Gaia, a pequena Londres do Mediterrâneo

medsea
roman_empire_color 2

Conviver de perto com Luís Filipe Menezes pode ser catalisador de crises esquizóides, possibilidade que aumenta no caso da presença de patronímicos históricos no Bilhete de Identidade. É o que acontece ao vice-presidente da edilidade gaiense, de seu nome Marco António Costa. Sendo um Costa, pertence a uma enorme família de humildes e abnegados trabalhadores. Contudo, sendo primeiro um Marco António, é-lhe legítimo ambicionar império de recorte faraónico. Esta tensão anfibológica sofre imparável desequilíbrio vindo do sonhado futuro césar do PSD — o ilustre autarca-doutor-de-ir-à-lágrima — levando as faculdades cognitivas do Costa a deixarem-se ofuscar pela quimera e o fausto dignos de um Marco António.

Vai daí, o autarca foi a Londres apresentar o projecto de reabilitação urbana do centro histórico de Gaia. Picado pelos mouros, os quais tinham desencantado um ALLGARVE totalitário e expansionista, Marco António foi em modas e ofereceu-se para anunciar a maior obra de terraplanagem e engenharia civil de que haverá memória, tanto a passada como a futura: transformar Gaia numa pequena Londres — isto é, supõe-se, recriar uma cidade em tudo igual a Londres, porém muito mais pequenina, mais maneira, mais rápida de atravessar de um lado ao outro, com casinhas de bonecas, autocarros de dois andares reduzidos a um só, o Big Ben em versão Small Ben, etc. — e, depois da estrambólica operação concluída, ir a correr colocar o brinquedo algures no Mediterrâneo. Esta última parte ainda não está fechada, e confere ao projecto uma audácia que desafia a imaginação. Porque a empreitada permite soluções variadas.

Os mapas supra ilustram a grandiosidade da visão e sua inspiração romana — trata-se do mesmo espírito indomável, uma vontade imperial. Vejamos: estando Gaia no litoral do oceano Atlântico, pode-se mudar a cidade para novo poiso no litoral mediterrânico; como era prática corrente há mais de 2000 anos e não houve notícia das pessoas terem protestado. Poderia comprar-se terreno em Espanha, França, Itália, que são zonas nobres e prestigiadas, com bons serviços turísticos, à altura do génio dos promotores; ou ir para a Argélia, que deve ser muito mais barato; e com um muro à volta ninguém chateia a malta. E levarem-se as pipas de Porto em barcos rabelo motorizados, à volta das quais nasceria a tal pequena Londres solarenga e soalheira. Só que essa trasladação é apenas uma primeira ideia, demasiado óbvia, ferida de banalidade. Muito melhor seria o oposto: pegar no mar Mediterrâneo e levá-lo para as imediações de Gaia. Isso, sim, iria calar todos os que ladram verrinosos. Porque, se o Mediterrâneo surgisse súbito junto de Gaia, muito se iria rir o Marco António. Olá.

Não tem que enganar, a deslocalização da massa de água será a escolha que melhor defende os interesses da vereação. Podemos avançar na engenharia: onde se iria colocar a coisa? É pergunta de falsa complexidade, pois só admite duas respostas: fora ou dentro da linha de terra. Fora, tem a vantagem da fácil arrumação, confundindo-se com o espaçoso Atlântico depois de vertida. Mas dentro, dentro… dentro, meus amigos… levaria à completa submersão da Ibéria, há muito a merecer tal sorte, e deixaria Gaia como nova e solitária ilha. Uma ilha banhada conjuntamente pelo Atlântico e pelo Mediterrâneo, conforme as marés, possuindo inclusa uma pequena Londres para inglês ver. E então, acalmados os demiúrgicos governantes locais, tudo estaria pronto para se reclamar novo e definitivo título: Gaia, a pequena Londres do Mediterrâneo que, no fundo, é uma Madeira do Pacífico.

12 thoughts on “Gaia, a pequena Londres do Mediterrâneo”

  1. susana

    O “brilhariante” aplica-se na perfeição ao Marco António e sua revolução geográfica.
    __

    Primo

    Até tremo com a possibilidade de levares essa ideia avante…

  2. É fácil. Rodam-se os mares no sentido do relógio, ou roda-se esta jangada no sentido inverso. Já está. Depois põe-se aquela famosa ponte que os londrinos mostram ao mundo que não se compara com as pontes do Douro, e eles ( os londrinos) caem que nem patos. prontus… carago!

  3. Excelente delírio, o teu, Valupi!

    Parece estranho, termos por necessidade usar sempre uma referência para projectos desta envergadura, em nada comparável com o Allgarve, que é apenas um projecto de marketing turístico de massa e sem objectivos urbanos qualitativos.
    Gaia, outrora zona industrial do Porto, é uma cidade que, apostando na qualidade, nomeadamente na recuperação da zona histórica, tem pernas para andar. Curiosidade, é a sua parte histórica estar virada a Norte… e começar a vingar.
    O nome é pedante e pró turbo-sinistro mas o Arquitecto Pedro Balonas, que lidera, é um jovem ambicioso e com grandes qualidades estéticas. Esperem e verão! Não vai ser uma decepção. Pelo contrário, é uma aposta ganha!

    P.S. – Sim, seria uma Smal Ben porque as características morfológicas do terreno a diminuiriam, até no nome.

  4. sininho

    Não duvido que o projecto arquitectónico tenha qualidade irrepreensível. Mais uma acha para a fogueira da piroseira, afinal.

  5. Excelente!!!!! Só é pena não ser ficção…porque é mesmo realidade. É mesmo verdade, o Marco António existe e tem esse nível de raciocínio apenas atingível por outros “eleitos” como Menezes, Lopes da Costa e afins.

    Já agora, caro sininho, um arquitecto com grandes qualidades estéticas é o quê? Um homem bonito? Que Deus me guarde de alguma vez tecer tais considerações.

  6. Criticar é sempre muito fácil….problema é mesmo trabalhar…k é coisa k o autor deste blogue não deve fazer concerteza..toda a gente tem defeitos….menos o sr. mistério…poupa-me

  7. COLOCA UM MAPA EM PORTUGUES
    ESTOU PRECISANDO DE UM MAPA, O DESSE SITE ESTA OTIMO , MAS ESTÁ EM OUTRA LINGUA,EM OUTRO IDIOMA!
    SE COLOCASSEM EM PORTUGUES OS BRASILEIROS IRIAM ENTRAR MUITO MAIS NESSE SITE!

    BEATRIZ

  8. Du caraglio os textos deste blog. Ótimo humor e crítica na medida. A ilha em que moro no sul do Brasil está na mão de edis e seus sequazes megalômanos que a toda natureza destroem com sua permissividade. aliás, promíscua permissividade que destrói a linda natureza de Florianópolis, fundada há 283 anos e colonizada nos primórdios por portugueses, hoje a pequena cidade à beira-mar virou um turbilhão de problemas sociais e destruição do que tem de mais belo, depois das mulheres, SUA EXUBERANTE NATUREZA. Abraço respeitoso de congratulação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.