O Sr. Araújo e as suas merdas

Ricardo Araújo Pereira, com a estupenda equipa que faz o Gente Que Não Sabe Estar, teve de recorrer ao arsenal do humor mais básico para tentar insultar Neto de Moura. O uso de humor anal é não só infantilóide e chungoso, implicando uma idade mental inferior a 12 anos ou um estado de intoxicação alcoólica pré-coma para provocar hilaridade. No caso tem a vexante ironia de perpetuar o preconceito que aparenta combater: na representação da violação anal do seu alvo, o genial RAP está a celebrar o falocentrismo que, muito provavelmente, molda a mentalidade e racionalizações morais desse magistrado. Chegou ao ponto de ilustrar que o resultado da violação poderia provocar prazer, assim fechando o ciclo do seu subtexto onde em simultâneo sugere haver algo de inerentemente violento e grotesco no sexo anal – que o sexo anal gera prazer humilhante no parceiro passivo como consequência da brutalidade do parceiro activo. Last but not least, obrigou uma criança a ser parte da chachada dos cus e dos cagalhões. A plateia riu com risos de um amarelo alvar.

Surpresa? Nenhuma. Antes, no Governo Sombra, tinha alvitrado gostar de espancar o tal juiz, ele que pratica uma arte marcial qualquer e é muito mais alto do que a média dos seus concidadãos. Este é o mesmo espaço onde há anos apregoa a sua homérica capacidade sexual, não perdendo uma oportunidade, quando os seus colegas estão felizes e nervosos a mandar bocas primárias sobre pilas e o que dá para fazer com elas, para informar a audiência do seu gosto por mamas femininas. Nada contra, ao contrário, mas significativo e já não abonatório ao passar a ideia de que pretende cultivar a imagem de ter um desejo lúbrico insaciável; embora só na reinação, claro, porque ele está sempre a brincar, né? A questão não é a de se descobrir o mínimo que for acerca da sua real vida sexual, pagaria para não saber. A questão é outra, é a de ter chegado a um ponto de alienação onde precisa de se agarrar a esse modelo de masculinidade pacóvia para (também) construir a sua popularidade. Quer dizer que o seu ganha-pão já não tem graça, desconsolo agravado ao dar por si cercado pelo politicamente correcto que o impede de saborear a vida. Só anda nisto pelo dinheiro e para se vingar de quem lhe ficou com a massa no BES. E daí ter-se tornado na coqueluche dos direitolas ressabiados e rancorosos, ficaram loucos de paixão por finalmente terem cómicos a trabalhar para meter mais xuxas nos calaboiços alentejanos. Eis uma explicação para a queda abrupta na qualidade da sua criatividade.

Há algo que se salva no espectáculo de merda servido na TVI. Algo escatológico, de facto. Isto: agora que a sociedade acordou para a possibilidade de um juiz ser incompetente na sua função de juiz e, mesmo assim, constatarmos não haver autoridade na República que lhe tire o seu poder, queremos mesmo restringir o problema à temática da violência doméstica e fazer de Neto de Moura o bode expiatório que permite esconder o que outros juízes fazem noutras áreas onde confiamos o nosso destino individual e comunitário à Justiça?

11 thoughts on “O Sr. Araújo e as suas merdas”

  1. Precisamente Valupi. Desde há muito que o fedorento mor, e os outros igualmente, mas este como mais assíduo nos media é também mais visível o seu notório retrocesso ao exibicionismo de engraçadista à moda da piada rasca com base em trocadilhos de insinuações sexuais para fazer rir a sua plateia de embasbacados apanhados e incapazes de pensar pela própria cabeça quanto mais rir com inteligência.
    Primeiro tentou ser algo diferente pelo uso imoderado do trocadilho acerca do ‘corrupto político’ de certas personagens que detesta ou lhe estão mais a jeito para explorar, ter popularidade e ganhar a vidinha à tripa forra. Contudo, gasto o modelo e tornada cansativa a repetição incontinente do caso político, começa a jogor mão do facilitismo imediato ganha-pão que é sempre o trocadilho de insinuação sexual animalesca.
    E tal como acusa um qualquer cidadão de corrupto a torto e a direito sob a capa do engraçadismo político que faz rir os alarves da sua plateia faz o mesmo com qualquer cidadão que segundo as suas regras se coloca a jeito para ser ridicularizado e humilhado pela sua venerável e intocável ‘irreverentiçe humorística’ de que agora faz o ganha-pão, já sem subterfúgios, a qualquer custo e grau de acusação ilegítima.

  2. o rap é um escroque, um escroque, um escroque! o neto de moura cumpriu a lei em todas as decisões e nunca! foi ou será possível puni.lo por julgar contra a lei. os que o criticam metam bem isto na sua cabeça de merda, o neto de moura aplicou a lei em todas as suas decisões, principalmente naquelas decisões em que mais o criticam. o pecado do neto de moura é de estilo, de linguagem, de condimentar os seus acórdãos com considerações que nada têm a ver com a sua funcão de juiz (e por esse excesso já foi devidamente punido disciplinarmente), mas isso em nada invalidou o acerto técnico das suas decisões, nas quais, repito, fez o que um bom juiz deve fazer num estado de direito, ou seja, aplicar a lei aos factos. sucede também que a lei da vd é uma merda, mas ninguém fala em alterar e aperfeiçoar a lei. pelo que, a ideia que dão os críticos de neto é que não gostam de viver num estado de direito democrático com respeito pela divisão de poderes e todas as demais características básicas do que é considerado o melhor modelo e que uma criança de 6 anos entende. mas se é assim então vão para a puta que vos pariu e regressem aos tempos da vindicatio privata, mandem prender o juiz linchem.no no terreiro do paço e antes façam com que seja cuspido e humilhado por uma multidão liderada por RAP de Torquemada.

  3. isto é para o corno azul que acima defende a integridade do magistrôncio.

    “O juiz Neto de Moura escondeu ser proprietário de um Audi Q5 para conseguir uma indemnização deduzida contra o agente da PSP que lhe apreendeu um outro automóvel, em Loures.”
    https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/juiz-neto-de-moura-esconde-automovel-para-exigir-indemnizacao

    o rap é um escroque porque dá para os dois lados, ora defende “machismo neto moura” ou goza “considerandos neto moura”. com o ministério público não se mete, não vão os gajos anexá-lo ao processo marquês.

  4. Gostei do que Valupi escreveu.
    O Araújo cuspiu para cima de todos nós. Vi os que apanharam com o escarro esboçando um riso amarelo ou rindo alarvemente, incapazes de manifestar o incómodo. Devem ter gostado. Que gente é esta?

    Discordo do último parágrafo de Valupi quando diz que a sociedade acordou para a possibilidade de um juiz ser incompetente na sua função. Quem acompanha de perto as decisões dos Tribunais das várias especialidades sabe bem das injustiças que se praticam. Idem para as acusações promovidas pelo MP algumas da quais parece que tem com fundamento o facto de naquele mês não terem serviço para a estatística. Felizmente há instâncias de recurso onde muitas daquelas são corrigidos. No caso concreto do acórdão cujo relator foi Neto de Moura, que avaliou o juízo formulado na primeira instância, dizem os entendidos que as suas conclusões estão correctas face à lei.

  5. O carnaval este ano tá fixe. Da querela entre dois poderes, o humorístico, conselheiro crítico do rei(poder) e o justiceiro, representante do divino(acima de tudo e todos). São duas vedettes com mundos temporais diferentes mas ambas procuram o justicialismo um mais antigo baseado nas crenças e morais colectivas antigas sem ligar à lei e o humorístico assente no pós modernismo sempre à procura de carniça e animais doentes com o fim de os transformar e embalar para consumo Pop.
    Será que nascerá o perfil do defensor público do futuro: jurista ou humorista?
    “Sr. agente/procurador tenha lá paciência mas só falo na presença do meu humorista”

    O que resultará, provavelmente nada, já que o problema está no Supremo não no juiz, e quando toca ao Supremo tudo se encolhe e os humoristas por cá não são anti-poder, obedecem ao poder.Pelo menos já deu origem a um autentico tratado freudiano.

  6. Se o Araújo fosse um verdadeiro humorista e nao um mero contador de anedotas adaptadas, nao deixaria passar a oportunidade de ser esmifrado em mais 100.000€ mais custas do processo. Depois da massa que perdeu no Bes ganharia por direito e com seriedade o titulo de piada do seculo eheheh

  7. a minha parte preferida é como o RAP só faz isto por dinheiro mas as outras pessoas todas que andam há semanas a caluniar o neto de moura sem razão – ou melhor dito, pelas razões erradas, como por exemplo a misandrica fernanda cancio, essas fazem por altruísmo.

  8. portanto, nada destas tretas “cristãs” resulta de convicções profundas , de um modo de ser, é apenas palavreado circunstancial ( yo soy y mis circunstancias :) :) ) quando atingem alguém próximo ou simpático ou a própria pessoa que debita o choradinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.