do Amado:

    123. Perguntaram ao amigo quais são as maiores trevas. Respondeu que a ausência do seu amado. Perguntaram-lhe qual é o maior resplendor e disse que é a presença do seu amado.

    124. O sinal do amado aparece no amigo que por amor está em tribulações, suspiros e choros, pensamentos e em desprezos das gentes.

    conclusões práticas:

    – 1 cebola na sopa e nem pensar em mais!
    – antiácidos e lexothans na vizinhança das mochilas
    – a ver se passa

    por causa das coisas o amado depois passa a Amado, Deus, que é para ver se aguenta tanta borrasca que aquilo vai por ali fora que não digo nada

    Reis: és um pachola pá, podes namorar com a Edie que eu sou um ciumento do caralho mas no teu caso contenho-me,

    Edie: era *

  6. isto aqui é namorad@s virtuais, não faz mal!

    Olhem lá: com isto das dívidas públicas a disparar aposto que se vai mesmo convergir para uma federação ibérica para ter peso negocial junto do BCE fazendo ponte para Africa e América Latina, e assim o Saramago terá aberto o caminho com a Jangada de Pedra (que não li). Será? Não faço idéia se é bom. Noutro dia tropecei numas bandeiras de mil oitocentos e muitos e a bandeira nacional de Espanha ainda lá estava com o escudo de Portugal pespegado em posição de topo, central.

    Edie: acastela-se no horizonte uma temível sopa de agriões com duas cebolas médias a ouriçar os astros,

    Só vejo youtubes aos soluços daí andar tão pouco participativo about.

  7. Podemos fazer aqui um botequim virtual em homenagem à Natália, acho que ela gostava. Imagino-a sentada na poltrona de cabelo apanhado a fumar boquilha. E sim, diz quem sabe que ela era um espanto de beleza lá pelo Chiado noutros tempos, que é como quem diz agora

  8. adiro já e daqui a pouco ao botequim virtual da Natália.

    Se te portares bem (mas mesmo bem), ainda te digo o segredo da minha especialidade em sopas: sopa tailandesa de camarão. E não leva cebola!

    (isso dos soluções no youtube é que é uma maçada :(

  9. sopa tailandesa de camarão deve ser um must, mas olha que se me dá uma fuçanga eu descubro até sózinho. Ou melhor, invento que acho mais piada.

    Que chatice: picaram-me a sério para eu farejar os Painéis, esses com maiúscula, e aquilo dá azar ao que dizem, mas cheira-me que não resisto.

  10. Sobre aquela coisa que as leis da física não explicam (por muito que o Hawkin se torça)

    Do sentimento trágico da vida

    Não há revolta no homem
    que se revolta calçado.
    O que nele se revolta
    é apenas um bocado
    que dentro fica agarrado
    à tábua da teoria.

    Aquilo que nele mente
    e parte em filosofia
    é porventura a semente
    do fruto que nele nasce
    e a sede não lhe alivia.

    Revolta é ter-se nascido
    sem descobrir o sentido
    do que nos há-de matar.

    Rebeldia é o que põe
    na nossa mão um punhal
    para vibrar naquela morte
    que nos mata devagar.

    E só depois de informado
    só depois de esclarecido
    rebelde nu e deitado
    ironia de saber
    o que só então se sabe
    e não se pode contar.

    Natália Correia

  11. beleza fatal! Mas portanto Natália está viva, como se comprova, e os meus pézinhosões aos léu ficaram ora inteiriçados ora espreguiçados,

    Oriental Lounge in between,

    e agora:

    lavar louça, homenagear os dralas,
    etc
    e
    esticar

    patas

  12. namorad@s virtuais

    ⅀ acho que sim que para chegarmos a jangada de pedra será juntado as dividas, embora ja se estão a dar passos importantes como o do “treinador a días” da seleção portuguesa, o Mourinho, que treinara nos dous paises o mesmo tempo, um bocadinho lá e outro cá. Isto ja é a jangada de pedra de verdade.
    edie: rebeldía é o que põe na nossa mão um punhal para vibrar naquela aquela morte qeu nos mata devagar…… belo .

  13. (agora namoram vocês que isto vai dar kapikuada da forte e eu ando destreinado! Tenho de ir passear, tomar Sol e pensar no assunto, eu bem digo que isto é só preocupações ;)))

  14. hum!, afinal nada de kapikuas à vista. Melhor, é um tempo de sossego. Mas à cautela vou guardar. Ui, eu agora para guardar uma coisa tenho de achá-la um diamante.

  15. Quen puidera namorala

    No niño novo do vento
    hai unha pomba dourada;
    quen puidera namorala,
    quen puidera namorala,
    meu amigo.

    Canta o luar e o amencer
    en frauta de verde olivo;
    quen puidera namorala,
    quen puidera namorala,
    meu amigo.

    Ten ás de flor recente
    cousas de recén casada;
    quen puidera namorala,
    quen puidera namorala,
    meu amigo.

    Tamén ten sombra de sombra
    e andar de primeiro río
    quen puidera namorala,
    quen puidera namorala,
    meu amigo.

  16. Lembrar Natália é lembrar Bocage e a poesia erótica de que foi uma grande divulgadora. Contextualizando:

    [SONETO (DES)PEJADO]

    Num capote embrulhado, ao pé de Armia,
    Que tinha perto a mãe o chá fazendo,
    Na linda mão lhe foi (oh céus) metendo
    O meu caralho, que de amor fervia:

    Entre o susto, entre o pejo a moça ardia;
    E eu solapado os beijos remordendo,
    Pela fisga da saia a mão crescendo
    A chamada sacana lhe fazia:

    Entra a vir-se a menina… Ah! que vergonha!
    “Que tens?” — lhe diz a mãe sobressaltada:
    Não pode ela encobrir na mão langonha:

    Sufocada ficou, a mãe corada:
    Finda a partida, e mais do que medonha
    A noite começou da bofetada.

  17. Bom dia, amigos.

    Vamos lá então, eu continuo com o Llull:

    78. «Diz, louco: quando veio em ti o amor?» Respondeu: «Naquele tempo em que me enriqueceu e povoou o meu coração de pensamentos, desejos, suspiros, sofrimentos, e inundou os meus olhos de lágrimas e choros.»«O que te trouxe o amor?» «Belas formas, honras e valores do meu amado.» « Como vieram?» «Pela lembrança e pelo entendimento.» «Com que os recebeste?» «Com caridade e esperança.» «Com que os guardas?» «Com justiça, prudência, fortaleza e temperança.»

    K., estive a fumar um cigarro na soleira casa onde o Bocage nasceu, em Damão. Tem lá uma tabuleta a dizer, já não me lembro agora se é em Damão Pe

  18. já lembrei: é em Damão Grande.

    se tiverem possibilidades vão a Damão e Diu, é magnífico. out/Nov é o idela, apanhei lá um festival parecido com aquelas coisas da Iemanjá na Bahia. Goa não conheço.

    Edie: pois se esse f é o que imagino vou lá hoje talvez à hora do chá, tenho aqui um dissídio nos dedos dos pés, uns querem ir ao nimas, outros à livraria, e ainda tem os mindinhos que fazem birra porque não querem discussão em casa pela manhã; o dedão direito está meio de trombas, e já convoquei uma assembleia para o princípio da tarde: o pau é que preside por razãos de simetria e porque eu delego tudo o que posso hoje em dia para as instâncias competentes. Já a sopa de agriões afigura-se um oceano imenso de cebola. Estou a relêr A nave Invencível do Lem, que delícia, trinta ou mais anos depois.

    Reis: vou ali caçar um para ti.

  19. tá aqui:

    Nem de lançar a tavlado
    pagado
    non sõo, se Deua m’ampar,
    aqui, nem de bafordar;
    e andar de noute armado.
    sen grado
    o faço, e a roldar;
    ca mais me pago do mar
    que de seer cavaleiro;
    ca eu foi já marinheiro
    e quero-m’ oi-mais guardar
    do alacran, e tornar
    ao que me foi primeiro.

    Afonso X de Leão e Castela, o Sábio,

    a Natália traduziu assim:

    De lançar a tavolado
    agrado
    não tenho ou de bafordar;
    e se obrigado a rondar
    o faço de noite armado,
    enfado
    é o que tenho a lucrar.
    Partir e fazer-me ao mar
    prefiro a ser cavaleiro
    eu que já fui marinheiro
    e me quero resguardar
    de escorpiões e voltar
    àquilo que fui primeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.