Uma crise exemplar

Esta semana, para além da impressionante telenovela politica e do seu desfecho a que tivemos oportunidade de assistir, assistimos também ao breve caos económico que a perspectiva de queda do governo e eleições antecipadas nos trouxe. E mais do que a dança das cadeiras e dos poderes, das juras de fidelidade em nome da estabilidade a partir de agora e da sua mais que previsível quebra – basta esperar pelo drama em dois actos que será o rescaldo das autárquicas e o OE2014 – é aqui, verdadeiramente, que está a verdadeira consequência desta crise politica a que assistimos.

Recapitulemos: em apenas um dia, a bolsa teve um crash, os juros da dívida portuguesa dispararam para além dos 8%, toda a imprensa internacional de repente acordou para o nosso caso, as agências de rating ameaçaram, e os olhos dos mercados internacionais focaram-se com espanto no bom aluno que parecia dar ares de rebeldia. Rebeldia essa que, como fomos imediatamente recordados, nos está absolutamente vedada. Veja-se esta peça:

A troika de credores está a estudar dois cenários para Portugal. O primeiro admite que o governo se mantém em funções pelo menos até final do programa de ajustamento, Junho de 2014. O segundo é a dissolução do parlamento e a realização de eleições antecipadas no final de Setembro. Nesta hipótese, a troika avançaria de imediato para a proposta de um segundo resgate que seria discutido com o novo governo em simultâneo com a preparação do Orçamento do Estado para 2014. Um segundo resgate que iria prolongar a austeridade até, pelo menos, 2016 e obrigaria Portugal a cumprir um rigoroso programa de cortes e reformas no Estado a troco do financiamento necessário até final desse ano.

Fonte

O que isto diz é o seguinte: o vosso papel é estar quietinhos, não levantar ondas, cumprir o que vos mandarmos sem fazer barulho que passe fronteiras (o barulho interno não interessa), e qualquer assomo de rebeldia será imediatamente punido com mais austeridade, durante mais tempo.

Agora, as bolsas não caíram e os juros não subiram porque toda a gente descobriu de repente que o programa não resulta e deixou a economia num estado lastimável, no terceiro ano de recessão. As bolsas não caíram e os juros não subiram porque toda a gente descobriu de repente que estamos alegremente a caminho dos 20% de desemprego. As bolsas não caíram e os juros não subiram porque toda a gente descobriu de repente que a dívida está já em níveis insustentáveis. Não, nada disso. As bolsas caíram e os juros subiram porque toda a gente sabe, em particular os mercados, que o que verdadeiramente interessa não é o estado da economia, mas apenas o estado da garantia da UE e do BCE no que diz respeito à dívida portuguesa e ao seu financiamento. Se a economia fica desfeita em consequência das condições impostas, é-lhes igual ao litro, desde que a UE garanta que os empréstimos são pagos. E a UE não quer eleições. Quer apenas o seu programa cumprido, e está-se nas tintas para as consequências. Estão-se nas tintas para se resulta ou não. É para cumprir sem reclamar. Ou vem outro ainda pior.

E isto, lamento muito, ficou perfeitamente evidente num só dia. A partir daqui, esse dia em que estivemos a caminho do segundo resgate, em que as bolsas afundaram, em que os juros dispararam, em que os ratings foram ameaçados, esse dia vai ser usado como exemplo do que pode acontecer se deixarmos de cumprir as exigências da Troika. Temos agora um exemplo, real, do caos económico que a estaríamos sujeitos se ousássemos desafiar a UE. E o medo, como se tem visto na Grécia, e em Chipre,  pode levar as pessoas a suportar coisas muito mais graves do que julgávamos, ou desejaríamos, que fossem possíveis.

Pensam que o governo sai enfraquecido deste lamentável episódio? Eu não teria tanta certeza. Acabaram de ganhar uma arma poderosa.

24 thoughts on “Uma crise exemplar”

  1. muito bem visto. mas temo que, inteligência rasteira apenas orientada para a ganância, só terão noção disso depois de lerem este texto. tira isto, rápido, daqui, vá, antes que sirva de lembrete.

  2. Se o Vega9000 sabe disto, e penso que está certo, os “nossos maiores” também sabem. Perante o desastre iminente, Gaspar fugiu e Portas quis fazer o mesmo. Não o deixaram. Foi muito bem feita! Ele, Passos e Cavaco vão ser os coveiros da nossa economia, como previu Basilio Horta. Terâo a fama e o proveito. Muito melhor que Cavaco e Passos (o primeiro, cego pelo ódio e pelo rancor; o segundo, burrinho como Deus o fez), Portas conhecia o alcance do chumbo do PEC IV. O apetide pelo poder (se não for muito mais que isso, por causa dos Pandur e dos submarinos) cegou-o e foi um dos paladinos no derrube dos socialistas e apelo à troika. E fica uma pergunta: a Alemanha, que se recusa a divulgar quem foram os governantes/negociadores corrompidos, no caso dos submarinos, não terá encostado o punhal às costas de Portas? Só algo tão grave poderia ter o poder de fazer Portas tornar revogável a sua irrevogabilidade declarada, dando o espectaculo obsceno e desprezivel da “palavra” feita em farrapos.

  3. isto não é a europa com que sonhamos,mas uma especie de submundo liderado por mafiosos que sem armas belicas, destroem os paises que lhes caem no seu regaço.lamento muito, mas o ps tem que dizer sempre e bem alto, que se estamos debaixo pata desta gente, foi por culpa do psd, cds, e dos suspeitos do costume,bloco, pcp,e de homens a mando do presidente isto vem a proposito do debate no telejornal da rtp,onde nuno melo do cds repetiu como de costume a divida deixada pela ps, quando poucos dias antes do derrube tinham aprovado com a vontade do governo,mais um envelope,para a madeira.os mandatos são de 4 anos, e o ps foi derrubado a meio do mandato que o povo lhe conferiu. enquanto não acabarmos com esta narrativa,o ps não vai a lado nenhum! tem a palavra josé seguro e a saus tropas!

  4. Portas tem poderes muito reforçados no governo e Pires de Lima na economia.
    Isso é muito bom. è um governo melhor do que o anterior.

    Triste e miserável é chegarmos ao ponto de ter uma pequena alegria porque Portas tem mais poder. è a medida da nossa desgraça.

    Relativamente ao comentário do nuno cm…apelo a “seguro e suas tropas”… como socialista desde sempre, deixe-me dizer-lhe que a nossa maior desgraça é ter Seguro a liderar o PS. Ele é um Passos coelho em Pior.
    E sé é para partirem isto tudo e revelarem toda a sua vasta incompetência…que seja o inutil do PSD a faze-lo. Dispenso essa mancha no curriculum do PS.

    Mais…assumindo que o governo se aguenta até ao fim da legislatura, acho bem que o PS eleja outra liderança até lá.
    Caso não o consiga fazer, caso não exista ninguem melhor que o Seguro…tambem não merece a confiança de ninguem.

    Miguel

  5. . A analise conspirativa de Maria Abril, sobre a Alemanha versus Portas e sua “irrevogavel” fuga, Pandur e submarinos é capaz de ter alguma verdade… Acrescem, a isso, as dúvidas de M F Leite sobre o estado do país ser pior do que nos contam….
    Seguro fica agora aliviado do ataque de caganeira, mas engana-se se pensa que é passageiro. Vai ao Chapitô ser escutado e ouvir dizer que vai ter que ASSINAR outro compromisso patriótico ou ficar com as culpas todas…. O PS que arrange outro leader porque este também não é credível… É mais do mesmo. O país passou da democracia para a jotocracia, com alguém já disse recentemente

  6. O empenhar a vida ou a barba:
    Antigamente as pessoas faziam-no como prova da sua honradez. Era o empenhar da barba, ou a corda ao pescoço, como fez Ega Moniz, aio de D. Afonso Henriques. Havia uma série de conceitos que se usavam para demonstrar aos credores como se estava a negociar com toda a lisura. Um apertar de mão (mãozada), num encontro, era a forma de fazer ver que se estava desarmado, pois antigamente era comum andar-se armado.
    Quando se convidada alguém para almoçar ou jantar em sua casa, ser-se primeiro servido, era a forma de mostrar que a comida não estava envenenada. Uma série de requisitos que substituíam os Cartórios Notariais, hoje existentes entre nós.
    Quando não era cumprido o contrato, o infractor – caso de Ega Moniz -, ia entregar a vida ao seu credor e, caso fosse o empenhar da barba, a primeira coisa a fazer, era deixá-la cortar em público. Nada contra esses usos.
    Também havia quem julgava que o deixar crescer o cabelo era imbuído de uma força superior, ou respeito – caso de Sansão -, outros com a barba. Por isso antigamente o uso de cabelo e barba de grandes dimensões. Não era porque rareavam os barbeiros ou cabeleireiros.
    Hoje ainda há quem acredite nesta crença. E, o que se passou ou está a passar-se com uma figura que muitos relevaram está a condizer com esse paradigma.
    Enquanto Álvaro Santos Pereira não aparou a barba, – pera – era contrariado por uma grande parte da sociedade portuguesa e colegas de governo, mas nada lhe aconteceu. O que levava alguns a comentar: – a sua barba dá-lhe força!
    Seja verdade ou não, o que é certo, é que após o tê-la aparado parece que a sua exoneração de Ministro da Economia e não sei de quantos Ministérios mais, está iminente.
    Agora nada me admira da palavra irrevogável não ser cumprida. Pois quem a narrou não é dono de uma barba rija, pelo contrário, é dono de uns pelitos, o que não lhe dá uma postura de homem.
    Não refiro o nome da personagem – mete-me nojo -, porque é evidente, os meus leitores serem sábios suficientes para saberem de quem se trata, embora não seja, caso único neste des (governo.

  7. É preciso ver que os nossos credores pertencem àquela categoria que aqui já referi, e que designei de espécie (humana) concupiscente. Em Fedon e também na República, Platão discute essa questão. Para Platão, a alma é um conceito filosófico, distinto do religioso; a alma é um princípio que busca uma finalidade. A alma humana, segundo Platão, está tripartida em alma concupiscente (os básicos instintos de subsistência), alma irascível (a vontade, necessária para enfrentar crises e ser efectivo nas decisões) e alma racional (superior, destinada ao conhecimento das ideias).

    Certas pessoas, como sendo os nossos “amigos” credores, têm as almas iracível e racional dominadas pela concupiscente. Isso impossibilita-lhes a moderação dos instintos de sobrevivência; eles tornam-se ganaciosos e, com a alma racional escravizada por pulsões de gratificação imediata, tornam-se pessoas que só vêm o curto prazo. Se ocupam a cadeira do poder então, como nos diz Platão, entregar-lhes o governo é semelhante a entregar a condução de um automóvel a um cego.

    As reformas que os nossos credores pretendem irão provocar perdas importantes de competitividade da economia portuguesa e aumentarão, no futuro, os custos da sua recuperação. A certa altura, não será mais possível recuperar economicamente a Zona Euro a não ser através da draconiana regulação de toda a indústria financeira e de um “target” de inflação de 6%, em vez de 2 a 3%. Só através dessa regulação foi possível ao Reino Unido pagar a dívida pública com que saiu da 2ª Guerra Mundial, que ascendia a 180% do PIB.

    Há uma situação a desenvolver-se actualmente, que terá consequências importantes. Com o chamado “sobreaquecimento” da economia chinesa e outras de países em vias de desenvolvimento, a crise que disso resultará é inevitável e vai provocar uma queda abrupta das exportações da Alemanha e de outros países desenvolvidos. Durante a última década, os países europeus “ricos” julgaram que não necessitavam do mercado inteno da Zona Euro para colocar os seus produtos.

  8. «Pensam que o governo sai enfraquecido deste lamentável episódio? Eu não teria tanta certeza. Acabaram de ganhar uma arma poderosa.»

    Para responder à pergunta. Penso que o governo sai deste episódio estrategicamente enfraquecido, na medida em que perdeu a réstia de autonomia que, com Gaspar, ainda detinha, relativamente aos espécimes concupiscentes estrangeiros.

  9. E não convém esquecer que os espécimes concupiscentes alemães poderão ser tentados a nos pôr para fora do euro, como forma de lavarem as mãos do mal que nos provocaram, para assim evitarem a taxa de inflação de 6% e a desvalorização do euro, coisa que os interesses economico-financeiros alemães temem como se fora a peste negra.

  10. Em vez de estarmos a imaginar cenários, não era melhor investigar a jogatana do Gaspar, no dia em que se foi embora?
    É que pode ser considerado crime de gestão danosa. E esse é um cenário real e não baseado em cenas fictícias que servem apenas para difusão do boato.

  11. Vega9000: É isso mesmo. Só que agora fica Portas ao comando. Nunca pensou lá chegar sendo líder de um partido que obtém 10-12% dos votos. Este presente, que alguns no PSD devem pensar ser envenenado, é o que veremos, abre novos capítulos na novela e vai permitir satisfazer uma curiosidade – afinal de que é capaz Paulo Portas para lá dos soundbytes? E o PSD? Assistirá impassível? Eis o que manterá os portugueses interessados nas próximas semanas. Uma coisa é certa: pior que Passos é impossível. Logo, Portas tem aqui uma ocasião única. Nuno Melo, na RTP, parecia ainda incrédulo com este novo e súbito poder e tentava refrear o nervosismo/entusiasmo dizendo que se impõe prudência até à aprovação do novo governo pelo PR.

  12. o nuno caramelo em bicos de pés a ver se abicha um menistério, pode ser mesmo das estrangeiras, tipo suecas. agora é que a garotada acaba seta merda e já que somos nós a pagar, não saiam dos vossos lugares e apreciem a ménage à trois sado-mazuca que aí vem dirigida pelo portas.

  13. Fora do remoínho esquizofrénico em que vivemos, fui ver Searching for Sugarman. Recomendo a todos, (ignatz, não percas, está só no King). História de um homem (Poeta ao nível – acima- do Bob Dylan, operário da construção civil, filósofo na forma como vive, vendeu mais que os Rolling Stones na África do Sul, meia dúzia de discos na sua terra natal (USA). Vive pobre mas pareceu-me um dos maiores milionários à face do planeta. Um Ser Humano que só se torna intrigante pela verdade de que já quase todos nos esquecemos, porque o que está vendid, vendido está.

    Durante décadas pensou-se que estava morto (suicídio em palco). Mas vive apenas uma vida “simples”

    http://www.youtube.com/watch?v=qj-N_4k8t8c
    http://www.youtube.com/watch?v=qyE9vFGKogs

  14. nope. tem nada a ver com moda. O que há é excitação à volta daquilo de que estamos muito longe. Já lá vou à hora e tal de sucessos musicais de momento ou “establishmet blues”. Mas o que me interessa agora é isto:

    The mayor hides the crime rate
    council woman hesitates
    Public gets irate but forget the vote date

    Weatherman complaining, predicted sun, it’s raining
    Everyone’s protesting, boyfriend keeps suggesting
    you’re not like all of the rest

    Garbage ain’t collected, women ain’t protected
    Politicians using people, they’ve been abusing
    The mafia’s getting bigger, like pollution in the river
    And you tell me that this is where it’s at

    Woke up this moming with an ache in my head
    Splashed on my clothes as I spilled out of bed
    Opened the window to listen to the news
    But all I heard was the Establishment’s Blues.

    Gun sales are soaring, housewives find life boring
    Divorce the only answer smoking causes cancer
    This system’s gonna fall soon, to an angry young tune
    And that’s a concrete cold fact.

    The pope digs population, freedom from taxation
    Teeny Bops are up tight, drinking at a stoplight
    Miniskirt is flirting I can’t stop so I’m hurting
    Spinster sells her hopeless chest.

    Adultery plays the kitchen, bigot cops non-fiction
    The little man gets shafted, sons and monies drafted
    Living by a time piece, new war in the far east.
    Can you pass the Rorschach test?

    It’s a hassle is an educated guess.
    Well, FRANKLY I COULDN’T CARE LESS.
    http://www.youtube.com/watch?v=c_7u06P3ebU

  15. vi aos bocadinhos…o que é que perdi mesmo? (o freak chic é giro, certo) E onde está o promocional do sixto?

  16. não sou segurista,mas compara-lo a passos coelho,acho um exercicio de mau gosto e pouco serio.este tipo de criticas não podem ser de socialistas,pelos simples facto de que no ps um homem com o perfil politico e cultural de passos coelho nunca por nunca seria eleito,por não ter sequer coragem para se candidatar! sabem onde está a mediocridade alem da governativa?na oposiçao de extrema esquerda,que alem de terem de lideres fruto de arranjinhos ,pedem eleiçoes, sem dizer aos portugueses o que tencionam fazer com os seus 20% no total!

  17. Realmente, Seguro pode estar longe de ser ideal; mas compará-lo com Passos Coelho é mesmo descabido, para além de ajudar a direita a convencer o povo de que não há alternativa a este seu governo de triste figura.

  18. @nuno cm:
    À esquerda do PS, há um grande número de pessoas cuja alma irascível domina a alma racional e a alma concupiscente. O que, geralmente, conduz ao defeito principal dessas pessoas: o voluntarismo extremo, que lhes pode toldar toda a razão.
    No entanto, nuno cm, particularmente na situação em que estamos, esses guerreiros são, mais que nunca, necessários.

  19. joãopft,alguem com piada dizia: “molir é facil o dificil é construir”.essa malta é boa para moer o juizo aos governos,mas nada se construiu até à data com eles e não faltaram oportunidades.catarina martins mais uma vez questionada pelos jornalistas disse: mais ou menos isto: acordos com o ps só se rasgar o memorando.joao,estamos conversados!pode haver na extrema esquerda gente bem intencionada(eu fui um deles) mas esses não são dirigentes!

  20. nuno cm,

    Eis o Incrivel Hulk:

    http://www.youtube.com/watch?v=ZT_QTOUVkiU

    (que nem dos deuses tem medo e é genericamente o melhor a partir tudo, pese embora seja impossível discutir racionalmente com um gajo que é ira em estado puro).

    Se isto não der para o torto, aí terão um problema se se juntarem ao gajo pois ficam a ter que aturar Bruce Banner, o seu dirigente; se, por algum motivo, o atacarem ou ele ficar demasiado stressado com a vossa presença, então o atormentado doutor evoca o monstro verde e este toma-vos por inimigos. Por fim, o general Thaddeus E “Thunderbolt” Ross — graduado com distinção e louvor por West Point — receia e persegue o Hulk; o general ficaria bastante desagradado convosco se tomassem a “abominação” por aliado.

    Mas, se a coisa der seriamente para o torto, eu preferiria ter o Incrível Hulk na minha equipa.

  21. Pingback: Uma crise exemplar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.