Putrefacção

Esta entrevista de Catroga, para além de ética e politicamente soez, é um documento que evidencia o ponto a que chegou o Cavaquismo: putrefacção. E de tudo o que lá aparece, só gostava que uma passagem fosse fundamentada:

José Sócrates, honra lhe seja feita, é um grande actor, um mentiroso compulsivo, que vive num mundo virtual em que só ele tem razão. Tem uma máquina de propaganda montada há seis anos, poderosa. E o PSD tem uma máquina artesanal no campo da comunicação.

O PSD conta com a SIC, TVI, RTP-N, parte da RTP, Expresso, Público, DN, Correio da Manhã, Sol, Renascença, parte da TSF. Onde está a poderosa máquina de propaganda de Sócrates? Será o Prós e Contras? Será o Jornal da Tarde da RTP e aqueles 2 segundos a mais que consegue meter nas peças que falem do Governo e do PS? Ou será que Catroga também está a referir-se ao Câmara Corporativa, como fazem os outros macaquinhos de imitação?

18 thoughts on “Putrefacção”

  1. É isso mesmo, Valupi. E sabemos que o Catroga diz o que Cavaco pensa mas não diz em público, porque não pode. E este discurso já está a ser assumido pelos esgroviados da São Caetano, como contrapartida da ajudinha de Cavaco. Um nojo! Uma verdadeira asfixia. Já deixei de ver os primeiros 15 minutos dos telejornais. Agora, só acidentes na A1, roubos, actualidade internacional, até futebol!

    Por que razão nenhum jornalista interroga devidamente esta gente, pedindo-lhes para especificar o que querem dizer? Que mentiras? Onde? Como? A propósito de quê? Que provas têm? O grande mentiroso aqui foi o Passos com a história do telefonemazito de Bruxelas que afinal foi um longo encontro. E o Cavaco com as acções da SLN e trocas de terrenos atestadamente fraudulentas e que ainda por cima é cínico ed vingativo.
    O desespero está a fazê-los regressar à velha táctica dos insultos da época Ferreira Leite. Pouco melhor sabem fazer, pelos vistos. Apresentaram um programa. Agora, à mais pequena crítica totalmente fundamentada exaltam-se, perdem o decoro e desatam a insultar! Portugueses inteligentes que nos lêem: mandemos esta gente para a sarjeta.

  2. É um nojo e mais do que isso, já soa a loucura. Mas deixem-no(s) falar, até é melhor que se saiba a demência e incomptência que ali está. Assim ninguém vai ao engano.

  3. Isto não discussão política, é política do insulto soez, infundamentada e desnorteada. Um tipo que mente em direto e é apanhado na mentira, acusa os outros daquilo que todos os portugueses perceberam que ele é! Haja pachorra!

  4. Fico completamente atónito quando o PSD, numa oportunidade que dificilmente se repetirá, de condições absolutamente propícias para ganhar as eleições a um PS desgastado que, independentemente dos juízos de valor que se façam relativamente à sua governação, fica indissociavelmente ligado a este episódio do recurso ao FMI, não consegue descolar nas sondagens. Não admira, as pessoas percebem que se isto está mal com o PS, pior ficará com o PSD, que apresenta como candidato a 1º ministro uma pessoa inábil e impreparada, que não convence ninguém e desenterra um cadáver para ministro das finanças, um avozinho rezingão e mal criado e, muito, muito provavelmente, completamente desactualizado face ao mundo que vivemos…

  5. Para conhecer o adversário ,é indispensável estudá-lo ,ouvi-lo , por muito indigesto que seja e é . Este adversário convém que fale ,barafuste ,berre e quanto mais melhor . Bem como esses ” media ” ,há toda a conveniencia ,face ao ” ambiente ” a que se chegou e para o qual muito têm contribuído , que continuem o actual registo . Assim ,só é enganado quem quer .É que quanto mais falam ,mais disparates dizem . Não deveria ser assim ,mas é o que está a acontecer . ” Não dão uma para a caixa “. E a experiencia ensina , que esses sabichões às tantas tentam ” emendar a mão ” ,só que é tarde ,pois os leitores ,os ouvintes ,os critícos deixaram-nos a falar sózinhos !

    MEUS AMIGOS HOJE TEMOS A NET !

  6. Tenho pela terceira idade um carinho e respeito enorme não estivesse eu a caminhar para isso. Quando vejo uns cabelos brancos – o meu por enquanto é grisalho – olho para eles como um sinal de sacrifício, conhecimentos e de muita astúcia por resistir aos vários momentos de adversidade que este País outrora nos proporcionou.
    Fui um dos excluídos. Acabei a instrução primária e passados oito dias – 18 de Julho de 1960 – não tive outra solução que não fosse ir trabalhar para uma fábrica de móveis. Não fui só eu. Dos trinta e poucos alunos da minha turma só três é que foram frequentar o liceu. Não por serem mais espertos que os restantes mas porque os seus pais podiam despender do pouco que iam ganhar e acarretar as despesas do ensino.
    Mesmo assim o que aprendi na instrução primária: educação, comportamento, solidariedade, respeito pelos mais idosos, ainda hoje faço bandeira. Custa-me ver esta juventude que não respeita esses princípios. Fico perplexo quando vejo três jovens a andar num passeio todos a par e ver uma pessoa mais idosa e não cederem o lugar para passar tendo de ser essa pessoa idosa a arrumar-se para não ser atropelada por eles. Nos transportes públicos vão ali todos escarrapachados ocupando mais que um lugar e não verem que em pé e com bastante sacrifício vão pessoas que tudo fizeram para que eles usufruíssem destas condições – com sacrifícios que sabe Deus o que custaram.
    Ao contrário vejo “senhores” que a vida para eles foi como uma mãe, – para gente como eu foi madrasta – deu-lhes tudo: oportunidades, pais bens posicionados na sociedade, sabiam usar os cordelinhos para que os seus triunfassem na vida quer fossem os mais burros. Aliás , usava-se uns ditos, que filho de doutor, doutor era, filho de pedreiro também tinha de o ser. Por isso é que vemos hoje uma data de pessoas com o canudo e de canudo nada sabem. Mandam uns bitaites mas não têm vergonha de virem cá três desconhecidos e saberem da politica e da vida dos portugueses mais que os treinadores do dia seguinte.
    Mas isto foi até segunda-feira. A partir de hoje nada me admira desta juventude por que ao ver um senhor de cabelos brancos no programa Prós e Contras, com outro uns anos mais novo, este lhe dar lições de civismo quando devia de ser o seu contrário. Sei que este senhor – de cabelos brancos – não passou pelas escolas que eu passei, não teve os mesmos professores, não teve de se fazer à vida cedo como eu, de ir para o trabalho descalço ou de “chulipas” – um cavaco com a forma da planta do pé com uma tira de couro onde entravam os dedos para as conseguirmos arrastar – se não era mais humilde.
    Também não foi chamado à razão por Fátima Campos Ferreira. Não devia ter a falta de educação para com Silva Pereira e mais a mais com Carlos Coelho que era um convidado e não estava a defender a sua dama. Só uma coisa me faz compreender a atitude de Fátima Campos Ferreira. A de respeitar os cabelos brancos de Eduardo Catroga. Só pode ser. Se fosse eu mandava-o à merda.

  7. O insolente Catroga foi escolhido como o Bufão desta verdadeira ópera-bufa em que o Cavaco ensarilhou o Passos Coelho. Metem os pés pelas mãos, desdizem-se alarvemente no próprio dia uns aos outros (como hoje mesmo) e ninguém já lhes pede explicações, ou lhes passa sequer cartão. Vão ser ridicularizados nas urnas, mas hão-de saír delas a ganir que o Povo é que é estúpido e, claro, não tem emenda…

    Não é o Rato Mickey que vai derrotar o Passos Coelho – que nem sequer consegue entender como é que “não descola” nas sondagens, o pateta tristonho. É o próprio “escol” do P. S. D. que engendra a teia onde vão ficar tolhidos a 5 de Junho. Espectáculo deprimente e lastimável, dado por uma geração rasca e falhada, dum Passado vergonhoso, que fez mentalmente “by-pass” ao 25 de Abril e que assombra o Portugal que quer continuar em frente. Nem merecem a sarjeta, é logo directamente para a co-incineração, que isto é lixo intelectualmente tóxico…

  8. Apoio os comentários judiciosos de quantos me precedem, excepto os de sáurio rex.
    De facto Catroga, que aparece em cena como se fosse o “Mr. Magoo”, cego, surdo e palrador parece dizer o que a Velha Senhora mais o presidente Cavaco não “podem” dizer. Além disso o “avôzinho” Catroga é convencido (mais do Hayeck), é felibusteiro, é intolerante e videirinho.
    Não vejo pq é que Passos Coelho o suporta. Catroga diz e contradiz o que Passos não quer dizer. Todos os dias tem que dizer o contrário do que disse Catroga. Este “avôzinho”, que vive com uma reforma de 9.693,54 euros, ainda está convencido que vai ser o ministro das Finanças de Passos Coelho (se este ganhar). No meio de tantos economistas laureados (vidé A. Santos Pereira) porque raio Passos Coelho atura “Mr. Magoo”? Talvez seja por gratidão: Catroga nunca tinha encontrado alguem que soubesse o que são WACCs… Apenas Passos soube responder.

  9. Entraram em desespero. Destilam ódio irracional, porque tem medo de Sócrates. Se ele não tivesse valor, com o apoio total da comunicaçao social (nem no tempo da outra senhora!), ja o PPD levava uma vantagem de 15/20 pontos. Mas revelam-se tão ineptos, e de um tal amadorismo tão gande, que põe às escâncaras a total incompetência técnica e politica de um líder e da sua banda. Vão usar todas as armas que tiverem à mão, não tenham dúvidas! As mais sórdidas e inimagináveis.

  10. Tanto quanto sei o Pacheco é Manuel e não António. Saravá, irmão, gostei da prosa. No Montijo diziam de outra maneira: «os filhos dos motoristas não vão para o LIceu»

  11. Catroga está claramente a perder a noção sobre o que deve ser o combate político democrático e parece até que já não sabe manter a boa educação.
    Quanto aos orgãos de informação: relativammente aos privados ainda se poderá tolerar algum alinhammento partidário; grave é que pretendam”vender” uma imagem de independencia e, dessa forma, enganem os ouvintes ou telespectadores.
    Intoleraveis, e áté a merecerem um amplo movimento de protesto, é o que se passa na RTP, na RTP-N e,mais dissimuladamente, na Antena 1.
    Todos estes são,em grande medida, pagos por todos nós e a unica regra que deveriam cumprir é a da equidistancia relativamente a todas as forças políiticas.
    Mas não o fazem seja nos alinhamentos editoriais, na forma com apresentam as noticias e quanto a comentadores provocam,quase sempre, uma certa nausea,tal é o descaramento com que opinam.

  12. Para considerar brilhante um Catroga e brilhantes suas palavras só mesmo, pelos vistos, um dinossauro desenterrado de há 60 milhões de anos atrás!

  13. O brilho é apenas aparente e fruto da distância onde em tempos terá sido gerado (a “galáxia” donde provém – cavaquistanius – já se transformou num buraco negro, mas só a 5 de Junho é que a luz desse fenómeno vai chegar aos nossos telescópios).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.