Thanks, but no cigar

*

O nosso amigo Marco teve a gentileza de nos oferecer este antiácido para usarmos em caso de necessidade. Estranhamente, ele está convencido de que o Kompensan tem propriedades bactericidas ou pesticidas. Koisas.

24 thoughts on “Thanks, but no cigar”

  1. Ora, Val, sempre a zelar pelo vosso bem-estar. Não quero que vos falte nada. Parece que essa gaita dá cabo do estômago.

    Quanto a bactericida, diz que vai haver uma convenção em breve – mas, cuidado!, parece que o tratamento deixa o organismo exposto a outro tipo de espécimes, necrófagos, que ainda o corpo não arrefeceu, já andam lá de volta a mordiscar…

  2. Pintam os outros à sua própria imagem.
    Andavam com azia desde 2009, momento em que mais uma vez não aceitaram o resultado das eleições e agora acham que os outros padecem do mesmo mal e então estendem a mão com a caixa, quase vazia, que andaram a tomar mas que fez pouco efeito…

  3. André, não deve ser comigo. Não faço segredo que votei PS em 2009. Tenho é sentido de humor, mas isso, pronto, não se pode pedir a toda a gente… ;)

  4. tamém acho que a miss gomes acaba de dar oportunidade ao portas para prosseguir com o trabalho que não acabou, a destruição judicial do ps. nunca como agora o ambiente de ódio lhe foi tão favorável e o projecto tão querido à santa aliança e belém.

  5. Eu sei que vocês não chupam nem um bocadinho este reaccionário, malfeitor e homem que sózinho criou mais empregos que Pinócrates – mas aqui fica uma proposta séria e óbvia:

    Belmiro de Azevedo fez duras críticas a José Sócrates, sublinhando que o primeiro-ministro deve ir para o livro do Guiness pela sua incompetência.

    “Não há exemplo de alguém ter feito tanta coisa tão mal feita em tão pouco tempo. José Sócrates vai para o Guinness”, afirmou o empresário, citado pelo “Jornal de Negócios”.

    O responsável acusou Sócrates de ser “chefe de um grupo de empregados”.

    “Só havia um ministro: José Sócrates. Até o Teixeira dos Santos ultrapassou e ignorou”, acrescentou Belmiro.

    Na semana passada, durante o comício do PSD no Porto, o presidente da Sonae disse acreditar que o partido de Passos Coelho iria “ganhar largamente “as eleições legislativas, contra o partido socialista.

    “O PS já não é um partido sequer, é uma máquina, mas já esgotou a máquina, não tem gasolina, veio tudo para baixo”, disse Belmiro de Azevedo.

  6. Lanço uma desafio aos caros leitores. “MOMENTOS CELESTIAIS COELHONES”

    São visões que as pessoas simples começam a ter desde que José Sócrates foi derrotado pelas urnas.

    Hoje já ouvi UM no Jornal da SIC.

    Trabalhadores da TAP, fizeram uma abaixo assinado contra a greve que o pessoal de bordo ia fazer durante 10 dias, considerando que estas iriam prejudicar a empresa em que trabalham. Ainda na semana passada ninguem os ouviu…

    Ora digam lá se não se nota já o efeito coelhone?

  7. antes da implosão da torralta era bué de competente, depois da explosão da pt virou competente. a técnica do belarmino é sempre a mesma, dá graxa à troca de um par de sapatos. tou com curiosidade para ver quantos empregados da sonae vão para o próximo governo.

  8. A última e patética farsa de José Sócrates

    José Sócrates esteve igual a si próprio no discurso de derrota. E o discurso esteve igual ao previamente escrito e colocado no teleponto. Sem tirar nem pôr. Espontâneo “como sempre”, quem o ouvia parecia esquecer-se que a sinceridade que este pretendia transmitir estava a passar-lhe diante dos olhos, não vinha de dentro mas de fora, das letrinhas que iam passando mesmo à sua frente. Suava em bica. Tudo falso, tudo planeado ao milímetro até ao último pio desta figura. Muitos chamaram-lhe “atitude digna”. Eu chamo-lhe escrita criativa e teatrinho de vão de escada.

    O que dizer da parte do discurso de derrota em que a plateia começou a gritar “NÃO! NÃO! NÃO! quando percebeu que o homem se ia demitir, e este se sai num falso-patético- comovido: “meus amigos não tornem isto ainda mais difícil”. Ó José coitadinho de ti. Ó José coitadinhos de nós de termos tido de levar contigo. Deixa-me chorar perante tamanho dissabor que te causámos. Ter de se despedir. Alguém o obrigou? Não ia lidar a oposição com dignidade se os portugueses assim entendessem? Não foi isso que andou a apregoar?

    Dignidade seria este homem, o maior bluff político de sempre em Portugal, pedir desculpa aos portugueses pelos danos causados ao país, à sua economia e principalmente aos cidadãos nos últimos seis anos e meio. Exorcizar o mal antes de sair para a reforma dourada com o rabinho entre as pernas. Foram precisas três eleições legislativas para os portugueses perceberem com quem estavam a lidar. Três castings para finalmente decidirem se queriam continuar com este fraquíssimo actor político e fortíssimo actor a trabalhar na política. Foi preciso não haver esperança para Portugal varrer do mapa este vendedor de sonhos, ilusionista das promessas e profissional da fuga para a frente, um verdadeiro senhor do abismo.

    “Não levo qualquer ressentimento ou amargura para os dias felizes que tenho pela minha frente” disse ainda com uma lata descomunal: nem amargura, nem ressentimento nem vergonha na cara pelos vistos. Não a leva porque deixa tudo para trás. Milhões de portugueses amargurados e desesperados. Queria que lhe pedíssemos desculpa por danos causados? Milhões de vidas condicionadas pela sua governação negligente, incompetente e completamente irresponsável. E o tempo e a justiça, se ainda existir neste país, decidirão se ficam por aqui os casos e muitos anos de delapidação deste país perpetuada por si e pela sua ranhosa comandita. Tenha vergonha!

    Já que vai abandonar a política e não se lhe conhece outra actividade profissional nos últimos 30 anos, deixo-lhe uma pergunta – em que centro de emprego se vai inscrever? Ou será que os dias felizes que garante ter pela frente estão escritos nas estrelas, ou no teleponto?

  9. Pelos nomes falados para os novos ministérios, até parece que quem foi eleito foi o Pingo Doce e quem vai ser primeiro-ministro é o Soares dos Santos.

    Aproveito para deixar o link para um vídeo que demonstra bem os efeitos adiposos provocados pela convivência matrimonial com o Dr. Passos – http://www.youtube.com/watch?v=_mO9x9YePHY

  10. Outra visão: estás bastante obnubilado. Assim, atacas às cegas. Um discurso lido no papel já te serviria? Talvez discurso nenhum? Levaste com o mais belo discurso que um derrotado jamais fez aqui no burgo e arredores. Também tens inveja disso?

    Essa do estado em que Sócrates deixou o país também já enjoa. O país estava no bom caminho para sanear as finanças públicas (um desastre herdado do anterior governo) até ao rebentamento da crise financeira internacional em 2008, que, todos os especialistas diziam, iria dar lugar a uma terrível crise económica. Pois foi o que aconteceu. Empresas a fechar por falta de encomendas e agravamento consequente do desemprego não foram culpa do primeiro-ministro. Mas obrigaram a aumentar a dívida e o défice, claro. Entraram depois em cena os especuladores, que se inserem num problema mais global de ataque ao euro.
    Sabes, se Sócrates, enfrentando uma oposição totalmente irresponsável e oportunista, não tivesse lutado até ao limite para evitar a vinda da troika e a forçosa recessão, estando já a conseguir que a Europa repensasse o seu comportamento e os seus mecanismos de ajuda, agora estarias tu e os outros da tua laia a acusá-lo de entregar o país às mãos vorazes do FMI e ao esquema de “ajuda” que está a enterrar numa cova cada vez mais funda a Irlanda e a Grécia. Se tentou por todos os meios de que dispunha evitar essa ajuda envenenada, aqui d’el rei que vivia num mundo irreal e que é o responsável pela situação actual depauperada.
    Acho que já chega de verborreia barata. Qualquer crise política provocada pela sua demissão (fatal após um pedido de ajuda), mesmo que aberta logo no final de 2009 após as eleições, ou em 2010, teria consequências tão graves como a mais recente, ou ainda mais graves, dado sermos os primeiros a pedir “ajuda” e não se conhecerem na altura os resultados trágicos da receita aplicada à Grécia e à Irlanda.
    A atitude de Sócrates é inatacável. Um bom primeiro-ministro teria agido como ele. Um mau primeiro-ministro ter-se-ia ido embora à primeira contrariedade após a tomada de posse do seu governo minoritário, entregando o país aos bichos, sem orçamento, sem alternativa na oposição (na altura ainda era líder Ferreira Leite), sem nada, arrastando o país, em plena crise, para um novo acto eleitoral passados apenas 3 meses, ou vá lá, 6 do de 2009.
    Mas porque não culpas o Cavaco? Não sabia ele que era fundamental um governo de maioria no Parlamento? Porque deu posse a um governo minoritário? Porque não impôs o estabelecimento de um acordo de governo ou mesmo de uma coligação? Porque lhe interessava desgastar concretamente este governo até à sua própria reeleição, não era?

    Resta lembrar-te o bloqueio sistemático de toda a oposição às necessárias medidas de austeridade e de contenção da despesa levadas ao Parlamento. Ainda recentemente, ao chumbarem o PEC IV, a justificação apresentada foi a de que “há limites para os sacrifícios pedidos aos portugueses”.

    Portanto, deixa-te de narrativas de ódio ad hominem. Sócrates foi um excelente governante, reformista, corajoso e empenhado em modernizar e qualificar este país. Teve um enorme azar com a crise internacional, que, mais do que a campanha de calúnias movida pela oposição, lhe minou a estratégia. Mas mesmo assim ainda teve margem, coragem e determinação para deixar muita coisa feita. E elevou os padrões de exigência na governação. Nada será como dantes, depois dele.

  11. “Suava em bica. Tudo falso, tudo planeado ao milimetro”

    Recomendo um estudo aprofundado em termos médico-cientificos deste espécime rarissimo que é José Socrates.
    É que até hoje nunca ouvi falar de alguém que suasse em bica de forma planeada. É um feito, sim senhor!

    Quanto ao teleponto, é natural, o ex-PM sempre foi adepto das novas tecnologias. Já aqueles que levam papeis, além de serem obviamente pessoas falsas e mentirosas são pessoas antiquadas , claro. Cabem nesta categoria pois então, deixa cá ver…toda e qualquer pessoa que já deu um discurso na vida?
    Idiotice é não ir preparado para quem ali está para nos ouvir. E isso viu-se no discurso do vencedor na noite.

  12. Vocês, povo da Igreja Socrática dos Últimos Dias, deviam encetar todas as diligências e estratégias para elevar essa vossa devoção fanática à qualidade oficial de religião e erguer um altar, situado numa majestosa Basílica (desde que não fosse desenhado pelo Inginheiro, porque corria o risco de ruir brevemente), cuja função primeira seria a de vos poder consolar depois da partida do patriarca e, a segunda, disponibilizar um espaço sagrado para a adoração eterna.

    E até tem 28,05% dos tugas votantes dispostos a contribuir …

    Pode ser que dessa forma isso vos mitigue essa sensação avassaladora de perda, que vos torna tão repetitivos e repetentes na acefalia e profunda cegueira.

    Organizem-se e não desesperem que o fim-do-mundo ainda não é desta.

    Ah! Até lé sempre podem colocar um altar improvisado e umas velinhas de cera genuína ali nas escadarias da Pecuária do Largo do Rato!

  13. oh multicego! passa por belém que a maria cavaco precisa de um decorador de interiores. diz que vais da minha parte.

  14. Ferra tem razão….
    Nunca vi nada mais absurdo. É que a noticia é construída na base dos que de dentro, supostos colegas de trabalho estão contra os restantes que se preparam para fazer greve. As razões da greve, permanecem ocultas.Ninguém liga, mas este tipo de atitude é explosiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.