13 thoughts on “Sondagem”

  1. Não é uma escolha nada fácil. Costuma bastar o Passos abrir a boca, mesmo sozinho. Mas opto pela primeira hipótese. Deve ser confrangedor, é que Passos não tem uma única ideia para contrapor às de Sócrates.

  2. Não votei como vós mas não me custa nada reconhecer que o comentário da Guida é de extrema pertinência. Isto… não há como as mulheres para nos apanharem nas curvas!

  3. Custa-me discordar da Guida e da Teresa, pois não se pode avaliar o estado de decadência do PSD, a partir duma conversa que nunca existiu, e, que, a ter existido, se ficou por um monólogo. Como se sabe, e não obstante ter demorado 4 horas, só um é que falou, logo, não houve conversa.
    Já a conversa Passos/Nobre, suponho não ter sido edificante para o desgovernado PSD, mas, decadente mesmo, foi para o louco do Nobre.
    Restando-me o “diálogo” Cavaco/Passos, aí votei, pois, tenha sido o que fosse, foi, garantidamente, decadente para ambos, logo para o PSD.

  4. Ó Azevedo, leia bem o que escreveu. Atão se acha que a conversa não existiu, vá, prontos, eu também acho que é melhor pensarmos que não existiu, mas que se existiu só um é que falou e portantos não houve conversa quer que eu deixe de me rir, tenho uma imaginação que não me deixa sossegada, ao ver o puto de bibe ao xadrez e mãos atrás das costas, nariz ranhoso, lágrima ao canto do olho, joelhos esfolados, quanta rasteira, mas quanta…, sem conseguir dizer palavrinha que seja, acho que chamou pela mãe mas nem disso não tenho a certeza, na frente do senhor director?

  5. Manuel Azevedo, eu não pensei nessa conversa em particular, mas sim no conjunto de encontros que ambos têm tido. Pensei no contraste, no confronto de ideias entre alguém que as tem e defende e outro que enfim é o que sabemos. Deve ser de tal forma incómodo que não me espanta que Passos queira a todo o custo que o PS substitua o seu líder. Mas também concordo que as conversas entre Passos e Cavaco devem ser bastante reveladoras, só que para dizer a verdade tenho muita dificuldade em imaginá-las. O que me ocorreu foram aquelas situações em que Sócrates faz um discurso na TV e de seguida Passos tem de o comentar. É nessas alturas que os discursos do Passos me parecem ainda mais vazios e que a decadência do PSD se torna mais evidente, lá está, o contraste. :)

  6. Francamente, não era minha intenção provocar qualquer tipo de polémica convosco, já que, tanto quanto me parece, mais coisa menos coisa, temos a mesma opinião sobre essa espécie de partido que é o PSD.
    Fiz uma tentativa, verifico falhada, de ironizar e esqueci-me de pôr umas aspas entre “nunca existiu”…
    Aliás, aqui há dias, escrevi um comentário num blogue da minha cidade (Mangualde), sobre esse encontro Sócrates/Passos, que passo a transcrever:

    “Manuel Azevedo April 13th
    Este coelhóquio foi um ingénuo ao ter ido a S. Bento, pois foi meter-se na boca do lobo.
    Claro que o mentiroso do Sócrates, assim que o lá apanhou, para dar a ideia de que houve uma longa conversa e tentativa de negociação e acordo, pôs-lhe uma mordaça, amarrou-o a uma cadeira, e só o deixou sair quatro horas depois.
    Bem feito!”

    Cumprimentos e não se zanguem comigo …

  7. Oferece-se:
    Eu, abaixo assinado, venho muito respeitosamente solicitar ao presidente, secretário-geral e bases do PSD, para que me convidem para candidato a deputado em qualquer distrito, sendo que as minhas exigências são poucas.
    Se não for careça de lista não tem importância desde que seja o segundo dessa lista e que nesse distrito sejam eleitos pelo menos dois deputados.
    Não exijo ser presidente da AR, mas gostava que me fosse dado o lugar de vice. Entendo que ser vice-presidente é mais chique: tem mais uma frase.
    Sou independente. Para o provar declaro que votei em vários partidos mas nunca no PSD. Entendo que é a prova mais que provada da minha independência.
    Não sou jornalista, comentador, juiz, politólogo. Estes põem-se à espreita para serem convidados, ao contrário, eu ofereço-me.
    Sei guardar um segredo, – não sou como o Pacheco Pereira – tenho boa oratória, sei contar umas anedotas. Ah, já me esquecia, também sei mentir.
    Não me disponibilizo a dizer que vou votar no PSD, como independente que sou, gosto de o demonstrar.
    Acaso estejam interessados devem contactar o interessado a partir das dez horas às doze e das catorze às dezassete de segunda a sexta-feira. Fora desse horário não me encontro disponível por que não ganho horas extras.
    Assinatura – – –

  8. Boa malha, amigo Pacheco! Quanto ao resto (passos perdidos) lembro-me uma frase de um amigo meu, humorista e cartoonista, quando um certo senhor saiu do Sporting: «Lá se foi o meu abono de família!» «Aquele homem tudo o que dizia já era meia anedota…»

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.