Perguntas simples

Valerá a pena gastar os recursos do Ministério Público, e alterar a sua cultura de laissez-faire, em relação aos crimes de violência doméstica quando ainda há tanto socrático para meter no chilindró?

16 thoughts on “Perguntas simples”

  1. e que é que fizeram os socráticos entre 2005 e 2011 ? não houve também feminicídios, a mato ? podemos gastar os mesmos que o zézito, o super governante , non ? ainda por cima na altura não se pensava sequer em meter os socráticos no xilindró, havia muitos mais recursos disponíveis :)
    está bem que parece primavera, mas jogos florais?

  2. “quando ainda há tanto socrático para meter no chilindró?”
    Cá está uma boa razão para parar já os processos em curso com a absolvição automática de todos os arguidos. Desses de e outros crimes menores quando comparados com o verdadeiro flagelo da violência doméstica. Todos os crimes económicos, por exemplo.

  3. absolvição e arquivamento automático de arguidos e processos só funciona com malta de direita e inclui todo o tipo de crimes. nunca é demais lembrar o gang do bpn, os tecnofórmios, sobreiros, submarinos, o careca que limpou o sarampo à velha e a herança à olimpia e todas as outras coisas que começaram com grande estrondo e mal esbarraram num peão do cavacoiso foram remetidas para esquecimento até prescreverem.

  4. Ora bolas. Agora que o home confessou é que passou a irrelevante e oneroso.

    Tudo abaixo da violação com tortura, seguido de homicídio, não justifica o trabalho.

  5. bom, suponho que este aumento de feminicidios no mês de Janeiro se insere na tendência geral de aumento de óbitos observada no reinado de Costa, o cangalheiro.

  6. Da série “Musica no coração…”

    O antigo ministro socialista Armando
    Vara admitiu ontem ter recebido elevadas
    quantias em dinheiro vivo enquanto era
    director na Caixa Geral de Depósitos. As declarações
    foram feitas perante o juiz Ivo Rosa, que dirige a
    instrução na Operação Marquês. Armando Vara,
    que não pagou assim quaisquer impostos por esse
    dinheiro que disse ter sido resultado de serviços
    de consultadoria a empresas não especificadas,
    reconheceu o “ilícito fiscal”. (Pág. 17) H.P

    No P. em papel, hoje.

  7. os direitolos alegam esquecimento, toma lá rectificativo, não reconhecem ilícitos fiscais, não pagam e segue para esquecimento. quando calha a um xuxa dá 20 anos de investigações nas páginas da mal cheirosa, 200 processos, 2.000 certidões e no mínimo 5 anos de gaiola por uma caixa de robalos.
    https://www.publico.pt/2004/05/25/politica/noticia/manuela-ferreira-leite-nao-esclarece-porque-ficou-isenta-de-coima-fiscal-1194740

  8. Mais vale acertar com o fisco 19 milhões em Espanha e ficar com 2 anos de suspensa sem campanhas de humilhação que acertar um milhão e andar algemado por tudo quanto é notícia nas tvs a soldo.

  9. ganhe juízo. o Vara é um Rodrigo Rato em ponto pequeno, e em Espanha , esse também anda algemado. e o lindo Mário conde. tudo bandidos. o Ronaldo só é parvo.

  10. Não há provas contra Sócrates, garante o Observador
    28 JANEIRO 2019 ÀS 18:31 POR VALUPI 13 Comentários, idem (olha o treze, novamente).

    […]

    Nota. É a hora, os tipos e as damas da firma Valupi, Tangas & C.ª, Limitada a partir de hoje andarão loucas. Serão meses a queimar borracha.

    #JoséSócrates
    #realitychoque
    #doidonas

    Operação Marquês
    Bárbara Vara diz não ter estranhado dois milhões do pai na Suíça

    Ana Henriques | 28 de Janeiro de 2019, 19:14

    Nota. Uns bandidos, estes jornalistas (com saias, também).

    DIÁRIO
    O extraordinário extrato bancário que levou a CGD a tomar a iniciativa de investigar Sócrates

    18h22 MICAEL PEREIRA

    Nota. Uns bandidos, estes jornalistas (agora de calças, ‘stá?).

    Operação Marquês
    Ex-mulher de Vara sabia que filha tinha conta com pai na Suíça e não estranhou

    Mariana Oliveira | 30 de Janeiro de 2019, 20:28

    Nota. Uns bandidos, estes jornalistas (novamente de saias, hoje).

  11. Da série “Música no coração…”

    O antigo ministro socialista Armando Vara admitiu ter recebido elevadas quantias em dinheiro vivo enquanto era director [?] na CGD. As declarações foram feitas perante o juiz Ivo Rosa, que dirige a instrução na Operação Marquês. Armando Vara, que não pagou assim quaisquer impostos por esse dinheiro que disse ter sido resultado de serviços de consultadoria a empresas não especificadas, reconheceu o “ilícito fiscal”. (Pág. 17) H.P

    No P. em papel, ontem.

    ____________

    Valupi, meu amigo, dá-lhes mais vinho que eles acordaram ressacados.

  12. Val, descuidaste-te outra vez com a tampa do esgoto. Cheira a ratazana que se farta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.