8 thoughts on “Nós nunca sabemos quando é a partida”

  1. Quem quiser que se detenha e observe o tanto que existe de gnóstico no pensamento de Agostinho da Silva. Um desafio para o fim de semana.

  2. Sim, é uma observação legítima, claro. Até porque o conceito de gnosticismo, quando não é tratado cientificamente, apenas remete para uma mistela de fragmentos esotéricos. Por outro lado, o gnosticismo será sempre curto, e muito curto, para conter o sopro que anima Agostinho da Silva.

  3. Oh Val, tu como especialista (amador) de esoterismo, pelo que leio, deves parecer-te mais com as vacas sagradas da Índia que pastam e sobrevivem sem saber porquê. Se quiseres aprender qualquer coisita vai ouvir o resto da entrevista onde ele (Agostinho da Silva) fala da geometria fractal. Valupi: que não vá o sapateiro além da chinela… Dedica-te ao que sabes em termos intelectuais e CONVENCE-TE que há uma enorme diferença entre conhecimento e sabedoria. Do primeiro estás mais que bem artilhado, quanto ao segundo, olha, nem comento. Bom fim de semana.

  4. Antes que alguem apareça aqui com mais comentários parvos, convem apresentar a historia que levou à re-construção deste post repetido e muito valupiano, à etiologia deste mal que enferma as conversas vadias, vamos lá: a) o Valupi ainda está fresquinho de ter andado a ler um livrito sobre o assunto dum gajo qualquer da família do Dawkins ou dum qualquer gnóstico de feira; b) os dois marmanjos envolvidos na conversa deste vídeo podem perceber de tudo menos de “destino” e “genética”; deviam, antes, ter-se ficado pelos “engenheiros”.

    Outras coisas que convem ter presente neste fim de semana enquanto se estiver a ver o Braga a jogar com outro clube qualquer, com uma Sagres ou limonada na mão: 1) o “gene” não existe, é uma abstracção, e logo não é uma coisa. O que existe é Eugenia, movimento racista, supremacista e genocida – mas ninguém diz isso porque tem receio, por acaso muito bem fundado, de ver a sua carreirita académica levada por lamas e esgotos até cair na Enorme Merda . Imputar defeitos ou virtudes a uma abstracção não é ciência, é lixo. Mas porque as qualidades e normalidade, defeitos e anormalidades existem, e de facto determinam frequentemente com violência sobre o futuro do indivíduo, os verdadadeiros nomes dos “genes” deveriam ser proteinas, em particular as enzimas que, quando coxas, decapitadas, marrecas, manetas, tortas e disformes, são um péssimo acrescento ao estado cada vez mais lastimoso – e certamente pelas mesmas razões – dos cromossomas da Humanidade e até dos cromossomas dos animais. E olha que grande parvo também não me saiu esse senhor Gomes – ele, que não tem Liberdade, sequer curiosidade, aos 40 ou 50, para inquirir por que razão há já 4000 doenças de origem “genética” que envolvem sempre proteinas e enzimas, quer agora pôr à discussão a falta de liberdade num nascituro prestes a sair do buraco!!! Conversa vadia de gente vadia…

  5. eu diria que a partida sem a chegada, sem nos cumprirmos, não faz sentido algum. talvez seja por isso que não sabemos que até já nos cumprimos – e partimos. :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.