Vinte Linhas 591

.


.


.


.


.


.


.


.

As nuvens cor de cinza na manhã de Rute (com desenho de Airton das Neves)

As mãos de Rute, aos poucos, vão desabotoar a neblina da rua em frente como se a manhã fosse uma camisola e os momentos os botões no desenho cinzento do relevo e do clima do lugar.

Há quem lhe chame «capacete» para simplificar mas Rute sabe os nomes de todas as nuvens da manhã de Fevereiro (cirros, cúmulos, estratos) e, além dos nomes, seus nomes de intervalo e seus aspectos de lençol, cinza e couve-flor.

Mais abaixo passa um rio pequeno de águas hoje límpidas com seus peixes e patos; na ponte um grupo de idosos atira devagar pequenos pedaços de pão, logo disputados pelos peixes na água e pelos patos na margem.

Rute organiza na sua mesa de trabalho o deve e o haver, o inventário e o balanço, o passivo e a situação líquida entre cheques, estratos bancários, facturas e papéis diversos. Situação líquida é, afinal, toda a nossa vida pois nascemos na água que rebenta e morremos quando longe da água mais do que onze dias.

As nuvens cor de cinza na manhã de Rute afastam-se aos poucos para os lados do Cabo da Roca. São empurradas pelo vento do Sul, quente e muito capaz de trazer no seu bojo o calor de todos os desertos da África do Norte.

O escritório de Rute é um oásis de calma na pressa sem motivos à vista de quem cruza as ruas entre o mar e o casco velho da cidade. Na despedida a porta que bate é o ponto final dum discurso pleno de harmonia, conforto e calor. Na luz do olhar de Rute a manhã é a camisola de malha de onde apetece não sair para a neblina da rua em frente.

8 thoughts on “Vinte Linhas 591”

  1. ganda confusão, parece o discurso de tomada de posse do portas como ministro do mar, desta vez nem a naífada se aproveita.

  2. Ok Sinhã é mesmo assim, foi isso que pretendi – agradar. O traste triste diz «grande confusão» pois se ele tem uma grande confusão na cachimónia tudo o que vê lhe faz confusão. Traste, triste, parvalhão…

  3. Muito acima da média a que estamos habituados, sim senhora. Só que introduzir noções de contabilidade para usar “liquido” e falar dos onze dias sem água que nos matam é que me parece literariamente escusado ou mal escolhido e incorrecto, se isso era o que se tinha em mira. Mas ninguém é perfeito e eu estou com sede e voi-me a beber um coipito de vinho com 88 por cento de água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.