Antes fossem todos primos

No meu tempo de escola primária, havia umas brincadeiras que tinham época. Embora não houvesse datas oficiais de abertura, de repente todos brincavam à brincadeira do momento. A coisa durava umas semanas e passava-se à brincadeira seguinte. Porém, nenhuma dessas brincadeiras cíclicas impedia que simultaneamente se continuasse a brincar a outras coisas.

Já os nossos comentadores de política profissionais, salvo raras excepções, só conseguem brincar a uma coisa de cada vez. Apesar de estarmos em pleno ano eleitoral, a maioria só opina acerca do caso do momento e de mais nadinha até que surja o caso seguinte. E ainda por cima para não acrescentarem nada de novo. Limitam-se a repetir o que todos os outros já disseram. Papagaios, portanto.

Não creio que sejam familiares dos donos, ou directores, dos órgãos de comunicação social onde ganham a vida, mas antes fossem.  Percebia-se melhor o facto de aparentemente serem insubstituíveis, de serem os mesmos, há anos e anos, a poluírem o espaço mediático. Os políticos passam, mas eles ficam. Vá lá saber-se porquê.

6 thoughts on “Antes fossem todos primos”

  1. yo, estás a pensar nos políticos famosos, nos que aparecem na televisão, certo? E mesmo esses, muitas vezes, são famosos por pouco tempo. Olha os ex-ministros deste Governo, nunca mais se ouviu falar deles. Mas eu estou a pensar neles todos. Temos, salvo erro, 308 municípios e mais de três mil freguesias, todos estes políticos têm limitação de mandato. Faz tu as contas.

  2. têm limitação de mandatos agora… no meu município gramamos com os mesmos há que séculos porque o presidente era o vice do outro dinossauro ( esteve lá no mínimo 2 décadas) e herdou o posto com alguns vereadores incluídos. ou seja , a lei que fizeram não serve : o actual presidente se somarmos os anos que esteve de vice é dinossauro ao quadrado.

  3. E a RTP parece que anda a gozar connosco, agora até tem como comentador das capas dos jornais das 01h00 até às 01h30 o JMF, o pulha mandante do Golpe de Estado por meio das escutas e devia estar preso com perpétua. E também um outro daqueles corruptos que se vendem intelectualmente para se instalarem nas “Direcções” dos media e dizerem o que os donos lhes encomendam.
    Um dia destes qualquer está lá instalado o “pensamento do Observador” inteirinho.
    Lembro ainda que a limitação dos mandatos foi obra de Sócrates e foi muito difícil implementar. Também a não acumulação de pensões+vencimentos foi uma luta de Sócrates e uma tragédia de terror para Cavaco.
    Querer obrigar a trabalhar os senhores magistrados de boa-vida-de-cus-sentados-em-restaurantes tardes inteiras custou uma guerra surda e escondida de poderes intocáveis que levou Sócrates, “o poderoso” a ser visto aos quadradinhos pelos “não poderosos” que ainda se riem da proeza mas começam a tremer.
    Afoitaram-se tanto que alguns já se sentiam bem aplicando uma “charia” de “brandos costumes” mas o pagode parece que começa a acordar e viu ao que vinham.
    Não consentiram e assim vai ser noutros casos.

  4. yo, estás algo desiludida com os teus conterrâneos que votaram nesses políticos. Em contrapartida, estás encantada com a qualidade dos nossos comentadores de política. Aposto que acertei.

  5. non, acertaste no 1º, mas nunca leio, nem oiço, comentadores políticos dos merdia, gosto mais de blogs. bom , se linkarem algum desses num blog, dou uma vista de olhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.