Lembretes

– Sócrates foi à Madeira de surpresa, porque lhe deu na veneta. Ia distribuir Magalhães e pouco mais. Tão pouco e tanto: 7 horas chegaram para reduzir Jardim a um bufão que não morde nem assusta, já só faz barulho no quintal. A oposição ficou caladinha, desorientada com a operação relâmpago. Sócrates mostrou, de novo, ter uma das características mais atípicas na política portuguesa: a imprevisibilidade criativa.

– PCP e BE vivem em permanente ameaça de fratricídio. São dois irmãos que habitam em zonas contíguas, mas díspares. PCP é rural, BE urbano. Acusam-se mutuamente de serem falsos, como qualquer seita que se preze. O PCP vê no BE o simulacro, a dissidência ao serviço do inimigo. O BE vê no PCP a estagnação, a morte lenta. Nunca se irão entender porque se conhecem bem demais para confiarem um no outro.

– Cavaco Silva é o pior Presidente da República de que há memória, e neste lote estou a incluir Américo Thomaz. A sua ligação a Dias Loureiro, chegando ao cúmulo de fazer conselheiro de Estado uma figura que era fonte de gozo dentro do próprio PSD por causa da sua ascensão escabrosa, é indelével e não tem defesa. Espero que tenha castigo eleitoral.

– Esquizofrenia é isto: o PSD ficar sem reacção perante o escândalo moral, e por isso político, do BPN. O estado de negação é a única resposta de que dispõem perante a vergonha. Implodiram.

– A oposição foi para a campanha eleitoral dizendo que o PS não poderia escapar à discussão das questões nacionais, aquelas que realmente interessavam ao povo. Ora, para azar desses partidos, Vital acabou por lhes dar razão.

– Vital revelou-se uma fera. Rangel uma galinha tonta. E a Ferreira Leite é cada vez mais engraçada, mais deliciosamente estouvada; merecendo que a História lhe faça justiça pelo enorme sacrifício de andar a fingir que o PSD existe.

– 2009 já só tem 7 meses para dar cabo desta merda toda.

22 thoughts on “Lembretes”

  1. O autor do “post”, que só conheço daqui, tornou-se num estouvado franco-atirador.
    Na sua ânsia de ser o melhor a defender Sócrates, atira-se aos outros sem quaisquer escrúpulos. Ninguém escapa. Sob o escopo do autor, o mundo passa a preto e branco. Sem quaisquer modulações.
    Que merda vai acabar dentro de sete meses? Esta longa campanha eleitoral? Portugal?
    Esta governação? O que irá acabar, de facto?
    Para quem da democracia dá receitas, parece pouco democrático. Bom dia!

  2. “Rangel uma galinha tonta.”

    Julguei que estava a falar do Emídio Rangel, mas afinal não. Desse você deve gostar.

  3. Menino da Mata, o mundo a preto e branco é o teu, já aqui te disse. Nas críticas aos teus camaradas vês falta de «escrúpulos». E afinal o que é que acusas de «pouco democrático» no Val? A denúncia que ele faz dessa porcaria de oposição que há em Portugal? Estás a Leste da realidade e da semântica.

  4. Carlos, essas declarações do Passos Coelho só podem assinalar o sentimento de pré-catástrofe em que se poderão tornar as Europeias para o PSD. E por catástrofe entenda-se o facto de não ganharem, basta isso.
    __

    M da M, desde Fevereiro que publico os “Lembretes” no começo do mês, e termino sempre com a alusão a 2009 ter cada vez menos tempo para acabar com esta merda. Refiro-me, pois, à temática da crise, disso de se ter dito que 2009 iria ser um fim de mundo. Mas aplica-se, nem que seja lateralmente, a qualquer conteúdo que anteceda o desfecho.

    Quanto a teres dito que eu tinha a ânsia de ser o melhor a defender Sócrates, prova que não te posso fazer confidências.
    __

    lmj, sim, tenho gostado muito ultimamente.
    __

    z, ontem os responsáveis da CGD, falando desse valor, disseram que ainda não tinham perdido 1 cêntimo com a operação. Portanto, não basta mandar números para o ar, é preciso também entender a que se referem. E no caso do BPN há muito para entender, poucos a conseguir explicar.
    __

    Nik, alguns dos meus filmes favoritos são a preto e branco, a estética da abstracção hiper-realista. Mas a oposição que [não] temos precisa é de um registo em cores saturadas, para ver se eles próprios se enjoam com a sua imagem.

  5. O PSD não cai, não desaparece, nem pode melhorar (reverso da medalha…), simplesmente porque, seja o que for que lhe aconteça, os principais meios de “informação” de massas lá estarão para lhe aparar a queda e… “dourar a pílula”!

    No fundo este é que é o verdadeiro drama do PSD e, por extensão, de Portugal: as classes dirigentes actuais (detentoras do poder económico e social) só confiam no PSD, apesar de este Partido já não tem préstimo (nem salvação possível, quanto a mim). O “favor” que lhe fazem, de o ir mantendo artificialmente “ligado à máquina”, “ad aeternum”, através do aproveitamento da incultura política e cívica da maior parte dos protugueses, acaba por impedir, na prática, a sua regeneração (e quem é que disse que as classes dominantes actuais em Portugal são inteligentes? Nunca o foram…)!

    Resultado: nem o PSD desaparece da cena, para finalmente dar lugar a uma Direita moderna, íntegra e respeitadora da Democracia (com figuras da estatura de um Francisco Lucas Pires, de boa memória, ou de um Diogo Freitas do Amaral), nem Portugal avança, já que esse poder económico e social boicota permanentemente qualquer tipo de evolução política e social (veja-se a Regionalização, por exemplo, ou as Leis Eleitorais).

    Por isso, acho que o PS e José Sócrates já se baixaram demais para com esta Direita social sôfrega e insaciável. Quanto mais se baixarem, mais se verá o rabo. Há que perder a timidez e ousar romper com o marasmo e a estagnação: pois se a Esperança verdadeira não voltar a surgir da Esquerda moderna, responsável e competente, não tardará aí uma falsa “esperança” por parte de um qualquer vendedor de banha-da-cobra, de tipo berlusconiano (e seguramente com o apoio explícito ou implícito do senhor inquilino de Belém), que nos fará retroceder uma vez mais, como amiúde aconteceu ao longo da nossa História.

    Vamos deixar que isso aconteça aos nossos Filhos?

  6. Nic,

    Que sabes tu de seMântica? Tem tino nessa cabaça, que nem o Val vai tão longe. Não tentes ser mediador do que quer que seja, que o Menino da Mata não precisa de mediadores. Vá lá, sê mais democrático. Não receites o que não consegues tomar. Os meus camaradas são incomensuravelmente melhores do que tu. Tá?
    Vê se dotas a cabaça de algum tino!
    Cumprimentos.

  7. Nunca nenhum Presidente da República foi castigado. Duvido que este o venha a ser. Pressinto que saberá retirar-se a tempo.

  8. Hi, Barata.
    SeMântica nunca vi, come-se?
    Não me cheira que saibas o que é um mediador.
    E sobre democracia, pescas alguma coisita?
    Ao menos aprende a escrever o meu nome, vai.

  9. Nic,
    És demasiado previsível. Foneticamente é diferente? Quem se iniciou nas graçolas não fui eu, insigne democrata.
    Quando despertaste para a causa da democracia?
    Eu pesco de muitas coisas, mas vou deitar o peixe ao mar, porque hoje terás de fazer jejum.
    Até sempre, NiK! Dá saudades minhas à Dona Genciana!

  10. Tenho umas perguntas a sugerir à nossa prestimosa comunicação social, que anda sempre com falta de assuntos e é muito distraída.

    A quem é que Cavaco e a filha compraram, em 2001, 254 mil acções da SLN, grupo detentor do BPN?

    O PR disse há tempos, em comunicado, que nunca tinha comprado nada ao BPN, mas «esqueceu-se» de mencionar a SLN, ou seja, o grupo que detinha o Banco.

    Como as acções da SLN não eram transaccionadas na bolsa, a quem é que Cavaco as comprou?

    À própria SLN?

    A algum accionista?

    Qual accionista? (Sobre este ponto, ver adiante.)

    Outra pergunta que não me sai da cachimónia:

    Como é que foi fixado o preço de 1 euro por acção?

    Atiraram moeda ao ar?

    Consultaram a bruxa?

    Recorreram a alguma firma especializada?

    Curiosamente, a transacção foi feita quando o BPN já cheirava a esturro, quando o Banco de Portugal já «andava em cima do BPN», ao ponto de Dias Loureiro (amigo dilecto de Cavaco e presidente do Congresso do PSD), ter ido, aliás desaconselhado por Oliveira e Costa, reclamar junto de António Marta, como este próprio afirmou e Oliveira e Costa confirmou.

    Outra pergunta:

    Cavaco pagou?

    E se pagou, fê-lo por transferência bancária, por cheque ou em cash? É importante saber se há rasto disso.

    Passaram dois anos.

    Em carta de 2003 à SLN, Cavaco alegadamente «ordenou» a venda das suas acções, no que foi imitado pela filha. Da venda resultaram 72 mil contos de mais valias para ambos. Presumo que essas mais valias foram atempadamente declaradas ao fisco e que os respectivos impostos foram pagos. Tomo isso como certo, nem seria de esperar outra coisa.

    Uma coisa me faz aqui comichão nas meninges. Cavaco não podia «ordenar» a venda das acções (como disse atrás, não transaccionáveis na bolsa), mas apenas dizer que lhe apetecia vendê-las, se calhasse aparecer algum comprador para elas. A liquidez dessas «poupanças» de Cavaco era, com efeito, praticamente nula. Mas não é que o comprador apareceu prontamente, milagrosamente, disposto a pagar 1 euro e 40 cêntimos de mais valia por cada acção detida pela família Cavaco, quando as acções nem cotação tinham no mercado.

    E quem foi o benemérito comprador, quem foi?

    Com muito gosto esclareço, foi uma empresa chamada SLN Valor, o maior accionista da SLN.

    Cito o Expresso online:

    «Cavaco Silva e a filha deram ordem de venda das suas acções, em cartas separadas endereçadas ao então presidente da administração da SLN, José Oliveira Costa. Este determinou que as 255.018 acções detidas por ambos fossem vendidas à SLN Valor, a maior accionista da SLN, na qual participam os maiores accionistas individuais desta empresa, entre os quais o próprio Oliveira Costa.»

    Ou seja, Oliveira e Costa praticamente ofereceu de mão beijada 72 mil contos de mais-valias à família Cavaco. E se foi Oliveira e Costa também a fixar o preço inicial de compra por Cavaco, então a coisa é perfeitamente clara.

    Que terá acontecido entre 2001 e 2003 para as acções de uma empresa que andava a ser importunada pelo Banco de Portugal terem «valorizado» 140 %?

    Falta, neste ponto, esclarecer várias coisas, a primeira das quais já vem de trás:

    1. a quem comprou Cavaco e a filha as acções?

    2. terá sido à própria SLN Valor, que depois as recomprou?

    3. porque decidiu Cavaco vendê-las? Não tendo elas cotação no mercado, Cavaco não podia a priori esperar realizar mais-valias.

    4. terá tido algum palpite, vindo do interior do universo SLN, só amigos e correligionários, para que vendesse, antes que a coisa fosse por água abaixo?

    5. terá sido cheiro a esturro no nariz de Cavaco? Isso é que era bom saber!

    6. porque quis a SLN Valor (re)comprar aquelas acções? Tinha poucas?

    7. como fixou a SLN valor o preço de compra, com uma taxa de lucro bruto para o vendedor de 140% em dois anos, a lembrar as taxas praticadas pela banqueira do povo D. Branca?

    Por hoje não tenho mais sugestões de perguntas à comunicação social.

  11. Caro Nik, começo a perceber que já estás a entender como funciona o sistema.
    Limpinho e legal.
    Os amigos são para as ocasiões, que o diga Dias Loureiro.

  12. “Ao contrário do que se pensa, o dr. Vital é um bom candidato para o PS. Já o dr. Rangel é duvidoso que o seja para o PSD”.
    Constança Cunha e Sá, “Correio da Manhã”, 02-06-2009

    Esta deve ter água no bico.

  13. Caro Nik
    Tenho que te felicitar pelas questões que apresentas. Temo apenas que ficarás (ficaremos) sem resposta. A não ser…que o Crespo Doninha, o Zé Manel (e seu Cerejo)ou quiçá o mano Costa dediquem uns segundos do seu precioso tempo ao assunto.

  14. Caro jv, ainda bem que começas a perceber, nunca é tarde.
    z, ainda bem que achaste isso.
    Menino da Mata, eu nunca me zanguei contigo.
    jafonso, o Costa já dedicou hoje uma meia hora na SIC Notícias a algumas das qestões que eu tinha aqui abordado ontem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.