Épico

«Tenho não só a convicção, mas a certeza de que estamos a fazer tudo o que está ao nosso alcance para garantir que vamos atingir as metas a que nos propusemos. Da mesma maneira que atingimos as metas que tínhamos para este ano, atingiremos as metas para 2012 e a partir de 2013 todos estaremos mais confiantes de que Portugal terá dobrado o cabo das tormentas», afirmou.

O primeiro-ministro acrescentou que a partir de 2013 o Governo estará «em condições de dizer aos portugueses que o sacrifício valeu a pena, a transformação da sociedade portuguesa está a ocorrer», no sentido de criar «uma democracia mais forte, uma sociedade mais justa, em que o fosso entre ricos e pobres comece a estreitar, em que o acesso à justiça seja mais efetivo».

Fonte

12 thoughts on “Épico”

  1. “…Da mesma maneira que atingimos as metas que tínhamos para este ano, atingiremos as metas para 2012…”.

    Estou cheio de curiosidade para saber onde é que ele vai buscar mais fundos de pensões em 2012…

  2. vai buscar ao sítio de sempre, os credores voltam a emprestar mais para lhes pagarmos as dívidas e com a vantagem dos acertos de contas vão recebendo algum, metem nenhum e ficam credores de mais. se a coisa tende a equilibrar, o rating sobe o juro e voltamos ao princípio.

  3. Concordo plenamente com o discurso do PM Coelho: as metas que dizem respeito ao plano de destruição do nosso Estado Social foram todas atingidas neste ano de 2011… Esse plano começou por derrubar o governo em estreita e decisiva colaboração com o presidente Cavaco, reeleito para o tornar exequivel. Uma vez conquistado o poder politico absoluto, que somou ao completo poder economico, da comunicaçâo social e da magistratura fidelissima, a direita está a cortar a direito, sem uma ponta de pudor, sem um vislumbre de honradez e sem um pingo de compaixão pelo sofrimento que vai espalhando por todo o país. De forma arrogante e em crescendo, avisa solenemente: quem não está bem que se mude! Quem não está bem que emigre, porque isto aqui é coutada nossa, indevidamente ocupada durante os trinta anos nefastos da democracia abrileira! Falta apenas prender os “comunistas” da democracia, que sâo os socraticos & Ca, que ainda falam da babuseira ou utopia de um “Estado Social”.
    E estes senhores da direita arrogante e desumana tiveram um bonus inesperado: a completa colaboraçâo dos dois partidos ditos mais à esquerda, que lhes serviram de bandeja a cabeça do último governo democratico e de Abril. Parabens Jerónimo e Louçã! Vocês são os maiores traidores de Abril. Não digo traidores da democracia porque vocês nunca a quiseram em país nenhum. A democracia dos socialistas era frágil e incipiente. É verdade. E vocês aproveitaram-se dessa fragilidade para a entregarem aos filhos da puta, que agora nos mandam emigrar para ganhar a vida, porque esta terra lhes pertence. Para trabalhar vão contratar asiáticos de trabalho escravo, como está a acontecer já nas herdades alentejanas. Só faltam as camaras de gas para eliminar os doentes e os velhos que viviam pendurados no SNS e nas pensões sociais.
    Informava, hoje, a renascença, que há pobreza e fome entre os alunos universitários. E dentre estes, seis mil, seis mil!!!, deixaram as universidades durante este ano por falta de meios. O salazarismo está a regressar pela mão da direita filha da puta. Acusada de assassinos e ladrões de bancos, mesmo assim ganharam o poder. Acusada de inumeras negociatas abafadas pelos seus “magistrados” , não “investigadas” pelos seus jornalistas, mesmo assim foi preferida por Louçã e Jerónimo. E pelo povo enganado.
    Pela Europa e pelo mundo o panorama é o mesmo. Os cabrões que crairam a crise estão a tirar todo o proveito dela, esmagando os povos indefesos e incrédulos com o que se passa. Receio que quando passar o pasmo, o mundo se incendeie na revolta.
    Ouvi há dias um desses filhos da puta da direita dizer que o “mundo tem gente a mais”. Mas certamente pensa que não é ele nem os seus filhos quem está a mais. Serão os outros e os filhos dos outros. Grande cabrão. E falava com toda a naturalidade!

  4. Segundo o Economist Intelligence Unit, Portugal passou este ano de uma situação de democracia plena para uma democracia com falhas. A sério? Mas como diz o Passos é “work in progress”.

  5. …democracia com falhas, por enquanto. O PM aponta para objectivos de médio prazo.. Em 2013, já nem com falhas, nem sem elas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.