Os limites da igualdade

Graduating students from the school were preparing to dance for Madeleine Onne, then head of the Royal Opera, in the hopes of getting a job. The students – and many more in the Swedish dance world along with them – were shocked when none of them were deemed to be good enough. Sweden’s ballet education had deteriorated to a level where the dancers couldn’t be employed by the country’s main institution for classical dance, and the contracts went to foreign dancers instead. How had it come to this?

Uma lição sueca.

5 thoughts on “Os limites da igualdade”

  1. ai ai … a Suécia …
    Não esquecer que a Suécia é 1 País cuja educação – desde a medicina, às profissões “banais” carpinteiros, pedreiros etc – é um fenómeno com pouco mais de 50 anos. Essa da deterioração do ensino lá é uma coisa que se calhar advém de uma época episódica de um qq sucesso tresmalhado :)).

  2. parece-me bem a especialização como medida preventiva da doença da falta de competitividade. mas depois entra o factor, imperfeitamente subjectivo, humano. e o óptimo pode ser tão injusto quanto o muito bom ou o bom – porque a injustiça também é criação humana. e essa, sim, pode ser perfeita. :-)

  3. Analyse deThierry Meyssan sur la Libye (video)
    Internationalnews IN: Alors que les terroristes de l’OTAN continuent de détruire la Libye, le pays le plus développé du continent africain*, et de terroriser les populations, Thierry Meyssan nous livre son analyse de la situation. Il rappelle que les agressions contre la Libye et la Syrie avaient été programmées dès 2002 (NB: et prévues dans le programme du candidat Obama), et que les opérations militaires ont été décidées dès novembre 2010. Le projet de remodelage du Moyen-Orient a été […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.