O Sporting explicado ao seu treinador de futebol

Paulo, o Sporting tem orgulho da sua capacidade de sofrimento. Lidamos bem com travessias do deserto, árbitros empanturrados de fruta em trânsito para o Brasil, épocas natalícias, arquitectos com queda para o azulejo, goleadores em final de carreira, médios medianos, defesas em crise de identidade, guarda-redes frangueiros, treinadores copofónicos, treinadores rurais, treinadores artolas, treinadores cientistas, treinadores engenheiros do penta, presidentes com bigodes farfalhudos, presidentes cervejeiros, presidentes que não batem bem da bola, presidentes muito betos. Até aceitamos calados, mas tristes, a extinção do ecletismo que teve décadas de serviço público e foi glória do espírito amador. Todavia, contudo, porém, não admitimos que nos mandem calar. Ora, não só nos mandaste calar como deixaste que outros dois lampiões como tu, Moutinho e Veloso, repetissem o gravame. Por isso, e por não seres capaz de lidar com o verdadeiro leão Vukcevic, tens o estádio às moscas. Um estádio que sempre recebeu a mais leal, amorosa, entusiástica, apaixonada massa de adeptos. Um estádio que se une a uma só voz e canta. Perder com o Porto por causa do árbitro (o que, aliás, é mentira) não te devia dar o direito de revelar ao público que o Sporting paga ordenados a imbecis. Mereces um castigo valente, diga-se em abono da higiene no futebol. E perder com o Leixões não seria problema algum, se não fosse evidente teres perdido a equipa, teres perdido o bom-senso e teres perdido os adeptos. Espera aí, não te vás já embora – tens o telefone do Carlos Carvalhal?

11 thoughts on “O Sporting explicado ao seu treinador de futebol”

  1. É uma vergonha para todos nós. Só ele é que inventa esta treta de fazer a equipa todas as semanas com os que «trabalham» mais… Deve jogar quem jogou bem na semana passada – até uma lesão ou um castigo. Com esta conversa de loucos ele esconde o facto de ter escondido o melhor guarda-redes e o melhor médio avançado da equipa. Já no final da Taça com o Porto fez essa rábula. Depois dos 5-3 ao Benfica Vukcevic foi afastado da final. Porquê? Para enfraquecer a equipa mas ele (PB) está lá para a fortalecer. Ninguém lhe explica isto?

  2. Vejam as estatísticas do jogo.
    O Sporting teve um domínio avassalador:
    – mais posse de bola
    – mais remates
    – mais remates perigosos
    – mais cantos a favor
    – mais faltas sofridas
    – mais disciplina ( zero cartões)
    O melhor jogador do Leixões foi Beto (formado pelo Sporting, aliás).
    O Sporting falhou, apenas, num pequeno pormenor.
    Já agora comparem os golos marcados e sofridos pelo líder do campeonato português com os do líder do campeonato inglês mas os burros são o Scolari e o Paulo Bento, bolas que não há paciência… provavelmente queriam um Sporting a jogar à Benfica, a ganhar à rasca aos esfomeados da Amadora, a arrastar-se em campo, a meter o Binya para segurar o resultado e com o excelente guarda-redes Joaquim a atirar-se para o chão a fingir-se lesionado para queimar tempo.
    O Paulo Bento há-de ganhar a «Champions» e mesmo assim no Aspirina, dirão:
    – É pá o gajo é campeão europeu mas tem um penteado horrível…

  3. Valupi,
    Só as tuas palavras inspiradas e certeiras conseguiriam pôr um coração verde a sorrir. É uma graça seres tão engraçado na desgraça.

  4. De Puta Madre, bem visto!
    __

    shark, também tenho saudades de ver o teu Benfica na frente, devo confessar.
    __

    jcfrancisco, ele foi por um caminho que o irá perder ou ensinar. Veremos.
    __

    pedro oliveira, lembras muito a-propósito: Scolari. Começou bem, o cabrão. Se continuar, os que disseram mal dele ficarão como imbecis. Se for o meu caso, confesso-te que não me importo. Porque o prazer de o achar uma grande merda já ninguém mo tira. Odeio a sua noção das vitórias por “meio a zero”. Foda-se, que bosta de concepção.

    É o mesmo com o Bento. Sim, pode ganhar a Champions, mas isso não chega. Ou melhor, para mim não chega. Com certeza que até tu admitirás que o Sporting está sem futebol, a equipa joga presa numa solução que nunca dá espectáculo – excepção para a 1ª parte contra o Porto. Mas o mais grave é esta consciência de que algo está podre naquele reino. Vou dar só um exemplo: Djaló. É um caso de um jogador que não sabe o que tem de fazer, que está mal orientado.
    __

    J de João, tens um coração verde? Nesse caso, não te faltam os sorrisos, aposto.

  5. eu de clubes não percebo nada, desde miúdo que me irritou ver gajos que eu pensava amigos a mandaram-se farpas envenenadas logo segunda de manhã, no café ou no ginásio e continuava assim trinta anos depois, mas depois passava-lhes, também não percebo. Mas gosto do João Moutinho, vá, e tenho um Leão astral muito forte dentro de mim para o resto da vida.

    Quanto a caras de homens percebo bem e aliás tenho obrigação: não me importava nada de ser amigo do Paulo Bento, tem cara de que está todo lá, não dissimula o que lhe vai na alma, ou então não consegue, o que vai dar ao mesmo, e eu gosto disso. Falava era demais o que é um erro, ele não precisa, basta a expressão e ver o que acontece.

    Mas não acompanhei nada disto, e só vim aqui porque gosto da cara do gajo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.