Figuras tristes – estamos e vamos ver muitos a fazerem muitas

Quanto à RTP, mostrou que continua a ser a RTP de sempre, capaz de corromper a lucidez e turvar o raciocínio mesmo dos mais experientes. A solução não é a esquecida privatização: é a extinção. Noutros tempos até se salgariam as terras que pisou…

(Como é público, tenho a pior opinião possível de José Sócrates como político, como governante e como pessoa. Mas não fiz qualquer consideração política nesta argumentação. É que, como jornalista, até como jornalista que não gostava da política do primeiro-ministro, sempre quis entrevistá-lo e dar-lhe a palavra, algo que ele sempre recusou, anos a fio. […]

Zé “Inventona de Belém” Manel

__

O homem que fez de um jornal com um histórico de referência o instrumento de perseguição a um governante e a um partido que frustraram, ou não favoreceram, os interesses empresariais do seu patrão, nos quais também participava como accionista; o homem que fez do jornal que dirigia o instrumento das jogadas de bastidores de Cavaco Silva; o homem que fez de um jornal outrora digno o instrumento do mais escabroso escândalo da democracia portuguesa ao ser protagonizado pelos tenentes do Presidente da República com a intenção de perverter as eleições legislativas e autárquicas em 2009. Este homem exibe-se em carne viva, destituído do mínimo sentido do ridículo, quanto mais da vergonha.

Diz ele que tem a pior opinião possível de Sócrates como pessoa. Que será isso? Em que consistirá ter a pior opinião possível de uma pessoa enquanto pessoa? Desconfio que não será nada bonito de se ver, sequer de contar, sendo muito provável que o alvo dessa opinião tenha feito algo que entre na categoria dos crimes contra a humanidade. É por isso patético estar a justificar o seu fel ressabiado com a recusa de Sócrates em ser entrevistado por tão ruim criatura. Como todos os porcalhões que ganharam aversão ao banho, ele já não sente o pivete com que empesta os locais por onde passa.

10 thoughts on “Figuras tristes – estamos e vamos ver muitos a fazerem muitas”

  1. A latósia dessa absoluta nulidade chamada José Manuel Fernandes!

    O mangas julga que a gente não tem memória…

    O gajo que, feito como o Cavacório e o Lima, armou uma inventona, aliás rasquíssima, contra o governo de Sócrates.

    O pateta que acusou o governo de Sócrates de mandar o SIS interceptar os emails do Público.

    O gajo que fomentou ou alinhou em todas as campanhas negras contra Sócrates.

    O gajo que assumiu o tesão do patrão pela PT (ou seja, o tesão do Belmiro pelos 7,5 mil milhões de euros da venda de 50% da Vivo à Telefónica).

    Besta desprezível!

  2. Val,
    o fundamentalismo juvenil continua lá, por debaixo de finas camadas de acaciano verniz. Este como o Crespo, não perdoam ter-lhes sido tirado o capachinho com que cobriam a careca e se disfarçavam no meio dos jornalistas. O salivar constante, asqueroso e fedentino continua a sair-lhes da pena de pavão com costumam utilizar nas suas diatribes.

    Este pobre de espírito, que deu cobertura à inventona de Belém, e que ainda há pouco gozava com a ida do Mário Soares para o Hospital da Luz, come das migalhas que vão caindo da mesa do grande merceeiro e continua a sacar o seu do jornal que ajudou a destruir.

    Olhar para o seu percurso político, é ver o percurso habitual dos videirinhos que acharam muita piada ao 25 de Abril e deliravam então com a revolução cultural do querido Mao.

    O atual trauliteiro que o nome de José Manuel Fernandes identifica, felizmente, já é por demais conhecido de quem já sabe ler, escrever e interpretar, para gastar mais cera com tão ruim defunto.

  3. é literalmente verdade: quem sente um cheiro a falta de banho há 3 semanas, sabe que se aproxima o Zé Manel Porcalhoto (por dentro como por fora, agora totalmente à vista). O cabelo fede e escorre óleo, o triplo queixo de viciado em comida pra rebentar, tudo é repugnante. Mas nem sempre foi assim; lembro-me que antes da intentona falhada, até fez uma dieta de emagrecimento, andava contentíssimo com os seus investimentos em carros, uma bonomia, uma esperança no amanhã. Depois o golpe foi descoberto e desmontado. O “patrão” do esquema continuou na Presidência, mas ele foi para o desemprego. Bom, desemprego será um exagero, na medida em que MANTÉM O ORDENADO POR INTEIRO, para se peidar regularmente nas páginas do jornal – chamam-lhe crónicas, ou artigos de opinião. Entretanto, as reduções de salários e os despedimentos continuam lá por aquilo que já foi a minha leitura diária – ena, há quanto tempo!

    Mais que uma figura triste, é um destilador de ódio – e, sim, estamos a ver muitos.Nem sei porquê, não têm o que queriam? Não foi isto que escolheram? Ou fica a felicidade desestabilizada porque o Sócrates vai falar?

    Dedico-lhes um pouco de descontração, e olhem, bebam uns copos e vistam-se de mulher; pode ser uma boa terapia.

    http://www.youtube.com/watch?v=SkkIwO_X4i4

    Start wearing purple wearing purple
    Start wearing purple for me now
    All your sanity and wits they will all vanish
    I promise, it’s just a matter of time..

    So yeah, I know it all from Diogenes to the Foucault
    from Lozgechkin to Passepartout
    I ja kljanus obossav dva paltza – chto ty!
    shto muzyka poshla ot “zvukov moo”

    Start wearing purple wearing purple (da da da da da)
    Start wearing purple for me now

  4. Citações de Passos Coelho (de Março de 2010 a Junho de 2011):

    Contra a austeridade do Governo de José Sócrates, e prometendo o oposto ao eleitorado:

    «Estas medidas põem o país a pão e água. Não se põe um país a pão e água por precaução.»

    «Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate.»

    «Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português.»

    «A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento.»

    «Se vier a ser necessário algum ajustamento fiscal, será canalizado para o consumo e não para o rendimento das pessoas.»

    «Aceitarei reduções nas deduções no dia em que o Governo anunciar que vai reduzir a carga fiscal às famílias.»

    «Para salvaguardar a coesão social prefiro onerar escalões mais elevados de IRS de modo a desonerar a classe média e baixa.»

    «Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Os que têm mais terão que ajudar os que têm menos.»

    Justificando o fim da cooperação do PSD com o Governo e o chumbo do PEC:

    «Não aceitaremos chantagens de estabilidade, não aceitamos o clima emocional de que quem não está caladinho não é patriota.»

    «O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento.»

    «Já estamos fartos de um Governo que nunca sabe o que diz e nunca sabe o que assina em nome de Portugal.»

    Outras promessas (incoerentes com as acima):

    «Nas despesas correntes do Estado, há 10% a 15% de despesas que podem ser reduzidas.»

    «Vamos ter de cortar em gorduras e de poupar. O Estado vai ter de fazer austeridade, basta de aplicá-la só aos cidadãos.»

    «Queremos transferir parte dos sacrifícios que se exigem às famílias e às empresas para o Estado.»

    «O Governo está-se a refugiar em desculpas para não dizer como é que tenciona concretizar a baixa da TSU com que se comprometeu no memorando.»

    A concluir, três pérolas do grande “estadista”, Passos Coelho:

    «A pior coisa é ter um Governo fraco. Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos.»

    «Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?»

    «Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsabilizados por ela.»

  5. nem se quer é preciso ir à inventona (nos eua dava pilra). o que está entre parenteses diz tudo sobre o canalha do zé manel: querer dar a entender que é coerente na sua opinião sobre o socras. qualquer pessoa pode verificar (e isso é possível hoje em dia) que o zé manel e o público mudaram de opinião a seguir à opa falhada da pt. depois foi o que se viu. até desencantaram da prateleira o artista cerejo que estava encostado por ter um problema pessoal com o socras. porque é que os maoistas e trotskistas que se passaram para a direita são todos uns fdp?

  6. socrates é grande.outro no lugar dele ia ao beija-mão do zé manel fernandes e resolvia o seu “problema ” como temos visto varias vezes ao longo destes anos de democracia.é tambem por esta firmeza da coluna vertebral que nos faz ficar felizes com o seu regresso.obrigado josé socrates.

  7. È preciso perguntar a esse senhor onde estão as fontes do que afirma/escreve, nomeadamente sobre temas económicos.
    De qualquer maneira só denota que a escola maoista da desinformação marcou o personagem e de que maneira.
    A seguir a ele só o Camilo consegeue estar ao nível.

  8. joaopft

    Só quem não quis ver, ou está de má-fé, é que não viu que o meu amigo Pedro Passos estava a fazer “figas” quando fez essas afirmações.

    Deveria ter feito como o Sócrates em 2005. A única promessa que fez foi criar 150.000 postos de trabalho e ficava caladinho. Assim talvez tivesse tido maioria absoluta e agora não tinha de aturar o ministro de Estado que acumula duas pastas, a dos Negócios Estrangeiros, com a da Oposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.