Good food for good thought

The rise of commercial aviation, high-speed rail, the Internet and other technological advances have allowed smaller cities to compete with urban powers such as New York and Chicago, Neal said. The study identifies Denver, Phoenix and even Bentonville, Ark. — Wal-Mart’s corporate home — as some of the most well-connected and economically sophisticated communities.

Networks – Not Size – Give Cities Competitive Advantage

8 thoughts on “Good food for good thought”

  1. É um bom artigo para chamar a atenção aos que se opõem ao novo aeroporto, ao TGV e às novas estradas. Enfim, os que acham que nos devemos resignar à periferia da Europa porque “nunca teremos hipótese contra Madrid ou Frankfurt, era só o que faltava”.
    As comunidades são como os tubarões: se param de se mexer, sufocam e morrem.

  2. estás a deslocar o contexto. a produtividade dessas cidades americanas é enorme. isso parece um raciocínio a la governo de sócrates, como os pareceres que li no site do governo a propósito de sócrates remeter constantemente para o mesmo na resposta àquelas perguntas da judita e do jośe alberto numa entrevista aqui aparecida há algum tempo. fui ver. e então? conclusões de importação, que nem sequer consideravam contas ou alternativas para o gasto. falta de rigor científico…
    o que é verdade na américa não é necessariamente verdade por aqui. a noruega não tem sequer grandes autoestradas, por exemplo.

  3. A Noruega exporta petróleo e gás, tem forte indústria, mar que nunca mais acaba e baixíssima densidade populacional (são menos de 5 milhões). Que falta fazem as autoestradas?!

  4. A Noruega não está a mais de 2000 kms de Frankfurt, como nós… Realidade americana ou não, o cerne do artigo está correcto, o que começa a interessar nesta altura não é o tamanho ou a centralidade, são as conexões que possuímos. E neste caso, estamos mesmo muito distantes do centro industrial e dos mercados da Europa. Há que fazer todo o possível para diminuir essas distâncias. E isso inclui infra-estruturas que outros não precisam. Mas para nós são essenciais.

  5. ups, “judite”.

    os cinco milhões podiam querer deslocar-se mais rapidamente, lol. até porque podiam, ponto. mas não, investem noutras coisas. é isso que está em causa, não é? prioridades?

    enfim, veremos. veremos o que vamos ganhar com o tgv.

    (entretanto, não se aparece assim sem sequer olá, lapso meu. olá.) :)

  6. ⅀,

    olha que os senhores não deixam de ter uma certa razão.

    Para mais, se a criação do Universo se explica pelas leis da física e se estas se aplicam ao mundo físico, o que existia antes do mundo físico e das respectivas leis? Voltamos à velha questão.

    Mas acho graça a que o Hawking entenda que Deus não criou, veio depois, e lhe continue a chamar Deus.

    Enfim, pode ser que no próximo livro todo este embróglio se resolva:)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.