O fantasma do Marquês de Pombal

Antes do Expresso, tinha sido o Público a largar a bombinha de mau cheiro:

As condições políticas, assinalam colaboradores de Cavaco, mudaram e muito. O Presidente está relegitimado, perante um governo minoritário, de Sócrates, antevendo-se um “papel mais actuante”. Numa versão benévola, na procura de consensos. Noutra, mais realpolitik, há outras fontes que antevêem momentos de tensão. Até pela degradação das relações entre Cavaco e Sócrates, que já existia, agravada pelas sequelas de campanha.

[…]

A campanha, com o caso BPN e da casa de férias, mas também as intervenções de ministros como Augusto Santos Silva, da Defesa, deixou sequelas no candidato. No discurso de vitória, na noite de domingo, Cavaco fez um discurso crítico, zangado mesmo, contra a “campanha suja” em que implicou os seus adversários na corrida a Belém. Colaboradores de Cavaco admitem que a relação de Santos Silva com Cavaco estará prejudicada com frases mais ácidas do ministro, ao dizer que o Presidente não se deve meter onde não é chamado.

.

Como bem lembrou Santos Silva em resposta, citando o discurso mais taralhouco que já se fez em Belém desde que naquele poiso foram levantadas paredes, a Presidência da República é um órgão unipessoal e que só o Presidente da República fala em nome dele ou então os seus chefes da Casa Civil ou da Casa Militar. Não podemos, portanto, visto ele ser uma pessoa que só diz verdades, estar agora a pôr em causa a sua palavra; até porque isso implicaria ter de voltar a nascer, e essa cena do renascimento, para sair em condições, à italiana, tem um custo que a malta que trabalha não tem hipótese de pagar. Quer isso dizer que os super-íntegros jornalistas do Público e do Expresso inventaram as notícias? Tal também não é crível, seria manter a fina-flor da imprensa pátria sob uma caluniosa suspeita que estes jornais desmentem pela constante probidade e deontologia exibidas em todas as suas edições, secções e aflições. Pelo que algo se terá mesmo passado, as referências ao núcleo duro, colaboradores e fontes de Cavaco têm de corresponder a uma realidade à prova de alto cepticismo ou baixa política.

A minha tese é a da assombração. Existe um espectro que habita nas instalações do Palácio desde finais do século XVIII. O seu ectoplasma é tão poderoso que até consegue convocar alguns jornalistas, seleccionados pelos seus dons mediúnicos, para longas conversas enquanto passeiam nos jardins. Só impõe duas condições: que os encontros sejam à meia-noite e que se tenha cuidado para não perturbar o sono do Presidente da República.

128 thoughts on “O fantasma do Marquês de Pombal”

  1. Muito bom. Mas as notícias não são mentira, são apenas honestas suposições desses “colaboradores”, categoria que abarca desde o chefe da casa civil ao cozinheiro, uma vez que ninguém sabe o que Cavaco pensa sem ser o próprio a dizer. E a julgar pelo que sai da sua unipessoal garganta, acho que nem ele próprio sabe muito bem.

  2. O governador do Banco de Portugal revelou hoje que “presumíveis fraudes” no valor de 750 milhões são responsáveis pela fatia de leão do buraco financeiro de cerca de 2 mil milhões de euros do BPN.

    Aceitam-se palpites sobre para onde escorregaram esses 750 milhões, não contando os bolsos do Loureiro.

  3. Se fosse tão fácil acertar na chave do Euromilhões como é “imaginar” o destino dos 750 milhões estávamos todos ricos. Ali pela zona baixa de Belém é capaz de se encontrar qualquer coisita…

  4. Cavaco vai fazer tudo para se livrar quanto antes de Sócrates para safar a sua imagem de trambiqueiro, que resultou do negócio das ações da SLN/BPN e da inacreditavel aventura na aldeia da Coelha. Safando-se, safa os seus amigos e o País que se dane. ´Pelo que ficou demonstrado nas célebres escutas de Belém, Cavaco especializou-se na “encomenda” de jornalistas. Já se percebeu que os jornais de referencia têm jornalistas à media da traficancia do PR Cavaco. Não se esqueça, o Cavaco, de que este vai ser o seu último folego politico e aqueles que agora se deixam comprar ficam com registos da tramoia para memórias futuras, que poderão render bom dinheiro. A casa d férias na Coelha pode transformar-se em retiro de vergonha. Nos tempos que correm é dificil esconder para sempre as golpadas mais bem montadas. Mais do que nunca será verdade o que diz o ditado: cá se fazem, cá se pagam.
    Não sei quem vai sair mais a perder quando Cavaco decidir incendiar o País para safar-se e aos amigos. S’o sei que a coisa vai ser feia, porque o incendio vai ser obra do gang do BPN, que tem dinheiro à farta, roubado do BPN, para fazer o incendio.
    Os discursos de vitória de Cavaco mostram que ele já deixou de pensar no País. E a sua comunicação social, que é toda a que temos, apostou no encobrimento em curso.
    A NET pode fazer alguma coisa. Talvez por isso a “direita” se encarniçou tanto contra o Magalhães para as crianças. Gente informada é inimiga dos mentirosos.

  5. “Não sei quem vai sair mais a perder quando Cavaco decidir incendiar o País para safar-se e aos amigos. S’o sei que a coisa vai ser feia, porque o incendio vai ser obra do gang do BPN, que tem dinheiro à farta, roubado do BPN, para fazer o incendio”.
    “A NET pode fazer alguma coisa. Talvez por isso a “direita” se encarniçou tanto contra o Magalhães para as crianças. Gente informada é inimiga dos mentirosos”.
    Difícil dizer mais e melhor! Por isso aqui fica a repetição sem desnecessários comentários.

  6. estou um pouco confusinhã, Val. :-)

    referes-te ao 1º? se sim, porquê finais – e não meados – do século ?
    se sim, porque não incluíste mais uma condição, e histórica, das orgias perturbadoras da tranquilidade da capital? :-)

  7. Explica lá as tuas contas, Sinhã, pois não estou a captar a lógica. Lembro-te que Sebastião José de Carvalho e Melo morreu nos finais do século XVIII.

  8. (um, dois, três: antenas no ar para captar):-)

    falamos, então, ambos, do 1º – pensava que tinha morrido na década de 50. mas não, tens razão, desculpa. :-) mas a das orgias apanhei bem sem procurar.:-)

  9. Orgias? Ora desenvolvam lá o tema porque há aqui um leitor atento.
    Que acham vocês do conceito? Eram malta para alinhar? Sou todo perguntas mas também sabem que sou gajo para debitar as respostas a quem queira perguntar.
    :)

  10. Os papagaios repetem sempre que o governo é minoritário.
    Ora nada podia ser maior mentira: é um governo maioritário, sem maioria absoluta.

    O único governo minoritário que existe em Portugal é o contra-governo formado pelo PSD, CDS, BE e PCP. Esse sim o governo das minorias.

  11. És um bazófias!
    (e se não souberes o que é procura mas não te esqueças que eu sou beirã…)

    Podes crer que já armei o banquito e estou sentadinha à espera.
    Depois posso fazer perguntas, posso??…

  12. E desde já recuo afirmando que numa primeira análise é a vergonha que atrapalha a concretização da maioria dos momentos de sexo em grupo espontâneo, uma vergonha que algures deu jeito a um poder qualquer incutir num dos raros momentos em que os seres humanos se permitem um vislumbre do paraíso como ele deveria ser. E não estou só a falar de movimentações colectivas…

  13. (Aliás, essa constatação de que seis seguidas é, no mínimo, uma sequência improvável em condições normais acaba por entroncar no cerne da questão que me traz aqui, aparentemente para falar sozinho acerca de um assunto que verdadeiramente interessa…)

  14. eu falei dos illuminatti e de shakespeare – de orgias de oralidade: as únicas que, de facto, me interessam.:-) das restantes nada sei nem me despertam interesse. prefiro vomitórios. :-)

  15. Eu contei sete…e só entre as 18:23 e as 18:35. Considero, pelo menos até agora, que valeu a pena ter trazido o banquinho. Não percebi bem a das 18:25. Podes explicar melhor? Isto, porque deduzo que estás a solicitar ao público alguma interactividade…

  16. Edie, quanto à que demos (porque partilhamos, bem vistas as coisas) a essa hora é um desabafo que tem a ver com uma realidade tão virtual quanto analógica. A malta do meu género gosta de falar acerca de sexo mas é no contexto da paródia e do comia e fazia e acontecia. Sempre que saco esse coelho da cartola, em qualquer dimensão, é vê-los a assobiarem para o tecto. Claro que isto é uma generalização, com tudo o que de distorcido tal implica…

  17. (e nós damos conta de quem quando o assunto é sexo a valer? de “si”? este si é o quê, podes explicar? eu pensei que, eventualmente, tinhas um outro entendimento de sexo a valer …)

  18. (e não venhas gabar-te das seis seguidas porque na minha estreia, tendo-te a ti por padrinho, sabes bem que dei cinco seguidas e não foram rapidinhas como estas…. seis seguidas é coisa de menino…)

  19. Por sexo a valer eu queria dizer sexo a sério por oposição ao fazia e acontecia no plano do supônhamos.
    Tens alguma dúvida quanto à minha definição de sexo a valer, maria?

  20. De todo, Edie.
    Sexo real e não fantasiado ou ambicionado era o que eu tinha em mente.
    Pelos vistos domino menos bem a língua do que gosto de acreditar…

  21. Temos acima um ponto de partida porreiro para o tema, se quisermos começar por grupos pequenos.
    Tive, um a seguir ao outro, simultâneos com a Edie e com a Teresa. E no plano da malandrice que acaba por nos dominar mesmo que desviemos para canto o que ocorre pensar?
    Pois tá claro que é isso mesmo.
    O sexo a três é um tabu, pinte-se a manta como se pintar, e o desconforto aterra na conversa sempre que ela cai para aí. Porquê?, pergunto eu que não percebo nada destas coisas…

  22. Tubarão, se bem fiz as contas os teus dois simultâneos tiveram uma diferença de seis minutos o que me leva novamente a perguntar-te o que é, para ti, sexo a sério…

  23. (e eu nem sabes o que faço mas um dia conto-te a história do sussurar ao ouvido enquanto lambo o umbigo… )

    (ao umbigo de quem? e só quase?)

  24. Neste contexto, sexo a sério é o que se faz por contraponto com o que diz.
    Mas a sério para mim não passa pelo cronómetro, embora seja menos de rapidinhas e mais das outras, com intervalos que visam apenas e tão só prolongar o momento.
    E acho que estás a fugir à questão…

  25. A fugir à questão? essa é que era doce. Eu não vim aqui para responder a perguntas, tu é que te disponibilizaste. Eu estou na plateia, primeira fila, e trouxe banquinho e tudo.

  26. Ah, queres show? Mas então vamos cingir-nos à questão do sexo em grupo para voltarmos à vaca fria. E não li qualquer pergunta directamente relacionada com isso…

  27. Antes que tirem conclusões erradas, nunca participei numa orgia. Mas já sei o pau que dá partilhar um espaço com mais do que dois intervenientes (o som ambiente é muito estimulante, não é?) e acredito perceber onde está a piada da coisa para quem alinha.

  28. Queres uma perguntinha, é? Então aí vai – essa do “já sei o pau que dá partilhar um espaço com mais do que dois intervenientes” tem especificações quanto a género ou consideras partilhar o espaço, sei lá, olha eu agora armada em maluca, com dois eles e uma ela? É que vocês são todos muito frescos no que toca a grupos mas esquecem-se de informar que macho alfa não gosta de misturas com outros machos alfa.

  29. Porra, o meu comentário não seguiu por falha na internet. Nem vou reconstruir, que isto já deu uma grande volta e pensando bem, pode ter sido uma mensagem subliminar para acabar com a conversa e passar à acção.

    (teresa, guarda-me aí o banquinho, que eu já venho). Té jázinho, shark

  30. Ok, vamos lá então.
    Não tenho mesmo qualquer renitência quanto à composição de um trio, acredita se quiseres.
    E com isso não abdico em nada do estatuto, sobretudo quando estamos a falar de sexo pela tusa e não misturamos as castrações emocionais e afins, se assumir que a minha forma de estar na cama com alguém é versátil o bastante para se adaptar a qualquer das opções.
    Até porque em ambas consigo encaixar os detalhes da minha sexualidade sem beliscar a bendita virilidade com que a sorte me bafejou até à data.
    Respondi à tua pergunta ou queres a coisa mais desenvolvida?

  31. Falou-se tanto de comida como de sexo, talvez não por acaso. Já meteu pistachios, uvas, azeitonas, massada de peixe, peixe simples e carne.

    Só não percebo, shark, porque dizes que as emoções são castradoras do sexo, para mim são motores . talvez seja porque tu és tubarão e eu tubaroa. Os tubarões têm um mecanismo hidráulico bastante simples…

  32. São castradoras do sexo nestes cenários concretos em que estamos a falar. E são-no porque o ciúme acaba (quase) sempre por gritar mais alto do que tudo o que interessa. Não estou a sacudir a água do capote, aliás.

  33. “(falar de) sexo pela tusa”, como dizes, significa, portanto, usufruir do gozo de ter três, quatro ou mais pares de pernas em grande entrelaçamento. O que eu digo é que isso pode não ser factor de tusa, mesmo que não haja tabus ou ciúmes à mistura.

  34. Pode não ser como ser antes pelo contrário, não é?
    Eu não faço a apologia da coisa, apenas lhe reconheço o devido lugar no âmbito da paródia e estranho a reacção alérgica instintiva da maioria das pessoas a quem isto calha em conversa, Edie.
    O sexo pela tusa faz parte, mesmo para algumas tubaroas com quem tive o prazer de tratar bem uns lapsos felizes da minha existência.
    Há muito tempo, claro…

  35. (edie, não gosto de bebidas brancas e como também não bebo whiskey sentada pode ser, ora deixa ver, assim com fogueira na frente, um vinho do Porto dos a sério)

  36. Estou aqui a beber os teus ensinamentos (está bem que já sei como acaba o filme mas enquanto dura sempre se aproveita alguma coisa)

  37. Ensinamentos? Eu sou um mero aprendiz. Sedento de aprendizagem, sem dúvida, mas com muitos frangos ainda por virar…
    Isto são tudo coisas que ouço dizer e depois tento apanhar aqui e além uma coisita ou duas.
    (Ou duas? Outra vez? Sou mesmo um coirão, já viste isto?)

  38. eu nada tenho contra almas vadias, tubarão. mas como a minha alma dança em sintonia com o meu corpo – são um bailado selectivo e, como diz o João, peculiar – nem ela é coxa nem ele é cego.:-)

  39. shark, claro que quando pode ser, também pode não ser. Portanto, para nós não há cocós.
    Proponho um cheers a três. Cheers!

  40. ah, assim de repente assustei-me…
    Olá, Adelaide, e bem vinda a esta pequena mas espontânea reunião acerca dos prazeres da vida com o Real Patrocínio de D. José.
    :)

    Tens alguma questão melindrosa com que me entales, a ver se a coisa adensa?

  41. Parece que houve aqui qualquer coiso interrompido…
    O banquinho era só p’ra ver a coisa na primeira fila. Mas prontos, p’ra próxima vou ser mais pontual.

  42. Adelaide, não foi susto, foi necessidade. Outros valores mais altos se levantaram e lá tive de levar o banquinho para outra freguesia.

  43. Teresa, vâ lá isto, que piada! Mas então o macaco nú foi perdendo peso e pêlos e isso é evolução? Já não lembro bem, quando chegar aí vou revêr, mas dá-me idéia que o Morris defendia que o cérebro tinha ido aumentando e isto era a dominação dos cabeçudos.

    No entanto agora vou é pedir a benção de Yemanjá e o resto que se ф.

    PS: eskupa-se uma ebentual interrupção de não sei quê

  44. Pois, não estou a perceber muito bem o que é isso, mas deve ser a velha história do tamanho não conta…
    A justificação de que hoje não precisamos de ser tão inteligentes não me convence, apesar de achar que os tipos das cavernas eram muito mais inteligentes que eu que me vejo à nora para acender uma lareira com lenha seca, pinhas, acendalhas e fósforos e os gajos com uma pederneira tratavam do assunto.
    Talvez seja mesmo pouco importante o tamanho – vocês têm o cérebro maior que nós e não se nota nada, antes pelo contrário… – e o segredo esteja na forma. Lembra-te da velha teoria dos antropólogos de que a inteligência está directamente relacionada com a cozinha, porque foi só quando se começou a cozinhar a carne que fomos perdendo musculatura nos maxilares o que permitiu ao cérebro desenvolver-se de outra forma. Sabes que no Síndrome de Down o atraso intelectual não se deve a um menor tamanho do cérebro mas a uma diferente disposição. O sacana do cromossoma a mais interfere principalmente a nível muscular, daí o facies semelhante entre todos, os problemas cardíacos, o polegar com inserção diferente e, principalmente, o défice cognitivo. A lassidão muscular no pescoço implica uma ligeira diferença no crânio, mais a direito atrás para que seja possível a cabeça manter-se erecta usando menos força, e isso faz com que o cérebro seja arrumado de forma diferente e as sinapses não se processem da mesma maneira (eu, por acaso, tenho uma teoria, fruto da experiência, que as falhas também devem ser químicas, porque a C., que tem um desenvolvimento fora de série, foi bombardeada até ao 1 ano com Dopamina, um neurotransmissor, que lhe foi dado por causa dos problemas cardíacos mas que me parece que teve efeitos “secundários” fantásticos; infelizmente ainda não consegui vender isto a ninguém… ).
    Voltando atrás, até ao Macaco Nu, o Morris, tal como dizes, associou a maior inteligência ao tamanho do cérebro mas, lá está, pode ter sido preciso ser maior enquanto não foi arrumado como deve ser. Parece-me é que esta nova teoria irá criar uma outra denominação para o homem actual, o homo ikea…

    Para acabar, que estou a ocupar as caixinhas do senhor marquês – será o de valmont? – toma lá uma citação do Morris sobre o tamanho do cérebro:
    “O bicho-homem orgulha-se de possuir o maior cérebro dentre todos os primatas, mas tenta esconder que tem igualmente o maior pênis, preferindo atribuir erradamente tal honra ao poderoso gorila.”

    Estamos conversados no que respeita a tamanhos?

  45. cabrinha, embarco hoje à noite de volta, fui ali namorar com yemanjá mas só daqui a duas horas é que me rebaptizo, ou melhor que seja só batizo, aquele p deve andar ali a mais,

    pois não sei mas tem piada esta nova teoria, eu ainda lá tenho o meu Nu (para que será o acento?, não boto!) mas só volto a pensar nisso depois.

    pois, as voltas da vida,

    eu ando que nem um eletrão reciclado quando leva com um fotão nos tilacóides lá do cloroplasto,

    isso aí é bonito.

    bjo

  46. excelente artigo e excelentes primeiros comentarios…
    Há assuntos que se não podem calar
    muito menos, deixar esquecer…
    aqui a net tem um importante papael em os manter em actualidade,
    de forma inteligente e sistematica,
    porque novas lutas, oportunidades, vão surgir
    para desmascarar tais de interesses e mafias,
    cujos custos para portugal tem sido bem duros, altos…
    é preciso destruir a mafia destes nossos “coelhinhos” asssociados…
    Creio que um deles ja devolveu uns milhões de euros…
    força Val

  47. Sobre o tamanho de cérebro, diz a Louann Brizendine n’O Cérebro Feminino, que o cérebro dos homens é cerca de 9% maior que o das mulheres,mesmo descontando as diferenças de dimensão corporal. No entanto, o número de células cerebrais é igual nos dois géneros!
    É uma questão de compactação, há menos espaço “inútil” no cérebro feminino, por assim dizer.
    Talvez seja a este tipo de evolução que se está a assistir.
    Já os computadores passaram a micro sem perder capacidade, antes pelo contrário.

  48. hummmmmmm, isso tem muito que se lhe diga, como pode haver espaço ‘inútil’ no cérebro?

    Mas lá que a notícia tem piada, isso tem. Eu sempre achei os esquilos com cara de espertos, ora as lontras nem falar, e os castores muito atarefados, e os gatos, e etc., fico muito contente se finalmente alguma racionalidade me permitir ser cientista e tomá-los por meus pares.

    Vocês, mulheres, estão com o meu apoio genérico na atual modalidade de enunciação do mundo, por um lado por causa da minha costela edipiana a que não posso escapar, ou não quero, por outro lado porque gostaria de escusar-me a ver uma nova grande guerra, velha solução da testosterona face às crises económicas, e isso anda no ar.

    E também porque não se vê homens felizes, talvez algumas honradas excepções, lá vou eu parar ao Mandela, mas eu queria dizer na rua, tirando o alcool e eu não chamo isso felicidade, mulheres felizes vê-se à solta na rua, como diz o Caetano.

    Mas vai daí depois sai-me logo tudo ao contrário, por causa daquilo da dialéctica. Já conhecíamos a dama de ferro que começou logo por tirar o copo de leite gratuito aos miúdos, e depois deu-lhe uma sanha contra os prof.s, com Maldivas e tudo. Quanto ao que anda aí não tenho dúvidas, o sonho dos Habsburgos renascido pela mão da Merkel com o controlo da dívida soberana dos outros estados europeus e um novo Lepanto no horizonte, só que não sei se sai de viés.

    Portanto o melhor é estar calado.

    Edie: não esqueças que eu andei a perguntar sobre o sentido da vida uma vez e escapaste-te lindamente com aquela de que não vale a pena perguntar coisas dessas porque haverá tantas respostas quantas as pessoas e trá-lá-lá…

    Ora eu fiquei como um cão a quem tiraram um osso, vê-se logo no rabo.

    Não há questão mais interessante do que o sentido da vida. O Valupi ainda respondeu que era a criatividade, outros dirão a sobrevivência, outros dirão a dívida, outros dirão a Vida,

    Mas deixa pra lá que eu também não tenho resposta.

    Esta aqui eu não conhecia, a Bethania quase que lhe salta para a garoupa, não?

    ´bigado cabrinha. Hoje é domingo, sim.

  49. sim, uma espécie de Homo Ikea, Teresa, lá se é o último estádio não sei, tal como não sei qual o sentido da vida, ф. Mas se colocar a sinapse mais curta a trabalhar, diria que é encontrar o sentido da vida.

  50. é tão linda a miúda, até faz esquecer os soluções. Ao gajo mordia o nariz mas pronto. Que coragem dizer que nothing will ever change my world, eu dantes dizia coisas parecidas, havia de lhe dar uma despencada como deu ao meu, ainda assim tudo bem, a canção é bonita e porventura ele aguentava-se melhor que eu.

    Pois é, anda ali o contraponto entre gravidade e beleza, será? Vence a beleza ali.

    Entretanto, tenho uma correção a fazer: lembrei a comer linguiça, não tem homens felizes na rua mas tem no futebol. Aliás até dão beijos quando dá golo.

  51. ф, acho que ele é rapaz para não se importar com a dentadinha.
    Agora, a canção é uma Lennon/McCartney e também diz “jai guru deva” – que é esperanto e quer dizer “segue o teu guru interior” :)

  52. oh diabos, é gralha, não é neologismo!

    já quanto ao nick é só para experimentar, os nicks para mim são como as jeans.

    ao menos fica 1,2,3.

  53. pois tou mais magrinho sim :), mas não faz mal, não te esqueças que agora o que está a dar é cerebros pequenos e coisas assim, deu lá mais uma dialéctica na evolução. Ora eu já estava numa de pombo e agora comecei a encantar-me de pardais a caminho de colibris. Além disso este nick já tem uma movida colateral que me dá jeito para ir aprontando as coisas.

  54. hum, mas ainda assim não sei se haverá ratos kamikazes, ou daqueles que querem 72 ratas não sei onde, esperemos que um bom queijinho de Nisa, ou de Coalho, faça milagres.

    agora deixa-me cá desesprocrastinar pó caralho! Mas estou encantado ali com uma coisa :)))

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.