Parabéns Pedro&Paulo

Passos e Portas estão de parabéns, e o Pedro ainda mais. Muito mais. Não entender porquê será um erro, mais um, da oposição.

Durante as eleições para a liderança do PSD em 2008, uma parte do partido sentiu asco da conduta do então apodado imitador de Sócrates. Os seus elogios ao dito, e os seus ataques a Ferreira Leite – que valeram ao casal Passos-Relvas a exclusão da lista de deputados laranjas – exibiam uma personalidade ainda totalmente mergulhada na cultura política adolescente e estouvada da JSD. Com a saída da Manela, a disputa interna parecia favorecer Paulo Rangel, visto como o preferido dos cavaquistas, e levar a uma repetição do desaire passista da anterior eleição. Porém, as bases o que queriam mesmo era o seu Sócrates e justamente castigaram um Rangel que estranhamente se revelou um fiasco nos debates, inclusive tendo perdido com escândalo o mano a mano com o bimbalhão do Aguiar-Branco.

Tínhamos agora o Pedro à frente do partido e com a certeza de que a legislatura não chegaria ao fim, dado não haver maioria parlamentar nem interesse em alcançá-la. O caos nos mercados de financiamento externo e a certeza de que Cavaco apoiaria o derrube do Governo na primeira oportunidade colocavam o calendário das legislativas nas mãos do PSD. Neste período, a grande dúvida na direita ocupava-se com a capacidade de Passos para se aguentar no confronto eleitoral com Sócrates. A percepção geral era a de ser altamente improvável que conseguisse bater o primeiro-ministro de então. Ironicamente, o ostracismo parlamentar acabou por protegê-lo, tendo chegado ao período eleitoral sem qualquer desgaste na imagem e sem derrotas em duelos. Na única ocasião em que enfrentou a fera, no debate televisivo, apareceu à sua frente um Sócrates interiormente derrotado pelos acontecimentos que levaram ao resgate, descrente de que valesse a pena lutar pela vitória. Ainda assim, quem revir os 60 minutos tem de se render à evidência: Sócrates denunciou correctamente a agenda secreta da direita e Passos mentiu quanto pôde e do princípio ao fim. Os que consideraram, e consideram, que o “homem invulgar” venceu o debate estão acto contínuo a definir o estatuto da sua relação com os factos e com a decência.

Nestes 4 anos, que estão quase a acabar, Passos superou obstáculos gigantes. Por exemplo, excelentes cabeças não concebiam que o primeiro-ministro conseguisse manter-se no cargo caso perdesse Vítor Gaspar ou Miguel Relvas. Pois ele perdeu os dois e viu a sua autoridade reforçada também por causa dessa perda. As crises da TSU, em 2012, na Educação e na Justiça não o derrubaram, nem derrubaram qualquer ministro, podendo mesmo dizer-se que não o molestaram. A inversão radical do discurso ao sabor dos acontecimentos passa impune, a própria oposição mostra-se incapaz de capitalizar nesse deboche. E o contraste entre as promessas eleitorais e a prática governativa, entre a aclamação do Memorando como obra própria e salvífica e a sua utilização como arma de arremesso contra o PS, entre o património ideológico da direita e a fúria do empobrecimento e do saque fiscal, tudo isto e o resto não faz ninguém sair à rua. Nem sequer os profissionais do protesto, tão fogosos num passado ainda recente. O episódio da demissão de Portas acabou por ser favorável aos dois, dando a Passos uma liderança do Governo reforçada e a Portas o consolo das prebendas a que reduziu a sua intervenção política. O ciclo acaba com o supremo e colossal troféu de ter Sócrates preso e cada vez mais desprestigiado, o que igualmente contribui para a reactivação e reforço dos discursos da culpa e do ódio com que a direita justificou o chumbo do PEC IV, o logro eleitoralista e o além-Troika devastador.

Será tudo mérito de Pedro&Paulo? Não. Por um lado, existe um Presidente da República que actua despudoradamente como chefe de facção. O que Cavaco hoje faz é rigorosamente simétrico do que fez com o Governo socialista a partir de 2008. Onde atacou sem piedade, agora defende sem vergonha. Por outro lado, enquanto os anteriores Governos socialistas enfrentaram uma permanente barragem de campanhas negras fazendo o pleno na comunicação social, posto que o PS não tinha qualquer órgão que assumisse as suas dores, o actual Governo dispõe da maioria dos comentadores políticos e ainda conta com órgãos de imprensa cuja agenda ostensiva é a defesa dos interesses políticos da direita portuguesa. Não existem assassinatos de carácter nem casos de perseguição patológica por parte de jornalistas com vasta influência, como se viu, e vê, contra Sócrates e quem esteve ao seu lado. Last but not least, as condições económicas são completamente diferentes graças à intervenção do BCE que levou à baixa dos juros nos mercados e graças à baixa do preço do petróleo.

As sondagens aí estão para introduzir realidade eleitoral nestas impressões casuais. Do PCP e do BE, cúmplices da chegada ao poder daquela que é a mais violenta e decadente direita que já conhecemos na governação, nada se deve esperar. Mas no PS, que era suposto defender a sua História, algo poderia ser feito. Esse algo consistia em dar nome às coisas. Não o dando, dão os outros. E os outros devem estar neste momento aparvalhados pela facilidade com que se pode tratar os portugueses como gado para abate.

68 thoughts on “Parabéns Pedro&Paulo”

  1. são os três estarolas dos pês, parece-me bem acrescentar o PS ao título, que desrespeitam e castram de vida as vacas leiteiras. adorei este textinho de piloxing da actual situação. repara: o Paulo ficou-se pelos pilates; já o Pedro permanece no boxe e o PS acompanha com dancing.

  2. O problema não é só a falta de coragem (vulgo cobardia) do PS para assumir o passado e dar nome às coisas, ainda que neste caso seja difícil encontrar forma de dourar a pílula com recurso a algum doce neologismo tirado da algibeira de um qualquer spin doctor. É que depois de uma estrondosa/vergonhosa banca rota e de uma saída desastrosa, oposição irresponsável e oportunista, prisao do patrao do Desatre, o que mais pesa é a continuada TOTAL INCAPACIDADE de MATERIALUZAR UMA QUALQUER ALTERNATIVA SERIA E CREDIVEL.

  3. O vazio e incapacidade do a Costa é confrangedor e patético. Espero que tenha o tratamento à altura do oportunismo e cobardia do seu nojento acto de traição..

  4. Se a maioria vence sempre que quer na A. R. a oposição, no caso, a minoria
    devia de mudar a estratégia no ataque ao governo do Pilatos de Belém!
    Se o descontentamento é tão grande como se diz qual a dificuldade em mo-
    bilizar uns milhares de humilhados e ofendidos (desempregados e reforma-
    dos) para um acampamento nos jardins de Belém … e dar música!
    Dizem que os portugueses são gente de brandos costumes mas, daí a dei-
    xarem-se enganar outra vez por esta gentalha há algum espaço de dúvida!
    Que as arrastadeiras não largam as caixas de comentários é um facto, a
    converseta é sempre a mesma e vão usando diferentes nomes/apodos ou lá
    o que sejam, até aqui neste espaço de diálogo!!!

  5. Mais cego é o que não quer ver do que o que não vê os seus próprios chifres de beato corno manso … a mim parece-me mais uma sacristia em que todos entoam e cantam o mesmo hino e lengalenga, a que chamam diálogo. Um encanto de riqueza melódica monocórdica!

  6. Não costumo usar esta linguagem, mas este “candeias” de merda, porque não vai ele ou ela alumiar para outro lado. Infelizmente estes asquerosos “comentadores” não têm uma pinta de vergonha quando falam com uma desfaçatez arrepiante de uma “estrondosa vergonhosa bancarrota” quando o facto é que a dívida publica subiu de 93% para 135%. Dizem-no à boca cheia com a maior desfaçatez e o mais lamentável em toda esta situação é que o povinho aceita isto como se se tratasse da maior das verdades. Este é, de facto, o Portugal que esta miserável direita quer e sempre quis!

  7. Se não fosse para ver o que diz a paciente olinda, (não sei quem lhe paga), já não voltava mais aqui .

    Tão repetitivo , é pena!

  8. Apoio e subscrevo a excelente análise do Valupi.
    Para expiação dos nossos pecados desampararam esta loja o tirolês e o soldado da CCS, mas parece que apreceu um substituto a tentar “alumiar” o nosso caminho com candeias, às avessas.

  9. ó FERRA, e tu queres saber uma coisa? é que tu conheces-me mesmo. Sabes porquê? hum? É que eu trabalho e defendo as minhas convições e não há quem as reprove. Bá rói-te de raiba, muita….sabes, se o nome é respeitado, por algum motibo é. Ganda maluka, minha, bá, cuntinua aí a fazer crochet.

    Ó BÁSICO, não te estiques muito, oube, depois eu e o Crlos não podemos continuar a rir. Atiras com os quadrupedes no solo e espantas a caça. tás a bere? oqueie.

  10. ó Cícero, taz zangado, pá? atãoe, comes castanho e pensas que todos comem do teu prato, olha, é memo IGNORANTZ. Baie labare a voca, já, seu vadalhócu.

  11. Valupi, aceite, por favor, um novo tema nesta tertúlia: “Sócras & Carrilho”. Que acha?
    Também achei muito boa ideia.:)
    Aproveito já para comentar:
    Abomino o Carrilho por ser uma pessoa sem carácter, arrogante, etc. etc. Mas concordo plenamente com a expulsão do Sócras do partido. :)

  12. Ó FERRA, mas óbe, óbe, atãoe tu axas queue bou bere os linques, tu num bates certo, num é?
    lole, lole, lole, óbe, cuntinuas cocho num é? hum? fogo, isso de andar sempre com o step no bolso é tramado. oqueie, oqueie.

  13. Anónimo, junta-te aqui aos tipos de inteligência com pedigree. Podes juntar a Olinda, que ela tem sensibilidade e sentido de humor. Também é solidária e tá fartinha de recomendar mezinhas ao IGNORANTZ mor do IGNORALHO, JÉ BICOS IGNÓBIL – o maior bipolar da blogosfera…O Valupi, atira umas boas…

  14. ó ferra, mai frénde, oube, pas de problème, pal, dude, eue num tenho tomates tás a bere…hum? lole, lole, hum, mas tenho bué de coragem, ó chaparro, e cofio o bigode, mesmo num tendo buço….e tu tens tintins ou tomatinhos cereja, descaídinhos? Ai olinda, bocê assim num pode fazer sopa de tomate, nem curar a anemia do FERRAMBOLHO….oqueie.

    Ò FERRAMBOLHO, nu sigas a terapia do balupi, o gajo manda-te largar o binho e aí é que taze feito…

    baie um copinho de binho berde baie? fogo, aquilo escorrega, escorrega, sem qualquer entrabe…

  15. ó FERRRAMBOLHO, cunta á, num tomaste a medicação hoje, pá? ké que tens contra a Olinda, pá? óbe, bale mais uma frase curta dela que os teus achaques de escrita. bá, baie molhare a garganta, e lubrifica esse miolinho de camaraãoe, hum. oqueie.

  16. Anatomia e dissecação de um colossal falhanço

    (Nicolau Santos, in “Expresso”, 11/04/2015)

    Fez no dia 6 de abril quatro anos que Portugal pediu ajuda internacional. É mais do que tempo de fazer o balanço dos erros, mentiras e traições deste período e desconstruir o discurso que os vencedores têm produzido sobre o que se passou.

    1 A 4 de abril, Angela Merkel elogia os esforços do Governo português para combater a crise, através de um novo plano de austeridade, o PEC 4. Com o apoio da chanceler alemã e do presidente da Comissão Europeia havia a real possibilidade de Portugal conseguir um resgate mais suave, idêntico ao que Espanha depois veio a ter. O primeiro-ministro, José Sócrates, dá conta ao líder da oposição, Pedro Passos Coelho, do que se passa. Este, pressionado pelo seu mentor e principal apoio partidário, Miguel Relvas, recusa-se a deixar passar o PEC 4, dizendo que não sabia de nada e que não apoiava novos sacrifícios. O seu objetivo é a queda do Governo e eleições antecipadas (ver o livro “Resgatados”, dos insuspeitos jornalistas David Dinis e Hugo Filipe Coelho). O Presidente da República, Cavaco Silva, faz um violento ataque ao Governo no seu discurso de posse, a 4 de abril, afirmando não haver espaço para mais austeridade. Os banqueiros em concertação pressionavam o ministro das Finanças. Teixeira dos Santos cede e coloca o primeiro-ministro perante o facto consumado, ao anunciar ao “Jornal de Negócios” que Portugal precisa de recorrer aos mecanismos de ajuda disponíveis. Sócrates é forçado a pedir a intervenção da troika. Merkel recebe a notícia com estupefação e irritação.

    2 O memorando de entendimento (MoU) é saudado por políticos alinhados com a futura maioria, por economistas de águas doces, por banqueiros cúpidos e por comentadores fundamentalistas e bastas vezes ignorantes, pois, segundo eles, por cá nunca ninguém conseguiria elaborar tal maravilha. Hoje, pegando nas projeções para a economia portuguesa contidas no MoU, é espantoso constatar a disparidade com o que aconteceu. Em vez de um ano de austeridade tivemos três. Em vez de uma recessão não superior a 4%, tivemos quase 8%. Em vez de um ajustamento em 2/3 pelo lado da despesa e 1/3 pelo lado da receita, tivemos exatamente o contrário: uma austeridade de 23 mil milhões reduziu o défice orçamental em apenas 9 mil milhões. Em vez de um desemprego na casa dos 13%, ultrapassámos os 17%. Em vez de uma emigração que não estava prevista, vimos sair do país mais de 300 mil pessoas. E em vez da recuperação ser forte e assente nas exportações e no investimento, ela está a ser lenta e anémica, assentando nas exportações e no consumo interno. A única coisa que não falhou foi o regresso da República aos mercados. Mas tal seria possível sem as palavras do governador do BCE, Mario Draghi, no verão de 2013, ou sem o programa de compra de dívida pública dos países da zona euro? Alguém acredita que teríamos as atuais taxas de juro se não fosse isso, quando as agências de rating mantêm em lixo a nossa dívida pública? Só mesmo quem crê em contos de crianças.

    3 Durante o período de ajustamento, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, sublinhou sempre que o nosso sistema financeiro estava sólido. Afinal, não só não estava sólido como tinha mais buracos do que um queijo gruyère. BCP, BPI e Banif tiveram de recorrer à linha pública de capitalização incluída no memorando da troika, o BES implodiu, a CGD foi obrigada a fazer dois aumentos de capital subscritos pelo Estado, o Montepio está em sérias dificuldades — e só o Santander escapou.

    4 O ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, e o primeiro responsável da troika, Poul Thomsen, negaram durante dois anos que houvesse um problema de esmagamento de crédito às empresas. Pelos vistos desconheciam que a esmagadora maioria das PME sempre teve falta de capital, funcionando com base no crédito bancário. Como os bancos foram obrigados a cortar drástica e rapidamente os seus rácios de crédito, milhares de empresas colapsaram, fazendo disparar o desemprego. Gaspar e a troika diriam depois terem sido surpreendidos com esta evolução. A sobranceria dos que se baseiam na infalibilidade do Excel, aliada à ignorância dos que pensam que a mesma receita funciona em qualquer lugar, tem estes resultados.

    Alguém acredita que teríamos as atuais taxas de juro se não fosse o BCE e Draghi, com a nossa dívida pública a continuar a ser considerada lixo? Só mesmo quem crê em contos de crianças.

    5 Passos Coelho disse e redisse que as privatizações tornariam a economia portuguesa muito mais competitiva, levando os preços praticados a descer. Pois bem, a EDP foi vendida a muito bom preço porque as autoridades garantiram aos chineses da Three Gorges que os consumidores portugueses continuariam a pagar uma elevada fatura energética. E assim tem sido. Os franceses da Vinci pagaram muito pela concessão da ANA porque lhes foi garantido que poderiam subir as taxas sempre que o movimento aeroportuário aumentasse. Já o fizeram por cinco vezes. O Governo acabou com a golden share na PT e não obstou à saída da CGD do capital da telefónica. Depois assistiu, impávido e sereno, ao desmoronamento da operadora. A CGD foi obrigada pelo Governo a vender por um mau preço a sua participação na Cimpor. Hoje, a cimenteira é uma sombra do que foi: deixou de ser um centro de decisão, de competência e de emprego da engenharia nacional. Os CTT foram privatizados e aumentaram exponencialmente os resultados, à custa da redução do número de balcões e da frequência na entrega do correio.

    6 A famosa reforma do Estado resumiu-se na prática a aumentar impostos, cortar salários, pensões e apoios sociais, bem como a fragilizar as relações laborais, flexibilizando o despedimento individual, diminuindo o valor das indemnizações, reduzindo o valor do subsídio de desemprego e o seu tempo de duração. O modelo económico passou a assentar numa mão de obra qualificada mas mal paga, em empregos precários e não inovadores, em trabalhadores temerosos e nada motivados.

    7 O programa de ajustamento fez Portugal recuar quase 15 anos. Perdemos centro de decisão e de competência e não apareceram outros. A classe média proletariza-se sob o peso dos impostos. Nos hospitais reaparecem doenças e epidemias há muito erradicadas. O investimento estrangeiro estruturante não veio, o perfil da economia e das exportações não se alterou, a aposta na investigação eclipsou-se. E tudo para se chegar a um ponto em que a troika nos continua a dizer que já fizemos muito mas que é preciso fazer mais — e os credores internacionais nos vão manter sob vigilância até 2035. Sob o manto diáfano da fantasia, a nudez forte da verdade mostra que este ajustamento não teve apenas algumas coisas que correram mal — foi um colossal falhanço. E, desgraçadamente, os próximos anos vão confirmá-lo.
    Share this!

  17. Esse texto do Nicolau, o amigo do Baptista da Silva, esta porreiro, parece decalcado da Accao Socialista.

    Eu ate me poderia dar ao trabalho de o rebater ponto a ponto, mas para que perder tempo a tentar abrir os olhos a quem gosta de mergulhar com eles bem fechados?

  18. “Eu ate me poderia dar ao trabalho de o rebater ponto a ponto, mas para que perder tempo a tentar abrir os olhos a quem gosta de mergulhar com eles bem fechados?”

    bué da fácil, manténs o texto e trocas os números ou os nomes para tornar a coisa amiga do governo, tipo:
    “…recessão não superior a 8%, tivemos quase 4%.” e tá feito.

  19. Tem a sua graça ver gente supostamente de direita defender com unhas e dentes o governo que colocou uma grande parte do salário dos portugueses a pagar contas e comissões a empresas de regimes comunistas e democracia de bala na nuca.

  20. E o contrario Galuxo, as empresas chinesas e que estao a pagar os salarios dos trabalhadores e gestores portugueses, se nao fossem eles a entrar com o dinheiro, ja tinhas visto metade do PSI20 desaparecer como o BES.

    As accoes do 44, que secaram o credito a portugal, tiveram, entre os efeitos preversos, esse de obrigar a vender o melhor que tinhamos a preco de saldo. Se isso e para ti um problema, deixa de votar em cretinos e da votos a gente com competencia.

  21. FERRAMBOLHO, o que é básico é facilmente apreensível. Logo, porque não entendes? Qual é o teu coeficiente de inteligência? Estás abaixo do percentil…num é?

  22. Enche de satisfação vê-los bater palmas a quem aumentou impostos como nenhum outro governo e trata os contribuintes como delinquentes. Nem os comunas se atreveriam a tanto.

  23. O cegueta é mesmo um punheteiro, fica todo excitadinho com a bimba. Até se lambe com a fotografia tipo passe. Fica tão excitado que começa a ter conversas consigo próprio (cegueta & basico).

  24. Eu sei que não adianta chapar na cara dos “Feijoadas” e “Básicos” , verdadeiros talibãs contra o PS, os números oficias à data do fim do último ano de governação socialista,2010, (e primeiro trimestre 2011, que depois disso foi o tempo dos abutres lusos mostrarem todo seu patriotismo!!!). Esses números, indesmentíveis, reflectem a realidade da nossa economia, do nosso ensino, da nossa saúde, da nossa segurança social, da nossa investigaçâo científica, da inovação tecnológica, da eficiência da nossa administraçâo pública, do crescimento das nossas exportações e do crescimento económico (1,8% em finais de 2010, apesar do garrote da crise que veio de fora). São números insuportáveis de olhar pelos feijoadas e básicos, ao constatarem a catástrofe de quatro anos de governo de uma direita irresponsável, vingativa, antipatriota e rasca até ao asco. Uma direita capitaneada por um PR rancoroso, que ao impedir a antecipação do próximo acto eleitoral, para o bem do país, parece ter agido por pura pirraça, vingando-se de um povo que em sondagens o apontam como o pior presidente da república de sempre. Rancoroso até ao fim. Ele simboliza e representa, como ninguém, todos os feijoadas e básicos deste país. Não se esqueçam, senhores da direita, de lhe erguer uma estátua maior que a do Cristo Rei e sugerir um referendo para alterar o nome de Portugal para Cavaquistão.

  25. JPFERRA;
    socras bla abla bla vigarizou-nos, bla bla bla corrupto bla bla bla enriquecimento ilícito enquanto nos governava bla bla bla o que terá feito, enquanto nos governava, para enriquecer? bla bla bla.
    Eu cá quero saber, tu não?

  26. Opá maria abrilada, ó paéla, tameis está com o período hoje…mas ainda é só meio do mês. Eue bem digo questas gajas têm provlemas hormonais, pás…dize lá, que é que tu queres que eue te ensine?

    BIBA o SALAZAR, GRANDE ESTADISTA, cum ele ningueie fazia farinha nem farelo…

    FRANGO SINATRA, punheteiro és tu mais quem te fez as orelhas, ó HEREGE. Não largas a casa de vanho, seue vadalhócu, e debes pensare que todos te copiam, ó gajo? Ganda Frango, debes sofrer do mal de abiário, não te deram tempo pra formares pila, pá. Então andas aí a puxá-la pra ber se cresce, vadalhócu, bá labare a voca, e as mãozinhas e bolte-se pra parede, franguito da guia….

  27. Galuco, Galucho, oube, toma cuidado com o que proferes, olha queue boue buscare o significado do teue nome, hum? Bá toma lá juízo e recolhe-te na toca.

  28. esse palerma que aqui debita sob o caricato nome de numbejonada, afinal vai-nos dando dicas para entendermos essa denominação: “numbejonada”. Afinal é, tão só, porque tem os olhos cheios de merda.

  29. ouve lá o zérolho das diarreias & merdas sucedâneas, já reparaste na figura de parvo que fazes com respostas de infantário? já tinhamos a óbimba a cagar opiniães paradoxas por tudo e por nada a tudo o que mexe e agora temos a rafeiragem carraçuda do regime a marcar território. cá pra mim tudo o que mijasse fora do tema era varrido a agulheta, aquele palerma de sesimbra que tinha a mania que era nazi foi corrido daqui por muito menos. metade dos comentários nesta caixa não têm nada a ver com o poste e são conversa de chacha à volta das imbecilidades do zérolho, burro do caralho e da assistente de produção òbimba.

  30. Para seu alívio, querem acreditar e fazer acreditar que a culpa é de outros. Não é. A maior traição aos valores da direita, o patriotismo em todos os seus aspectos, a contenção fiscal e salvaguarda da dignidade dos contribuintes, o respeito por compromissos assumidos, até o respeito pela propriedade privada,… nunca foram tão maltratados como agora, pelas mãos de quem se diz liberal e de direita mas em cujo currículo profissional apenas se vê chico-espertismo de saca fundos públicos para empreendedorismos de fantasia. Ao menos que abusassem do dinheiro dos contribuintes para apoiar empresas que exportam e criam empregos. Em Portugal, a direita séria desapareceu.

  31. “anonimo
    15 DE ABRIL DE 2015 ÀS 19:05
    JPFERRA;
    socras bla abla bla vigarizou-nos, bla bla bla corrupto bla bla bla enriquecimento ilícito enquanto nos governava bla bla bla o que terá feito, enquanto nos governava, para enriquecer? bla bla bla.
    Eu cá quero saber, tu não?”

    Claro que quero, mas na busca da verdade não pode valer tudo, até agora o que se sabe são suposições e aproveitamento politico e judiciário delas.

    Pensei que isto seria claro para qualquer pessoa que tenha dois olhinhos na cara.

  32. Suposicoes – 3 tribunais, 11 juizes a confirmar que as “suposicoes” tem grande probabilidade de ser sustentadas
    Suposicoes – advogado confirma recepcao de dinheiro vivo
    Suposicoes – confirmado o valor da conta no estrangeiro
    Suposicoes – confirmadas tentativas de ocultacao de provas, apagar conteudo de portateis
    Suposicoes – confirmado que o amigo comprou as casas da mae do 44
    Suposicoes – a Fava confirma que trabalhava pro amigo e que com o que ganhava pagava um emprestimo para compra de um monte no alentejo

  33. eu a pensar que hoje ninguém me ia alegrar esta manhã cinzenta. Obrigado basico

    “Suposicoes – 3 tribunais, 11 juizes a confirmar que as “suposicoes” tem grande probabilidade de ser sustentadas”

    escreves-te probabilidade???? eu a pensar que tinhas certezas.

    esqueceste-te de pôr aí os provérbios…

  34. Tentar ridicularizar um acordao (que nao leste) com base num paragrafo e a mesma mxrda de dizer mal da Gisele Bundchen por causa dum molar torto.

    Tu, e a generalidade dos quadrupedes que pastam por estas paragens, nem quando a sentenca transitar em julgado vao mudar de opiniao. Vao logo comecar a pegar em “Nao conta, foi um julgamento politico, o apelo ja esta em curso e ele vai ser ilibado no tribunal de recurso”.

    Os teus proximos 5 anos nao vao ser diferentes dos teus passados 5 anos, o 44 era / e o Maior. E a diferenca entre quem anda no mundo para aprender, e quem nasce burro e nao vai a lado nenhum.

    Avante Camarada!

  35. oh básico, nessas suposições / confirmações encontraste algum crime que mereça prisão preventiva ou acusação?

  36. O Ignatiza, eu nao sou juiz, mas aparentemente, 11 profissionais do negocio acharam que sim.
    Es profissional desse negocio? Em que baseias a tua opiniao, em comentario politico? Nos advogados de DEFESA? No opiniao do preso?
    Se sabes mais que os 11 juizes que viram o processo ate agora, ja meteste mais um abeas corpus para ser recusado liminarmente?

  37. JPFerra, tu fazes lembrar o gajo que vai em contramao na autoestrada.

    “Cxralho pa, olhem-me para estes gajos todos em sentido contrario!”

  38. oh burro do caralho! como é que achas possível o arquivamento do processo originado pelas escutas ao presidente da relação e ao gajo dos vistos gold? dia que eram conversas entre amigos, um dos quais deu voz pública a um acordão de condenação do sócras sem julgamento. coisa grave e mal cheirosa.
    outra coisa, quem trouxe para aqui os supositórios foste tu.

  39. Alguem achou possivel.

    Como achas possivel terem arquivado os processos do:
    1 – Freeport
    2 – Aterro Cova da Beira

    Ou que os amigos dele nao tenham aberto processos para investigar os claros atentados ao estado de direito (tentativa take over de TVs, de jornais, pressao sobre tribunais, pressao sobre jornalistas)

  40. burro do caralho, o freeport e cova da beira andaram anos, muitos anos a serem investigados, acabariam por prescrever sem haver qualquer acusação, solução: arquivar e fazer mais 27 perguntas para o caso não morrer. o vaz das neves foi investigado 2 semanas, o tempo suficiente para o convencer a votar e fazer a leitura pública do mais vergonhoso acordão que a relação fez em democracia, uma sentença pública sem julgamento e a gozar com um preso dito preventivo.

  41. O 44 foi Secretario de Estado do Ambiente entre 1995 e 1997, Ministro-adjunto do Primeiro Ministro entre 1997 e 1999, Ministro do ambiente entre 1999 e 2002 , primeiro ministro entre 2005 e 2011. Achas surpreendente que os processos tenham prescrito?

    No dia 24/25 de Dezembro ainda deves acordar cedinho para ver se o Pai Natal deixou algo debaixo da arvore de natal, nao e?

    Sabes dizer qual e o tempo medio das prisoes preventivas em Portugal (ultimos 10 anos por exemplo).

  42. “Achas surpreendente que os processos tenham prescrito?”

    acho, porque se fosse como sugeres, eram arquivados ao fim de 2 semanas, como são agora com este governo, ie passos/tecnocoisa, alex/segredo justiça, marques mendes/vistosgold, núncio/lista vip e por aí a fora. depois há aqueles que duram mais um bocadinho porque era escandaloso demais absolver já o ricardo salgado.

  43. A tua escola de discussao e a escola da rua, e atirar poeira pro ar para ver se se nao se repara no cabrxo do elefante que nos vai atropelar. Infelizmente, isso so resulta com sopeiras e com os teus amigos da bisca lambida.

    O 44 esta dentro justificadamente, e por la ira continuar, salvo se o To Chamucas e a quadrilha do 44 eventualmente retomarem o poder.

    Ei-los aqui preocupados com os assuntos da justica.

    http://oinsurgente.org/2014/11/25/tou-me-cagando-para-o-segredo-de-justica/

  44. Ó Básico (e também tu, Ignatz) os processos Cova da Beira e Freeport nâo foram arquivados por ter prescrito. Foram arquivados porque não encontraram nada de incriminatório, apesar de terem investigados até à cor das cuecas de Sócrates, que nunca foi, sequer, constituido arguido. E no caso Freeport está-se mesmo a ver porquê: era PM em exercício e os carlos alexandre não tinham competência para julgar. Olha, Básico, gostavas de estar preso pela mera suposiçâo de que era teu o dinheiro de um teu amigo rico? E gostavas que te metessem na cadeia porque esse amigo comprou apartamentos à tua mãe? Porque a verdade, e não suposição, é que os apartamentos estão em nome de quem comprou, tal como os 23 milhões e o apartamento de luxo em Paris estâo em nome do amigo e não do preso. Tu já viste a infâmia disto tudo? Gostavas que te fizessem outro tanto?

  45. Boa Maria Abril, se dependesse de ti cxralho, ninguem ia dentro por corrupcao.

    “ah, isso nao sei, ele meteu-me o dinheiro da conta mas nao faco ideia do porque”
    “ah, esse porsche ai na garagem, foi emprestado a titulo definitivo por um grande amigo meu, que, coincidencia das coincidencias, costumava ir comigo a venezuela”
    “ah, eu moro aqui no centro de paris e nao pago renda, ta a ver, nao tenho posses para tal.”
    “ah, foi de facto uma grande coincidencia o meu amigo ter decidido comprar uma casa em Paris e eu ter praqui vindo assistir a um mestrado. Maior coincidencia foi ainda o facto dele ter comprado a casa e ma ter emprestado, sem a ter tentado alugar a ninguem”
    “ah, a minha mae queria vender as casas mas o telefone dela so tem dois numeros, o meu e o do meu amigo. Nao se lembrou de ir a uma imobiliaria, ela sofre de alzeimer”
    “ah, o meu motorista entregava-me dinheiro em envelopes porque eu faco coleccao de selos esta a ver? juntava-se assim o util – a pasta – ao agradavel – a coleccao”
    “pois, de facto e uma grande coincidencia que alguem tenha tirado o portatil e apagado todos os conteudos, sabe, era para prevenir contra uma ameaca de virus que li no facebook”
    “ah, tambem e curioso o meu amigo ter contractado a minha ex mulher, mas sabe como e, small world”
    “ah, de facto nao e comum tirar uma licenciatura ao domingo e passar cadeiras por fax, mas eu era tao bom em ingles tecnico que o professor achou isto um mero proforma.”

  46. ora beie, bom dia todos, cumistãoe? Eu toue beie, ovrigada.
    os ignoralhos de serbiço, todos reunidos em um só, cuntinuam de diarreia, ele é uma diarreia aguada, típica de cabeçudos de serbiço, bulgares e cegos. IGNATEZES, pois tu mastigas supositórios? beie, num estranho que faças isso, até pões burriés na comida cumo sucedâneo de sal.
    FERRAMCOLHO, bulgo, FERRA, cunta, hoje a bipolaridade ignaralhiana deu-te pra beres ainda menos, num é? Oube, ou melhore ouçam, ó HEREGES, ouçam, aprendei algo que bos boue ensinare: é que nesta fase do prochesso, há que falar em probabilidades, e nunca em certezas, tao a bere? É assim que a leie manda, prassebem, ó JÉ BICOS TODOS EM UM, hum?
    Oqueie. é uma questão de terminologia legal, tá beie?
    IGNATEZES, pondera usar pensos higiènicos nessa tromba pra te dar um póco de cor. tá beie?

    atãoe, ó IGNORANTEZES, já fizerem o requerimento pra repor a legalidade, hum? Bá, o homem até tá inucente, num é? Até há uma presunção dinócenssia, ó cambada? de certeza que num quereis fazer um requerimento, rebolucionando o sistema, pás? sabeis tanto! Bá, ponhem o home cá fora.

    IGNATEZES, lambe o chãoe queue bou passare. Mas laba a língua primeiro antes. oqueie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.