Qual é o trunfo?

“Os portugueses precisam de políticos que falem com verdade”, acrescentou, lembrando que quando foi necessário “o PSD deu as mãos aos portugueses” e apoiou medidas difíceis exigidas por Bruxelas. “Ou o PS começa a governar ou então deixe outros governar”, desafiou Passos Coelho, em declarações aos jornalistas já depois dos discurso.

Fonte

*

A crise do PSD, a confrangedora incapacidade de se apresentar como alternativa desejada, nasce da inanidade intelectual dos seus quadros, a qual é o fruto da decadência cívica do seu tecido sociológico. Não há talento nem amor nos sociais-democratas, por isso são os primeiros a detestarem o que representam: a provinciana gula material e honorífica. As alianças entre eles são sanguíneas ou volúveis e cínicas, desasadas. Nenhum ideal os une, tão-só o calculismo e oportunismo. A existir quem pudesse recuperar a credibilidade deste partido, não estão à vista. Talvez prefiram os confortos profissionais e privilégios sociais sem exposição pública, talvez não acreditem na possibilidade de regeneração partidária. O que vemos, nos dirigentes e publicistas, e independentemente da idade das figuras, é velho e relho.

Tome-se o exemplo supra. A estupidez de Passos Coelho é mastodôntica. Da asinina cassete da verdade que volta ao baile, passando pela patética recolha de louros por se ter dado as mãos aos portugueses em caso de necessidade (pasmai com a misericórdia que nos salvou, ó gentes!), até à declaração de impotência para derrubar o Governo e ter, portanto, de esperar que o PS decida quando vai a eleições, não é possível disparatar mais em tão curto espaço de tempo. Fica a clara ideia de que ninguém pensa no que lhes aconteceu, acontece e poderá acontecer com a persistência numa oposição de bravata à doidivanas.

A política feita por estes melros tem a sofisticação de uma jogatana de sueca, mas eles não contam as vazas e há fundadas suspeitas de que nem sabem qual é o trunfo.

30 thoughts on “Qual é o trunfo?”

  1. Valupi,

    Tu podes não acreditar – é o Estado de Direito que te confere essa liberdade – mas tenho andado pràqui às voltinhas, às voltinhas, ora pra baixo, ora pra cima, a reler-te de anglos diferentes, a colher e a comparar espécimes suspeitos de galvanizações, a medir radioactividades imaginárias por entre os escombros que deixaste dos teus verbos de anátema e proscrição, por sobre os ferros torcidos e as paredes caídas dos teus adjectivos demolidores e pré-históricos, e não é que ainda não consegui determinar com precisão o epicentro deste teu novo TERRAMOTO! Desde o Haiti que não se me tinham deparado problemas destes.

    Ajuda-me com a urgência que a cura completa para o tédio da repetição exige , ou então empresta-me um oscilógrafo dos bons.

  2. Deu as mãos aos portugueses e, logo na volta do correio, pediu-nos desculpa pela ajuda.
    É capaz de ser um bocadinho esquizofrénico, é.

    A nossa sorte foi que, no entretanto, ganhámos um especialista em incêndios florestais. Que pena o Passos Coelho não estar ligado à política e serem outros os interesses que o motivavam durante a última governação do psd, por sinal o período em que a nossa floresta mais ardeu.

    Proíbam o homem de falar e fazer política de improviso. Não está a ajudá-lo e já não há paciência para aturar os contorcionistas da comunicação social a tentar justificá-lo. É uma questão de credibilidade e higiene mental.

  3. GiróFlé, desde que continues a vir às aulas, está tudo bem. Andares por aí sozinho na rua, e em cafés manhosos com más companhias e piores leituras, é que era preocupante.
    __

    António P., pois, eles é mais Burro em Pé.
    __

    tra.quinas, exactamente: salvam a Pátria e pedem desculpa. O ridículo não tem limites.

  4. Inteiramente de acordo, Val. E mais: jogar sem trunfo não é para todos. Quem joga King que o diga.
    PPC é confrangedor. É uma pose e uma voz, que debita o que a outros parece bem que debite. Pode ter andado a empinar um manual de liberalismo, mas não tem qualquer noção das circunstâncias nem de estratégia política.

  5. TRAQUES,

    Pára a caganeira, meue. higiene mentale, olhá.me o peidurreiro – mor aspirinicu, armado em arkitectu paizagisticu. Valupi, e as tua scompanhais, meue? Um detses dias inda te fasso o teste pra ber sés gaye.

  6. O Pulido ainda tem esperanças no P.P.Coelho e hoje no Público aconselha-o a ser o educador dos portugueses, ou seja, uma espécie de Arnaldo Matos, educador da classe operária. Nem sei se isto dá para rir se para chorar!

  7. toutaberzinho, diz lá afinal qual é que é o teu problema, filho.
    Este coração de manteiga que me arranjaram acaba sempre por me atraiçoar e hoje sou capaz de conseguir aqui mais um tempinho para te ajudar.
    Tens o plano de ordenamento desactualizado ou sentes a alma dorida, rapaz? De que lado? É permanente ou depende? Fala à vontade moço que o pessoal deste blogue é do melhor que há e nada é irreversível. Comigo podes contar e aproveita a minha boa vontade enquanto dura.
    Se continuares o mesmo discurso quero que te fodas, amigo É o melhor que te posso desejar.

  8. Chama o fléfléflá para te ajudar que o pessoal adora.
    Eu pessoalmente.

    (fora conseguir perceber uma ideia vossa, mas isso óióai)

  9. Traques,

    Porra, mas mandase-me fudere? Num tense bergonha? Ataoe issu dize-se? Porra, pelo menus arranja-me uma maozinha electrónica, tipo sanita electrónica, daquela que faze tudu.
    Cunta ái, saves de alguma cunha?

    Eue num tenho provlema cuntigo, nem parcevu a tua cumbersa, pá, oube só num gosto ods teus traques, ka keres ka ta diga, tás a bere?

    Tás-te a refarire ao Giroflé? Ó pá, oube num ta metas cum ele, lebas na tromva. Pisga-te enkuanto é tempo.

    beijinhu.

  10. Traquinas:
    Quanto a mim um e outro são a mesma pessoa. Escrevem com um nome e com o outro vem a elogiar dando a entender que são dois. Há pessoas que precisam para alimentarem o seu ego assim de procedimentos. Dão-se por felizes e dormem a noite toda na santa paz do Senhor.

  11. dormem a noite toda na santa paz do Senhor.
    Que assim seja, Manuel Pacheco. Este país está perdido em individualismos e pretensiosismos.

  12. Pacheco,

    Quando abres a boca ou sai isto ou entra aquilo, né? Essa terceira frase do teu comentário vai ficar nos anais de filosofia dos homens do povo criados a sopa de entulho vegetal e mão de vaca bem lavada. Agora que andas a aprender inglês, aproveita, livra-te dessa escravidão dietética e começa a comer egos estrelados anglosaxónicos. Mas não deites a casca fora, filho, nela está contida o segredo para o teu crescimento tardio que se impõe: calcarea carbonica e silicea transmutabilis.

    Traquinas,

    Adoras-me? Eu também não.

  13. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: Calar, ouvir, lembrar, sair, estudar.
    É o que devia fazer certas pessoas.

  14. Ó Manuele Paxecu

    Ataõe o Giroflé e eue sumos a mesma passoa? Bocê é um vruxo sem bidência nanhuma pá, os seuse guiase num savem nada, pá.Bocê amanda ái cum cada traque de pseudoeliteráta, katé impraciona. Bocê tá armado em alho cachapernudo purkê? Ó Senhor fike lá cum as suas savedurias e excertos de memórias de um guarda prisionale, issu num minteressa.

    Já lha dice que os seues pregõese sãoe muito popularese, maje bocê num os aplica.

    Pra sie:

    Palavras de mel, coração de fel.Bocê num me cunvensse.
    Para ensinar, é preciso aprender. Save palabroese? os meuese tam-se a esgutare.
    Quem diz tudo o que quer, ouve o que não gosta e quem se pica cardos come. è o seu cazo, meue amigue.

    Ò amigue siga os cunselhus do Giruflé. uze o elebadore e kaundo chigare apite, cumeçaremos por um ezame basicu, pra ber se nãoe saltoue nenhue degraue

    Giroflé, és um HOMEM pá, cada bez que escrebes poes estes biatus a tramere dinbeja. Oube lá tu num keres bire até aki e cumessares a cuntare o dia em ka perdestes os trese? Porra, su Confucio escrebe o ka escrebe, tu tamém podes bira até aki. Ou podes cuntare o teu primeiru beiju e apalpançu na carne certa.

  15. “Os portugueses precisam de políticos que falem com verdade”, acrescentou, lembrando que quando foi necessário “o PSD deu as mãos aos portugueses” e apoiou medidas difíceis exigidas por Bruxelas. “Ou o PS começa a governar ou então deixe outros governar”, desafiou Passos Coelho, em declarações aos jornalistas já depois dos discurso.

    Balupi, meu keridu,

    Oiça, o PPC é um alho cachapernudo plantado no Entrudo, tá a ver? Veja bem, eu nem tinha lido o que o menino citou, mas ao lê-lo, veio-me à cabeça ( só penso com uma) que não me lembro do psdorquinho do Passos Coelho alguma vez ter dado as mãos aos portugueses. O homem é políticoooooooooooooo. É ignorante. Sócrates também é. Sabe porquê? Encontra a resposta em Eça de Queiróz: os políticos são como as fraldas, precisam de ser mudados com muita frequência. Sabe porquê? A merda que produzem é tanta, que assam o que está à volta e depois não há mezinha da avozinha que componha a borradura. Tá a ver?

  16. Ó toutamberdinho, isso já toda a gente sabia e é o menor dos teus problemas. Sabes que nem todos podemos ser bafejados pela argúcia, perspicácia e sabedoria que tu ostentas. Esse problema resolves fácil: negoceias com o Valupi, passas tu a fazer os posts e eu nem cá ponho os pés. Aqui só para nós que ninguém nos ouve, eu também não tenho paciência para essa tua clarividência turva nem para o teu lambebotismo cinzento, no entanto, longe de mim querer ser teu tutor, papel que tanto aprecias. Mas caso estivesse para aí virado, rebatia os teus argumentos (se existissem, ó milagre supremo!) e não me limitava a chamar-lhes escarros que, verdade seja dita, é a maior parte do que aqui escreves. Anafados, verdinhos e gelatinosos.

  17. TRAQUES
    Meue, ahahahahahahahahah oube lá, cumeçu a guxtare de tie. Cum ke entãoe xamas anafadinhos, berdinhus e gelatinosus aos meuese escarrus, maje eue nunca escarru. Num pracisu pá, sai tudo por baixoe, tás aber. Porra, oube lá tás.me a ber escarrare, eue?

    nem cuspu, meue, tenho educaçaõe. Mas oube, tu iscarras é,? fOGO, cumo é cuma gaja ta pode beijare nessa voca?

    Bamos a chamare o Confucio Costa pra ele explicare um pouco da cousa orale.

    Berdinhos, anafadinhus, ó TRAQUES, agora ofendeste-me meue.

    Num ta zangues cumigu, eu já sei dessa merda da argussia da perspicácia e da savedoria. Porra, pá por içu, é ka benhu aki, estrumare o citiu, tás aber?

    O balupie num kere nada cumigu. Num ma responde, manda um gajo kalquer ofender-me. Oube lá eue ainda num ofendie a ninguém, meue. Só num gosto quando tabres. Porra largas cada gase.

  18. Prisado Manuele Paxecu,

    Já num malembra do fado da herminia, mas ainda oubi «Anda Paxecu».

    Pra o meu amigue, num kere falare cumigue? Olhe, eu tamém sei algumas sitassões, estas bieram dum amigu da família, um tal Virgílio Ferreira, e axo ka têm ka bere consigu. Disem acim:

    « O autodidacta é um novo-rico. Sabe as coisas, mas não sabe como usá-las. Normalmente usa-as ao peito, que é onde supõe que apenas são visíveis. Mas onde elas se vêem não é onde se vêem», ehehehhe

    «O autodidacta pode saber tudo. Excepto o porque é que isso se deve saber» eheheheh

    pra finalisare ,aki baie outra

    «Normalmente o autodidacta é um tipo que pode saber tudo. Excepto o essencial. Porque o essencial é a alma que isso anima. E esse tudo é o que por fora se manifesta»

    Já lhe disse quem se pica, cardos come.

  19. TRAQUES,

    olha, bê lá se num tenhu razaoe.

    «Ninguém que não seja um grande escultor ou pintor pode ser um arquitecto. Se não é um escultor ou pintor, apenas pode ser um construtor».

    Tás a ber meue, purque é que em Portugale há tantas fiçuras e raxas e o carassas e os constutores sa safam sempre do tribunale? Oube lá, purque foste á faculdade pá? afinale, num paças dum patu bravu. Por içi é ka falas em escarrus. Toute a bere, a ascarrar a tortoe a direito, a mandar umas carbalhadas e depoje a puxar dopentinho do bolsu detrase, a pores cuspu no cavelo e a pentiar-te.

  20. Manuel Pacheco, no caso concreto é mais a asno dado não se olha o dente. Ainda por cima aqui, onde não temos que alimentar nem assegurar estábulo para o jumento.

    O que é que o moço quer? Não manda aqui nada. Não gosta, não come. Deixa na borda do prato. Se está com medo que lhe retirem protagonismo, compre um cão. Calhando já tem. Não há dúvida: patego, patego sempre. Está-lhes no ADN.

  21. TRAQUES

    Mas agora falas em ADN? Mas andas a ber o siéssai?Oube,num ma xames nomes keu num tos xamei a tie. S o num gosto dos teues gases, pa´. Cunta aí. Ataõe, kuantos casinhotos já dsenhastes? Dize aí travalhas numa camara é? Ou fazes prucessus de lissenssas de utilizassaõe? dakelas que lebam muita tempo a saíre?

  22. TRAQUES,

    Cum eçe num ma metu, pá. tás passado ou kê? já ta li a cina pá. Tue é kainda num destes pur ela. Consulta rapidamente um medico pra faltulenssia, já ta diçe. olha lá purque num gostas da mie? num ta fize male.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.