10 thoughts on “Perdeste por completo a vergonha, Chico”

  1. Este Chico deve pensar que os leitores vivem dentro de uma página (ou duas) de um certo livro de Voltaire, ou seja que somos como Cândido e achamos que vivemos no melhor dos mundos. Oh pra nós tão felizes a ler as mentiras/manipulações dele..oh…esquece-se que com a internet podemos ver todos os lados da realidade, basta saber procurar.
    Fui a vários sites e li várias opiniões, uma delas é esta que descreve muito melhor do que a dele aquilo que se passou, mas há muitas mais:
    https://www.brasil247.com/pt/colunistas/gustavoconde/350115/O-mon%C3%B3logo-de-Rosa-Weber.htm

  2. Estou a ler a sentença de Moro e a googlar os nomes dos delatores que enriqueceram com a corrupção na Petrobrás. Muito poucos estão na prisão. As insinuações sobre Lula são descabidas, ridículas e sustentadas em raciocínio criativo e de má fé. Triunfa a impunidade e a calúnia.

  3. Esta decisão do STF Brasileiro é uma vergonha, só possível por ter sido proferida por um conjunto de juízes sem qualquer preparação e experiência (uns novatos!).
    Ainda se fossem juízes formados nas Universidades Portuguesas … Nós ainda temos muito que lhes ensinar, coitados.

    (http://expresso.sapo.pt/internacional/2018-04-05-Nao-verifico-teratologia-a-sociedade-chegou-a-um-ponto-em-que-fuzilaria-todos-os-acusados-como-o-futuro-de-Lula-foi-decidido)

  4. O Brasil (há uns anos inseria se nos Brics), com um potencial de crescimento que se desenhava de forma bruta, mostra nos que após lula, não houve figuras políticas que conseguissem dar continuidade à fomentação da desigualdade social. Mostraram todos uma inépcia ( este atual, parece q é suspeito de coisas muito mais graves do q o lula foi condenado) em prosseguir com a estratégia de diminuir com a classe do proletariado.
    Reflito também, que a Europa é o continente mais civilizado, o mais velho, plantado sobre o escudo dos nossos direitos individuais. Felizmente somos europeus.

  5. É, Eduardo R
    … felizmente somos europeus !
    E depois existe a Espanha, que tem neste momento presos políticos.
    … Mas depois há juizes na Alemanha … ainda não estará tudo perdido, pois !

  6. jasmin, não me esqueço, nem falo levianamente sobre as atrocidades do sec xx, das “patologias carismáticas” (dom profano). mas, o que é certo, é q vivemos no continente mais civilizacional do mundo, donde nasceu a democracia.
    sobre a Espanha, também concordo contigo, embora sem entender e nem conhecer de verdade o teu ponto de vista. Julgo eu, o que pretendes dizer, é que a UE não espoleta à verdadeira doutrina dos tratados primordiais. A UE deveria ter uma posição, em relação à catalunha, de inclusão. Isto é, depois de aceitar a autodeterminação do povo catalão, aludir à inclusão deste novo país na UE. É curioso que são os neoliberais que defendem a constituição (neste caso), quando noutras matérias, colocam a selvajaria empresarial bem por cima (e bem vincada) das constituições Republicanas.

  7. O Juiz Moro julgou segundo a sua crença pessoal e o conhecimento relativo que ele tem da vida. Não existe independência jurídica nem no Brasil nem em Portugal nem em país nenhum. O que existe são posições que se tomam conforme a filosofia do Direito de cada um ao serviço da classe dominante que lhes paga o seu salário para julgar conforme a sua vontade e ao serviço dos seus interesses de classe dominante. Isso é em si mesmo um suborno que julgamento algum consegue superar e que a História se encarregará de esclarecer e julgar definitivamente pelos seus filhos até à destruição do capitalismo que os julgará em definitivo nem que seja no cadafalso a exemplo de Luís XVI e de Maria Antonieta como exemplos de História para a Eternidade. Lula será sempre um Marco histórico na consciência de quem quer reduzir o Homem à triste condição de um apoucamento do Ser da Vida da Justiça e da Verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.