Negociações à moda de Estaline

Porquê dar importância ao que na Soeiro Pereira Gomes se vai pensando e dizendo acerca da invasão da Ucrânia pela Rússia? Por duas principais razões: (i) o PCP é um partido que já contribuiu e pode (potencialmente) continuar a contribuir para a qualidade da democracia e (ii) porque qualquer manifestação de fanatismo por um partido com representação parlamentar deve ser criticada e combatida.

Neste comunicado – Nos 77 anos da Vitória sobre o Nazi-fascismo – Pela Paz! Não à escalada de confrontação! Não à guerra! – tropeçamos em 15 parágrafos que narram o (quase solitário) triunfo da União Soviética contra os nazis, os quais (ficamos a saber) tinham sido apoiados pelo Reino Unido, França e Estados Unidos da América em ordem a que acontecesse o “ascenso do fascismo, que os grandes grupos económicos e financeiros viam como um instrumento para levar mais longe a sua política de exploração, opressão e domínio.” e também para que Hitler acabasse com a URSS, garante o PCP. 77 anos depois, os comunistas portugueses olham para a Ucrânia e vêem a repetição da História: eis os capitalistas-fascistas ocidentais a apoiar os nazis ucranianos com vista a conseguir destruir a Rússia, a qual tem então de se defender recorrendo a uma “intervenção militar” preventiva em nome da luta contra o imperialismo.

Obviamente, é inútil tentar discutir com quem exibe este grau de delírio. O interesse está antes em aprendermos como pensam os actuais dirigentes do PCP. E eles pensam, e proclamam, que as democracias que ajudem a Ucrânia a defender-se do invasor e a cuidar da sua população massacrada, oprimida e em fuga são – exactamente por isso – entidades que devem ser catalogadas como “nazi-fascistas“. Daí, apesar de não gramarem o Putin, ficarem de peito cheio ao lado do agressor da soberania ucraniana pois a sua violência destrutiva e inumana está dirigida contra o inimigo comum, o “imperialismo“. Os fins a justificarem os meios, portanto.

O PCP não perde uma caloria a lamentar que a Rússia de Putin não tenha optado por negociações e apelos à paz em vez de ter começado os bombardeamentos e mandado avançar os tanques. Pelos vistos, compreende e aceita que Moscovo tenha cagado d’alto nos “princípios da Carta das Nações Unidas e da Acta Final da Conferência de Helsínquia“, coisa só para ocidental cumprir. E agora, já que os russos estão lá dentro, o PCP faz claque para que a malta aceite o facto consumado e ofereça o que der na gana de Putin reclamar. São as “negociações” à moda de Estaline, um dos bravos que manteve uma parte do Mundo a salvo do “imperialismo“.

Como seria um Governo português só com ministros deste PCP? Quantas horas levariam, após a tomada de posse, a ameaçar os “nazi-fascistas” da União Europeia e dos EUA com “intervenções militares” preventivas em nome da “cooperação e amizade entre todos os povos do mundo“?

80 thoughts on “Negociações à moda de Estaline”

  1. valupi,
    não percebo como alguém inteligente pode escrever um texto tão pejado de ignorância histórica. a unica explicação é um anticomunismo primário e atávico de que pareces agora padecer.
    cuidado, não vás descobrir tarde demais que aquilo de que acusas os outros baseado em falsidades facilmente demonstráveis poderá um dia ser aplicado facilmente à tua familia politica, como já estás a ver acontecer no caso de setubal.

  2. porra, ó Valupi, hás-de nunca perder essa coisa de escrever tal e qual eu estou a pensar, ou melhor, de pensares e escreveres o que eu quando leio e penso e sinto não preciso de escrever, !ai!, que me dão os calores de bater palminhas e de rir, às vezes enchemos a pança de riso para não chorarmos, e é o caso. o sentido de humor, de bom humor, interfere-se-me directamente com o estado anímico mas não com a personalidade: é um chá de sempre beber, não para alienar, para viver. e às vezes é negro, negrão, de ir à pinga na cueca. !ai! que riso

    esses marmotas de rabo na boca do PCP são uns invertidos, uns bravos cagões, um atentado à liberdade sempre em potência – e assim seriam em maioria absoluta: esmagadores da democracia e dos valores humanistas.

    adorei, adorei, adorei

  3. teste, vá dar banho aos marmotas de rabo na boca e não se esqueça dos dentes. !ai! que riso

  4. olinda,

    já comentou o assassinato da jornalista da al-jazeera ou o seu racismo continua a impedi-la de o fazer?
    veja lá isso, é mesmo nojento

  5. teste, vá dar banho à sua badalhoquice e preconceito com quem não é racista – só pacifista. e para uma pacifista aguerrida meio belicista e outro meio por ser, como quer fazer crer, já é demais.

    andor. !ai! que riso

  6. a olinda continua a apoiar o regime de apartheid? muito bem, mas então depois não se queixe que ninguém acredite nessa sua maquilhagem pacifista, sua miserável racista

  7. gosto muito dessa parte do pensamento aristotelico de encontrar virtudes no meio das coisas, mas no caso em apreço em que consistira tal coisa?
    tenho a minha ideia, que pode estar mais ou menos errada, mas de uma coisa tenho a certeza: não é na demonização de um dos lados, no incentivo à escalada belicista e no bloqueio de qualquer possibilidade de acordo de paz.
    mas certeza absoluta. platónica.

  8. ouçam, a virtude – como eu a vejo e penso e sinto, estou-me sempre borrifando para o que dizem outros que ficaram na história – está na realização plena disso mesmo: da sintonia do que se pensa com o que se sente e com o que se faz. ora, resumindo, só pode ser paz. se a russia parar, acaba-se a guerra e se a ucrânia parar acaba-se a ucrância, esta é a virtude, não há outra.

    teste, a Olinda continua a apoiar a vida e a liberdade e a democracia. e também a apoiar banhadas em si, sempre, banhadas de caixão à cova até se sufocar.

    putinista, inimigo, o meu argumento jamais será vencido, !ai! que riso

  9. “O PCP não perde uma caloria a lamentar que a Rússia de Putin não tenha optado por negociações e apelos à paz em vez de ter começado os bombardeamentos e mandado avançar os tanques.”

    O que o PCP lamenta ou deixa de lamentar é com o PCP. Agora “que a Rússia de Putin não tenha optado por negociações e apelos à paz em vez de ter começado os bombardeamentos e mandado avançar os tanques” é pura e simples mentira, aldrabice, treta, balela, vigarice, embuste, falsidade, ficção, impostura, intrujice, invencionice, patranha, peta. O ‘Dicionário de Sinónimos’ tinha mais umas 500, pá, mas gosto mais da musicalidade destas.

    Já agora, sai disclaimer para a mesa do canto: o que o Putin decidiu fazer na Ucrânia é, além de uma filha-de-putice, uma inacreditável estupidez, pela qual estão a pagar e continuarão a pagar ucranianos e russos, e que, se o império do bem (pai e mãe, matriz e meretriz de todos os estúpidos e cabrões) continuar a manobrar os cordelinhos e a esticar a corda, nos poderá fazer pagar a todos. Uma única vantagem: será o último pagamento (em carne, pele e osso), depois disso não sobrará nada nem ninguém para pagar seja o que for nem ninguém a quem pagar o que for que seja.

    Slava borreguini! Méééééé!

  10. o que eles pensam deve ser mais ou menos o que eu penso , só que não o pode dizer claramente , de aí estes subterfúgios linguísticos.
    mesmo sendo irrealizável dada a natureza gananciosa do homem , a ideologia em que se baseia o pcp procura uma sociedade mais justa (ao contrário dos que financiam o stripper zelinsky pelos esses palcos do mundo ) por isso há-de ter sempre a minha simpatia.

  11. “gosto muito dessa parte do pensamento aristotelico de encontrar virtudes no meio das coisas, mas no caso em apreço em que consistira tal coisa?”

    resposta simples, os russos param os ataques, os ucranianos ficam sem necessidade de se defender e voltam todos para sua casa.

    “tenho a minha ideia, que pode estar mais ou menos errada, mas de uma coisa tenho a certeza: não é na demonização de um dos lados, no incentivo à escalada belicista e no bloqueio de qualquer possibilidade de acordo de paz.”

    ah… bem me parecia que tu és daqueles que acreditam que aquilo foi um ataque preventivo às ameaças da ucrania que se preparava para invadir e bombardear a russia.

    “mas certeza absoluta. platónica.”

    yah… absolutamente. vodka sueca.

  12. gostava que o dótor mula russa explicasse as contradições existentes nos 4 parágrafos do seu comentário do 1/2 dia e provasse aquilo que diz ser mentira, sem recorrer as teses do pcp que não é para aqui chamado e ou à propaganda ruça (proíbida) que costuma aqui despejar em quantidades alarves sem qualquer respeito pelo 1/2 ambiente, como salutar hábito do bom exemplar grunho que é.

  13. “AJornalista palestiniana da Al-Jazeera morre durante ataque israelita na Cisjordânia
    Outro repórter, do jornal Al-Quds, de Jerusalém, foi ferido, mas encontra-se estável.”

    AFINAL CONTINUA A HAVER OUTRAS GUERRAS… mas será que as vítimas ( desta guerra) só são relatadas porque são … jornalistas ???? Não há mais ????

  14. “ah… bem me parecia que tu és daqueles que acreditam que aquilo foi um ataque preventivo às ameaças da ucrania que se preparava para invadir e bombardear a russia.”

    que acreditam? pensava que o facto do ataque ao dombas ter começado a 16 de fevereiro e a invasão ter começado a 22 já tinha deixado isso claro. mas se calhar tens de ouvir a victoria nuland a falar dos laboratorios de armas biologicas numa sessão de um orgão legislativo americano. quanto ao americanos e britânicos terem tido altas personalidades do lado dos nazis não tens nada a dizer? pois

    “resposta simples, os russos param os ataques, os ucranianos ficam sem necessidade de se defender e voltam todos para sua casa.”

    hahahahhaha hehehehhehehe oohohohoohohohohoh hehehehehhe hahahahhaha
    e porque é que não se faz isso na libia, na siria, no iraque, etc? é porque são todos putinistas na administração americana?
    tu proprio não andavas aqui a vociferar contra os americanos “terem parado os ataques e voltado pra casa” no afeganistão ainda em dezembro?
    enfim, é por causa dessa atitude infantiloide que depois passas por estas barrelas.

    “yah… absolutamente. vodka sueca.”

    bebe pra esquecer, lindo, bebe. senão daqui por uns anos vais ter que explicar aos netinhos porque apoiaste a guerra nuclear. assim sempre podes culpar a amnésia. tchuac

  15. Joaquim Camacho, sir vaselina, e yo, putinistas, ide corar a vossa malina encardida ao sol, andor, putinistas em fervor, fedor, um milhão de vezes fedor. já disse: fedorentos, !ai! que riso de horror

  16. gostava que o fredi kruga do comentário das 13h05 me chupasse a piça sem recorrer às patinhas, como salutar exemplo do brochista que é.
    no bom sentido, claro.

  17. olinda,
    o teu nariz suíno cheira coisas deliciosas a longas distâncias.
    infelizmente, sempre que tentas comunicar-nos o que encontraste só ouvimos roncos e grunhidos.
    é a maldição dos bácoros.

  18. pois fica a saber, uma olinda chamada babe, que tenho um nariz portento, sim, não invento, e os que ouvem o que só querem ouvir, defeituosos putinistas, é que ficam, pois claro, ora bem, portanto, essa é que é essa, a tinir. badalhocos invejosos infames. !ai! que riso

    https://www.youtube.com/watch?v=NyiALn0e3P8

  19. ” gostava que o fredi kruga do comentário das 13h05 me chupasse a piça sem recorrer às patinhas, como salutar exemplo do brochista que é.”

    mete um anúncio nas centrais do manholas ou compra uma cabeleira loira e vai fazer trottoirs para o eduardo VII. mas antes explica aí ao piople a mentira de não quererem negociar com o putinório que disse na véspera da invasão que ia retirar as tropas.

  20. A hipocrisia e enviesamento de que enferma a posição do PZP sobre putin e a invasão da Ucrânia só surpreende quem desconhece os efeitos do condicionamento cognitivo próprio daquele partido, sujeito ao dogma marxista-leninista que lhe impõe uma conceção de “anti-imperialismo” enquanto sinónimo de anti-americanismo/anti-ocidentalismo.
    Deste modo, quando a guerra é feita pelos EUA, o PZP chama-lhe “guerra” e imputa aos EUA o monopólio da responsabilidade bélica. Se a guerra for feita pela Rússia (no passado, a URSS), o PZP chama a essa guerra “intervenção” e considera que a responsabilidade da mesma, deve, no mínimo, ser partilhada, quando não atribuída à outra parte e/ou a países terceiros.
    Concordantes, no essencial, com a posição do PZP, temos, entre nós, alguns órfãos do Muro de Berlim que ainda permanecem sob o efeito de atração magnética da terceira roma putinista. O mula russa camacho é um destes órfãos. Que tem julgado poder furtar-se à evidência de que é muito mais aquilo que o une ao cinismo estalinista do PZP, que aquilo que os separa a propósito da guerra de putin, no plano da divergência tática.
    PZP e mula russa convergem no essencial da imputação de responsabilidades desta guerra e na assimetria de princípios com que a interpretam, coniventes na atenuação da culpa do agressor e na culpabilização do agredido.
    Aliás, o histórico de negacionismo reiterado (implícito ou explícito) que marca o legado do mula russa camacho (e seus sequazes), replica, grosso modo, uma linha de continuidade observável nas guerras de putin na Síria e na Ucrânia: a negação cínica das vítimas causadas, como tática de salvaguarda da pretensa benignidade dessas guerras, que o regime russo hipocritamente justifica alegando, no plano estratégico, pretextos humanitários e pacifistas/securitários.
    https://www.amnesty.eu/wp-content/uploads/2018/10/Ukraine.pdf
    https://tbinternet.ohchr.org/Treaties/CAT/Shared%20Documents/UKR/INT_CAT_NGO_UKR_18646_E.pdf
    https://www.npr.org/2022/03/01/1083686606/ukraine-russia-civilian-casualties-syria
    https://economictimes.indiatimes.com/news/international/world-news/ukraine-war-how-russian-denial-of-civilian-casualties-follows-tactics-used-in-syria/articleshow/90375091.cms?from=mdr
    https://www.amnesty.org/en/documents/mde24/2089/2020/en/
    https://theconversation.com/de-la-syrie-a-lukraine-les-crimes-de-guerre-de-vladimir-poutine-181022

    Slava borreguini putinisti ! Méééééé!

  21. De yo, a parola de serviço pode dizer-se, com toda a propriedade, que não lava os lençóis antes de os estender. Hábito duma porcalhona que nos habitou à sua falta de lucidez, julgando poder ser levada a sério, quando, no máximo, nos diverte.

  22. e é bem bom , fazer rir. fico contente. já ganhei o dia.
    felizmente com nasci com necessidade de assustar , manipular , vigarizar , chular e e escravizar pessoas , como o meu inimigo de estimação , o freddy e companhia.

  23. está bem , já o ó linda só pode ser lavada a fingir , porque a sujidade está tão entranhada que já não sai. um exercício inútil de lavagem, mas como é tuga , só a aparência de limpeza chega.

  24. Ensaio sobre a estupidez:
    ____________________________

    Victory Day flowers stir conflict between authorities and residents in Baltic country
    Published: 11 May 2022 | 11:09 GMT

    Riga residents ignored official warnings and kept bringing flowers to a Soviet war memorial

    Police in Latvia have blocked access to the Liberators of Riga monument as Prime Minister Krisjanis Karins expressed his frustration at city residents twice creating a carpet of flowers, despite authorities’ attempts to prevent and remove it.
    Latvian police announced on Wednesday that “in order to prevent endangering public safety” and to avoid “possible provocations” they had decided to close public access to Victory Park where the monument is located. It was explained, that following “the events of May 9 and especially May 10,” when a crowd gathered near the monument. In the opinion of the Latvian authorities, the site “is most directly related to the continuation of Latvia’s occupation after the Second World War and is actually perceived by society as a symbol of the Soviet regime.”
    On May 9, when former Soviet republics celebrate Victory Day, flowers brought in by the city’s residents were removed by a tractor.
    In response, on May 10, people brought even more flowers to the monument. In the evening the State Police Special Task Battalion was deployed to disperse a 500-strong crowd on the square. In a statement the police said that any gatherings on the square would be considered as an expression of “support for the Russian Federation,” apparently linking events of the Second World War with the current Russian military operation in Ukraine.
    Prime Minister Krisjanis Karins took to social media on Tuesday to say that “disrespect towards Latvian statehood, historical experience and victims of the Russian War in Ukraine is not acceptable.”
    “What is happening in Pardaugava (Riga’s area) today is not excusable. I am waiting for responsible services actions and the explanation of the Minister of Interior Marija Golubeva,” he wrote.
    It remains to be clarified what exactly caused the prime minister’s displeasure.
    Russian Ambassador to Latvia Mikhail Vanin called the actions of the Latvian authorities over the last days an expression of “stupidity.”
    “What happened on May 10 early in the morning showed the stupidity, cowardice, and pettiness of the authorities. A tractor raking fresh flowers and burning candles was spotted near the monument, this footage quickly spread on social networks, and the next day, May 10, even more people came to the monument,” the ambassador said in a TV interview on Wednesday.
    Commenting on the news about the police blocking access to the square, Vanin claimed that the Latvian authorities “were scared of the scale of support, the scale of gratitude of the inhabitants of Riga to the soldiers-liberators.”
    Russian Foreign Ministry spokeswoman Maria Zakharova, said that the Liberators of Riga is “a monument to which people carried, carry and will carry flowers, no matter what the local authorities come up with.”
    In Zakharova’s opinion, the actions of the residents of the Latvian capital, despite all obstacles, demonstrated “true people power.”
    “This is a powerful, strong gesture that demonstrates the rejection of the rewriting of history and of the desacralization of the memory of people who gave their lives for our future,” she said.
    World War II-related issues have long been a cause of tension between Riga and Moscow.
    Latvian authorities have argued that while the Latvian legion, in fact, technically fought on Hitler’s side, most of its members understood their role as fighting to regain independence for Latvia. Being part of the German military forces was the only way of preventing the return of Soviet occupation. Moscow has condemned the commemorations of the Latvian Legionnaires.

    Victory Day flowers stir conflict between authorities and residents in Baltic country
    https://www.rt.com/russia/555293-riga-monument-flowers-scandal/
    ________________________________

    Gente mesquinha e reles, com saudades do tio Adolfo, afinal um iluminado que já sabia então o que é preciso fazer hoje: acabar com a Moscóvia! Onde é que já se viu, energúmenos dum cabrão a festejar os azares do titio? Só pode ser coisa de putinistas.

    https://twitter.com/ivanich49/status/1523924686232596480?s=20&t=VXe_R5arrp2DPU6ReNmpkA

    https://twitter.com/vsevolodskiy/status/1524238628960063488?s=20&t=fq1ND51GFRNoYQZ5YF-ZLA

  25. “VI CRIMES HORRÍVEIS COMETIDOS PELO AZOV” TESTEMUNHO DO MÉDICO FRANCÊS ADRIEN BOCQUET:
    Adrien Bocquet: «Assumo plenamente o que digo. Fui testemunha de crimes de guerra e os únicos crimes de guerra com os quais fui confrontado foram perpetrados por militares ucranianos e não por militares russos. (…) Ao regressar a França, fiquei extremamente chocado ao confrontar aquilo que me foi dado ver com a versão que por cá domina a comunicação social. É abominável. (…) Quanto aos militares Azov, estão por todo o lado, até em Lviv, fardados e com aquele símbolo neo-nazi no camuflado. O que me choca é que a Europa oferece armamento a militares neo-nazis, com um símbolo nazi inspirado nas antigas SS. Estão por todo o lado e não levantam qualquer problema para os europeus. Quando lhes prestei apoio médico, e como falo ucraniano e russo, ouvi as conversas sobre como matar e esmagar judeus e negros. Depois, num hangar, assisti à chegada de prisioneiros russos manietados por cordas que chegavam em grupos de três ou quatro em pequenas furgonetas. Cada prisioneiro que saía da carrinha era de imediato alvejado no joelho com um tiro de Kalashnikov. Tenho filmes e poderei disponibilizá-los. Se os prisioneiros se identificassem como oficiais ou sargentos, eram de imediato abatidos com um tiro na cabeça. (…) Até lhe posso dizer algo de muito mais grave: parte dos bombardeamentos sobre zonas civis, sobretudo em Bucha, foram executados pelos morteiros ucranianos. Mas não só, pois em Lviv, onde estava por ocasião dos bombardeamentos russos aos depósitos de armamento acabado de chegar da Europa, verifiquei que todo esse armamento havia sido colocado em edifícios civis habitados, em zonas residenciais e sem que os moradores de tal tivessem conhecimento. A isso chamo servir-se das populações como escudos humanos. (…) Quanto a Bucha, o que posso dizer é que foi um espectáculo. Os cadáveres foram ali colocados para que as imagens fossem feitas.»
    https://youtu.be/j-MQg8EqK7k

    Carlos Fino

  26. Não é certo;
    Mas é muito provável que, neste assunto particular, Valupi se venha a envergonhar da patranha que agora vende!

  27. “Ensaio sobre a estupidez”, eis um belo título para uma monografia dedicada ao trajeto intelectual dos mula russas deste mundo.
    Mulas russas que, em boa verdade, são gente reles e mesquinha, saudosa do tempo em que as tropas do tio adolfo da germânia e do pai zé da moscóvia confraternizavam na partilha do saque.
    https://communistcrimes.org/en/video-81-years-ago-german-soviet-military-parade-brest-litovsk
    E gente igualmente mesquinha e hipócrita no silenciamento da memória repulsiva que os países bálticos têm da sua sujeição à Moscóvia.
    https://gulag.online/articles/soviet-repression-and-deportations-in-the-baltic-states?locale=pl

  28. Falácias dos PZPs e Putinistas:
    1 – A “ação militar” não é contra a Ucrânia, é contra os EUA. Ah sim? Então porque não foram invadir os EUA?
    2 – A Ucrânia esta a preparar-se para fabricar armas nucleares. Ah sim? Então porque tendo sido a Ucrânia a segunda potencia nuclear da Europa entregou todas as armas nucleares (e não só) à Federação Russa e Assinou o Tratado Internacional de não proliferação nuclear?
    3 – A Ucrânia não é um regime democrático. Ah sim? Então porque teve 3 presidentes eleitos pelo Povo desde 2014 e a Rússia depois do Boris teve apenas o “Czar” Putin , com uma troca de lugares (como quem troca cromos) com o Medvelev?
    Querem mais? amanhã continuo.

  29. corno negro,

    1) porque ninguem quer uma guerra nuclear, tirando tu e outros malucos de extrema direita

    2) porque senão não ganhava a independencia da federação russa… daaaaa

    3) porque ilegalizaram os partidos e candidatos que lhes faziam frente e ao resto do povo que não acatava nazis, bombardearam-no.

    volta sempre,

  30. Sendo o mula russa camacho o campeão imbecil da denúncia do nazi-sionismo, surpreende que ainda não tenha vindo botar faladura sobre as declarações do ministro lavrov acerca do judeu hitler.
    Sobre aquela aula de história com que o regime de putin nos ensinou que o nazismo e o sionismo estão unidos por lanços de sangue.

  31. hahahah foda-se
    o batalhão azov diz-se neo nazi, mas o manelinho aqui da caixa de comentários acha que ele e a mafaldinha é que sabem/decidem quem é ou não
    é com cada otário!

  32. ser judeu e ser generoso é que é impossível , de resto , desde que vi um porco andar de bicicleta já acredito em tudo.

  33. Para o imbecil das 10: 45
    Quando alguém pretender vir em auxílio do professor lavrov, deve escolher melhor os argumentos, evitando os orgasmos precoces próprios daqueles idiotas convencidos de terem inventado a pólvora.
    Nem Brian Rigg subscreve a tese lavroviana dum hitler judeu nem acrescenta credibilidade à apologia duma equivalência entre o sionismo e o nazismo. No próprio artigo dos Los Angeles Times, lê-se, em resumo, o que aquele historiador provou com o seu trabalho:
    “Thousands of men of Jewish descent and hundreds of what the Nazis called ‘full Jews’ served in the military with Hitler’s knowledge. The Nazis allowed these men to serve but at the same time exterminated their families,” Rigg said”.
    Ficamos assim a saber, relativamente ao imbecil das 10:45, que não estamos perante uma criancinha, mas, infelizmente, perante um adulto. Aliás, um adulto bastante idiota.
    https://www.adl.org/blog/antisemitic-conspiracy-theories-abound-around-russian-assault-on-ukraine

  34. foda-se, um gajo mostra-lhe que muitos judeus serviram no exercito nazi, em altas patentes militares e sujeitos a inumeras condecorações por actos no campo de batalha, e o gajo diz que isso não prova que havia judeus nazis. então o que é que lhe provaria tal coisa? não diz.
    porquê? por causa do cheiro das tintas e do barulho das luzes. ou então porque tem cu que lhe mostrassemos algo que se enquadrasse numa eventual definição que ele propusesse. e quem tem cu, tem medo.

  35. depois da informação acerca das personalidades americanas e inglesas que apoiavam o 3º reich, deve ser so malta a comprar livros de história aqui na casa

  36. há uns tipo que cada vez que lhes apontam as falhas , que são às montanhas , avançam com o choradinho dos bodes expiatórios e das teorias da conspiração . pare lá com isso , calimero freddy verrugas, muito poucos compram as vossas histórias , mesmo publicadas na “imprensa de referência ” e nos livros e filmes “premiados” : sabemos quem são os donos dos meios que replicam as vossas histórias da carochinha.

  37. saiu mal
    https://www.corazones.org/espiritualidad/espiritualidad/Lewis-CartasDeldiablo.pdf

    este bocadinho é demais ( e lembrei-me logo dos programas tv sobre vida real , big brothers e outras cenas mefistofélicas )
    “El mero hecho de razonar despeja la mente del paciente, y, una vez despierta su razón, ¿quién
    puede prever el resultado? Incluso si una determinada línea de pensamiento se puede retorcer hasta
    que acabe por favorecernos, te encontrarás con que has estado reforzando en tu paciente la funesta
    costumbre de ocuparse de cuestiones generales y de dejar de atender exclusivamente al flujo de sus
    experiencias sensoriales inmediatas. Tu trabajo consiste en fijar su atención en este flujo. Enséñale a
    llamarlo “vida real” y no le dejes preguntarse qué entiende por “real”.

  38. foda-se, um gajo mostra ao palerma que o facto de terem existido judeus ao serviço do exército nazi (em rigor, “mischling” classificados como 1/4 de judeu,) não serve de refutação ao que aqui estava em causa: a invalidade da posição lavroviana de afirmação explícita dum hitler judeu e o implícito estabelecimento de equivalência entre sionismo e nazismo.
    Muitos mais do que os soldados judeus de hitler foram os judeus segregados, deportados e exterminados, por vontade de hitler. Esta foi a norma na relação do regime nazi com os judeus.
    E uma vez que o estúpido se mostra preocupado com o cu alheio, convém lembrar-lhe que deve estar atento ao próprio cú. Não vá dar-se o caso de o perfume antisionista ser incapaz de disfarçar-lhe o fedor antisemita.

  39. A parolinha yo vem falar-nos de choradinho dos bodes expiatórios e das teorias da conspiração. Boa! Parece finalmente começar a ver-se ao espelho e constatar o que não lhe falta: choradinho de vitimização e paranoia conspirativa.
    E, quem sabe, no final, ter uma agradável surpresa acerca da sua própria imagem…. ao jeito de Lovecraft.

  40. o xunga tamém lá tem o preto de estimação do aldrabé para exibir com as negações de racismo que são obrigados a fazer e não é por isso que não deixam de ser racistas, xenófobos e filhos da puta.

  41. Lovecraft é mais consigo , eu gosto de fadas e duendes -:) e do Azlam

    dedicado a si , demónio :
    Al desear su libertad, el Enemigo renuncia, consecuentemente, a la posibilidad de guiarles, por
    medio de sus aficiones y costumbres propias, a cualquiera de los objetivos que Él les propone: les
    deja que lo hagan “por sí solos”.
    Ahí está nuestra oportunidad; pero también, tenlo presente, nuestro peligro: una vez que superan
    con éxito esta aridez inicial, los humanos se hacen menos dependientes de las emociones y, en
    consecuencia, resulta mucho más difícil tentarles

  42. É sabido que a nossa querida yo, volta e meia, nos fala dos demónios e das emoções que tornam os humanos vulneráveis às tentações. Não surpreende, conhecidas que são as suas intimidades com o bode negro. É ver a querida yo, com os glúteos escarrapachados sobre o baixo ventre do mestre leonardo, a soltar ladainhas de louvor ao priapismo.

  43. Slavoj Zizek, um homem entre ratos:
    ________________________________

    Zizek reveals if he’s ashamed to have written for RT
    Published: 12 May 2022 | 19:48 GMT

    The philosopher highlights American hypocrisy in his defense of writing for the outlet

    Slovenian philosopher Slavoj Zizek has defended publishing his writings on RT, pointing out in an op-ed published in Germany’s Berliner Zeitung on Sunday that stories and opinions that are overlooked or even prohibited on the pages of the Western press can find safe harbor in the Moscow-based outlet.
    “Am I ashamed to have published my texts in Russia Today? No, absolutely not!” Zizek wrote.
    While the philosopher professed “full support of Ukraine,” he insisted that this stance did not contradict his previous writings for RT at all, calling it “part of the same fight” in the same manner that “fighting anti-Semitism and fighting what Israel is doing to the Palestinians in the West Bank” are not mutually exclusive.
    As the range of allowed opinions in Western media narrowed, he said he had no choice but to turn to RT to publish his own views, citing “weaknesses of liberal democracy, Israel’s policy of apartheid in the West Bank, [and] the aberrations of political correctness” as examples of topics considered off-limits in the Western press.
    The philosopher specifically highlighted the saga of Wikileaks publisher Julian Assange, whose case, he has repeatedly argued, highlights the extraordinary hypocrisy of the US and UK governments, who style themselves as defenders of democracy and the free press while fighting to lock up a man whose only “crime” was to publish leaked documents that revealed wartime atrocities committed by those governments.
    While the entirety of the Western media was fixated on the war in Ukraine, Assange was being drawn ever closer to extradition to the US, where he is charged with 17 counts of violating the Espionage Act and will almost certainly die in prison, Zizek pointed out. New developments in the case have been all but ignored in the US and European press.
    “How can [Washington] demand Assange’s extradition to the US when Assange is not a US citizen, was not involved in espionage against the US and all he did was, without a doubt publicize war crimes committed by the US?” he asked rhetorically, pointing out that Assange faces 175 years in prison “for merely exposing US crimes beyond reproach.”
    Commenting on calls for Russian President Vladimir Putin to be tried for alleged war crimes in Ukraine, Zizek argued for former president George W. Bush, as well as his defense secretary, Donald Rumsfeld, if he were still alive, to be similarly tried for the invasion of Iraq under manufactured pretenses. The West and Russia must be interrogated with “the same critical questions,” he said. “How can the US demand this while not recognizing the jurisdiction of the Hague tribunal over its own citizens?”
    Neither ‘side’ should be considered immune from criticism, Zizek argued. “If we are forced to choose between Ukraine and Assange, we are doomed. Then we have sold our soul to the devil.”

    Zizek reveals if he’s ashamed to have written for RT
    https://www.rt.com/news/555393-zizek-rt-ukraine-shame-hypocrisy/
    ________________________________

  44. É com autoridade de ratazana entre os homens, que o mula russa camacho nos dá notícias de Slavoj Žižek, um desses filósofos amamentados pelas liberdades do Ocidente e, que, volta e meia, de barriga cheia, nos dizem, com ar grave e sério, que as liberdades de que gozam não são suficientes e já estão em vias de extinção. Porventura, no espírito do bom filósofo, as liberdades terão, como as aves, migrado do Ocidente rumo a paragens mais amenas, como as da hospitaleira Rússia, da livre China ou da liberal Coreia do Norte, onde não existem assanges a lamentar nem crimes contra a humanidade a punir.
    As más línguas dirão que são as ratazanas que migram para aquelas paragens. Talvez.
    Seja como for, o certo é que Žižek acrescenta à sua declaração de asfixia ocidental das liberdades o testemunho, em abono próprio, duma perentória ausência de arrependimento por ter ido buscar à televisão russa RT os necessários suplementos de liberdade.
    Compreende-se a coerência do bom filósofo. Quando um espírito livre como Žižek se encontra privado no Ocidente das liberdades de pensamento e de expressão a solução natural está em ir buscá-las onde abundam. O mesmo é dizer, ir bebê-las às antenas da RT, esse farol do nosso tempo. Um farol em boa hora mandado edificar por vladimir putin, o monarca esclarecido protetor das liberdades e mecenas dos filósofos.

  45. Bestas Quadradas;
    mulas;
    machos;
    e demais quadrúpedes PZPistas, não queiram tapar o sol com a peneira.

    A Ucrânia foi invadida e está a ser massacrada.
    Os Ucranianos hoje, mesmo os russo falantes, são nacionalistas e anti Putin .
    A Ucrânia com 44 milhões de habitantes, antes da guerra poderia ter uma pequena percentagem de nacionalistas, hoje são a maioria da população.
    Os Fascistas e comunistas na Ucrânia devem estar equiparados, são uma pequena minoria.
    Hoje na Ucrânia há patriotas que lutam pelo seu país e pela integridade das suas fronteiras.

  46. Putinistas do PZP;
    Conheço as vossas manhas e ardis, de ginjeira, desde os tempos do PREC, tempos em que, apesar de tudo, tinham um líder que liderava e não vos deixava à deriva para poderem apoiar ditadores imperialistas de direita como o Putin e o seu séquito de vassalos capitalistas. Mas a cassete hoje é a mesma de então: – Quem não comungar das vossas ideias, mesmo que idiotas e indefensáveis, é nazi (então o termo era fascista). Quando vos faltam os argumentos sobra-vos o atrevimento, foge-vos o pé para o chinelo e partem para a ofensa reles. É a diferença entre as lagartixas e os jacarés.

  47. SIC, Jornal da Noite, 6-5-22, minuto 20:27, enviada Iryna Shev, em Mykolaiv, Ucrânia.

    Entrevista uma miúda de 12 anos que diz que ela e o pai são pela Ucrânia, mas que o avô (nascido na Bielorrússia) é pela Rússia e diz que a culpa é da Ucrânia. Afirma ainda que ela e o pai tentam não falar com o avô sobre o que se está a passar, para evitar atritos. A miúda, de cara descoberta, é identificada pelo nome (Vika), sendo, além disso, as imagens filmadas junto da escola (afectada pelos bombardeamentos) que frequentou em Mykolaiv, para que não fiquem dúvidas sobre a identificação, tanto da criança como, obviamente, do avô. Ou seja, a (alegada) jornalista, provavelmente, pôs uma criança de 12 anos a condenar o avô à morte. Como se sentirá a miúda quando, um dia, se aperceber das consequências da sua ingenuidade não parece ser coisa que preocupe a (alegada) jornalista.
    ________________________________

    SIC, Jornal da Noite, 12-5-22, minuto 20:41, mais uma reportagem de Iryna Shev em Mykolaiv, Ucrânia.

    Entrevista Artem (30 a 40 anos), que vive com a mãe, inválida. Artem (cara e corpo sem qualquer disfarce) diz que quer ir para a linha da frente combater os russos, mas não pode porque não tem a quem deixar a mãe acamada. Se o “russo de Setúbal” viu a reportagem, lá ficou o Putin a saber tudo sobre o eventual combatente: nome, cara, terra onde vive, cara da mãe… Fico ansiosamente à espera de uma (certamente) magnífica reportagem de Iryna Shev em Portugal, com mais histórias sobre refugiadas a quem o “russo de Setúbal” perguntou onde, na Ucrânia, ficaram maridos, filhos e namorados. E consigo antecipadamente imaginar os olhos esbugalhados de espanto e indignação de Iryna Shev, se acaso uma delas lhe diz que, ingenuamente, mostrou ao sacana do russo fotos ou vídeos do filho ou consorte que ficou na terrinha.

    https://sicnoticias.pt/mundo/conflito-russia-ucrania/sic-na-ucrania-artem-quer-lutar-mas-nao-tem-com-quem-deixar-a-mae-acamada/
    ________________________________

    Telejornal RTP-1, 10-5-22, minuto 19:11, reportagem de Cândida Pinto em Poltava, Ucrânia, conversando com Svetlana, que se encontra de cara descoberta, tal como os filhos crianças, que brincam perto.

    Palavras da Cândida… bué da cândida, diria eu:

    “Svetlana veio de Sumy, que esteve ocupada, a 20 km da fronteira com a Rússia. O marido ficou.”

    E ficou (ficamos a saber que em Sumy, graças à Cândida) certamente para combater, para defender a sua terra. Queridas massas populares, com jornaleiros destes, quem precisa do “russo de Setúbal” para dar dicas ao Putin, o Grão-Tinhoso? Vade retro!

    Ah! Péra aí! Ocorreu-me agora! Calhando, calhando, a chinfrineira sobre o “russo de Setúbal” não passa de música para borregos. Ou erva, que os borregos são criaturas pouco musicais, duras de ouvido.

    Post scriptum — Tenho já quase dois blocos cheios de pérolas destas, que comecei a anotar há mais de dois meses, para eventual edição de um livro humorístico. Ainda não escolhi o título. “Ensaio sobre a Estupidez” é uma hipótese, “Antologia da Asneira” é outra, “Bojardas Sortidas” outra ainda, mas as possibilidades são quase ilimitadas, the sky is the limit.

  48. https://aviagemdosargonautas.net/2022/05/12/a-guerra-na-ucrania-alguns-antecedentes-um-erro-fatal-por-george-f-kennan/
    ________________________________

    O autor: George F. Kennan [1904-2005], também conhecido como o “senhor X”, foi um diplomata norte-americano e historiador. Era mais conhecido como um defensor de uma política de contenção da expansão soviética durante a Guerra Fria. Deu amplas palestras e escreveu histórias académicas sobre as relações entre a URSS e os Estados Unidos da América. Foi também um dos anciãos do grupo de políticos estrangeiros conhecidos como “The Wise Men” (Os Sábios). Durante os finais dos anos 40, os seus escritos inspiraram a Doutrina Truman e a política externa dos EUA de “conter” a União Soviética. O seu “Long Telegram” de Moscovo durante 1946 e o subsequente artigo de 1947 The Sources of Soviet Conduct argumentou que o regime soviético era inerentemente expansionista e que a sua influência tinha de ser “contida” em áreas de importância estratégica vital para os Estados Unidos. Estes textos justificavam a nova política anti-soviética da administração Truman. Kennan desempenhou um papel importante no desenvolvimento de programas e instituições definitivas da Guerra Fria, nomeadamente o Plano Marshall.

    Pouco depois de os seus conceitos se terem tornado política dos EUA, Kennan começou a criticar as políticas externas que tinha ajudado a articular. Em finais de 1948, Kennan tornou-se confiante de que o diálogo positivo poderia começar com o governo soviético. As suas propostas foram descartadas pela administração Truman e a influência de Kennan foi marginalizada, particularmente depois de Dean Acheson ter sido nomeado Secretário de Estado em 1949. Pouco depois, a estratégia da Guerra Fria dos EUA assumiu uma qualidade mais assertiva e militarista, levando Kennan a lamentar o que acreditava ser uma revogação das suas avaliações anteriores.Em 1950, Kennan deixou o Departamento de Estado – excepto por uma breve estadia como embaixador em Moscovo e uma estadia mais longa na Jugoslávia – e tornou-se um crítico realista da política externa dos EUA. Continuou a analisar os assuntos internacionais como membro docente do Instituto de Estudos Avançados desde 1956 até à sua morte em 2005, aos 101 anos de idade.

  49. “foda-se, um gajo mostra ao palerma que o facto de terem existido judeus ao serviço do exército nazi (em rigor, “mischling” classificados como 1/4 de judeu,)”

    o artigo fala em “full jews as the germans called them” mas o gajo nem inglês sabe ler (ou será só extremamente desonesto?)

    “não serve de refutação ao que aqui estava em causa: a invalidade da posição lavroviana de afirmação explícita dum hitler judeu e o implícito estabelecimento de equivalência entre sionismo e nazismo.”

    claro que serve. só que o que aqui estava em causa não é essa treta toda que tu dizes e sim: se um judeu pode ser nazi, ou um negro supremacista branco, etc, etc o que é evidente para toda a gente que pode (excepto para os desonestos)

    “Muitos mais do que os soldados judeus de hitler foram os judeus segregados, deportados e exterminados, por vontade de hitler. Esta foi a norma na relação do regime nazi com os judeus.”

    e muitos outros não foram. é issoque está lá no artigo e que não consegues lidar e portanto decides ser desonesto.

    “E uma vez que o estúpido se mostra preocupado com o cu alheio, convém lembrar-lhe que deve estar atento ao próprio cú. Não vá dar-se o caso de o perfume antisionista ser incapaz de disfarçar-lhe o fedor
    antisemita”

    aqui podemos ver a desonestidade intelectual de uma besta quadrada em todo o seu esplendor: antisemita é precisamente aquilo que o governo de israel é, mas disso nunca te ouvi falar, apenas te ouvi a apoiar politicas de apartheid sob a capa do antisemitismo.

  50. a mula russa não inventa nada, só copianço e deturpação infantilóide na inversão do sentido das coisas.

    “… antisemita é precisamente aquilo que o governo de israel é…”

    deve ser por isso que o governo russo tem mantido as boas relações com israel e que as declarações do lavrov não passaram de uma piada à tímida condenação da invasão da ucrania.

    para a próxima não te esqueças do nome em caixa baixa ou ainda te acusam de contrafacção com defeito.

  51. ahh, o governo russo mantém boas relações com israel mesmo sendo nazi???
    e agora como é que descalças essa botinha? não descalças mas também não te importa, a unica aparente coerência no teu pensamento é: “se o patrão americano me diz que são bons eu digo que são bons e se ele diz que são maus eu digo que são maus”
    a ti é que ninguém acusa de contrafação com defeito, és mesmo um autêntico esbirro.

  52. Para a besta quadrada das 9:28 vai o recado de que não compensa ser aldrabão, usando o livro de Brian Rigg como arma de arremesso.
    Concedendo razão na ponto relativo ao facto do exército nazi ter incorporado judeus “100%” e não apenas judeus “mischling”, no demais, o trabalho do historiador norte-americano não serve de argumento desqualificativo do comentário feito sobre as declarações de lavrov.
    Porque Brian Rigg não prova, nem pretende provar a ascendência judaica de hitler, explicitamente afirmada por lavrov.
    Porque Brian Rigg não prova, nem pretende provar a equivalência entre sionismo e nazismo, implicitamente afirmada por lavrov .
    lavrov disse que alguns dos piores antisemitas são judeus. De facto, existiram e existem antisemitas entre os judeus. Vários deles distinguem-se nesse ódio a si próprios (Marx, Otto Weininger, Lessing, Chomsky, etc.). Como existem antisemitas noutros povos, incluindo entre criaturas do quilate da besta quadrada das 9:28 e do próprio lavrov.
    Também não é lícito usar o estudo de Brian Rigg para contestar o facto de que a norma da relação entre o regime nazi e os judeus não foi a da integração, apesar do exemplo dos militares nazis judeus.
    Pelo contrário, o que prevaleceu sob o regime nazi foi a expulsão, segregação, confinamento, deportação e eliminação de judeus, incluindos os familiares daqueles soldados.
    Intelectualmente desonesto, a besta quadrada das 9:28 pertence ao rebanho do antisemitismo hipocritamente disfarçado de anti-antisemitismo.
    É um desses imbecis que se julgam originais na inteligência e privilegiados na lucidez, quando, na verdade, não passa de fotocópia de ilustres personagens da merda ideológica nazi-facho-comuna importada do estrangeiro.
    Tenha essa merda o nome de faurrisson, de soral, de garaudy ou de chomsky, ou ainda qualquer outro nome da puta que os pariu, o certo é que aquilo que os une é um santo ódio a tudo o que lhes cheire a judeu, ódio esse disfarçado sob a capa do antisionismo radical e do pró-palestinianismo oportunista. E, para cúmulo, antisemitas que dizem ser anti-antisemitas

  53. superfacho, amigo facholas, facholino,

    aviso-te já que parei de ler aqui:
    “Concedendo razão na ponto relativo ao facto do exército nazi ter incorporado judeus “100%” e não apenas judeus “mischling”,”

    para quê mais este lençol de treta?
    foi tudo só pra me dares ainda mais razão e admitires que não passas de alguém intelectualmente desonesto que aqui anda em campanha propagandística sem qualquer interesse ou cuidado com a veracidade daquilo que propaga?
    escusavas de te ter incomodado, querido

  54. O motivo porque o imbecil das 16:15 não vale a ponta dum corno reside no simples facto de que, por culpa própria, é demasiado cobarde para assumir que é hipócrita e demasiado hipócrita para confessar que é cobarde.
    Um hipócrita de conversas fiada e armado em sabichão, mas que é ignorante a tresler o que os outros escrevem. .
    Um cobarde que disfarça de anti-nazismo a anti-sionismo o seu ódio aos judeus.
    Um hipócrita que se está a cagar para os palestinianos, porque mais do que o desejo de existência do Estado Palestiniano, o que quer é a inexistência do Estado de Israel.
    “aviso-te já que parei de ler aqui”, escreveu o imbecil. Compreende-se a mentira. É o que querem fazer crer os hipócritas, quando são cobardes demais.
    Passa bem, querido cagalhão.

  55. O gajo pode ser condenado a 15 anos de prisão! Isto só mesmo na Moscóvia, tá-se mesmo a ver! Ora toma que é democrático!

    https://swentr.site/russia/555441-riga-flowers-memorial-ukraine/

    Extractos:

    “Three criminal cases and 20 administrative ones have been launched against people who laid flowers at the World War II memorial in the Latvian capital, Riga, on May 10, the police said on Friday. A young man who brought Russia’s national flag to the monument to Soviet soldiers has been charged with justifying genocide, crimes against humanity, crimes against peace and war crimes.
    In video clips uploaded online, he was filmed addressing the crowd on the importance of remembering and celebrating the legacy of those who gave their lives in the battle against the Nazis, and urging the people not to be afraid to voice their stance. Alexander Stefanov’s mother confirmed to news agency Sputnik that her son had been detained. She also said that Latvian law enforcement officers had arrived to search her home. The charges Stefanov faces could carry up to 15 years behind bars, according to the Baltic nation’s laws. Several other people who came to the monument have been accused of resisting the police.”

  56. https://swentr.site/russia/552299-latvia-nazi-march-ukraine/

    Extracto:

    “Hundreds of people marched in the Latvian capital Riga on Wednesday to honor their compatriots who fought alongside the Nazis during World War II.
    Around 200 demonstrators carried the national flags of Latvia and Ukraine, as well as flowers that were laid at the foot of the Freedom Monument in the city center.”

    Ora toma que é democrático!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.