15 thoughts on “Indústria da pulhice”

  1. A pulhice e desvergonha é tal que o melhor é ser sintético:

    Somos nós todos que estamos em causa por suportar esta pouca vergonha. Não nos esqueçamos que há um ano era o Belémgate. Eo pior é que somos supinamente estúpidos. Com a cantiga de que a justiça não presta (e lá muito boa está longe de ser) abrimos a porta à caça às bruxas. Quem é o próximo a linchar? Sim, porque tá-se mesmo a ver que o Fernandes Zé Manel, mais o Palma, mais o Crespo são o nec plus ultra da Justiça.

  2. Portantos, o socratese é inucente, kerem é trama-lo.Ele tamem bai a pedir indeminizacaoe ao Estado, carago? Bejam lá, meterem-se cum homem inucente. Olha a sorte dele num sere do Iraque, já o tinham inforcadu.
    Em tamém acradito que Keram tramare o Socratese, ele é um granda manistro, é buracu, sobre buracu.Os panaskas bãoe todos butare nele,o pior é Kem purtugal, kase ninguém é panaleiro, caragu.

    o gajo da PGR tamém é muita purreiro, pá, e prático cumo o caraças. Cum ele nem há prascriçõese pá, ele arruma logo as coisas antes de tempo.

  3. Tou-te a ber,tou-te.precisas de umas latadas e para rematar um rabinho de arraia,pra ver se amanssas e deixas de ser paral.vai ficando por aí,pelo Porto,não te aprochegues cá dos Mouros se não sais de cá com um andar novo.

  4. Muito bem, grande AL´Garvio. De muitos como tu é que este país precisaria para calar a boca a estes miseráveis “tou-te a ber” e quejandos que apostaram em dar-nos cabo do juízo. Mas … no passaran! no passaran!

  5. Pois, acontece que se lhe dás um andar novo, eu dou-te outro e muito mais engraçado, tás a ber, num tás?

  6. Ké que foie ó Algarbio? Vai cumer figos e comer amendoas à beira de um poço a ber se encuntras aí uma moira encantada que te dê biagra e páras cum a parapiçamole. Já te disse pá cu teu male é seres algarbio. Dubido que me dês latadas, oube lá quem tas doue sou eue e num preciso dire aie. Pra já tens os tomatitos escondidos debacho das prateleiras, kisso num são pneus. Depois de tão gordo kès, largas os bofes assim ka lebantares a primeira patorra, tás a ber, num tás.

    E tu ó Aniperra, ké que tu keres? Miserabel és tu que num bês e achas que bês ao lonje, à long terme, tás a ber? Kale juízo, mas tu num tens juízo, tu tens é mijo,

    Ó claudia bem cá destrinçare as palabras homonimas das homografas e as do caraças. Tás aber.

    Olha o el cabron do algarbio a mater-se cumigo, faço-te um furo aí na cabeça pra ber se te entra ar e pensas melhor ó mouro de Marrocos. Vai montar no porco.

  7. Ó tou-te a ber,
    Não aprecio linguagem excessiva e, muito menos, sou capaz de a usar, mas farto-me de rir com alguns dos seus comentários. Não precisa de dizer palavrões para fazer humor, aliás, para mim, os seus comentários com mais piada são os de linguagem mais contida que, embora dirigidos a alguns frequentadores do blog, não rossam a má educação.
    Fazer rir não é para todos.Obrigada por partilhar connosco essa capacidade de brincar com as palavras, mas faça-o com dignidade!

  8. Ex.mª. Ana,

    Apresento-lhe as mais sinceras desculpas se a melindro com a linguagem dita excessiva.

    Por favor, lhe peço, porém, não tente moralizar o que não precisa de ser moralizado.

    A liberdade, a dignidade, até o humor ou o fazer rir, são conceitos muito subjectivos; a educação tem muitas vezes de ceder ao linguajar menos adequado para se transmitir o que na verdade queremos transmitir. Em nenhum momento perdi a dignidade, muito menos a educação, e se lhe trouxe um momento de boa disposição, então valeu a pena aparecer por aqui e «lançar» aquilo que menos se espera ler ou até reflectir.
    Até eu me rio, pois nada tenho que ver com o personagem «tou-te a ber».
    Note, porém, que até o ser humano menos instruído e, por isso, useiro e vezeiro na linguajem que qualifica de excessiva, consegue ser mais digno do que o «elegante», o «bem falante». O nosso país, perito nas maiores escandaleiras jurídicas e outras, é uma fonte de recursos dessa ordem. Um dia alguém apresentava um «grande» para defender outro «grande» acusado de algo monstrusoso. «que não, que não era possível, aquela pessoa ser acusada de algo tão feio, pois era uma pessoa de bem».Todos falavam tão bem, enrolando adjectivos e juízos de valor sobre o «pequeno» que se atrevera a causar o «grande». Que se visse e constatasse: o grande fazia parte da Elite. O pequeno era plebeu, mexilhão de rocha, agarrado à mediocridade. Não tinha dignidade.
    Tudo errado, Ana!

    Tive já oportunidade de o referir aqui: há menos mal num sucedâneo de palavrões sem nexo e mal articulados, do que numa frase composta como manda a educação considerada como tal pela maioria na sociedade civil.

  9. Tou-te a ber,
    não precisa pedir desculpa, pois nunca me senti melindrada com os tais comentários excessivos uma vez que não foram dirigidos à minha pessoa. Pelo contrário, o que escreve é, quase sempre, para mim, causa de gargalhada. Aliás, um dos motivos por que “espreito” o blog é na busca do sentido de humor, para coisas sérias já basta o dia-a-dia. Fique bem!

  10. Já agora, quando diz que o nosso país é perito em escandaleiras políticas e outras, infelizmente dou-lhe toda a razão, só não vê isso quem não quer.

  11. Valupi, valupi, Valupi,

    Ka ta disse eu, pois num ta disse kas pessoas vinham aki por minha causa! Esta gaita tem audiencia por minha causa, meu, poe o meu nome no lado dos enfermeiros, espera, doutores, keu opero e deixo o maralhale a rir. tas a ber, andas a filtrar tudo o que escrebo antes da publicare mas toma, come com os cumentariso das minhas fas.

    valupi, granda maluko, sou mais maluko ka ti pa, cum carago.

    algarbio do catano, anda ka, que tenho umas voas pra te dare. sabes que no veraoe, os algarbios deixam de ezistire, savias ou num savias, atao kandas a fazere aki fora pa ponto dinterrogacao, questa porra gficou sem assentos, cum catano.

  12. Cheira-me a coisa fora de praso,asim prós lados do antingo eça de queiroz.pouco muito pouco.tou-te a ber já precebi tu e a “aninhas”comem do mesmo prato.pena.tera que ser 2 rabinhos de arraia pra ela melhor preparado,afinal é uma magana,assim parece.será?já vi que tens praceira,cuidado,antes de comeres olha prá validade epró contudo,anda prá i muito produto marado.concelho,conselho continua a ficar por onde estás e não abuses,senão f…….ALI-BEN ABU TALIBE está de olho em ti,murcão passista.

  13. Algarbio, murcaoe passista é a tua tia.

    Seu caga-tacus, eu cá gosto de homens num gosto de mulheres. Quanto medes?

  14. Ó el cabron Algarbio, mas tu pensas kaqui há burakus do tamanho do teu, pá? Pensas ka tens padalada pra mim, ó el cagon de caca rosa. vai cumprare tampoese, tás cum período pá, e essa purcaria tá a sair-te pela voca. Deixa lá a Ana em paze, kela já te demonstroue ké uma sinhora, bai mater-te com as tuas ái da esquina. Cunta ái tás frustradu, hoje ainda num ganhastes nada, nume é? poje, pá, num saves fazer negócio, pá, fala cus tipos da PT, ou cum o Vara, pá ou com o Mexia, pa,ou cum o socratese, pá, eles são alkimistas, onde mexem, transforma tudo em oiro, dinheiro, pá.

    Oube lá, nem vaixes as calças, tu debes sere muita feio, carago. debes sere dakelçes que mija á veira da estrada cuntra arbore e escarra no xão. pá és português, és dos meus, pá, estou cá com uma emussão, ke nem cunsigo iscrabere, agora ke keria fazer somvra oa JFK do aspirina C. Cum catano, estende aí o tapete, esfrega a lamapada do aladino e pede tres desejos, eu cunheço o gajo e meto uma cunha para ti. Bira-te para Meca e vate com o calcio tres bezes no alcatrão. leba figus pra matares a fome e umas nozes algrabias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.