10 thoughts on “És linda, liberdade”

  1. Sim, de facto a democracia já era, mas também é bom dizer que nos preocupamos mais com ela quando nos falta o $$$$$ no bolso, porque enquanto andamos a gastá-lo tínhamos menos preocupações com a dita democracia!

    http://pantominocracia.blogspot.pt/
    Um espaço de opinião que nos leva da Democracia à Pantominocracia

  2. “… porque enquanto andamos a gastá-lo tínhamos menos preocupações com a dita democracia!”

    deixa lá em paz as sopeiras que fizeram férias na martinica, estão identificadas pelo sef, são poucas e pagam impostos. preocupa-te com as aldrabices financeiras e assaltantes de bancos que voltas à sustentabilidade que o commerzbank te nega.

  3. “Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado: os Estados sociais, os corporativos e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!”

    salgueiro maia, madrugada 25abril74

  4. Quem fez o 25 de Abril foi a gente do Estado Novo.

    E foi lindo e com ordem e disciplina.

    A baderna veio no “day after”

    Ai a porra!!!!

  5. oh reaça! foi lindo, mas ordem e disciplina eram incompatíveis com o momento, tal como o salgueiro maia reconheceu, após uns segundos hesitação num semáforo.

    “Enquanto ouvia estas informações, o jipe trava de repente e dou comigo parado no sinal vermelho do cruzamento da Cidade Universitária. Olho para o lado e vejo um autocarro da Carris também parado. Achei que era demais parar a revolução ao sinal vermelho, quando o que distinguia os carros do MFA era um triângulo vermelho no lado esquerdo das viaturas ou tapando a matrícula. Mando avançar tocando as sirenes das autometralhadoras EBR até chegar ao Terreiro do Paço”

    Ler mais: http://expresso.sapo.pt/salgueiro-maia-o-capitao-sem-medo-morreu-ha-20-anos=f716814#ixzz2RTZ6HA8Y

  6. Oh Ignatz, confirmas exactamente o que afirmo.

    Até para avançar o sinal vermelho, Salgueiro Maia accionou as sirenes, como faz o INEM os Bombeiros e viaturas de emergência, até os batedores de mota dos ciclistas e da comitiva do presidente da república.

    O 25 de Abril foi obra do Estado Novo sim, com processos e gente do velho Estado Novo.

    A malta devia não confundir o 25 de Abril com o que se seguiu.

    Se agora houver outra revolução recomendo que seja a 9 de Novembro, vésperas de São Martinho.

    As herdades Alentejanas da reforma agrária agora dedicaram-se ao melhor tintol do mundo e abandonaram as cearas e o leite mais dados à primavera do Estado Novo.

  7. ignatz,

    as melhores citações do dia são as que deste, do Salgueiro Maia (“ingénuo cravo no largo do carmo”, como diz o Zé Mário Branco? Não. A ingenuidade veio a seguir).

    “Achei que era demais parar a revolução ao sinal vermelho…”. Sobre isto já tivemos discordâncias, sobre alturas em que não se deve parar face ao sinal vermelho. Mesmo que esteja colocado frente à AR.

    Mas nunca é demais lembrar: o 25 de Abril provou que não há abutres que durem para sempre. A histórica do S. Maia, que citas, ““Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado: os Estados sociais, os corporativos e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!” remete inevitavelmente para as imagens dos que foram voluntários. Têm caras: estão aqui:( é inevitável colar o tema)
    http://www.youtube.com/watch?v=pJrtNwD_r_0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.