O PS domina a comunicação social, acabou com a democracia e persegue os portugueses de bem, descobriu Cavaco após ter visto filmes policiais

«São muitos os portugueses que têm medo de criticar o Governo. Receiam ser prejudicados na sua vida pessoal, profissional ou empresarial, incluindo de familiares, medo de perderem o emprego ou de serem injustamente excluídos de oportunidades de realização pessoal ou de negócios.

[...]

O silenciamento tem também explicação na subserviência de parte da comunicação social à lógica do Governo, à sua propaganda e desinformação, num claro afastamento dos princípios de independência e de verdade que a devem nortear, o que tem sido publicamente denunciado por conhecedores do sector.

[...]

No passado mês de março, falando numa sessão partidária, lembrei um conjunto de notícias amplamente divulgadas pela comunicação social que nos deixavam uma certa ideia de que o país se encontrava numa situação de “democracia amordaçada”, o que não excluía alguns gritos de alarme que se ouviam. Filmes policiais têm mostrado como uma pessoa amordaçada consegue emitir gritos de socorro.»


Empobrecimento e silenciamento

30 thoughts on “O PS domina a comunicação social, acabou com a democracia e persegue os portugueses de bem, descobriu Cavaco após ter visto filmes policiais”

  1. A única coisa que há a ter em conta é que esta besta gosta de se pronunciar quando há movimentações.
    Parece que com a derrota do Merdina (não foi a vitória do Moerdas) os merdosos da direita (apoiados pelos mérdia) ganharam um novo fôlego.
    Agora já perceberam que, apesar do branqueamento dos mérdia, o que os impediu de descolar foi a prestação do Passoilo da Massa Má que nos degraçou com a troika. A propósito:Onde foram parar os78.000.000.000?
    Agora, finalmente, ao invés de negarem o sucesso do Costa, optaram por reforçar que foi graças à obra do Messias da Manta Rôta.
    A narrativa revisionista está em marcha. O Costa que não desemerde um meio de propaganda a sério, já que o acusam disso, que leva uma ripada nas legislativas e vai acabar por aceitar o tal cargo numa instituição europeia para agradar à esposa.
    Depois já sabem: Volta a estória da bancarrota, austeridade, privatizações, troca dos poucos boys que ainda estavam nos jobs, etc.
    Não é que o PS e o resto da esquerda tenham a capacidade de impedir definitivamente o domínio das poderosas instituições transnacionais, mas cada retorno da direita ao poder é mais uma machadada na nossa mui frágil independência.
    Penso eu de que…

  2. É meter um bolo rei à frente desse gajo, assim abre a boca mas nao diz nada, embora eu preferia que lhe pusessem à frente um fardo de palha.

  3. Mas o gajo ainda bolsa? E ninguém o interna? Sim, era uma excelente ideia encher aquela boca de bolo rei…mas de um modo permanente….Mas estamos a chegar ao Halloween, por isso as múmias acordam de vez em quando….. Estranho é ainda darem ouvidos a esta “coisa…..

  4. A senilidade é um estado mental muito cruel.
    Não consegue provocar-me riso e muito menos sarcasmo

  5. Só um pombo-correio esclerosado pode afirmar que o PS hoje domina a comunicação social. Isto dos assessores da múmia estarem todos no Observador dá nisto

  6. Cada vez há mais disto; os crentes radicalizados apanhados pelas ideologias quer à direita como à esquerda. E nunca se dão conta de que ultrapassaram a realidade e já vivem para além dela incapazes de algo mais que viver no seu mundo ontológico adoentado.
    Cavaco é o exemplo desse doente que já reduziu o pensamento e a vida à sua ideologia tal qual um doente de alzheimer que apenas já só retém na memória a ideologia que lhe proporcionou ser reconhecido e louvado pelos adeptos.
    Ele que criou e apadrinhou o gang do BPN e muitos pequenos gangs e escolas de oportunistas com a distribuição partidária dos fundos europeus, que considerava a imprensa e a oposição como “forças de bloqueio”, ele o Cavaco que declarou sentir-se bem no regime de censura e ditadura salazarista vem agora dizer-nos que vivemos num regime de medo? Porquê?
    Porque do que lhe resta na memória e se lembra bem é que Sócrates lhe cortou a possibilidade de acumular dois rendimentos; a pensão e o ordenado de Presidente e que quando se queixou que não ganhava para as despesas próprias na nova casa da “coelha” o povo viu, definitivamente, o tipo de homem medíocre, avarento e desconfiado que sempre fora este Cavaco.
    O que lhe resta e só se lembra dizer aos portugueses é que sofre de um desejo enorme de voltar ao velho tempo de quando dispunha de poder de decidir sobre o futuro dos portugueses, um desejo, que os mesmos portugueses hoje repudiam conscientemente.
    E face a esse repúdio generalizado quanto mais Cavaco fala e nos lembra o seu passado mais reduz o crédito se é que ainda tem algum.

  7. Bem me avisaram os meus amigos, a propósito do Aspirina B. Disseram uns: “tem cuidado, que aquilo é um ninho de víboras”. Outros, ainda pior: “é um antro de jacobinos e maçons”.
    Plenamente confirmada a razão de ser destes avisos, enfrento uma adversidade que, de modo algum, me demove de ser aqui a voz patriótica da Verdade incómoda. E é rasgando a censura imposta pela ideologia do politicamente correcto – aqui largamente dominante, sublinhe-se -, que denuncio a decomposição moral da III república e sublinho a pertinência das declarações de Cavaco Silva.
    Declarações essas que pecam por serem pleonásticas e tardíssimas. E, já agora, em abono da verdade, por serem dum político que tem ele próprio grandes responsabilidades no processo histórico de decadência nacional, que levou o País a ser aquilo que é hoje: Pátria material e espiritualmente exaurida, alienada do valores identitários, desfigurada com a importação e difusão maciça de ideias e costumes corrosivos das instituições fundamentais do seu viver colectivo.
    Outrora orgulhosos duma Pátria que era centro civilizacional, os Portugueses vivem agora na situação de habitarem uma província periférica, continuamente humilhada pela sujeição ao protectorado estrangeiro.
    Os nossos dirigentes governativos – inevitavelmente saídos do chamado “centrão” – são meros procônsules que cumprem as ordens dadas pela “União Europeia”, essa monstruosidade política.
    Numa frase: falta País e falta Chefia!
    Por isto, as palavras de Cavaco Silva soam a azedume de culpado. São a lucidez tardia de quem está na etapa final da sua vida e já nada tem a perder. Dão voz à má-consciência de quem falhou clamorosamente no seu patriotismo.

  8. Está é mal enterrada, a merda da múmia!

    Maria, em “que nojo de homem”, o “homem” está a mais. Aquela merda é mesmo nojo tout court.

  9. O pide “erudito” está de regresso. Com o estilo rançoso de um mal-enterrado, eizi-o aí, ressuscitado. Épater le bourgeois e pregar ao ninho de víboras, covil de infiéis, é a missão da sua vida. Já foi de Abril a Maio, depois arbusto saltitante, tem agora um arbusto permanente, na próxima “reedição” será provavelmente “Viriato”. Finalmente saído do armário do botas, o pide “erudito” acredita burramente que a naftalina disfarça o fedor inconfundível dos seus apodrecidos entrefolhos. Vai pregar para o Burkina Faso, ranhoso!

  10. Mas tenho a acrescentar que ainda deposito alguma esperança nas Forças Armadas, reserva moral da Nação.
    Tomara que todos os portugueses fizessem suas as virtudes castrenses! Portugal retornaria à grandeza que é sua vocação. E, como é óbvio, expurgada de certos “portugueses”, que dedicam ódio tenaz à Pátria onde nasceram.

  11. Esperança tenho eu nenhuma de que o ressuscitado pide “erudito”, que de Forças Armadas sabe apenas que calçam botas, e saído ele finalmente do armário do pai de todas as botas, o de Santa Comba, bata ele próprio a bota e vá arengar para o jardim das tabuletas, reservatório por excelência da “reserva moral da Nação”. Vai pregar para o Burkina Faso, ranhoso!

  12. muito oportuno este artigo do cavaco, espero que tenha voltado a contribuir para a união da esquerda na aprovação do orçamento socialista.

  13. Está arenga da pátria , dos verdadeiros portugueses dos egrégios avos é para quê? Confesso que não chego lá. Antes uns valentes negacionistas, uns liberais que servem a quem lhes der mais ou uns democratas cristãos disfarçados de sociais democratas envergonhados. Só chegados é que não. El Rei casmurro vai para casa curtir a reforma e larga-nos quando? Os portugueses todos aqueles que não são “gente de bem” agradecem.

  14. E acrescento mais uma outra verdade: a decadência das nossas instituições políticas e sociais
    reflecte a decadência geral de costumes. Probidade e modéstia são hoje palavras vãs nas cabeças de muita gente. Não se cansam eles de pôr em prática, no verbo e no gesto, a vergonhosa apologia do seu colapso moral.

  15. Como dizem os russos: “quando alguém está muito tempo em silêncio, corre até o risco de passar por inteligente”.

    Este paspalho do anibal nunca correu tal risco, nem há-de correr.

  16. Ó Portuga, vai tocar tangos para a tua rua, “pázinho”!
    De facholas como tu estamos nós “fartinhos”.
    MJP, o diácono Remédios ainda nos fazia rir, agora este burgesso só dá vontade de o mandar a um sítio que eu cá sei.
    É não lhe passar cartão, e eu já estou a passar demais, que o coiso acaba a falar sózinho e acaba por desaparecer.

  17. “de modo algum, me demove de ser aqui a voz patriótica da Verdade incómoda” diz o Tuga. ” Realmente esta pirosice sebastianista, sobranceria de quem se julga detentor da “Verdade” e a arrogância intelectual de se achar superior é no mínimo enjoativa, quiçá doentia . O Tuga deve deixar de estar neste “ninho de víboras” e “antro de jacobinos e maçons” e ir treinar MMA com o ex-juiz.

  18. Os insultos que leio provêm de criaturas que disfarçam mal a vergonhosa escolha das suas vidas: serem instrumento do plano de destruição da Pátria.
    Em troca dos favores que as sustentam, venderam o corpo e a alma. São títeres, que escancaram a boca com espasmos de ventríloco, criaturas sem coluna vertebral. Quem os manipula está bem escondido nas sombras, em que o clube jacobino de eleição é a ante-câmara da loja de pedreiro-livre da melhor escolha.

  19. Para quem ainda não percebeu:

    O ranço que assina “Português” é (aposto de novo o colhão esquerdo e metade do direito) o pide “erudito”, o provocador que andou por aqui há algum tempo assinando inicialmente “De Abril nasce Maio” e adoptando um paleio exagerada e fingidamente de esquerda, para melhor a ridicularizar. Como é que o sei? Elementar, meus caros e caras… e coroas: pelo “cheiro”. Dedicou-se mais tarde, quase em exclusivo, ao bullying de dois ou três comentadores que, burramente, acreditou que conseguiria vencer e afastar daqui pelo cansaço e optou pelo método do parvalhatz de mudar de “nome” a cada comentário, para disfarçar o rasto. O cheiro, porém, o inconfundível fedor, projectado no “estilo” pretensioso mas analfa, sempre o atraiçoou e continua a atraiçoar (em meia dúzia de linhas, “ventríloco” por ventríloquo ou “ante-câmara” em vez de antecâmara, por exemplo).

    Saiu finalmente do armário do seu querido pai espiritual, o botas de Santa Comba, para (continuando bem escondido) finalmente se “mostrar” como é, mas, para um cretino idiota como este, não há argumentação e o melhor é mesmo a velha máxima: “Deixá-los falá-los, que eles calarão-se-ão.” Ele que “fale” com a mão.

  20. Ó mister patriotismo, explica aqui à gente o que é que “ventríloco” significa. Não será que querias antes escrever “ventríloquo”? Afinal tanta cagança com o português e afinal….

    Pode ser mania minha, mas em tempos andou por aqui um palhaço que também era fachola, escrevia bonito e passava a vida a corrigir e a criticar as opiniões e o português dos outros, embora, de quando em vez, também desse as suas calinadas.
    Será que és tu Eric, que regressaste ao redil depois de seres corrido do outro lado?

  21. As víboras agitam-se no ninho. Preocupadas com o Português escrito. E invariavelmente, deitando cá para fora a peçonha que enche as suas almas de impatriotas.

  22. “democracia amordaçada” – onde é que eu já ouvi isto!!!!
    Será que resulta outra vez? Têm a palavra o BE e o PCP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *