Quo vadis, PS?

Ana Lourenço mostrou, sem procurar disfarçar, a sua falta de pachorra para o seboso e gelatinoso Seguro. O militante do PS que ainda esteja indeciso teve naquela carinha laroca um farol avisando para o local do provável naufrágio.

Assis é bruto e brutal. Os moralistas, a começar por Seguro neste debate, passando pela direita hipócrita e conspiradora e acabando nos imbecis da extrema-esquerda, borram-se de medo à sua frente.

15 thoughts on “Quo vadis, PS?”

  1. Pois é, Val, mas podes escrever aí, ou aqui, que já ganhou. Fiquei de boca aberta quando um amigo meu que julgava “sensato”, quero dizer, que se apercebia desta gelatina, me teclou a dizer que o Seguro era “o maior para enfrentar a direita”. É militante PS encartado.
    Por estas e por outras eu e tantos mais fugimos dos aprarelhos partidarios como quem foge da peste. Fazem-me lembrar as claques profissionais de futebol. Tanta gente gosta de futebol mas detesta as claques. É o fanatismo que cega. Só pode.

  2. Já para não dizer o pessoal de Felgueiras. Mas o invertebrado do Assis mete medo a alguém? Alguém imagina aquele pau-mandado de carreira em responsabilidades governativas? Só se fosse no conselho e accionistas a PT e mesmo aí desconfio que ficava confinado à pasta de “proveitos antecipados para evitar tributação e trafulhices do género” É que nem nos wetest dreams dos Socratistas. O Seguro não precisa de ser nada de especial para parecer ficar bem na figura mas a verdade é que não se perfila ninguém de jeito à liderança do PS, o que não é de admirar depois a passagem daquele vácuo de tudo que andou por lá.

  3. Sr Não Interessa, olhe que ninguém odeia, persegue, difama o “vácuo”; nem move em simultaneo magistrados, donos da comunicaçâo social e do dinheiro contra o “vácuo”; nem a extrema esquerda se une à direita toda, num frenesim nunca visto, para derrubar o “vácuo”.
    Não se dá conta do absurdo da sua posição?
    Um país de “elites” mediocres, pasmadas e corruptas não estava à espera de um Sócrates cheio de dinâmica. Deu gosto vê-lo governar durante quatro anos (depois, sem maioria, não o deixaram). Apesar das armadilhas da canalha, ele e a sua equipa fizeram uma obra notável. É isto que vos queima os miolos. E, para vosso desespero, não fugiu. Tiveram que o ver cair de pé! Bem feita, gente mesquinha!

  4. “os militantes têm as minhas ideias e posições na minha moção, estão esclarecidos”

    Acho que temos uma nova versão de “está no site da presidência”.

  5. Parecem haver por aqui, ainda, alguns socialistas que não terão percebido que o PS, seja ele conduzido por Seguro ou por Assis, entrou numa fase decrescente na vida política portuguesa. O que é estranho, e muito, é ver alguns socialistas (claro que se percebe através dos seus comentários e eu também sou, não me escondo) terem permitido ao longo destes seis anos que o partido resvalasse para onde resvalou, sem que alguma vez tenham escrito uma linha onde manifestassem as suas preocupações, quanto à política seguida, quanto à situação interna e quanto às consequências para Portugal e para o próprio PS. A esta crítica nem sequer escapam as grandes figuras do PS que se limitaram a bajular o “poderoso” Sócrates e seus amigalhaços, entre os quais se contou Francisco Assis sendo claro que este defendia tudo o que o seu chefe mandava defende, sendo incapaz de se manifestar sequer contra o fecho do PS aos próprios militantes.
    Tiveram oportunidades várias de se manifestarem esses socialistas, porém, entenderam que o seu lugar de destaque era representante de milhares de militantes ignorados e esquecidos pela direcção do PS, a qual lhes “roubou” a voz e desprezou, entregando o partido, nas suas bases, a indivíduos que, politicamente(?) demonstraram ser incompetentes e terem poucos escrúpulos. Por isso, hoje, o PS está dividido. Dividido entre a continuidade daqueles que se apoderaram do poder por interesse pessoal e outros que, apesar de também não terem tido a coragem de dizer basta no interesse de Portugal e do PS, daqueles que até aproveitaram a boleia do silêncio para emergirem quando a “vaca berrou” e dos muitos oportunistas que vejo colar à candidatura de Seguro. No entanto, apesar de entender que “muita água irá correr debaixo das pontes” e que Portugal e a Europa sofrerão enormes transformações nos próximos tempos, entendo que Assis é apenas a voz de Sócrates preparando-se para um “regresso triunfal” candidatando-se à Presidência da República. Não vale a pena insistirmos num futuro triste e para o qual contribuímos independentemente da crise mundial. houve de facto má gestão dos dinheiros públicos e o país ficou mais fragilizado, mentiu-se descaradamente e os culpados saíram impunes. O PS será o único culpado pelo silêncio que tacitamente aceitou e porque continua a não querer discutir. Assim manter-se-ão os mesmos e em breve aplaudiremos aqueles que impunemente saíram de uma enorme “batota” política saindo sempre beneficiados.
    É preciso não esquecer e impor a discussão para que exista de facto mudança. para que não tenhamos de vir a esta ou outra qualquer página escrever aquilo que ao longo de seis anos não tivemos oportunidade de dizer, porque, simplesmente, nos calaram.

  6. Tsc, tsc, Val.

    O partido socialista vai onde tiver de ir e nem tu nem eu somos donos do futuro para podermos afirmar qual o mais – digâmo-lo sem cinismo – adequado aos tempos de união nacional que correm, soberanos, europeus. Quanto ao rosto da Ana Lourenço, no postal em apreço, o qual glosas convicto, desculpa que te diga o que tenho a dizer, tão sincero e não menos boça que o digal: já tiveste melhor visão, muilto melhor deveras, quando é que é largas o vinho?…

  7. Ainda há dias estiveram todos numa matiné política a aclamar o chefe. “Está o PS comigo?taaaammmmmooooossssssssssssss!Não houve nem um capaz de dizer que o rei ia nú.

    Poderia dar uma tese política: “Os políticos e os cobardes castrados….” E têm o descaramento de fazer um debate televisivo!O que tem esta gente a ver com; Alberto Sampaio, Guerra Junqueiro, António Amaral Leitão, Afonso Costa, Álvaro Monteiro, Antero de Quental, Raúl Rego, Francisco Salgado Zenha e tantos outros lídimos exemplos de honorabilidade política?!!!!

    O socialismo transformou-se num clube de oportunistas indignos de tal nome!

  8. Vitor Lemos, terás a idade de Mário Soares? Reparaste que o mundo já é outro? Sócrates tinha perfeitamente a noção do rumo que o principal partido da esquerda devia seguir. Teve um azar dos diabos com a crise internacional, já que o saneamento das contas públicas já provara ser capaz de o fazer e fá-lo-ia de novo. A maior parte destes militantes que agora apoiam Seguro estão convencidos de que o tempo volta para trás. Não vão longe. Podem até juntar-se ao Bloco. E o pior é que o PSD agradece.

  9. É verdade. Nenhum Ministro ainda teve coragem de desfazer um milímetro das orientações que ficaram. Os Professores ainda disseram isso hoje mesmo do Nuno Crato, todos vimos, ouvimos e lemos.

    O único que foi mais longe foi o maçarico do leme, que carregou na tecla, claro, dos Impostos, claro, nos das Pessoas Individuais (I. R. S.), claro. De tudo o resto, Justiça, alvarismo, tal e coisa etcaetra e tal, está tudo a coçar o queixo e a ver que nada carece de novas “instruções”. Só o maçarico do leme acelera. Como é evidente, vai ser o primeiro a estampar-se.

  10. Assis que se prepare para manter o PS um Partido responsável, capaz de estar preparado para voltar a qualquer momento a ser Governo (dou um anito ou dois a esta tripulação actual, não mais), ou pelo menos a fazer uma Oposição muito melhor do que a do PSD. É a sua obrigação mínima para com todos os que nele confiámos a 5 de Junho. Sem um PS forte e credível na Oposição, o governo ainda será pior do que já é.

  11. Marco Alberto Alves, concordo, é genial, mas também é da autoria do Vega9000, um pouquinho mais abaixo. Digo isto para o caso de te teres enganado ao enviar o comentário.

  12. Oh Garcia Nunes,

    Quase sempre as prosas muito certinhas não prestam para nada.

    Explica-me, mas devagarinho, porque motivo o PS é neste momento um partido dividido. O motivo é por ter dois candidatos à liderança ?!… E se fossem 3 era ainda mais dividido?!…

    Mas que raio de explicações que as vossas cabeças encontram.

    Neste momento o que está em discussão é uma candidatura ou outra. Vantagens duma e doutra deviam ser o móbil da discussão e não banalidades misturadas com conversa de enervaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.