Não digam que não foram avisados, digam que têm o que pediram

Um dos efeitos da crise global, que acabou por condicionar todo este ano de 2010, foi a séria crise de confiança que se abateu nos mercados financeiros sobre as dívidas soberanas dos países do Euro. Esta situação, sem precedentes na União Europeia, levou à subida injustificada dos juros, e afectou todas as economias europeias. Basta, aliás, ver o que passa lá fora para se compreender a dimensão europeia desta crise que a todos afecta embora a alguns países de forma mais intensa.

A verdade é que todos os governos europeus tiveram este ano de fazer ajustamentos nas suas estratégias e tiveram de adoptar medidas difíceis e exigentes, de modo a antecipar a redução dos seus défices como forma de contribuir para a recuperação da confiança nos mercados financeiros.

O Governo português tomou as medidas necessárias para enfrentar esta situação. Com confiança, com sentido de responsabilidade e com determinação. Definiu metas ambiciosas para 2010 e 2011 que vamos cumprir. O que está em causa é da maior importância. O que está em causa é o financiamento da nossa economia, a protecção do emprego, a credibilidade do Estado português e o próprio modelo social em que queremos viver.

Sócrates, Natal de 2010

*

Em 2010, com um Governo minoritário por escolha da oposição e do Presidente da República, o primeiro-ministro ao tempo apresentava um diagnóstico da situação que foi apropriado pelo actual Governo logo após a tomada de posse. Igualmente anunciava que estava disposto, apesar da fragilidade política do seu Executivo, a tomar as medidas de ajustamento que se impunham pelo contexto. E deixava claro que o Estado social ficaria ameaçado caso o País não se unisse na sua defesa. O tal país, 3 meses depois, fez exactamente o contrário e entregou-se nas mãos daqueles que, à mistura com as maiores mentiras alguma vez ditas em campanhas eleitorais, já tinham deixado todos os sinais de se quererem vingar do 25 de Abril.

Como é que foi possível premiar com o poder tamanha violência e incompetência do casal Passos-Relvas? Como é que PCP e BE puderam alinhar com tal plano? Como é que os social-democratas e democratas-cristãos que existam em Portugal se deixaram ficar num silêncio cúmplice?

A miséria maior em Portugal é a da inteligência.

46 thoughts on “Não digam que não foram avisados, digam que têm o que pediram”

  1. Resumo: o país é responsável pelo desmantelamento do Estado Social por não ter acreditado no PEC IV (4 em um ano) e a maioria não ter votado no PS de Sócrates nas eleições que se procederam. Certo?

  2. Zé,
    o sistema somos nós, passe o cliché. Qual é a tua parte de responsabilidade na matéria que não queres aceitar? Lição nº1 do manual básico de democracia: quando escolhes, ficas co-responsável pelo resultado da escolha. Vendo bem, isto nem tem a ver só com a democracia, tem a ver com a vida. Se não se fica satisfeito com o resultado, há que criar uma alternativa, em vez de andar com a conversa de que a culpa foi do passado. Chama-se maturidade (pessoal, cívica, política).

  3. Sócrates -> mais um corrupto/saqueador para a colecção…

    Está montado um esquema mafioso:
    – SAQUEAR OS CONTRIBUINTES PARA DAR A AGIOTAS.
    .
    -> Os contribuintes são saqueados [e são feitos cortes no Estado Social]… para… pagar juros a agiotas!
    {Blog POLITEIA: «E a primeira alternativa que temos de pôr em prática é a erradicação da OBSCENA VERBA de mais de 9 mil milhões de euros – que está inscrita no Orçamento de Estado – para pagar o serviço da dívida… tem de ser substituída por uma verba incomparavelmente menor.»}
    .
    -> Pagar juros a agiotas (PPP´s e não só…), nacionalização de negócios ‘maddofianos’, etc… quais «Greves Gerais» qual carapuça… o Contribuinte tem é que reivindicar MECANISMOS PARA AUTO-DEFESA!
    .
    .
    Exemplo 1: Blog «fim-da-cidadania-infantil» – Direito ao veto de quem paga, vulgo contribuinte.
    .
    Exemplo 2: PRECISA-SE de governantes que possuam a capacidade para governar… sem… saquear os contribuintes! -> eles devem assumir este compromisso… assim sendo: emissão de dívida pública… só mediante… uma autorização obtida por meio de um REFERENDO!
    .
    Exemplo 3: A Islândia conseguiu colocar um travão nos Credores-esmifradores:
    Islândia: a revolução censurada pelos Media, mas vitoriosa!
    -> Consultar o know-how islandês poderá ser muito útil para colocar um travão no esquema mafioso: «saquear os contribuintes para dar a agiotas».

  4. @edie, obviamente que o primeiro comentário era só demonstrar a imbecilidade do post aqui em destaque. A conclusão que fiz do post é a correcta (subscrita pelo irrealista autor). Tem sentido, num mundo ficcionista.

  5. hummm, acho que não respondeste à minha pergunta. No mundo real, consideras-te de alguma forma responsável pela escolha que nos levou até aqui?

  6. oh zé! assume-te, em quem é que votas? deves ter vergonha de dizer que és comuna, recalcamentos da clandestinidade. tás à vontade que eu não te vou perguntar o que defende o comunismo ou para que é que serve o partido comunista.

  7. Que anticomunismo primário, ignatz. Se pedires com jeitinho eu respondo-te com todo o prazer (ao contrário de ti que foges de perguntas sérias como o Gaspar do crescimento).

  8. Zé,
    agradeço a resposta directa.
    Mas, se me permites, considero que certas omissões são tão responsáveis como os votos expressos. É o sistema: o facto de deixares passar pelo silêncio não invalida o facto de deixares passar. “Por omissão” entendo que não votaste em nenhum partido, claro.

    (e estou com o ignatz, não sei porque é que ser antifascista é bem conotado e ser anticomunista é uma cena “primária”.Dado que os resultados práticos, em termos de desrespeito pelos direitos humanos e liberdades básicas é idêntico, porquê fazer a diferença?)

  9. PEC 1/2/3 Aprovado com os votos a favor do PSD E PS Votos contra PCP E BE
    PEC 4 Reprovado com os votos contra do PSD do PCP e do BE
    Para os distraídos, foram só os partidos da União Nacional dos Tachos que se desentenderam, contrariamente aquilo que os contadores de histórias deste blog inventam.
    Só não vê quem é loiro.
    Papagaio é claro.

  10. oh matarratos! tamos fartos de saber que a comunada vota sempre contra, é assim na discussão dos presentes cortes como foi no passado quando se votaram os direitos que agora se retiram. arranja lá um exemplo em que esses inutéis do pcp e do bloco se tenham juntado ao ps para tramar a vida à direita, não há, ou melhor, houve em tempos remotos uma coligação na câmara de lisboa que acabou por ambição desproporcional dos mesmos de sempre. nem a papagaio chegas, quanto muito leitor de k7s que embrulham a fita.

  11. DE quem são os 2 milhões de votos conquistados com mentiras? Os votos existem e foram contados. Esse é o problema. Os votos não se deslocam por si. E diziam os trambolhos que o PEC IV era mau…Safa!

  12. O PS se quisesse mostrar que o PCP e o BE se tinham enganado ao chumbar quatro PEC seguidos, teria votado contra as alterações do código trabalho do PSD e do CDS-PP ou deixado de viabilizar o OE 2012.

    Ao votar mais uma vez ao lado de quem lhes viabilizou os PEC I, II e III mostrou bem quem defendia o quê. O PS que deixe de tentar condicionar o voto dos partidos da esquerda, quando toda a vida governa com os votos dos outros. C

    resçam que são um partido com 40 anos e bem que podiam governar sem a desculpa de que os outros é que são maus e empurram o PS para os braços do primo. Que eles nem queriam. Deixem de portar-se como a adolescente ofendida que se vinga dos alegados amores não correspondidos metendo-se na droga e no sexo com tudo que é bicho-careto lhe aparece à frente.

    Ignatz, deixa de ser parvo e de exigir saber dos outros onde é que eles votam. Acaso queres fazer as vezes dos bufos de outros tempos? Precisas de mais para perceber que votam onde quiserem e não onde tu os queres etiquetar? É que há tomadas de posição que não nos pagam os almoços, posso garantir-te com experiência própria.

  13. Vamos lá falar objectivamente.

    Há e sempre houve duas estratégias possíveis: uma que defende a reconquista da confiança dos mercados financeiros (ou seja, agradar aos credores, pagando a dívida custe o que custar). Esta via foi defendida por PSD, CDS e pelo PS, pelo menos até Setembro de 2012, até ao momento do célebre discurso de Passos sobre a TSU. Depois disso tem reinado alguma confusão e até descrença de alguns sectores desses partidos (basta ouvir Pacheco Pereira e António Costa).

    A segunda estratégia consiste em partir para o confronto com os mercados financeiros, forçando-os a uma reestruturação da dívida que eles não querem fazer, mas que nos possa ser vantajosa. Uma reestruturação que, por exemplo, permita a recuperação do mercado interno com base numa desvalorização cambial e no incentivo à produção nacional. Esta estratégia foi defendida pelo BE e pelo PCP a partir do primeiro PEC.

    Seria pois contrário à democracia vir exigir dos partidos que foram às eleições de 2010 com um certo programa (e que no caso do BE até foram penalizados com isso) que em seguida traíssem os seus eleitores apoiando políticas (o PEC 4) contrárias à plataforma eleitoral votada pelos seus eleitores. Parece-me que isso seria anti-democrático.

    Já o PSD, esse partido sim, tem largas culpas neste deselace. O PSD apresentou-se ao eleitorado como apoiante da solução de tentar reconquistar a confiança dos mercados. Ao chumbar o PEC 4, o PSD traiu o seu eleitorado, pois provocou um problema político que arruinou o resto da confiança dos mercados em Portugal, tendo provocado a intervenção externa e, na minha modesta opinião, tornado virtualmente impossível a solução de agradar aos mercados. Basta olhar para o tombo (aparentemente irreversível) das notações das agências de rating para perceber isso.

    Estou à vontade para dizer isto, porque não pertenço a nenhum desses partidos. O PS, para poder enfrentar os credores, precisará de recorrer a ameaça credível; portanto, não seria descabido ter alguns ministros (incluindo um Secretário de Estado, no Ministério das Finanças) da área do BE ou do PCP. No caso do tal Secretário de Estado, poderia ser um independente conotado com essa área.

  14. o ps assumiu o compromisso de cumprir o memorando da troika.Admito,que mesmo assumido se fosse o ps a executa-lo algo podia ser alterado. quizeram a direita ai a têm.ouviram o marques mendes? espero que sim,para prepararem a proxima manif. a extrema esquerda gosta de levar no lombo e depois grita” ao da guarda”. a minha maxima é esta: o optimo é o inimigo do bom,a esquerdalhada, não quer uma coisa nem outra.hoje não tive um sonho! mas um pesadelo.Os meus netos,depois de derrotada a democracia,vão viver em ditadura,mas de direita.O que vi ontem (pouco) em frente ao parlamento,foi lamentavel.querem derrubar o governo para quê? vão para o poder? sabem se o ps vai sem maioria?como vos conheço.portugal quando virar à esquerda do ps,toda a europa nos boicota,tal como fez no governo de vasco gonçalves que apoiei inicialmente e por essa razão,estive no seu maior comicio na av. dos aliados no porto.

  15. jorotazana,os partidos dos tachos (nas cada vez menos autarquias do pcp não são tachos mas panelas!) desentenderam-se,e os “defensores da classe operaria,como não sabiam no “alto da sua ignorância” o que vinha a seguir, votaram com eles. e os trabalhadores pá?como ficaram pá?diz-lhes-lhe falancio! vou-me repetir:a democracia é para democratas e o pcp não é um partido democratico! apareceu como outros nas sociedade europeias e em outras latitudes não para combater os regimes, vigentes mas para expandir o comunismo social fascista como se viu, a pedido de lenine,quando organizou a expansaõ das suas ideias a nivel internacional graças aos fortes subsdiospara os vendedores de” banha de cobra”.desmentir isto não é facil,a pratica dispensa quaisquer consultas.

  16. ignatz deve de querer dizer ignorante.
    A obra prima do PS chama-se UGT, a partir dai bem podes vir dares lições da tua democracia.
    jojoratazana, apenas por viver no meio de tantos ratos como tu.
    matarratos? tem alguma coisa a ver com o Largo de Rato?

  17. joaopft, o argumento de que o BE e o PCP teriam de votar contra o PEC IV por terem votado contra os anteriores e/ou por tais medidas irem contra os seus programas e/ou ideologias corresponde a reconhecer que BE e PCP puseram Marx na gaveta.

    De facto, à luz da doutrina marxista, a construção do socialismo implica uma relação dialéctica com o presente, a qual deixe o partido marxista em causa capaz de escolher o melhor caminho perante as reais circunstâncias que se lhe apresentam no todo político. Nesta lógica, pode perfeitamente ser admissível dar um passo para o lado, ou mesmo um passo para trás, com vista a poder dar dois ou mais passos para a frente a seguir.

    Era este o dilema perante o PEC IV: alinhar com o PS ou com o PSD e CDS? As duas decisões teriam consequências muito diferentes. PCP e BE escolheram sacrificar os pobres e os trabalhadores que alegam defender.

  18. “Era este o dilema perante o PEC IV: alinhar com o PS ou com o PSD e CDS? As duas decisões teriam consequências muito diferentes. PCP e BE escolheram sacrificar os pobres e os trabalhadores que alegam defender.”
    Ai sim? E em medida é que isso seria melhor do que aquilo que se tem hoje, para os pobres e trabalhadores? É que a mim parece-me que tinha os mesmo cortes sociais e auemntos de impostos que se tem hoje

  19. Olha Val o que aconteceu se ainda não percebeste, é que o PSD e o CDS escolheram votar com os comunistas.
    Porquê?
    Olha pergunta aos donos dos PS e do PSD que por acaso são os mesmos, se ainda não sabias é porquê ainda não entendeste, a realidade da cleptocracia, que tomou conta de Portugal.
    Já agora olha um peixe voador olha outro, onde?
    Já passaram estavas distraído, como muitos que por aqui navegam.

  20. “A miséria maior em Portugal é a da inteligência.”

    Da inteligência do PS e do PSD quando decidiram que Portugal estava pronto para aderir à moeda única. O resultado está à vista.

  21. oh metenojo! matarratos eram uns cigarros que a comunada fumava no advento da democratização do dunhill que a social democracia lhes proporcionou, porque antes chupavam barbas de milho. a ugt pode ter muitos defeitos mas é democratica e responsável, já a cgtp é comandada pelo partido comunista e a responsabilidade resume-se aos tempos de antena à porta da concertação social.

  22. oh joão! se calhar querias que aderir ao pacto de varsóvia, só te safas no ebay ou num antiquário de pins para turistas em moscovo.

  23. Já a prosperidade que o PS em comunhão com o PSD anunciava decorrer da entrada no euro nem num antiquário vai ser possível encontrar. Agora estamos obrigados a aguentar com essas tretas, a pagar por elas.

  24. jõao,depois de teres levado com um tijolo do MURO DE BERLIM,na tola,nada mais serve para ti! com tanta tristeza, só te resta o suicidio!

  25. Nuno CM, o muro de berlim caiu, mas o nuno e outras pessoas que andam por aqui, não se deram conta que o centrismo e a flexibilidade morreram.É altura de voltar á socialdemocracia plena.Uma esquerda forte

  26. RR és social democrata? otimo eu tambem sou. Só que hoje a social democracia plena nos paises nordicos já não é a mesma coisa. estive em gotemburgo tres vezes e deu para ver as diferenças.RR, chegares à social democracia atraves do bloco,é muito dificil,mesmo com daniel oliveira a desejar depois de ter andado para varios caminhos.O engraçado é que nunca ouvi falar-se tanto no arrastão na social democracia depois dessa declaraçao do Daniel.RR continua, pois vamo-nos encontrar certamente,mas nunca ao lado do jeronimo do jeronimo do pcp.

  27. Nuno, não nos encontraremos ao lado de jornimo, mas não tenhas duvida que para o ps e a socialdemocracia existirem, é preciso rejeitar o centrismo e o liberalismo completamente.Voltar ás raizes

  28. Eh pá!!!! que isto hoje está cheio de digníssimos representantes desse farol da classe operária, o dos amanhãs que cantam.
    Val, que tal organizares um jogo de futebol, ou melhor neste caso, de matrecos, entre a “nossas” arrastadeiras e as arrastadeiras laranjolas do Câmara Corporativa?
    Nããã….., é capaz de não ser boa ideia, que depois passavam o jogo a chutarem para o mesmo lado e aquilo não tinha graça nenhuma.
    Ah, e Val, vou-te mandar a ratoeira e um saquinho de Racomi-Isco, que a ratazana anda aí outra vez.

  29. “jõao,depois de teres levado com um tijolo do MURO DE BERLIM,na tola,nada mais serve para ti! com tanta tristeza, só te resta o suicidio!”

    Enfim, vejo que continua convicto que fizemos bem em entrar no Euro. Não importa que o país se afunde, o que importa é que somos fundadores do Euro – enfim, manias soaristas, de ser fundador disto e daquilo, que nos custam a independência e a economia. Mas é assim, tudo o que o país poder fazer para agradar ao sr. Soares, esteja à vontade, é só pedir.

  30. Irmãos em verdade vos digo que os camaradas e camaradinhas do PCP e BE sempre souberam como acabava esta história. Talvez não pensassem, do alto do seu complexo de superioridade de classe, que a coisa tivesse sido feita com um tão grande grau de eficiência e de forma tão rápida.
    Irmãos em verdade vos digo que bem podem o avô Jerónimo e o beto Louçã arengar ás massas sobre os malefícios destes criminosos por eles aritmeticamente colocados no poder rasgando as vestes, que ninguém lhes tira a honra do grande contributo que também deram para este estado de coisas.
    Irmão em verdade vos digo que aqueles que apostaram, e continuarão a apostar, no quanto pior melhor perderam toda a credibilidade e continuam a encher a boca com a miséria dos mais pobres de todos nós.
    Se se concretizar a destruição do estado social, como tudo leva a crer que sim. Se se concretizar a pauperização de grande parte da sociedade portuguesa, com prestável conivência daquela coisa que habita lá para os lados de Belém e com o uso de uma mais bem orquestradas campanhas de imprensa e televisão jamais vista cá na aldeia (idas consecutivas do Van Zeler, Paulo Teixeira Pinto e outros próceres do Compromisso Portugal aos noticiários do horário nobre), talvez só superada por aquela outra que levou á demissão de Sócrates. Então irmãos, em verdade vos digo que a esquerda malandreca e a direita trauliteira atingiram os seus objectivos ( objectivos com c) e das cinzas sairá o homem novo. Só que não será o homem novo do camarada Jerónimo ou do camaradinha Louçã. Será sim o homem novo sonhado pelos andiantados mentais do Gaspar e Borges.
    Como se diz no meu bairro, podem limpar as mãos á parede com o trabalho que fizeram.
    Irmãos, atento e venerador enquanto aguardo ansiosamente o dia dez ( que é quando cai na Caixa a minha choruda pensãozita e o complemento de dependência da minha quase centenária mãe, também ela multimilionária) sou de todos os senhores
    Jafonso

  31. “Levou à demissão de Sócrates”? Sócrates não foi demitido. Demitiu-se. Não quis elaborar um outro pacote de estabilidade e crescimento com a esquerda, preferiu chamar a troika.

  32. “Não quis elaborar um outro pacote de estabilidade e crescimento com a esquerda, preferiu chamar a troika.”

    mal alguém alguma vez conseguiu negociar alguma coisa com essa esquerda de que tu falas? nem entre eles se entendem, quanto mais com o ps. acho que houve uma vez um encontro do gerómino com o louceiro, mas nem sequer divulgaram do que é que trataram.

  33. Irmão João, cheguei mesmo agora do convívio da Junta de Freguesia de Alcântara, local onde lanchei uma papinha Cérélac, passe a publicidade, e aqui estou a responder-te, depois, claro, de ter lavado a placa.
    Irmão, nos caminhos do Senhor, está bem de ver, só uma alma pura e cândida como tu é que pode acreditar que com semelhantes criaturas é possivel algum diálogo. E não é porque á partida ele está inquinado. Olha que eu sei do que falo. Foi assim antigamente e é assim hoje. Foi assim nas mais variadas instâncias do poder democrático e ainda é assim hoje, como o demonstra esta tarde a atitude da D. Rosa, empedernida comunista da CDU, quando se recusou a partilhar comigo o pauzinho de canela que tinha no “mingau”, alegando que era devido a fascitas como eu e à permanente aliança do PS com a direita que já andávamos a comer aquela papa há três dias.
    Como afirma acima o Irmão Ignatz, o gerónimo e o louceiro nunca se entenderam entre eles, quanto mais com o PS. Durante estes últimos quase quarenta anos há muitas provas que sustentam esta minha afirmação e nas mais variadas conjunturas. Na altura ainda o Camarada Bernardino devia assistir à Rua Sésamo de bibe branco com o lenço vermelho de pioneiro no seu alvo pescocinho rechonchudo, de mãozinha dada com o Mini-Mendes, chocando no seu intelecto a admiração que de antemão sabia ir votar a esse grande prócere da democracia que deu pelo nome de Kim Il Sung.
    Irmão João, nos caminhos do Senhor, está bem de ver, a tua boa-fé faz-me lacrimejar. Vou orar por ti amanhã, na missa das oito que tem lugar na Igreja de Alcântara. Se quiseres aparece que sempre é mais mais um para se juntar às preces matinais.
    Entretanto façamos votos que o camarada gerónimo (Irmão Ignatz dixit) volte para o congelador e o camaradinha louceiro (Irmão Ignatz idem) para a “dificuldade de ecomomia”, sem subsídios ou reforma como não se cansa de propalar e assistam orgulhosos à bosta que ajudaram a criar. Oremos ao Senhor.
    Respeitosos cumprimentos
    Jafonso
    PS: Aguardemos hoje pela porqueira do Crespo para ver qual é o artista do “Compromisso Portugal” que hoje lá desempenha o seu número.

  34. Aguardemos sim pela prosperidade que o PS dizia vir com a entrada na moeda única. Mas puxemos um banquinho, ou melhor um sofá, porque a espera não tem fim à vista. Como é apanágio do PS e do PSD hoje querem fazer-se de despercebidos das responsabilidades que têm quando a entrada no euro se mostra hoje desastrosa, querem fazer com que não seja nada com eles, querem fazer com que não seja lembrado que quem vendeu ao povo a ideia da maravilha que era a moeda única foram o PS e o PSD. Lembremos que PS e PSD não quiseram nunca referendar a entrada na moeda única e que, portanto, são os maiores responsáveis pelo desastre que essa decisão está a trazer ao país.

    Tudo o que tem a ver com os constrangimentos que a moeda única nos coloca, inclusive o de ter uma troika a mandar no país, é da responsabilidade do PS e do PSD, esses aliados de longa data na partilha do pote, essas fábricas de boys e de ex-ministros que vão enriquecer em empresas que anteriormente caiam sobre a tutela de seus ministérios.

    Não me admira que a sua resposta anterior não consiga ser mais do que tentar ser engraçado, digo tentar porque não chega a conseguir; é que para se ter graça em política é preciso ter alguma substância e o caro jafonso está em falta dela o que não é de admirar vindo do partido de que vem que hoje se entretem em encenações de estadista a trocar cartinhas com o passos coelho.

    Quando você falar do Jerónimo lembre-se do líder do seu partido de seu nome antónio josé seguro e tire um momento para apreciar bem a figurinha…quem é antónio nunca chega a Jerónimo por muita papa cerelac que coma.

  35. oh meu! quem é que compaticipou o desenvolvimento de portugal nos últimos 20 anos? não me vais dizer que está tudo na mesma desde o prec, quando trocávamos rolhas e moldes por tractores belarus com a urss para lavrar a reforma agrária. comparar o trabant gerómino e o fiat tozé é negar o progresso técnologico na industria automóvel, sendo ambos uma merda, o último polui menos a vista, o ouvido e o ambiente.

  36. Irmão João, em verdade de te digo que essa do “do vindo do partido que vem” é toda ela bem elucidativa de um canhestro modo de pensar. Que sabes tu irmão do partido de que venho, ou se tenho algum partido? Realmente o Tó Zé, o Zorrinho e alguns mais não são grandes espingardas, são até muito fraquinhos. Mas há lá outros, certamente enganados, que não desdenharias, confessa lá, ter na tua congregação, depois de naturalmente passarem alguns tempos nos cárceres da Santa Inquisição e saírem em procissão com o infame Sanbenito dos Estaus para a Soeiro Pereira Gomes. Efectivamente alguns deram piruetas para o pote. Mas que dizer do Pina Moura, essa grande esperança da luta de massas, da beta Zita hoje curtindo penitências e água-benta enquanto edita livrinhos e de outros camaradas, convertidos ás infames delícias do capitalismo, que não recusaram o aceso ao tacho num maravilhoso salto-mortal? Por muitas voltas e dialéctica que uses não consegues iludir um facto, lançaram a bosta para o ventilador, foram cúmplices do acesso desta criminosa gentalha ao poder. E além disso, como dizia o Irmão Francisco José numa velhinha canção dos idos de sessenta “cartas de amor quem as não tem?”. Basta ver o “tête a tête” entre o reciclado Pina e o adiantado mental do Braga de Macedo para confirmar a asserção anterior.
    Irmão, por mim o assunto está encerrado. Não te amofines, amanhã rezarei por ti na Igreja de Alcântara.
    Respeitosos cumprimentos
    Jafonso

  37. Jafonso, não deixa de ser curioso que o único PEC em que você (s) se centra(m) é no PEC que não foi, nunca falam dos PEC que foram – e foram com os porcos, se me permite a expressão um pouco rude, quer dizer, todos eles sucessivamente falharam. Agora querem convencer que o PEC IV é que era. Porém já se vê que dentro do caminho que o PS escolheu a troika era inevitável e portanto, uma vez que foi um caminho que o PS escolheu, não havia razão nenhuma para o PCP se colar ao PS. O interesse do PCP não era acompanhar o PS até à chamada da troika uma vez que não teve voz nas decisões do governo PS. O PCP estava sim interessanto em parar com esse caminho dos PEC e encontrar uma saída diferente, para cuja as orientações estão no seu programa. O PS não quis negociar com o PCP, não quis aceitar as propostas de fundo do PCP, quis seguir o seu próprio caminho – ora, é legítimo que o faça mas não pode vir depois queixar-se do PCP. Se escolheu o seu caminho sem considerar as propostas do PCP o PS e não o PCP que responda por ele. Não esqueça, digo novamente, que foi Sócrates que se demitiu.

    Cumprimentos.

  38. joão,só agora vi que respondeste ao meu texto.dizes que o problema de portugal é a inteligencia. tens razaõ,mas confessa que o teu contributo para alterar este estado de coisas é zero,ao apoiares politicas que ruiram por grande parte da europa e apodrecem em cuba e na coreia.Quanto a eu não reconhecer que fizemos mal em adrir à UE,tenho-te a dizer que prognosticos à segunda-feira saõ faceis! mas pergunto ficavamos isolados ou não se não tivessemos entrado? lá que me fales em não termos aderido ao euro, como a inglaterra suecia e outros,poderei estar contigo desde se acabessem com os especuladores da moeda.João,nós não sabiamos quando aderimos, que esta crise (temporaria?) ia acontecer,mas tu companheiro do aspirina, estás a querer para portugal e para os teus filhos, tristes regimes que implodiram” mesmo nas nossas barbas” o que é bem pior.Nota: se tambem fores” social democrata” do bloco retiro o que disse.

  39. Prognósticos à segunda-feira?

    O PCP dizia em 1996:

    “A verdade é que, como o PCP tem
    afirmado sem contestação possível, o cumprimento
    acelerado dos critérios de Maastricht, significará
    não apenas acrescidos sacrifícios e dificuldades
    no ano de 1997, mas também nos anos de 1998 e 1999, até
    à criação da moeda única, e também
    depois da sua criação.

    A verdade é que, como o PCP tem
    afirmado sem contestação convincente, é que
    o facto de Portugal vir a participar no núcleo inicial
    da moeda única, longe de lhe dar qualquer especial papel,
    peso ou influência na construção europeia,
    torna-o sim ainda mais prisioneiro da política neoliberal
    e mais amarrado e atado às inspirações, ditames
    e interesses dos países mais desenvolvidos da União
    Europeia.

    A verdade é que, como o PCP tem
    afirmado sem refutação, é uma profunda insensatez
    supor que passar a ter, de forma absolutamente artificial, uma
    moeda forte, é o grande remédio para um país
    com uma economia fraca e atrasada do ponto de vista relativo.

    E é um acto de cegueira política
    não querer perceber que a sujeição às
    políticas únicas monetária e cambial já
    impede hoje, e impediria no futuro, que a economia portuguesa
    cresça a um ritmo substancialmente mais rápido que
    a da média comunitária, o que significa o abandono
    de qualquer perspectiva seria de convergência real.”

    http://www.pcp.pt/interven%C3%A7%C3%A3o-de-abertura-do-xv-congresso

    – Quanto ao mais, revejo-me nas propostas e orientação que constam no Programa do PCP.

  40. oh joão! esqueceste a dentadura do proletariado, agora, graças ao corega, o gerómino já pode alarvar em público. se tiveres números antigos do avante, em papel bíblia, troco por manifesto do partido comunista em banda desenhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.