Pela justiça da liberdade

Não me lembro de alguma vez ter votado PS para as legislativas (nem PSD, já agora). Para as autárquicas, sim. Várias vezes. E para o Parlamento Europeu, uma só vez, por causa do Vital Moreira. A principal razão para nunca ter votado a favor de um Governo PS – especialmente em 2005 e 2009 – é a mesma que me leva obrigatoriamente a votar PS em 2011: a Justiça.

Não é preciso ganhar a vida a desenhar foguetões para saber que a dimensão da Justiça é a mais importante numa república e numa democracia. A sua importância é tal que até as eventuais disfunções, e perversões, que mantenha afectam a economia dessa sociedade, inibindo ou afastando investimentos e promovendo a corrupção. Para além disso, e descendo do abstracto ao concreto, centenas de milhares de portugueses viram as suas vidas gravemente prejudicadas pelo efeito de uma singela anomalia do sistema, ainda antes da qualidade dos juízes, procuradores e leis: a lentidão processual. Assim, fico banzo por não haver um pacto de regime onde se decidisse dotar a Justiça com todas as condições materiais e humanas que pedisse para executar o melhor possível o seu trabalho e a sua missão. As imagens de documentação amontoada em pardieiros, as queixas de falta de computadores ou seu estado obsoleto, a sempre propalada carência de funcionários e magistrados, as notícias acerca de instalações indignas ou inseguras, são, para mim, realidades inacreditáveis, escandalosas. Perto de 40 anos passados após o 25 de Abril, os partidos, sem excepção, são cúmplices desta infâmia histórica. E os que tiveram maiores responsabilidades governativas são os que têm maiores culpas. Daí, nunca ter votado PS ou PSD para a Assembleia da República.

Em condições normais, voltaria a não votar PS em 2011, porque o seu Programa não apresenta medidas que venham ao encontro da urgência que constato na questão. O PS propõe-se continuar a reformar o sistema aos poucos, cônscio das gigantescas dificuldades e melindre da tarefa, mas tal prudência não chegaria para me conquistar o voto. Acontece que não estamos em condições normais. O que se passou em Portugal em 2009 e 2010 foi o que de mais parecido tivemos com um golpe de Estado nas últimas décadas. A Justiça foi usada para tentar derrubar um Governo legítimo, fosse directa ou indirectamente. Directamente, por via das escutas ao Primeiro-Ministro e consequente abertura de um processo judicial em cima das eleições de Setembro de 2009. Indirectamente, através da exploração que a imprensa e a oposição fizerem dos materiais produzidos por magistrados em Aveiro. O caso Face Oculta, na sua vertente de ataque ao poder político, é bem mais grave do que o já de si desvairadamente grave caso da Inventona de Belém. Neste último, estamos a lidar com a decadência pérfida do Cavaquismo, uma mixórdia de pestilenta falta de ética com soberba estupidificante. Já com a malta do Baixo Vouga, é a verdadeira artilharia pesada. Como se viu ao longo de mais de um ano, e continua a ver com a novela das escutas que não param de se replicar em novas e perdidas cópias, os cérebros por detrás do envolvimento judicial de Sócrates num ano triplamente eleitoral estavam dispostos até a derrubarem o Procurador-Geral da República e o Presidente do Supremo. O PSD de Ferreira Leite ensaiou, ao seu nível institucional e no próprio Parlamento, este intento, largando insinuações de favorecimento a Sócrates que tiveram aproveitamento sensacionalista na imprensa. No balanço destas manobras concatenadas, uma conclusão indelével se pode e deve tirar: quando se avança para escutas não autorizadas a um primeiro-ministro, fica exposto que a politização da Justiça tem como objectivo a judicialização da política, valendo literalmente tudo até ao limite da intervenção militar. O PSD de Ferreira Leite, Cavaco e Pacheco cavalgou este reaccionário propósito.

Um outro episódio que não quero mais esquecer, e que também singularmente chegaria para dar nestas eleições o voto ao PS, foi o da consulta das escutas a Sócrates por parte de dois deputados em sede de inquérito parlamentar ao caso PT/TVI. João Oliveira e Pacheco Pereira, mais os partidos que representam, não resistiram à pulsão de vasculharem à lupa um pedaço da privacidade de dois cidadãos, para mais obtido ilicitamente. O primeiro disse que elas nada adiantavam, o segundo declarou que eram avassaladoras. Que fez este deputado-espião da Marmeleira a seguir à sua importantíssima descoberta, posto que tinha, através do poder que o Estado lhe havia concedido de forma espúria e escabrosa, tido acesso a um valioso documento com implicações criminais, o tal famigerado atentado ao Estado de direito e etc.? A ponta de um corno. Calou-se e continuou na sua carreira de vedeta da política-espectáculo, agora com o consolo de ter esfregado as trombas nas cuecas de Sócrates.

O inusitado e (aqui sim!) avassalador ataque ao Governo, ao Primeiro-Ministro, ao PS e ao cidadão José Sócrates, na linha dos anteriores casos e conspirações que começaram logo em 2004 e entraram em modo persecutório com a vingança de Belmiro através do Público, contou com o apoio – ora passivo, ora activo – do PCP e do BE. Esse é o terceiro elemento que torna o voto no PS em 2011 numa decisão incontornável. A aliança da extrema-esquerda com esta direita das pulhices significa que o PS, neste momento, é o único partido onde se respira uma cultura democrática e do qual dependemos para a defesa da liberdade. Os restantes ocupam-se em desgastar, boicotar e derrubar o Poder, indiferentes às consequências comunitárias dessas estratégias e tácticas sectárias. Em consequência, e sendo para tal irrelevante a possível derrota do PS, os deputados socialistas vão ser os meus fiéis depositários da esperança num Portugal livre. Sempre, e antes de tudo o resto, livre.

Finalmente, tenho a sorte de admirar os candidatos independentes João Galamba e Isabel Moreira. Não é que seja decisivo, mas é meia decisão. Tal como meia decisão é a história política deste Governo minoritário que durou só até às eleições presidenciais, alvo de mais uma golpada terrorista de Cavaco e dos seus amigos que tudo fizeram para impedir que Portugal conseguisse escapar ao cerco e chantagem dos mercados financeiros. Estamos em eleições porque uma parte da elite portuguesa não podia permitir que Sócrates reclamasse tamanho triunfo com tamanhas repercussões nacionais e internacionais. Era agora ou podia não voltar a ser tão cedo. A velha lei dos idos de Março voltou a cumprir-se.

*

Dito isto, fiquemos com o génio da genial Fátima Rolo Duarte

47 thoughts on “Pela justiça da liberdade”

  1. Não sei como os portugueses vão reagir, depois de concretizado o golpe definitivo contra o Estado Social saído do 25 de Abril. Pelo menos desta vez não podem dizer que não foram avisados e muito menos podem dizer que os golpistas não anunciaram o que iam fazer. Falaram verdade acerca do que pretendem e Sócrates alertou até à rouquidão para o que está a ser preparado pela direita. Passos Coelho pode atirar à cara de quem se disser surpreendido, que se falou nisso quase todos os dias. Hoje insistiu; profunda reforma na saúde, segurança social e educação, “muito para alem” do que a troika propõe. Não há que enganar, nem ele está a enganar ninguém.
    Ninguém pense que depois de demolir estes três edificios será possivel reerguê-los.
    Quem pilhou o BPN e o BPP vai ter oportunidade de pilhar o país. Com o voto popular e o apoio incondicional do BE e PCP.

  2. Ó Leonor, quem és tu?! Leonor Pinto ou Leonor MINTO?! Que país de anões! Felizmente que as excepções são muitas! Como a daquela avó que nos encheu a alma!

  3. Eu também fiquei perplexo esta semana quando ouvi o Lapa´s Rabbit dizer que também quer mudar isso tudo. A justiça, a educação, os serviços públicos, enfim…

    Como? Com os próprios intervenientes.

    Ainda me rebolo de quando em vez. O Sacaninha sofre de ânsias de nos desfalecer com tanto riso.

    Até agora as medidas propostas foram zero e desde que existe sempre utilizou os interesses dos intervenientes para manter tudo como estava. Veja-se a avaliação dos professores e outros tantos diplomas rejeitados na última legislatura.

    O cabrão não tem mesmo espelhos lá em casa.
    Sim, cabrão. Pessoalmente não admito que gozem com a minha inteligência desta forma.

  4. Mas alguém tem dúvidas de que, com o PSD no governo, ou o PSD mais o CDS, numa altura destas, isto vai ficar ingovernável? Mesmo com maioria? Demos-lhes 2 meses. Vai ser o caos!
    Coelho tem lá personalidade/inteligência/tacto para isto! Lulinha. Passadas as tonturas, já o imagino a pedir desculpa aos portugueses por ter de mandar a polícia… Isto, se conseguir formar governo sem transformar a tarefa num carnaval para os Media.

    A atracção do abismo parece que existe mesmo.

    Numa outra perspectiva, admito que muitas pessoas tenham o seguinte raciocínio: “Estes quiseram o FMI, não quiseram? Pois que assumam as consequências!”

  5. estou de luto por razões pessoais, e pelo meu país, e assim continuarei. Mas queria dizer uma coisa aos portugueses: pensem três vezes antes de darem a vitória à direita, a pensar que alguma vai mudar para melhor. Mais não direi.

  6. O fulcro da questão será perceber quem está mais preparado para vencer os «passos perdidos» e o «cavaquistão». Simples – branco é, galinha o põe.

  7. Magistral. É precisamente isto que está em causa, esta é a raiz profunda dos nossos males. Tudo, mas mesmo tudo, vai dar ao mesmo lugar: uma justiça disfuncional – e que para efeitos práticos não existe – acaba por contaminar tudo à sua volta.

  8. parabens pelo post. Eis o cerne da questão, concordo, chamase justiça. Não se pode dizer melhor. Eu perdi a ilusão pela justiça e ela é a trave que sustenta tudo o edificio democrático.

    Toda à armadilha da direita em portugal, eu escoito, olho e sempre penso isto é un “dejá vu”, aquilo o lado é exactamente igoal nos métodos e ainda pior nos resultados. Chegam tempos tenebrosos, aquí ja estão presentes, e ainda vão vir piores, una nuvem cinzenta vai cubrir o ceo deijando tudo estercado de indignidade e voltaram as grandes procesões de caladinhos, porque o governar a direita, os caladinhos aumentan, quando a esquerda governa, tudos são a falar.
    As ovelhas sem pastor e os lobos arredor esperando, asim estamos.
    Muita corrupção. A direita se lhe permete roubar todos os ovos e ainda a galinha que os põe, embora se um da esquerda rouvava um ovo, não tem perdão e toda a esquerda tem de pagar o roubo do ovo. Coisas que passam.
    Que se cumpram os melhores desejos para Portugal que se chamam PS e Sócrates.

  9. A direita e o cavaquismo, sempre de mãos dadas com a dita esquerda do PCP e BE, durante estes seis anos, afrontaram através de processos inventados ou forçados por alguns agentes judiciais, aquilo que é um valor civilizacional: a presunção da inocência e a preservaçao do bom nome de um cidadão.
    Serve isto para qualquer cidadão de um pais livre e responsavel, como para um primeiro ministro. Não digo que vale mais. Mas todas as inventonas a que assistimos constituem a maior ignominia que nunca julguei possivel num POrtugal democrátrico.
    Não o venciam em eleições, foram desgastando a sua credibilidade e imagem com casos sucessivos sem fundamento algum,e ainda assim perdem em 1999. Cavaco após esta derrota devia resignar.Seria assim em qualquer país europeu.
    Voltou depois da reeleiçao. E logo q surgiu a oportunidade voltou ao ataque. O país podia esperar.
    Isto é golpada. Isto é golpe de estado. Isto é batota. Cavaco, PSD; CDS abraçados ao PCP e BE, e a alguns agentes da justiça, podem limpar as mãos à parede! A comunicaçao social também. Tudo isto mete nojo! Cheira mal!

  10. Em democracia temos que saber lidar com a vontade popular. É custoso ver um 1º. Ministro dar o seu melhor pelo País e não ser correspondido antes pelo contrário ver a oposição deitar um governo abaixo eleito democraticamente. Como secretário-geral do PS tudo fez nesta campanha eleitoral para vencer as eleições mas o povo parece que não quer que ele as vença.
    Por mim e pela minha esposa vence-as. São dois votos garantidos no dia 5 de Junho a não ser que daqui até lá nos aconteça alguma coisa.
    Como disse por várias vezes não sou socialista, desde 2005, o meu voto é no José Sócrates.

  11. Cá em casa somos 3 ‘socratistas’ convictos: pai, mãe e filha .Três votos certos no PS ,dia 5 de junho. Um dia iremos ter orgulho de dizer que fazemos parte do grupo de pessoas que perceberam os benefícios das políticas que Sócrates implementou ou tentou implementar.

  12. Val, rendo-me ao seu discurso. Também eu nunca votei no PS (nem no PSD) em eleições legislativas (ou autárquicas). Ando há meses numa aflitiva indecisão. Por um lado, única e exclusivamente porque o deputado cabeça de lista pelo meu distrito é a pessoa que é (José Manuel Pureza), gostava de poder votar no BE, por outro lado, nunca o voto no PS foi tão necessário e, como bem diz o Val, justo. É por isso que, a quatro dias das eleições, tomei finalmente uma decisão: vou votar no PS. Pode não ser suficiente (a ter em conta as últimas sondagens), mas não posso viver com a culpa de ter empurrado o país para um governo de direita.

  13. Parabéns pelo texto e sinceridade.

    Sinceramente, sou apartidário. Em 10 anos que poderia votar, nunca o tinha feito. A politica passava-me inteiramente ao lado.

    Votei pela primeira vez em 2009, porque achei que o país e José Sócrates precisavam do meu voto. Este despertou-me para a politica como nunca ninguém o tinha conseguido antes. É um politico com visão, optimismo. Quantas vezes vimos, antes dele, Portugal no New York Times como pioneiros em o que quer que fosse?
    Na minha sincera e humilde opinião, ele é o melhor PM que Portugal já teve. Acredito que a História acabará por lhe fazer justiça, como referiste há dias e bem no post “A árvore e a floresta”.

    Se fosse da oposição, até me era estimulante ter alguém como Sócrates no poder. Não são muitos os políticos que permitem e que criam debates de ideias progressistas. Infelizmente esta é uma visão utópica da politica portuguesa. A oposição não debate ideias, apenas as destrói porque são melhores ou mais exequíveis do que as deles.

    Votarei, claro, mais uma vez nele. Por tudo o que ele fez, por tudo o que ainda possa fazer e por todo o mal que lhe fizeram e ainda fazem.

    Nunca vos ocorreu pensar do que ele seria capaz se fosse ele o PM durante os anos em que Portugal foi contemplado com os apoios da CEE?

    Sérgio

  14. Que belo texto nos presenciou, Val! Também eu e a minha esposa, após muitos dias de indecisão, fomos sensiveis ao apelo da direita da direita e da direita da esquerda, e assim nos decidimos á última hora, ir mais uma vez, e esperamos que não seja a última, votar neste José Sócrates e neste PS.
    Este PS e este José que tanto orgulho trouxe à nossa casa e à nossa vida. E não só a nós, mas também aos nossos dois rebentos, que ainda não votam, mas que apesar dos seus 12 e 16 anos, irão ficar em caso de derrota no próximo dia 5, com uma lágrima no canto do olho.
    O outro lado da moeda, é o maldito sentimento de horror pelo mistério como nos últimos anos, assistimos à orquestração de uma campanha diária e sistemática de lavagem cerebral das pessoas menos esclarecidas da nossa sociedade, contra um individuo cujo único crime que se conhece foi ter sido eleito 1º ministro num país que se proclama democrático.
    Apesar de tudo, fui criado a ver os maus obterem algumas vitórias, e os bons a ganharem a guerra.
    Cada um traça o seu caminho, falta saber se eles se conseguirão cruzar!

  15. Um gajo lê estes comentários todos e não pode deixar de se rir com tamanha cegueira! Já todos estamos fartos de saber que o PS e o PSD são dois partidos gémeos, mas não deixa de ter a sua piada ver a socretinada inocente convencida de que um governo do PSD a obedecer às ordens da Troika será muito diferente de um governo PS a obedecer às mesmas ordens da Troika.
    Mas até é capaz de haver uma diferença significativa: o PSD já disse que vai fazer alterações na Taxa Social Única, enquanto o Pinto de Sousa tem evitado falar no assunto dizendo apenas que apenas admite uma pequena descida. Só que, como revelam as últimas noticias, no acordo assinado com a troika, o Pinto de Sousa comprometeu-se a fazer uma redução substâncial naquela taxa, caso venha a fazer parte do próximo governo. Portanto, nada de novo: o aldrabão continua igual a si próprio e a gozar com a cara dos socretinos…

  16. A diferença, DS, é que o PSD farta-se de dizer que vai muito além da troika. Tu é que pareces cego. Quando acordares, tem-lo todo enfiadinho…Bem feita.

  17. Venho a este forum de comentários para dizer, em primeiro lugar, que também eu, com todos os meus, votaremos com muito orguhlo no PS, sim no PS mas principalmente em José Sócrates.

    Faço-o, fazêmo-lo, porque não nos resta a mais pequena dúvida que este tem sido de longe o melhor 1ºMinistro do pós-25 de Abril;

    fazêmo-lo pela determinação com enfrentou tantos interesses instalados;

    fazêmo-lo pela coragem com que suportou os mais miseráveis ataques que uma Comunicação Social inqualificável lhe moveu a mando de uma Direita desonesta e de cabeça perdida para “ir ao pote”, e de uma extrema esquerda que despreza os interesses do país apenas na mira de melhorar o seu score eleitoral;

    fazêmo-lo porque, felizmente, somos parte daquela camada de portugueses, com um mínimo de sentido crítico, para não se deixar manipular pelo torpe pseudo-jornalismo que domina os nossos media e, muito menos, por esses opinians-makers da treta que não passam de gente ressabiada, desonesta e vingativa que outra coisa não quer que não seja aproveitar a excelente oportunidade para também meter a mão no pote;

    fazêmo-lo porque queremos continuar a rever-nos na nossa Escola Pública;

    fazêmo-lo porque nos enchem de orgulho os passos de gigante que este pequeno país tem dado, através de um acentuado acréscimo no investimento (digo Investimento e não Despesa!) em I&D para “escancarar” às jovens gerações as portas do Sec XXl tão exigente em qualificações quanto promissor em progresso e bem-estar para a humanidade;

    fazêmo-lo porque queremos que os que nos sucedam possam beneficiar de um Serviço Nacional de Saúde cuja qualidade seja, pelo menos, igual àquela de que hoje beneficiamos;

    fazêmo-lo para contrariarmos, com o nosso modesto voto, a tendência a que no mundo se asssiste para colocar no poder governos de direita que outra coisa não farão que permitir que o POLVO FINANCEIRO que já hoje domina o mundo continue a estender os seus tentáculos opressores por sobre a humanidade sem que o mais pequeno sinal de resistência se lhe levante

    fazêmo-lo, por último, porque sentimos uma profundo nojo e repulsa e desprezo por todas e todos quantos se declaram capazes de apoiar gente que, num espantoso acto falhado, nem sequer foi capaz de ocultar aquilo que de facto a move: “ir ao pote”, técnica em que já mais do demonstrou ser exímia.

  18. Não Mário, eu não votando PS, nem PSD, não contribuo para qualquer tipo de «enfianço». Agora, quem o já tem todo «enfiadinho» são os socretinos, que apoiam o Pinto de Sousa apesar deste os andar a enrabar constantemente. E este enrabanço traduz-se em, desde 2005, o tipo prometer umas coisas e fazer exactamente o oposto. Por isso, não surpreende que, mais uma vez, a história se repita: o tipo diz que com ele não há alterações significativas na TSU, apesar de já se ter comprometido a fazer o contrário. Mas os socretinos pedem mais, e está visto que gostam da «coisa» feita por trás…
    Não é preciso, portanto, o PSD ser governo para se ir além das exigências da troika: o Pinto de Sousa já mostrou ser capaz disso, ou não fosse ele, desde o 25 de Abril, o maior neoliberalizador da sociedade (para além de maior manipulador, claro).
    Onde se encontra, pois, a grande diferença entre um governo PSD e um governo PS? Ao contrário do que os enrabados dizem, não está nas políticas adoptadas ou a adoptar, mas sim naqueles a que se dirigem. Ou seja, a diferença está no facto de os socretinos não admitirem que o PSD faça aquilo que já permitem ao PS, e é por isso que o PS pode implementar politicas de direita que o PSD teria dificuldade em impor face à resistência da maioria do eleitorado. É que os socretinos, como cordeirinhos que são, não se importam de ser comidos pelo lobo, desde que este se disfarce bem de cãozinho protector….

    PS: Jpferra, eu apareci e tu também «apareces-te». Até parece que fazemos o mesmo, mas não: a merda que tu descobriste só existe mesmo na tua cabeça…

  19. Este DS vive noutro planeta. Então DS responda a estas perguntas:
    Quem se bateu pela democracia em Portugal contra e Intersindical, o pcp do partido único, o Otelo que nos metia todos no Campo Pequeno, quem nos livrou do gonçalvismo?
    Avivo-lhe a memória: foi o PS.
    Quem lutou no 11 de Novembro contra a ditadura dos radicais de esquerda incluindo os pcps? Foi só e tão só o PS. Nesses dias os PPDs e CDSs estavam fechados em casa borradinhos de medo.
    Quem criou neste país o Serviço Nacional de Saúde? Só e tão só o PS, pela mão do ministro António Arnaut.
    Quem promoveu a escola pública, a estendeu a todas as camadas da população, melhorou os edifícios escolares, introduziu o inglês nas escolas, deu um computador a cada estudante, permitiu que os estudantes ficassem na escola até às 17 horas? Tudo e tudo isto foi só o PS.
    Quem deu reformas aos comerciantes, às empregadas domésticas, aos camponeses e agricultores que nunca tinham descontado para a segurança social? Foi o PS.
    Mas vamos ao lado contrário:
    Quem destruiu a economia deste país, bancos, companhias de seguros, de navegação, a CUF e tantas outras deixando o país de rastos porque depois as teve que devolver exceto as já mortas como a CUF? Pois foram os esquerdalhos do pcp e acólitos be (udp, lci, e restante pandilha).
    Quem destrói a cada dia este país com greves sem sentido, estando sempre contra tudo mas fazendo quando dirige como nas câmaras pcp muito pior do que os outros? Pois é o pc porque o be nem câmaras tem.
    Vamos para o outro lado: quem está contra Sócrates por não lhe ter dado a PT? Pois o Belmiro.
    Quem está contra Sócrates por não acabar com a publicidade na RTP? Pois o Balsemão. Quem está contra Sócrates por não o favorecerem? Pois o gajo do Pingo Doce.
    Quem está contra Sócrates por lhe terem retirado regalias? Pois os juízes e algum pessoal da função pública.
    E quem destroi cada dia este país? Pois o pessoal da direita (PPD/ CDS). Ele são os Loureiros, os Ferreira Torres, os Isaltinos, os Gonçalves.
    Quem destruiu a economia e fez falcatruas neste país? Pois os do BPN, os do BPP, os do BCP.
    Se ainda isto não lhe chegar para se saber em quem votar então posso continuar com a reforma agarra e outras, muitas outras tropelias em este país é farto.

  20. Nunca fui nem sou militante de qualquer Partido. A minha vida não depende de maneira nenhuma da Política. Sempre trabalhei na minha Profissão e até já tive patrões militantes do PSD e do CDS (de alguns dos quais continuo amicíssimo). Também já tive nas minhas funções técnicas Vereadores do PS (um deles péssimo, por sinal), da CDU (um deles bastante bom), do PSD (um deles meu amigo e Colega de Curso) e até já votei na AD (de Sá Carneiro), no BE, na CDU (na coligação autárquica «Por Lisboa»), no Eanes, no F. Rosas e no F. Nobre. E em 2005 NÃO votei Sócrates. Votei convicto em 2009 e mais convicto vou votar agora: um terço por ele próprio, outro terço pelo P. S. e outro terço ainda pelo nojo que sinto pelas restantes candidaturas.

    Mas acima de tudo lamento o estado altamente patológico em que se encontra a opinião pública portuguesa. Desinformada, manipulada, esmagada pela intensidade de uma propaganda obscurantista, viciosa e condicionadora como jamais se viu em Portugal, fim do ESTADO NOVO E PREC INCLUÍDOS (lembro-me bem de ambos) e como tal incapaz de discutir, de avaliar e até de compreender a realidade!

    Apesar disso, terei de aceitar democráticamente o veredicto popular do próximo Domingo e desde já desejar boa sorte a Portugal com os próximos governantes, quaisquer que eles sejam. E ser justo tanto com os que governarem, como com os que ficarem na (ou forem remetidos para) Oposição. Assim o consigam fazer todos os que perderem as próximas Eleições.

    Que todos estejam conscientes da importância do que decidirem fazer no dia 5. É que, depois, não se aceitam reclamações!

    Nem valerá a pena protestar que “foram enganados”. Já somos todos crescidinhos, em termos democráticos. Não há desculpas nem tolerância para “enganos”.

  21. Este manteigas tem a cassete socretina bem decorada. A primeira parte da cassete diz-nos aquilo que a direita nos costuma contar àcerca dos anos 74-75, o que nos mostra porque é que o PS se reclamou de «socialista», para logo a seguir meter o «socialismo» na gaveta. Uma prática manipulatória que não mudou com o passar dos tempos e que continua a fazer a cabeça dos inocentes que se dizem de esquerda, ainda que o «esquerdismo» do Pinto de Sousa esteja no caixote do lixo (como o discurso anti-sindical do manteigas revela). E isso verifica-se na segunda parte da cassete que fala em Magalhães e em negócios similares, e esquece da impostura das novas oportunidades, o facilitismo e a crescente degradação de um ensino público burocratizado, para além da privatização de uma série de serviços escolares; que fala no SNS e esquece-se que o Pinto de Sousa tem contribuido para a saúde tendencialmente paga (o contrário do que está na constituição «comunista» radical); que fala nas pensões de comerciantes, camponeses, etc, quando é sabido que com o Pinto de Sousa as pensões da generalidade dos reformados (mesmo as mais baixas) sofreram cortes, e que as da geração empregada actual vão ser metade (ou pior) do que são hoje; que fala na destruição da economia por parte dos outros (comunistas, banqueiros, psds, etc) e se esquece que com o Pinto de Sousa o desemprego atingiu valores nunca antes vistos (em vez dos 150000 empregos, o Pinto de Sousa criou mais 300000 desempregados e para «compensar» fez cortes no subsidio de desemprego).
    Enfim, a «defesa» do Estado Social por parte do Pinto de Sousa consistiu em fazer cortes no ensino, na saúde, e na segurança social, mas os socretinos continuam com vontade de ser enrabados. Pois que o sejam, pois está visto que as «manteigas» tornam mais fácil o «enfianço»…

  22. Mas vale a pena perder tempo com estes cretinos que não discutem os acontecimentos mas empranham pelos ouvidos ao ouvirem o jerónimo e o louça partida? Só um exemplo para acabar com este intelectual de pacotilha. Os sindicatos. Defendem os sindicatos como se fossem coisa boa. Os sindicatos é a coisa mais conservadora desde que existem. Mas vamos aos fatos. Emprego com A.C.T., com regalias, nada de recibos verdes a bem dos trabalhadores e do país. Pois é. Agora o pessoal de voo da TAP (que são uns senhores que ganham mais num mês que muitos portugueses em toda a vida) resolvem fazer 10 dias de greve. A bem do país, claro. Afinal quem anda com a cassete nas orelhas? Vai bor duma coisa que eu cá sei.

  23. É o que eu digo: estes gajos assimilaram por completo o discurso neoliberal e anti-sindical à la Thatcher, e depois ainda têm a lata de dizer que são de esquerda. O tempo em que o «socialista» Pinto de Sousa atacou o código laboral do Bagão Félix e em que prometeu revogá-lo já passou (foi o início das inúmeras mentiras); agora o que interessa é ir ainda mais longe que o «esquerdista» Bagão e liberalizar completamente o mercado de trabalho, acabar com os sindicatos e privatizar tudo para acabar com os «privilégios» de quem trabalha para o Estado (a começar pelo direito à greve, claro). E andam estes socretinos impostores a meter «medo» com o Passos Coelho…

  24. Vou fazer em breve 70 anos,estou banzado com a comunicação social que temos,”vendidos vozes do dono”marcelos que deviam olhar melhor para a sua própria casa….
    Cá em casa(cada um pela sua cabeça),votamos na experiência,no saber,na tenacidade,por uma ideologia mas principalmente por um homem que tudo fez,lutando contra tudo e todos,para Portugal não precisar do FMI, por tudo isto e muito mais vamos votar SÓCRATES, votamos por PORTUGAL.

  25. Vou fazer em breve 70 anos,estou banzado com a comunicação social que temos,”vendidos vozes do dono”marcelos que deviam olhar melhor para a sua própria casa….
    Cá em casa(cada um pela sua cabeça),votamos na experiência,no saber,na tenacidade,por uma ideologia mas principalmente por um homem que tudo fez,lutando contra tudo e todos,para Portugal não precisar do FMI, por tudo isto e muito mais vamos votar SÓCRATES, votamos por PORTUGAL.

  26. Temos que chamar o National Geographic para fazerem um documentário sobre os troglóbios que temos cá e que continuam vivos há mais de 150 anos. O mundo tem que saber da existência disto em Portugal.

    Está bem que dizem a mesma coisa de há dois, dez, trinta, cem anos. Mas valem pelo entusiasmo que sempre mostram pelas sondagens e pelo prazer que empenham no combate eleitoral. Mesmo sabendo que hibernarão se os resultados do próximo domingo não lhes aprouverem.

  27. Ds queres leis sindicais? Trabalhinho certo? Fazer greves quando te der na real gana? Vai esperando sentado e assobia para o lado. Acabo de ouvir o Pachecóvio na Quadratura do Círculo a dizer que não basta eliminar organismos do Estado porque ficamos com os trabalhadores e, portanto, na mesma. Diz ele que é preciso despedir. Pois vai fazendo greves e não desistas porque vais ter um rico funeral que eu aplaudo. Ainda hás-de chorar mas aguenta que o Passos te vai enrabar.

  28. Claro que aplaudes, manteigas. Mas não foi precisamente isso que eu acabei de dizer? Que, no que toca ao mundo do trabalho, os neoliberais-neoliberais (como o Pacheco) e os «socialistas»-neoliberais (como tu) têm posições convergentes e têm modelos semelhantes (como a Thatcher)?
    Quanto à proposta do Pacheco para despedir pessoas da função pública tenho uma novidade para te dar: o Pinto de Sousa já fez isso. «Despediu», isto é, dispensou inúmeras pessoas que tinham contratos precários e a termo certo com o Estado, que iam sendo renovados todos os anos. Formalmente isto não são despedimentos, mas na prática foi disso que se tratou.
    Portanto, pá, a mim o Pacheco não me enraba: ele, com a sua conversa, enraba é quem, como tu, ignora que o Pinto de Sousa deu iniciou a esse processo. Mas descansa que, feito de manteiga escorregadia como és, és bem capaz de aguentar com dois enrabanços ao mesmo tempo…

    PS: O National Geographic é uma boa escolha, traques! Ainda outro dia vi um documentário muito interessante sobre burros. Burros que desconhecem as origens do socialismo ou da social-democracia, por um lado, e que desconhecem que o neoliberalismo modernaço, que abraçaram com tanta euforia, tem as suas raízes em autores que viveram e expuseram as suas ideias não há 150 anos, mas há 200 e 300 anos. Mas os burros são assim: têm palas nos olhos…

  29. No fundo, no fundo.. quem vos encava bem encavado é o ds. E vocês parecem os cães de Pavlov, partem logo para o insulto, refutar um argumento, uma ideia que seja – zero. Quando me sinto a tender para o voto útil, este e o tasco ao lado (CC) são remédio santo. E faz-vos uma confusão do crl que haja alguém aqui a falar em vez de balir. Também é normal, muito inteligentes não podem ser, quanto muito são seguidistas aparolados, tipo os Lellos e os Rangeis, até se trocam todos.. anda o dono a fazer-se socialista e estes nabos aqui a malhar nos sindicatos. É preciso ser lento, porra. Vocês nem sociais-democratas são. São liberais. Juntem-se à merda do Partido Popular Europeu e desamparem a loja. A esquerda em Portugal começa no Bloco e acaba no PC, até o CDS fica à vossa esquerda na figura, com a caça ao voto. Tenham vergonha na cara, quando vejo socialistas como a Ferreira Alves a dizer que o PSD é um partido sem matriz ideológica… olha que moral do crl que vocês têm, metade do partido são tachistas (dessa grande escola que é a JS), a outra metade é eco do dono – qualquer merda que esteja à frente do partido – sobram os corruptos como aquele ranço do Rodrigues dos Açores, os ressabiados, o Tozé Inseguro e o Alegre, e os outros é que são os sacos de gatos. Só rir.

    E tu Valupi, é porque nunca votaste PS. Deve ser isso, deve.. Conta mais..

  30. Olha o d… s…! Não tenho paciência para repetir conversas de há quase dois anos. Na altura também andavas cheio de garganta e depois tiveste que o engolir todinho.

    Calculo o quanto deve ter sido interessante. Só te fica é bem esse processo (algo inconsciente, talvez) de identificação com os problemas dos asnos.

    Fico-me por aqui. Dizem que andam para aí as e. colis.

  31. Pois é DS. És um pobre diabo. Ainda o sindicalismo serôdio. Estava numa empresa que resolveu fazer reestruturação e vai daí calhou-me em “sorte” um possível despedimento. Recorri de imediato ao meu sindicato esperando aí uma defesa daqueles que os sustentavam. Resposta: sabe, eles têm a faca e o queijo na mão não podemos fazer nada. Como quem diz: vai à tua não nos chateies mais agoraque vais deixar de pagar para a gente.
    Os sindicatos defendem quem não precisa. Quem tem emprego certo, funcionários públicos, empresas públicas, administração local. De resto, quem é pobre quem está desempregado, quem passa fome quem trabalha no privado os sindicatos fazem um manguito a essa gente.
    Mas ainda bem que reconheces porque não sabes o que dizes que se alguém foi “despedido” era quem tinha contratos precários. Isso não são despedimentos. Vai-te curar, toma os remédios e deixa de beber. Ponto final. Não falo com idiotas porque ainda esse mal é capaz de se pegar.

  32. Olha o traques a fazer-se de desentendido… Fez uma alusão a animais que existem há mais de «150 anos» – e está-se mesmo a ver a quê, ou a quem, é que o gajo se estava a referir, até porque o resto dos comentários a este post foi feito apenas pela socretinada – e burro como é estava à espera que eu não lhe respondesse? Nãã….
    O gajo é burro mas não é assim tão burro! Agora, isso não invalida o que eu já disse: que é um burro que desconhece que os pais do liberalismo (os seus pais adoptivos) são tipos com mais de 300 anos como o Hobbes e o Locke (mais o segundo do que o primeiro), ou com mais de 200 anos como o Adam Smith. Assim como desconhece as origens da social-democracia e como esta está ligada à história do marxismo: será que nomes como Kautsky e Bernstein lhe dizem alguma coisa? Duvido! Fica-te pelo curral a comer palha, pá, que é o que fazes melhor!

    Já o manteigas está a ver se ultrapassa o traques na burrice. Ó pá, não sabes ler? Eu disse que o Pinto de Sousa dispensou pessoas que todos os anos tinham o seu contrato temporário renovado (só não pertenciam aos quadros porque assim ficavam mais baratos ao Estado). Disse que FORMALMENTE isso não são despedimentos, mas que na prática são, devido à tal renovação. Ou à custa de quem é que pensas que o Pinto de Sousa fez a maior redução de funcionários públicos já vista? As reformas antecipadas não chegavam para fazer esse emagrecimento neoliberal, pá!
    Quanto aos sindicatos, estes têm como primeira obrigação defender os interesses dos seus associados. No teu caso, dizes que não te defenderam como deviam, alegando que a empresa tinha a «faca e o queijo nas mãos». Mas quem é que lhes pôs «a faca e o queijo nas mãos»? Foi o Bagão? Foi o Pinto de Sousa? Foste tu com o teu apoio ao Pinto de Sousa? Foste ingénuo, pá, pois, como já deves saber actualmente, a melhor forma de garantir a protecção no emprego é arranjar um tacho através do partido, como fizeram os teus «camaradas» Rui Pedro Soares e o Vara. A UGT não chega para tanto…

  33. Sei bem da tua altíssima densidade intelectual, diarreia submersa. Daí o submersa. Não consegue ficar nada à tona, a boiar.

    Estás equivocado quando vens para aqui debitar matéria como se do outro lado estivessem os teus pupilos do secundário. Que tipo de vantagem pensas tu que retiras disso? É só isso que eu não percebo.

    Deves pensar que és o génio sociopolítico da actualidade. É só esfregarmos a tua lamparina e… puff, temos o novo mundo aos nossos pés.

    A questão é muito simples: é quase certo que engoles calhamaços desde pequenino, o problema é que não os digeres. Por isso é que quando te confrontam para apresentares propostas concretas para sabermos ao que vens (e eu sei bem do que estou a falar) tu só esbracejas e engoles em seco. Com sorte, vens com mais música. E então se tu tens jeito para isso.

    Agora tenho que ir já lavar as mãos outra vez. As e. colis estão a apertar o cerco

  34. O entendido em correntes politicas modernas do século XXI, mais conhecido por traques, deu agora para projectar nos outros a sua ignorância àcerca da filosofia política, acusando-me de não ter capacidade para digerir os calhamaços que engoli. É um fenómeno psicológico mais do que conhecido. Veio do curral, de onde nunca devia ter saído, e o post que escreveu é só palha sem substância. É normal nos burros…

  35. os arquitectos da camara a defenderem a filosofia das linhas arquitectonicas dos patos bravos. Pum.fogo, cada rua com as merdas destes gajos municipais, e transplantam a porra dos traços pró dia a dia do maralhal, traques, pá, remete-te ás entranhas, pá, que o buraco do ozono e o efeito de estufa não estão pra brincadeiras pa, e apanhar com os teus lampejos iluminativos, é do catano, pá. pum.

  36. Eu não fiz nenhum post, ó palerma.

    Tu, e só tu, é que te arrogas a especialista da tua filopedofia política e o teu comentário deixa bem clara toda a tua ignorância. Só acontece porque tens plena noção de que, como porco que és, ficaste encurralado. E estrebuchas.

    Percebe o essencial, diarreia submersa, só os palermas superiores te dão razão. Mas eles nem sabem do que falam.

    Tenho que ir lavar as mãos outra vez.

  37. Ó puns, traques, meu merdorrento pá, já percebi que metes a mão no cu sempre que falas, pá, mas lava também a boca que só vertes merda, fogo, merda barulhenta, com cheiro e sem consistencia pá. mereces apanhar com aquela coisa que os dentistas poem na boca do doente pá, pra ficares com a bicanca aberta e te meterem um cagalhão de três dias, pá.uma espécie de transfusão de merda, pá, já que optas por só dizer merda, caralhoto.pum. puns. traque – traque. tudo de seguida mas a som baixo, que o cu do traques é mais celulite empalhada.

  38. Palavras para quê?

    Plagias um comentário que várias vezes contestaste.

    As tuas inconsistências só não estão integralmente provadas para asnos como tu.

    Nem tenho que ir, novamente, lavar as mãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.