Queda livre

O programa Roda Livre, da TVI24 (ainda a anunciar Vital Moreira no elenco), reúne Vasco Pulido Valente, Rui Ramos, Correia de Campos e Henrique Garcia. O moderador está lá para garantir o festim de chicana contra o Governo, PS e Sócrates, não faz rigorosamente mais nada. O Vasco comporta-se com a senilidade que as palavras escritas escondem e a voz não disfarça. E o Rui Ramos revelou-se, ao vivo, uma surpreendente fraude intelectual.

Neste ambiente de hostilidade desbragada, Correia de Campos tenta apresentar factos, números e argumentos. Para nada. Do outro lado há opiniões, percepções e vitupérios, sem carência de base real ou imunes ao contraditório objectivo. Por isso, anteontem, ele acabava invariavelmente a rir-se da fantochada onde estava metido.

Mas o cúmulo atingiu-se quando Henrique Garcia introduziu o tema do computador Magalhães, o qual, nas suas palavras, estava cheio de erros gramaticais. É importante notar que esta ideia é transmitida publicamente no dia 12 de Março de 2009 pelo responsável editorial da TVI24. Ou seja, não se trata de um episódio de má informação ou falta dela, é antes a deliberada intenção de mentir. Pois foi isto que aconteceu: quando Correia de Campos começou a falar, os outros três começaram a vaiar, literalmente! Estavam em regime de pateada, boicotando o discurso do orador antes mesmo de ele ter conseguido ligar duas sentenças. Foi uma situação extraordinária, nisso em que ela revela, de modo obsceno, as actuais disfunções de tanta gente com que crescemos, ou amadurecemos, intelectual e jornalisticamente, e agora se apresenta alucinada, espumando a sua frustração e ressabiamento para cima dos telespectadores e interlocutores. Não têm a mínima noção do que assim revelam da sua intimidade, ou parece não se importarem com algum critério de aferição da honestidade. Supremo encanto da merenda, quando chegou a vez do Vasco e do Rui falarem das supostas desgraças linguísticas do Magalhães, nada se ouviu sobre o assunto. O Rui apenas reconheceu que o computador era um sucesso junto das crianças, e o Vasco queria cascar nos professores. Quer-se dizer: há idosos analfabetos em lares insalubres que teriam algo de mais valioso a dizer do que este par de jarras.

Estamos a assistir a um fenómeno colectivo onde há um efeito de contágio. O delírio de Pacheco Pereira, de que os outros são cópia, é a expressão mais acabada da patologia originada pelo desabamento da direita, tanto no plano partidário, como no plano ideológico. Mas as causas mais fundas do actual desespero e paranóia ligam-se à qualidade política do Governo, que promete levar o PS a vencer as eleições apesar da contestação artificial e das campanhas negras, e aos acontecimentos no BCP, BPN/SLN e BPP. Uma rede vastíssima de cumplicidades, de empresas a indivíduos, sente-se ameaçada, entrou em pânico e teme o pior das investigações. Sócrates tem de ser condicionado, ou afastado, a todo o custo, pois o que está em jogo são casos de polícia e prisão que atingem a elite nascida do cavaquismo e os negócios que ela alimentou nos últimos 20 anos.

30 thoughts on “Queda livre”

  1. E aqui, também, “se deus quiser”,
    virão aqui os acólitos do costume,
    malharem tudo o que “mexe” neste país,
    como apesar de tudo,
    estes e outros jarras acabam por reconhecer
    em momentos de lucidez,
    como mérito do Governo.

    De facto não me lembro
    de tantas campanhas tão organizadas
    a bater em tudo,
    pessoas,
    projectos…

    aliás Correia de Campos é bem demonstrativo disto

    o que se disse quando ele estava no Governo

    para depois criticarem Socrates
    pela sua substituição…

    e se ele foi um bom Ministro de Portugal!!!….

    abraço a ti,
    e aos que aqui vierem
    incluindo “os ditos”…

  2. Concordo com a tua análise até certo ponto. Parece-me demasiado ‘sociológica’, a puxar para o marxismo. A ‘alta’ finança vigarista ou falida sente-se ameaçada? Mas ela não tem grandes razões de queixa deste governo, que insuflou balões de oxigénio no sistema para impedir o descalabro total (com a própria CGD a sofrer as consequências da sua participação no capital de várias ‘jóias’ da iniciativa privada lusa) e evitar o descrédito do país lá fora. Se o governo não o tivesse feito, deixando ir para o relaxe toda essa massa falida, abandonando os aforradores à sua sorte, atingindo fortemente a Caixa e largando, no fim, os bancos privados nacionais aos espanhóis, aí sim, seria um homem a abater para parte da finança e das máfias locais. Quanto às investigações, não é propriamente o governo que as faz. E se, com um governo da direita, viesse a haver encobrimento de crimes e obstrução à justiça, a merda seria dupla para a rede de que falas.

    Esse coro de comentadores azedos, hipócritas e avariados, entre os quais há gente que nunca foi independente nem isenta, carrega sobre Sócrates porque o odeia, porque sabe que ele não governou mal, pelo contrário, e porque teme que o eleitorado não seja estúpido e, consequentemente, o volte a eleger, apesar do bom trabalho que a esquerda festiva e a congregação dos jerónimos tem desenvolvido, sem esquecer os patetas alegres.

    O desespero é grande entre esses odres de raiva e ressentimento que vivem do comentário político irresponsável. Deles, hoje, eu destacaria mestre Medina Carreira, advogado fiscalista cuja imbecilidade é muito estimada pelos meios de comunicação, especialmente pelo cabotino Mário Crespo, que o chama a toda a hora. Carreira afirma hoje no Expresso que o cavalo em que tinha apostado para PR não o satisfaz (nota bem!). Que Cavaco, afinal, é igual a Marcelo Caetano: formalista, indeciso, demasiado prudente. O que era preciso, diz o brilhante comentador, era que Cavaco endereçasse uma carta de 20 páginas (!?) à Assembleia da República e metesse os partidos em sentido!!! Leia-se: que desse ordens ao governo ou que dissolvesse a Assembleia, dando um golpe de Estado constitucional ou mesmo anti-constitucional. Como já disse outro comentador dessa seita: era necessário que o PR interviesse para além das atribuições que a Constituição lhe confere e que respondesse directamente perante a nação. A que merda é que isto cheira, lembras-te?

    Se não estivéssemos na União Europeia, já aí teríamos de novo um salazarismo.

  3. E então que dizer daqueles que nem falar podem. Que nem sequer lá estão. Nesse e em muitos outros programas semelhantes. Isso é algo que ao PS nunca ocorre. O PS dá-se bem com esta democracia de via reduzida….

  4. Eh pá, estou a ver que o vinho não anda a inspirar, grande coisa, a cabeça do Valupi! Este post é uma cópia do outro que tinha outros protagonistas: o Correia de Campos é o gajo do «bom senso» que apresenta «factos», e que por isso tem aqui o papel que tinha a «Nandinha» íntima; o Henrique Garcia é o falso moderador, e por isso tem o papel da Constança; o Pulido Valente faz de Viegas; e o Rui Ramos é outra fraude da direita e por isso faz de Pereira Coutinho. Só o Valupi continua a ser o próprio Valupi: demasiado previsível nas suas «análises» que descobrem conspirações contra o «íntegro», o «qualificado» e o «insuspeito» «mestre» Sócrates…
    Valupi, por que é em vez de vinho não começas a beber whisky? Pode ser que tenha algum efeito no conteúdo e na forma dos teus posts! Experimenta!

  5. aires bustorff, o Correia de Campos é bem o símbolo da irracionalidade e má-fé da oposição (incluindo a oposição dentro do PS). Ele tinha ideias, vontade e paixão para as reformas.
    __

    Nik, sem dúvida: o Presidente está a ser um pólo de atracção para o salazarismo perene e senil. De facto, Cavaco tem o perfil de Salazar em vários aspectos da sua pessoa pública e privada, apenas lhe falta o tempo histórico. Hoje seria impossível uma solução dessa tipologia, e também porque Cavaco é muito mais tonto do que Salazar. Outro fenómeno curioso é esse da brigada dos imbecis aparecer a dizer enormidades inacreditáveis, precisamente porque se sente segura e se desfruta irresponsável. É, a bem dizer, um epifenómeno.

    Não me referi à alta-finança, grupo muito mais vasto, mas à elite saída do cavaquismo, ou que nele prosperou. Os casos em investigação atingem o cerne desse tecido e comprometem directamente o PSD. Imagino que os processos sejam desvairadamente complexos, com os visados a moverem toda a espécie de influência. O que está em causa atinge decisores financeiros e políticos que são parte da História de Portugal ao mais alto nível. O que venha a acontecer é absolutamente fascinante. Por exemplo, se estiver a ser preparada uma solução que obtenha o dano mínimo (e tem sido essa a política do sistema de justiça desde que não se julgaram os agentes da PIDE), com algum bode expiatório para entreter, isso também será fascinante.

    Sim, não é o Governo que faz as investigações, mas o Governo pode fazer muitas outras coisas que têm influência nas investigações. Aliás, a independência do Ministério Público e dos magistrados, se medida pelo número de casos de corrupção julgados e corruptos punidos, levanta as maiores suspeitas. Como está aqui, na Justiça, o fundamento primeiro e último do regime, e como nenhum partido ousa pretender melhorar a situação, ter um Governo fragilizado, ou conseguir queimar Sócrates, ou alterar os equilíbrios de poder, pode ser visto como benéfico para quem tem muito a perder com as investigações. Não te esqueças de que, por exemplo, Dias Loureiro sempre foi um dos conselheiros mais influentes do PSD. E, como ele, há muitas figuras de igual recorte, existindo nos partidos apenas para estarem ao serviço dos grandes negócios.

    O Governo, vendo-se o problema de fora, fez bem em segurar o sistema bancário numa situação totalmente imprevisível e de urgência máxima. Isso não equivale a nenhum favor. De resto, a alta-finança nunca espera favores, compra-os.
    __

    Z, e que pretendes alterar no mundo da advocacia?
    __

    JMC Pinto, quem são esses?
    __

    ds, exactamente, vê-se que és um leitor atento. Esqueceste-te de referir que, tanto num caso como no outro, estamos na TVI24.

  6. Esqueci-me de dizer que estamos na TVI24? Não esqueci nada, pois era escusado dizer isso. Mas o que é que tem a TVI24 de especial? De acordo com as tuas «análises» dir-se-ia que escolhem bem os comentadores afectos ao (ou «íntimos» do) «mestre» Sócrates, que escolhem mal os comentadores de direita, e que – acrescento eu – não convidam ninguém de esquerda. Portanto, de que te queixas tu, Valupi?! Será que os ditos «dados objectivos», que os comentadores de «bom senso» se esforçam por apresentar, não são suficientes para convencer um gajo como tu, que não consegue encontrar qualquer indício de manipulação, de omissão ou de propaganda nessas campanhas publicitárias e tecnocráticas dos «socráticos»?
    Mas vejo que no teu pensamento sempre há algum espaço para a lucidez, quando dizes que eu estou atento. Agora, tu é que não estás atento, porque aquilo para o que eu chamei a atenção não foi o facto do teu post ser novamente sobre a TVI24, mas sim o facto do abuso que fazes do vinho ter consequências na tua percepção, que por um lado se torna limitada e fraca, e por um lado se torna demasiado fixada e obcecada em construir uma imagem falsa do mundo «socrático».

  7. Z, a classe dos advogados não será uma questão prioritária para o que mais importa agora: a decisão política de tornar Portugal um país mais justo. É no Ministério Público, e nas policias – portanto, é no Parlamento – que está o desafio.
    __

    Ibn, define “Valupi, define fraude intelectual”.
    __

    ds, concordo contigo: a TVI24 não tem nada de especial.

  8. Bom, fugiste à questão do ataque dos comentadores golpistas a Cavaco. A tua tese sobre Cavaco ‘pólo de atracção’ dos salazaristas omite os factos. Medina Carreira e outros ex-apoiantes de Cavaco estão desiludidos com o homem. Cavaco é acusado de formalista (trad.: respeitador das leis), prudente (trad.: respeitador do jogo democrático) e indeciso (trad.: não tem tomates para ‘meter os partidos em sentido’ e dar um golpe que substitua os partidos por conselheiros geniais recrutados entre os comentadores ‘isentos’ que nós conhecemos).

    Medina Carreira – recomendo a leitura do Expresso – vai mais longe, pondo em questão o próprio órgão de soberania democrática que é o PR. Diz que a culpa da ‘indecisão’ de Cavaco é o mandato presidencial ser renovável por cinco anos, o que faz com que Cavaco esteja já a pensar na reeleição, descurando os verdadeiros problemas e as geniais soluções que o advogado fiscalista Carreira aponta. O fiscalista Carreira defende que o PR deveria ser eleito por um mandato único de sete anos, para nunca se distrair a pensar na reeleição, ou seja: para não voltar a preocupar-se com o juízo popular. A isto chama um parceiro de Carreira ‘responder directamente perante a nação’. Claro que uma solução Chavez de direita talvez fosse mais do agrado do fiscalista Carreira. Fascistas de esquerda ou de direita têm sempre os mesmos problemas em aceitar o ‘formalismo’ democrático. Para eles, democracia é ‘forma’. É uma chatice, como os impostos.

    Vou apanhar ar.

  9. Caro Vallupi,
    É só para lembrar que o Garcia é o tal que em tempos fez uma célebre entrevista “concertada” com o então 1º ministro Cavaco. Na altura ficou marcado como “fretista”. O que se aprende com sucesso não esquece mais e fica-se protno a repetir quando preciso.
    O vpv é o tal que reduz os deputados abaixo de imbecís ignorantes, exactamente o papel que desempenhou quando por lá passou sem abrir boca e saiu qeixando-se da falta de qualidade das casas de banho, refeitório e outras faltas de respeito de trato para com sua elevada pessoa. O seu comentário hoje no pasquim de jmf é bem evidente da sua intermitente decadência actual.
    O pânico intalou-se nos “habitués” do mando em Portugal, não do poder mas do mando, daqueles que habituados a ditar a política ao poder político, agora saiu-lhes um PM que não os ouve nem lhes passa cartão. Veja-se as recentes diatribes contra o governo, mas dirigidas directamente à pessoa do PM, dos patrões Modelo e Pingo Doce. Os outros, estao calados mas não parados e, como sempre, têm e usam como ponta de lança e submarino o psd. O partido onde, como o caso bpn veio revelar, se acoitavam a grande parte dos seus serventes que, ao quererem concorrer e disputar na praça com os velhos senhores donos do lugar, foram postos perante a sua inabilidade e iconpetência que depressa os conduziu a responder perante a polícia.
    Eles estão atentos, os homens de mão trabalham, e a campanha suja continua todos os dias. Será que vão ser castigados ou recompensados? Esperemos.

  10. Vá lá Valupi,
    não te refugies cobardemente atrás de retórica, diz-nos lá porque é que o homem é uma fraude intelectual.

    É normal quando se está sobe o efeito do vinho se diga tudo que vem à cachimónia. O problema é depois assumir o que se diz.

    Valupi.

    Um,
    dois,
    três,
    quatro,


    dez mil e vinte,
    dez mil e vinte e um,


    cento e cinquenta e quatro mil trezentos e vinte e quatro,


    cento e oitenta e nove mil duzentos e cinquenta e seis,

    cento e noventa e nove mil novecentos e noventa e nove,
    DUZENTOS MIL.

    Ufa que trabalheira contar tanta gente.

  11. «a TVI24 não tem nada de especial»

    Nem mesmo os comentadores «íntimos» do «mestre» Sócrates?! Larga o vinho, Valupi!

  12. Nik, não é claro se Medina Carreira fala isoladamente ou como porta-voz de um grupo. Eu aposto que será mais um peido isolado do que um vómito colectivo. Porque o que propõe é alucinado. O facto de haver desiludidos com Cavaco não anula a sua força atractiva para os salazaristas. Acontece é que há diferentes graus de salazarismo, ou de imbecilidade.

    O que diz Carreira, e outros do círculo presidencial, aparece-me mais como um subproduto da total desorientação que grassa no PSD. Ninguém acredita que o PSD volte ao poder na próxima legislatura, e isso, juntamente com o descalabro do sistema bancário aliado do PSD, cria este desespero.
    __

    Adolfo Contreiras, exactamente. A independência de Sócrates alterou as regras do jogo. Belmiro e Soares dos Santos, por exemplo, habituados a papar dirigentes partidários ao pequeno-almoço, estão completamente furibundos com Sócrates. Excelente sinal.
    __

    Ibn, viste o programa?
    __

    ds, queres proibir a intimidade? Alguém te fez mal? Foste torturado na infância? Conta lá o teu problema com a intimidade dos outros.

  13. Outra vez, Valupi? Já te contei tudo o que tinha a contar a esse respeito. Não abuses do vinho, pá! Tu é que ainda não nos contaste até onde vai a tua «intimidade» com a família «socrática», para escreveres posts tão tendenciosos. Deixa-me adivinhar: fizeste um qualquer contrato com o Pinto de Sousa, semelhante àquele que foi feito com o Pedroso e que recebe por papeis fotocopiados?

  14. Só me ocorre este comentário.: quando o socras for à vida ( porque é certo como a morte que vai) o Aspirina também vai à vida como blog optimista? não sei , mas cada vez mais , V , pareces o escudeiro do príncipe.

  15. ds, e que tens feito em ordem a alcançar esse nobre desiderato?
    __

    mf, Sócrates sozinho não vale nada. Ao ser atacado, estão a atacar o Governo. E ao atacarem o Governo perfidamente, estão-me a atacar a mim – pelo simples facto de ser cidadão e querer ter o melhor Governo possível.

    Não votei PS, nem vou votar. Teriam de fazer da Justiça o principal objectivo do programa, ou um dos principais, e não consta que o venham a fazer.

  16. Não tenho de memória tudo que disse! mas tenho a ideia!
    Falas do quê? Da responsabilização ou dos erros propriamente ditos?
    Falas por causa dele atribuir as responsabilidade ao ME?

  17. esse Medina Carreira é um azedo do caraças que só se sentia bem a regar tudo com sulfúrico, não sei lá de que trauma.

    já por várias vezes aqui disse que acho o Cavaco ‘boa pessoa’ naquele sentido convencional e conservador do termo, o problema é que quando há riscos de mostrar a falência de um estado de coisas que ele apadrinhou como pm não há boas pessoas.

    Daí eu estar muito contente que o Sampaio tenha voltado a intervir, e logo com uma coisa que ninguém mais falava, os tais european bonds, secundado pela explicação técnica da João Rodrigues.

    Obrigado Sampaio, em vez de estares confortavelmente a olhar o Tejo das Necessidades, numa bela poltrona, lanças idéias e expões-te. Ora o Sampaio para falar com o burroso é bom, acho. É preciso não esquecer que o Dragão está no topo quer se queira quer não, da crise e da eventual retoma. Disparei a cauda de andorinha e a borboleta cá por causa das coisas.

    Valupi, companheiro, que parecidos que estamos nessa coisa do voto, felizmente tens mais tusa do que eu, como professor adoro sentir-me ultrapassado, mesmo não concordadndo contigo em tudo, mas vê lá se andas a dormir bem, isto ainda é Março e as eleições são só em Setembro,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.