Cui bono?

Estrela Serrano chama a atenção para um comentário de João Marques Vidal, o herói do processo Face Oculta, que é um mimo de sobranceria face ao Estado de direito:

Ironizando sobre a polémica à volta da violação do segredo de justiça no caso Sócrates, Marques Vidal atirou: “Os espanhóis [que têm investigado grandes escândalos de corrupção envolvendo os principais partidos políticos] têm um problema de corrupção, os portugueses têm um problema de violação do segredo de justiça”.

O segredo de justiça e a ironia do procurador

No mesmo artigo do Público, aparece outra citação luminosa do tenebroso Teófilo Santiago, o Crachá de Ouro:

Teófilo Santiago realçou o contraste entre os meios dos investigadores e das poderosas defesas, que tentam manipular os media. “Ultimamente até já se atrevem a fazer ameaças”, afirmou, numa clara alusão a algumas declarações, como a de Mário Soares que disse ao juiz que mandou prender Sócrates para se cuidar.

As mensagens que estes dois caubóis estão a transmitir é a de que temos agentes de Justiça que estão dispostos a vencer a “corrupção” e suas “corruptas” defesas legais através de um voluntarismo cujos limites apenas serão conhecidos dos próprios. Esta ideia de uma impunidade justificada pelos fins, e alimentada pelas percepções e convicções, foi também a tese apresentada pelo procurador Rui Cardoso no Prós e Contras de ontem, num descaramento quase igual. Esta figura ocupou o seu tempo no programa a defender os magistrados e chegou ao ponto de alegar que o crime da violação do segredo de justiça não é importante – e nem se deve perder tempo a investigá-lo – porque a sua ocorrência e quadro penal não o justificam. Precisamos de gastar os recursos com crimes que tenham penas maiores, foi a esplêndida tese apresentada ao País. Ao lado da figura estavam outras duas, igualmente impávidas e serenas face à convivência diária com colegas criminosos no seu local de trabalho.

Do lado da Justiça, por esta amostra, nada há a esperar. E tal ficou patente até para os distraídos quando, noutro grande momento da noite, o dançarino Rui Cardoso abriu um sorriso de sublime gozo para dizer que ainda não tinha visto imagem alguma relativa à detenção de Sócrates no aeroporto. Aquelas imagem de um carro a passar, dada na imprensa como sendo a viatura onde foi levado pelos agentes da autoridade, podiam ter lá dentro o Pato Donald. Sic(k).

Veio de Manuel Costa Andrade, professor catedrático da Universidade de Coimbra, o contributo mais sólido e claro acerca do que está em causa na violação do segredo de justiça. Na prática, é a derrocada do Estado de direito. E a sua intervenção poderia resumir-se à passagem em que evoca a pergunta fundamental em todas as investigações criminais: cui bono?

Entretanto, enquanto a comunidade continua letargicamente a ver a banda passar, contribuo com uma máxima que igualmente poderá levar às mesmas pistas: follow the pulhice.

__

Adenda retrospectiva:

O Crachá de Ouro perdeu o brilho

Cui bono?

23 thoughts on “Cui bono?”

  1. Perante factos muito graves, ter para destacar permanentemente diz que disse, temos que reconhecer que, olhando para os media em Portugal, não temos como na Espanha um problema grave de corrupção mas sim um avassalador de “segredo de justiça”.

  2. oh cristóvão, claro que temos um problema de corrupção, mas ninguém investiga porque o ministério público abafa ou arquiva, i.e. tecnoforma, submarinos, coelha e outros derivados do bpn. temos o segredo de justiça para disfarçar o estado a que a justiça chegou incompetência da investigação, ambição dos juízes em governarem sem serem eleitos, corporativismo e pagamento de favores.

  3. Então? Não reconheceram o procurador-adjunto arrebitado Rui Cardoso? Ó.. ?
    É comentador assíduo do Aspirina.

  4. No Prós e Contras esqueceste o impagável imbecil Ricardo Cardoso (Ricardo Christêllo Cardoso) , o “homem do laço”, que com a sua cara de palhaço bêbado garantia a pés juntos que na comunicação social não há campanhas orquestradas pelos magistrados.

  5. Ricardo Manuel Chrystêllo d’Oliveira de Figueiredo Cardoso
    o nome deste imbecil é um pugrama de cabotinice onde a ventoínha faz de cereja chrystallizada.

  6. O problema é que os Vidaleiros e os Cardosos desta vida defendem o segredo de justiça apenas para investigarem à larga e não permitir o contraditório. O MP faz vista grossa à violação do segredo de justiça e, quiçá, até a fomenta de forma deliberada, mas impede a defesa de consultar todo o processo e fazer o contraditório.
    Tudo isto parece uma estratégia velha do MP, lançar merda na ventoínha para os arguidos se envolverem nela. E não esquecer os assistentes do processo, as tais criaturas fuçanhudas que consultam o processo e depois mandam umas biscas ranhosas cá para fora a preço de saldo.

    Vivemos tempos difíceis quando vemos procuradores e juízes folgarem publica e cinicamente com a desventura dos cidadãos. Ontem, os Cardosos, no programa prós e contras, mostraram bem o rosto da canalhice. Arrepiante!

  7. A irrupção espectáculo-mediática de uma agenda justicialista pretensamente anti-corrupção é um fenómeno comum nas democracias contemporâneas. Em Espanha, França, Israel, Portugal, Brasil,… abundam exemplos de perseguição judico-mediatizada a responsáveis políticos. É difícil crer que haja mais corrupção actualmente do que no passado tal como é difícil crer que haja mais corrupção na classe política do que noutra qualquer como a dos magistrados ou a dos jornalistas ou a dos polícias. Entre outras coisas, a produção de lei ad infinitum e a descoberta do valor comercial dos mecanismos de expiação colectiva simplistas estão a transformar a exposição pública numa espécie de desporto radical.

  8. A pulhice existe, disso não ´tenho dúvidas.
    Mas há nestas questões da justiça problemas que são bastante mais complicados. Há universidades nos USA que têm avançado bastante em estudos da percepção e do comportamento que revelam bem como é complexa a nossa relação com o que nos rodeia. Uma das consequências práticas do desenvolvimento dessas investigações, tem sido o questionamento cada vez mais consistente de um dos pilares tradicionais da justiça, que é precisamente a formação da convicção.
    Por cá, os nossos Meritissimos parece que continuam a navegar ao largo desses avanços. Falam-nos de “matéria de facto” como se estivessem a falar de realidades tão concretas como vacas, prédios, ou calhaus. Iludem-nos quando nos levam a fazer crer que os “factos” a que se referem não são, sobretudo, interpretações, e como tal sujeitos a todos os vicios de raciocinio e desvios de percepção que a lógica produz.

  9. A Cristovão:«não temos como na Espanha um problema grave de corrupção»

    Bem, em rigor, duvido que alguém saiba a dimensão do dito problema da “corrupção”. A mairia dos estudos que se fazem sobre isso, baseiam-se na percepção publica; não se baseiam no contacto directo com a situação. Se em vez de perguntarem às pessoas se “acham que há corrupção” perguntassem se já estiveram em contacto pessoal e directo com uma situação de corrupção, a resposta seria a mesma ? Eu, por exemplo, toda a minha vida ouvi dizer que a brigada de trânsito costuma pôr-se a jeito para perdoar multas. Mas a verdade é que levo mais de 40 anos de carta e nunca me aconteceu , apesar de já ter sido multado à saciedade!

  10. Aspirinos, ajudem-me, pois eu também nunca consegui ver uma filmagem, nem sequer uma foto da detenção do ex lider do PS no aeroporto.

  11. Campus,

    Um pouco de seriedade, sff. Esquece a foto por um instante , usa a cabeça e faz o trabalho de campo. Dou-te uma ajuda. A que horas chegou o avião de Paris ? A que horas apareceu o rodapé na SIC? Qts jornalistas estavam co campus da justiça qd JS lá chegou ? Precisas de mais alguma coisa ?

  12. “… pois eu também nunca consegui ver uma filmagem, nem sequer uma foto da detenção do ex lider do PS no aeroporto.”

    oh bimbo, claro que não. tudo o que existe está em segredo de justiça e portanto não é publicável. o que circula por aí são cópias falsificadas pelos advogados de defesa para comprometer a acusação e contaminar o processo. só daqui a dez anos, caso entretanto não haja uma inundação ou incêndio nas garagens onde o calex guarda o material, é que será revelado o segredo de fátima.

  13. “A que horas chegou o avião de Paris ? A que horas apareceu o rodapé na SIC? Qts jornalistas estavam co campus da justiça qd JS lá chegou ? ”

    o juíz chrystêllo, aquele da bentoínha, já avançou a informação que teria sido dada pela sopeira do balsas ao tropeçar na asae quando foi vazar o lixo às chegadas.

  14. Que desespero, nem o Alvorada nem o Sabonetes me podem ajudar, parece que a cena dos paparazzi no aeroporto na detenção do ex lider do PS é outro mito da nossa ” boa imprensa”

  15. Campus,

    Você faz-me lembrar o PM, quando afirmou na AR que não tinha aumentado os impostos nem diminuido os apoios aos mais desfavorecidos. Portanto, não tenho dúvidas de que se repetir muitas vezes que a comunicação social não sabia que iam deter JS, não deixará de ter seguidores. Não poderá é contar com quem tenha preservado os minimos de sentido critico, mas isso é outra história.

  16. ó Campónio vai dar banho ao cão! Se não consegues ver é porque ainda és mais cego que o idiota do numbejonada.

  17. OlÁ a todos.

    o pás já me ri, já me ri.
    Or avejam, e num li tudo, nem boue lere, ora bejam

    «Por cá, os nossos Meritissimos parece que continuam a navegar ao largo desses avanços. Falam-nos de “matéria de facto” como se estivessem a falar de realidades tão concretas como vacas, prédios, ou calhaus»

    LOL. LOL. LOL. O Grundrigues é quase tão bom como o IGNARALHO mor adepto dos sabonetes do IGNATZalho nos seus PAREXERES.

    Se lhe perguntassem num exame de direito o que é um boi, o gajo era capaz de pôr ação crime contra o prof.

  18. Não sabe o que é um boi, meritissimo ? Eu explico-lhe: é um mamifero ruminante com mais honestidade no metano que expele do que vexa em todos os acordãos que bolsa nestas páginas !

    E se quiser falar de direito e do comportamento criminal de quem devia zelar pela sua aplicação, recomendo-lhe Costa Andrade. Eu é mais bois….

  19. Culpa dos cortes do governo, no doubt .
    Coitados dos pacientes, quem se responsabiliza pela falta de tratamento ?
    Lamentável .

  20. lol. O JRODRIGUES é a RISOTA em pessoa. Olha facilita a vida ao dito professor. Pergunta-lhe tu o que é um boi, que ele manda-te logo embora, sem apelo nem agravo.
    Tu és tão IGNORANTE e geras o riso porque te atreves a falar do que não sabes como se soubesses algo.

    Deves saber o que significa ignorância, não é ? E tolice, também…
    pois estuda e verás que a questão a que tu respondeste sob projeção, é válida, muito válida, e legítima…

  21. Numbejo…

    Não há dúvida que da sua prosa nos chegam reminescências bafientas dos bolores que se alimentam nas toneladas de arquivo morto parido pelos meritissimos que vexa idolatra. Dai eu deduzir que vexa até poderá ser moço de recados do ajudante de um escrivão-arquivista qualquer. Com efeito vê-se que aprendeu a fazer copy-paste no cursinho de informática que o devem ter obrigado a frequentar. Mas é tudo o que consegue, pois qd convocado para produzir argumentos sobre o que pasta, a única coisa que bolsa são lugares comuns cuja intensão insultuosa é tão pouco criativa que falha completamente os alvos. Ou seja, vexa nem ofender sabe. Portanto, seria sempre uma perda de tempo esperar do seu neurónio amputado um argumento válido sobre o que quer que seja. Não fosse isso e poderia desafiá-lo para reflectir sobre a ignorância como uma manifestação de sabedoria: só os homens sábios compreendem que afinal não sabem grande coisa. Por isso cultivam a dúvida, relativizam o valor da verdade e a verdade do valor. Mas como iria um sabujo da sua laia perceber isso ?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.