9 thoughts on “Péssima surpresa”

  1. É o meu fantasma, Sinhã. Sim, os célebres, tristemente célebres «ilhéus de Langerhans». Levou o Jacinto do Prado Coelho em 1984 com 64 anos e o Eduardo anos depois com 59 apenas. Agora a Zezinha. Malvado…

  2. eu sei, e lamento muito. se eu pudesse, abria uma excepção nisso de fazer vingança e encarava-o – olho no olho – e havia de esfaqueá-lo, cortá-lo, picá-lo e cozinhá-lo em lume forte até torrar. e depois fazia uma festa e havia de dançar por cima dele, espalhado pelo chão. e talvez a vida abrisse uma excepção e me devolvesse quem ele me roubou.

  3. Lamento. Era uma voz independente e genuína, a dar exemplo a muitos carreiristas e vira-casacas.

    Depois há a estupidez do jornalismo que não consegue evitar o eufemismo taralhouco e fala de doença prolongada mesmo quando se trata de um cancro fulminante.

  4. Pois… é o mesmo jornalismo que chama «maturidade» a data de vencimento pois traduz assim, fácil e burro, «maturity date». Um horror…

  5. Anda aqui tanta indignação vaidosa e inútil que nem nos deixa tempo de recolher e divulgar o mais que podemos estas coisas.

    http://www.vanguardia.com.mx/investigadoresencuentrancuraparaelcancerperonoesnegocioparafarmaceuticasyquizanuncavealaluz-724971.html

    Quanto a ( QUASE) todos os cancros esta terapia, promete,em elevadíssima percentagem a sua cura.

    http://terapiagerson.wordpress.com/

    Se acho que este post , que considero isento, vai , aqui,desencadear as inflamadas discussões (muitas delas perfeitamente estéreis)? Fracamente acho que não. Estas reflexões dão pouco protagonismo às figurinhas do costume.

  6. Para mim, que desconhecia em absoluto a sua situação, foi um choque. Mesmo não partilhando das suas posições políticas, admirava bastante as suas inteligência e determinação, sem dúvida invulgares no nosso meio partidário. Uma grande perda para a Direita portuguesa, mas igualmente para a nossa vida política e cívica. Será recordada com respeito por muito tempo.

  7. Não terá sido surpresa, mas mesmo assim foi um baque!
    Adversária temível, ciosa das suas convicções, lutadora inveterada era de uma dignidade excecional e a toda a prova.
    Dignificou a Política com letra grande, só olhando para o exemplo desta Senhora se pode ver ao ponto que alguns nobres descem nos seus podres projetos de poder.
    Foi bom ter vivido no seu tempo, ter ouvido as suas opiniões e ter partilhado alguns projetos.

  8. Infelizmente a vida é muitas vezes madrasta e nunca eterna.
    Tive o raro previlegio de conhecer MJNP em situações diversas, nomeadamente a nivel profissional, a nivel partidário e até a nivel pessoal a quando da enfermidade de amiga comum, e em todas as situações retive em MJNP a presença de uma figura impar em termos de relacionamentos humanos, para além de respeitar e adorar a sua verticalidade nas opiniões, que faz de mim próprio uma criatura de que poucos podem dizer gostar, pois as verdades são sempre muito duras de escutar, e muitos neste planeta preferem escutar só aquilo que lhes agrada.
    Se só querem escutar aquilo que lhes agrada, porque raio muitas vezes perguntam a opinião de quem tal como eu, ou ela, somos livres no pensar e no dizer…
    A noticia do seu falecimento caiu ontem no meu pc de um modo silenciosamente triste, talvez de acordo com a sua forma muitas vezes silenciosa de olhar, analisar e só depois tecer opinião.
    Sem poder dizer que fomos amigos, na base daquilo que muitos consideram amizade, terei no entanto que dizer que senti ontem a perda de alguém a quem respeitava muito…
    Obrigado “Zezinha” porque eu sei que tu sabes que eu sei que onde estiveres continuaras a ser sempre irreverente e frontal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.