Passos a gabar-se de ter afundado um país com a ajuda de toda a oposição

Our Plan to Fix Portugal
The main economic challenge is to ensure that growth goes hand in hand with fiscal discipline.

Last Wednesday, all the opposition parties in the Portuguese parliament unanimously rejected the Socialist-led government’s fourth round of austerity measures in just over a year.

My Social Democratic Party, the country’s main opposition party, has been and remains a staunch supporter of reducing Portugal’s public deficit to 4.6% of GDP in 2011 (from perhaps 7% last year) and to keep narrowing the budget gap to 3% of GDP in 2012 and to 2% of GDP in 2013.

[…]

These latest measures—the 2011-2014 Growth and Stability Program—were announced without prior domestic consultation, surprising everyone and effectively sidelining the head of state and Parliament as the minority government took on international obligations without ensuring parliamentary backing.

[…]

We voted against the latest announced austerity measures not because they went too far, but because they did not go far enough. They do not address the heart of Portugal’s main economic challenge, which is to ensure that growth goes hand in hand with fiscal discipline. In our view, the latest austerity package would not have fostered growth, while imposing unacceptable sacrifices on the most vulnerable members of society. It was too much tax and not enough cost reduction.

[…]

A broad coalition for change aligning politicians around the principles of discipline and competitiveness will help market confidence and help the political process itself.

I will not relent until I bring this coalition about.

Mr. Passos Coelho is leader of Portugal’s Social Democratic Party.

5 thoughts on “Passos a gabar-se de ter afundado um país com a ajuda de toda a oposição”

  1. Mas alguma vez o incompetente certificado pela Lusíada teria capacidade ou Inglês para escrever esse texto? É isso e eu ser o pai Natal. Mas ainda mais hilariante é o comentário na caixa:

    Jose Antonio Wrote:

    This comes from a person that is the leader of a party that ruled Portugal several times in the past…
    Every one in Portugal knows what needs to be done in order to really win the trust of all markets and of our partners in the EU.
    First off we must cut back on the expense made by the central government, how? Simply reduce all the benefits that politicians have, and allow them to only benefit from they’re pension at the same age as the others citizens. If any one exits the government, that person should go back to is old job as to opposed to what is done right now (they get a management position in one of the public companies).
    Does any one whant to bet that if we make these things we will pay any debt that Portugal as in under 5 years?

  2. Tanta malta a falar inglês, até parece que andaram todos na escola dos garotos da bola do sporting.

    Porra!

  3. Vê-se aqui que os credores que apostaram em Passos Coelho se ludibriaram a si próprios por tretas ideológicas que só dão em prejuízo. Com a «austeridade Gaspar», o PSD falhou, SEM HONRA NEM GLÓRIA, as promessas que havia feito aos credores, relativas ao défice, tendo o seu génio das finanças conseguido PIORAR a trajectória do défice que vinha do governo de José Sócrates. Senão, vejamos:

    Défice 2011 (Real) : 4,2%
    Défice 2011 (Prometido aos credores) : 4,6%

    Défice 2012 (Real) : 6,3%
    Défice 2012 (Prometido aos credores) : 3,0%

    Défice 2013 (Aceite pela troika): 5,5%
    Défice 2013 (Prometido aos credores) : 2,0%

    Observe-se que o confisco de 1/2 subsídio de Natal, em 2011 (desnecessário, visto o défice ter ficado abaixo do que prometera aos credores para esse ano) provocou uma contracção económica em 2012. Devido a essa contracção, Vítor Gaspar gera um verdadeiro buraco colossal em 2012, de mais de 4 mil milhões de euros relativamente ao que Passos Coelho tinha prometido aos credores. Eis a verdadeira origem do corte de 4 mil milhões no Estado Social: uma promessa, irrealista e não cumprida, que Pasntsos Coelho fizera aos credores.

    Com estes dados, alguém ainda acredita que o défice de 2013 se vai ficar pelos 5,5% ou que a culpa é do TC?! E se ficar abaixo de 5,5% (à custa de mais «austeridade Gaspar») teremos um défice verdadeiramente colossal no ano de 2014.

    Que tipo de HONRA poderemos então ter, junto dos credores?! Obviamente, demitam-se!

  4. a “superioridade politica “dos comunas e bloquistas,vê-se até a nivel local. como a politica que eles defendem pegou de estaca por onde passou ,os socialistas se querem coligaçoes têm de se submeter a essa politica redentora que eles sem vergonha na “puta da lata” continuam a defender.que os pariu.Nota: na unica camara do bloco, cujo nome não me recordo, estão a implementar uma especie de socialismo servido com caviar, para ser exportado para o resto do pais. força! vai nesssa vanessa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.