Um livro por semana 233

«Teoria da Literatura» de Vítor Manuel de Aguiar e Silva

O ponto de partida deste livro de 1967 (com 8 reedições e 19 reimpressões) é a diversidade conceitos de literatura que vão da produção literária de uma época ao conjunto de obras que ganham feição especial pela sua origem, temática ou intenção. Sem esquecer a bibliografia existente sobre um determinado assunto. Mas há mais.

O ponto de chegada é o romance enquanto fenómeno literário. Começando na sua origem («romance deriva do advérbio latino romanice que significa à maneira dos romanos») Vítor Manuel Aguiar e Silva (n.1939) estuda o romance desde o formato da Idade Média até à actualidade, numa digressão sobre as obras de (entre outros) Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós, José Cardoso Pires, Carlos de Oliveira, Flaubert, H. Fielding, Cervantes e Laurence Sterne.

É impossível sintetizar 786 páginas de texto; fiquemos com algumas palavras do autor sobre a importância da literatura hoje: «Contra a maré alta do ódio, da barbárie e da indiferença egoísta é necessário redescobrir em tantos milhões de condenados o rosto desfigurado da mulher e do homem, seja qual dor a sua etnia, a sua religião ou o seu credo político para defender e respeitar os valores irrenunciáveis da sua dignidade. A literatura e as humanidades em geral não podem eximir-se a este imperativo ético que transcende as ideologias e os compromissos políticos e é inconciliável com bizantinismos estéticos. Depois de Auschwitz continua a haver genocídios, campos concentracionários, tortura e escravidão. É por isso que é necessário que haja poesia e que haja poetas».

(Editora: Livraria Almedina – Coimbra)

15 thoughts on “Um livro por semana 233”

  1. Bom dia poeta.
    A continuidade do seu ofício, mesmo quando é prosa, dá um sentido de normalidade a estes dias.
    E é preciso !
    Jnascimento

  2. Bom dia caro amigo! O almirante já apareceu? Aquele túnel continua fresco? O som das ondas lembra Vangelis Papathanassiou? Um abraço JCF

  3. oh prosopoeta! a linha 17 não existe, o mais parecido é a 18e que vai da alfandega ao cemitério da ajuda, onde tu trabalhas de coveiro da poesia.

  4. Li três vezes a Teoria da Literatura e posso dizer que é um dos meus livros preferidos e de referência no estudo da Literatura. Cérebros como o do Vítor não nascem nas Novas Oportunidades ou da pressão por ‘sucesso’ de aviário, pressão de que todas as escolas públicas são alvo. De algum modo, a citação fantástica do Vítor aplica-se à tirania de propaganda metodologicamente nazi do socratismo enquanto extintor do contraditório, da ética, da verdade, da autenticidade, transformando Portugal no campo concentracionário ao absolutismo primadonnesco. Oxalá finde.

  5. podes ler mais uma dúzia de vezes que continuas sem perceber nada e pode ser que funcione como penitência.

  6. jcfrancisco, já que se deu ao trabalho de corrigir, podia ter evitado o erro ortográfico em «seja qual fôr».
    Digo eu que se calhar também não sei ler.
    E não precisa de se incomodar que sei o caminho para ir morrer longe…

  7. aprende a contar, é mais fácil que escrever e notam-se menos os erros ortográficos. podias especializar-te em poesia de adição líírica ou mesmo de subtracção épica.

  8. Uma «gansa» que o ensina, meu caro jcFrancisco, faz sempre falta! Mas tem tanta gracinha o «chapelinho» que pôs na palavra «for»!

  9. Ao contrário de si, para quem, claramente, só fazem falta os que o elogiam, para mim, todos fazemos falta. É que não consigo conceber maior pesadelo do que o de viver num mundo onde todos partilharíamos o mesmo pensamento, gostos e opiniões.

    E, já agora, como diria alguém que faz mesmo muita falta, gansa é a sua tia! :)

  10. Ena tanta curiosidade. Até pode fazer-te mal, jcfrancisco. Deixa-me dizer-te que gostei muito das perguntas, são ambas excelentes, reveladoras e muito bem pensadas. Mas andas mesmo a baldar-te com os acentos, no meu dicionário ‘língua’ leva acento, no teu não?. :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.