Encavanço

Dias Loureiro resolveu fazer bluff e apostou tudo contra o Banco de Portugal e a Presidência da República – numa espectacular fuga para a frente. Isto faz dele um imbecil de grau 10 na escala Loureiro (a qual só tinha 5 graus até à passada sexta-feira).

Pensar que poderia pôr em causa Vítor Constâncio, acabando com ele de vez, vai revelar-se um tiro saído pela culatra aquando da ida do Governador, hoje, à RTP. Para as crianças no auditório, o terceiro homem na reunião de apenas dois em 19 de Abril de 2001 às quatro da tarde* é o Vítor, o tal que já disse não ter recebido de António Marta nenhuma informação relativa a problemas no BPN. Falta só a Constâncio manter a constância e assinar a certidão de óbito: confirmar que Dias Loureiro foi ao Banco de Portugal, em 2001, protestar contra os apertões do supervisor. Para tal, basta assumir que Marta lhe contou o teor do encontro, como é altamente previsível que o tenha feito.

Todavia, é no ataque à Presidência que Dias Loureiro se revela uma figura a merecer grande romance, filme grande e série de televisão grandalhona. Na entrevista, o nome do Presidente da República foi apresentado como caução da sua inocência. 23 anos de amizade com Cavaco eram o trunfo com que pretendia cortar a vasa da suspeita. Como poderia ele ter prevaricado se o próprio Presidente conhecia os seus padrões morais e éticos? Esta soberba afirmação não oferece sombra de dúvida: Cavaco entrou de cabeça no caso BPN. É uma daquelas situações em que se sabe como se entra, mas não se faz a menor ideia como se vai sair.

Um dos cenários possíveis será o de uma inédita derrota na eleição ao 2º mandato. Eanes, Soares e Sampaio fizeram o pleno dos 10 anos na presidência, e todos auguram o mesmo para o presente inquilino do Palácio de Belém. Todos? Não, há um ex-ministro de Cavaco, eminência parda do PSD e actual Conselheiro de Estado, apostado em criar uma originalidade na História da democracia, pois não é possível ao Presidente manter o apoio a Dias Loureiro sem com isso perder a confiança do País. Contudo, como este figurão já saltou para as costas de Aníbal e anunciou que não vai largar, fazê-lo cair vai partir muita loiça. O seu bluff é de tal ordem – atente-se: consegue chantagear Cavaco na TV, que não fará aos outros? – que a própria continuidade de um partido chamado PSD está agora mais em causa do que nunca. Este não é tempo para loucos como Filipe Menezes, incapazes como Ferreira Leite, deprimidos como Pacheco Pereira, decadentes como Pulido Valente ou malabaristas como Rebelo de Sousa. Este é o tempo para sociais-democratas com eles no sítio, capazes de aproveitar a queda de um império para levantar uma civilização.

__

* Dias Loureiro, na entrevista e declarações pós-desmentido de António Marta, repetia a oração 19 de Abril de 2001 às quatro da tarde como um mantra. É um dos vários sinais de ser muito provável estar a mentir, procurando realçar uma parte indiscutível, mas irrelevante, da ocorrência como prova de certeza em relação ao todo. O mesmo para o raciocínio primário com que reagiu ao desmentido: [...] peço às pessoas que pensem um bocadinho e ponderem se agora, no momento em que o BPN e a SLN estão a ser alvo das maiores suspeitas, alguém de bom senso acha que eu iria invocar uma conversa com o Dr. António Marta se ela tivesse sido aquela que ele disse que foi? Bom, estamos perante um clássico da argumentação falaciosa, pois são precisamente as maiores suspeitas que justificariam esse acto desesperado. A cultura de impunidade e cumplicidades com os poderes político e económico toldaram-lhe o discernimento e levaram-no para um modus faciendi a que eventualmente estará acostumado, só que agora servindo a ameaça de arrastar tudo e todos na queda. Tal é a profundidade do encavanço.

33 thoughts on “Encavanço”

  1. Não votei Cavaco. Não gosto da esfinge. Não transmite empatia. Não concordo com a sua relação com a Madeira versus Açores. Acredito,no entanto, na sua honestidade e sentido de estado. Agora o caminho é estreito. Ou demite-o ou exige a sua demissão.

    Não há inquérito parlamentar que salve o Dr. Dias Loureiro. A credibilidade esfumou-se. Coitado! nada sabe de contabilidade … então que estava a fazer num banco? A dar o nome ? o prestígio? a influência? marketing? Afinal o conhecimento e a sabedoria são irrelevantes no mundo da banca?

    O homem é incompetente. Sente-se acossado. Não me parece que esteja a “ameaçar a arrastar tudo e todos”. Está simplesmente a ver se se safa.

    Safa ! Onde é que eu já ouvi isto?

  2. Nestas séries lusitanas, a sindicância às cambadas, pelo menos a nivel de blogue, está infinitamente superior ao que se fez em Nova Iorque, Londres e noutros lados. Será Loureiro um católico apostólico romano?

  3. mas então isto hoje na RTP tenho que ver – lembro-me do Inocêncio Camacho, coitado, quando desabafava: ao Governador do Bdp pode acontecer muita coisa, mas há uma que não pode acontecer: ser preso, no momento em que era preso,

    não desejo tal a Constâncio, embora não consiga sopesar o que terá acontecido, sabe-se lá,

    tenho que estudar o doutoramento do Salazar sobre circulação fiduciária, temos de nos precaver contra um que ande para aí de orelhas no ar

    isso devia estar online, alguém quer pôr?

  4. mas Valupi, ainda queria dizer uma coisa: no meio disto tudo ainda o mais saudável de todos de lá do psd é o Menezes, que não teve medo de afrontar mafias de hienas que devem ser do pior, do pior mesmo, e vai que não vai parte a loiça, ora só posso solidarizar-me no entretanto

  5. meus amigos,
    não consigo engolir essa do ‘sociais-democratas’, bule comigo pelo uso e abuso em tudo o que é sítio e por toda a gente, até vocês, brutus. Um social-democrata, dois social-democratas, três e quatro e cinco, mas sempre adeptos da social-democracia ou das social-democracias. Mandem-me à merda (opcional), mas permitam que vá esclarecido: estou enganado?

  6. nanda, tens muita razão: a credibilidade de Dias Loureiro esfumou-se. Quanto às ameaças, a inquietação de Cavaco parece indicar que o fogo já lhe queima os pés.
    __

    CHICO, não.
    __

    Z, é tal como dizes: os sociais-democratas estão no actual Governo.
    __

    Rui, as duas formas são legítimas, e será o uso a estabilizá-las. Mas se quiseres artilharia pesada contra a opção “social-democratas”, não anda longe.

  7. valupi,
    não vejo como possa ser legítima a forma que usas. A social-democracia não tem plural em ‘sociais’, como poderia tê-lo? Por mais que as social-democracias sejam democracias sociais, na prática, não as vejo por isso sociais-democracias. Ajuda-me com a explicação. E seja, venham os canhões de Navarone.

  8. Parece que tenho a sina de comentar num breve intervalo entre o barulho dos aviôes aqui na Portela…
    Em toda esta triste e sórdida história,não sei porque diabo que cada vez que vejo Vitor Constâncio, lembro-me dum personagem duma série de cartoons,o Deputy Dog(Cão Xerife acho que foi a tradução quase literal que teve),personagem esse chamado Vince, uma toupeira de bóina e òculos que passava o tempo a dizer “what happened,what happened??”,sem se aperceber de nada da acção à sua volta…

  9. fernando, é verdade: Constâncio está a levar porrada. Vamos ver como se vai posicionar esta noite.
    __

    Rui, mas tu também estás certo, é a moral da coisa. A mim, saiu-me “sociais”, e prefiro, embora não saiba explicar a simpatia.

  10. mas é muito melhor assim, a disjunção inclusiva em vez da exclusiva, ou seja: em vez de ser ou um ou outro, fica ou um ou outro ou ambos,

    aliás é aí que está a solução para um mundo mais feliz,

    até fui comprar o jornal para ver a que horas é isso do Constâncio

  11. Obrigado Valupi, aprendo imenso destas coisas de links contigo – é que estou a ver a a viagem ao centro da Terra e não queria perder-me quando aparecer um monstro :)

  12. Afinal sobre a coversa entre dias Loureiro e o marta, constâncio nunca ouviu falar, não sabia, não estava lá. Não, isto não é um assunto psd. Este polvo tem muitos tentáculos.

  13. Valupi, lá fiz o meu dever cívico de ver aquilo tudo: aquele baton rosa fulvo não ficava nada bem ao Constâncio. Eu ainda não percebi porque é que não deixaram falir o BPN.

    Depois até vi o Vitorino que anda cada vez mais parecido com o tecnopapa. Tu leste o Incal? Aviso já aque ando a achar isto tudo muito parecido e que andam aí psico-ratos; eu, no máximo, faço aquele cão peludo e tu podes fazer de metabarão, se achares bem,

    espero que o andrógino perfeito não leve com nenhum ovo de sombra que já não me lembro como é que a gente se safou

  14. Val, este post é, cá para mim, um dos teus melhores textos, pelo menos dos que até hoje aqui li. Observador, perspicaz, contundente e assassino, embora menos palavroso e prestidigitador do que de costume (não se perde nada).

    Excepto que não embalo nas tuas previsões e juízos implícitos acerca de Cavaco, de quem manifestamente não gostas. Pois olha: eu aprecio cada vez mais o papel de Cavaco na política portuguesa. Acho, com ingenuidade assumida, que ele é um excelente presidente, e não sei um décimo do que ele tem feito nestes últimos tempos.

    Com o PSD e o PP tão freneticamente focalizados nas alegadas falhas de supervisão do BP que parece que o Oliveira e Costa só retirou uma maçã no pomar do vizinho para dar aos filhos esfomeados, até tenho receio de falar nisto, mas o Constâncio tem-me parecido um merdas do caralho. E chego a pensar que este balofo funcionário-banqueiro público poderá não ter procedido com todo o rigor e energia por simples pavor de parecer um socialista controlador a atacar a sacrossanta “iniciativa privada”, nome que em Portugal se dá a alguns bandos de vigaristas de alto coturno.

  15. Jogador de xadrez cachimbeiro dum raio! Enquanto o gajo preparava o xeque-mate, os ladrões do BPN derreteram mil milhões.

    Constâncio para a rua! Já!

    M E R E C I D A S F È R I A S!

  16. eh, eh, eh
    “o Cavaco é um óptimo presidente”!?
    vero!, tem 100% de aprovação na NATO
    mas, entre o Prometeu e o Lucifer, é esse o buraco negro, para aqueles (e são quase todos) que não sabem o que é que o homem anda a fazer na penumbra onde se devoram as ninhadas de ratos às ordens del-Rey

  17. xatoo, que é que tens contra a natoo?

    A guerra fria já acabou, rapaz. O teu anti-americanismo chega a ser patológico. Ainda acreditas que foi o Bush que fez implodir as torres gémeas e bombardear o Pentágono? Eu lembro-me quando defendias isso.

  18. Excelente Artigo, excelentes comentários do Nik, mas um reparo: não foi o xatoo que defendeu uma versão, digamos, “alternativa” do preparo oficial sobre os atentados terroristas de 11 de Setembro de 2 001. Foram verdadeiros americanos, pois eles saberão tudo melhor do que ninguém.

    E nós só saberemos a VERDADE do que aconteceu daqui por muitos anos, quando já não doer a ninguém. Assim como também só agora começamos a perceber melhor a verdadeira face do “sistema” que “derrubou” o Comunismo e “venceu” a Guerra Fria: o tal de liberalismo económico, a tal de iniciativa privada, a dita “Globalização”, que nos longínquos idos de oitenta criou os “yuppies”, depois as “off-shores”, mais tarde o “sub-prime” e descambou na Grande Farra da economia de casino que caracteriza hoje o “Modelo ocidental”, que afinal nos conduziu de novo aos tempos tidos por pré-históricos da nacionalização da Banca e dos Seguros por, afinal, vanguardistas visionários como Vasco Gonçalves!

    A vingança do “chinês”? E isto ainda só está a começar…

    Ou o Nik acredita MESMO

  19. Ou o Nik acredita MESMO que é possível a um avião comercial entrar assim no espaço aéreo do próprio Pentágono, como um soldado manco, desarmado e com uma mochila cheia de pedras às costas a entrar num ninho de metrelhadoras inimigas?

    E acredita MESMO

  20. E acredita MESMO que dois edifícios separados, duas gigantescas estruturas de aço, podem colapsar assim, de modo tão certinho, tão ordenado, tão idêntico, tão “limpo”, com diferença de poucos minutos, parecendo verdadeiras implosões programadas, quando atacadas por incêndios acima de metade da sua altura e por impactos dinâmicos tipo mosca na pele de um elefante?

    Se é assim tão crédulo, tente uma opinião sincera de um Engenheiro de Estruturas. Mas, atenção, só em privado e “off the record” é que ele lhe poderá explicar tudo em pormenor, porque até hoje nenhum se atreveu ainda a confessar a verdade das suas perplexidades em público…

  21. E acredita MESMO que dois gigantescos edifícios separados, duas colossais estruturas de aço podem colapsar assim – de um modo tão idêntico, tão completo, tão “limpo”, tão fulminante, com um intervalo de poucos minutos entre si, como se de verdadeiras implosões programadas se tratasse -, quando apenas afectadas por incêndios acima de metade da sua altura e por impactos dinâmicos tipo mosca na pele de um boi?

    Se acredita, talvez devesse conversar com um Engenheiro de Estruturas. Mas em privado e “off the record”!…

  22. Nik, então e agora, continuas a gostar do Cavaco? Mas deixa-me dizer-te: só por estranho esquecimento podes ter opinião favorável do actual Presidente, pois a sua actuação em tudo o que envolva a Madeira é de vergonhoso para baixo.

    Quanto ao Constâncio, parece claro que irá dançar na próxima oportunidade. Mas enfim, o problema em Portugal também é sistémico, tal como o da crise financeira, e não se limita a certas personalidades.
    __

    Marco Alberto Alves, as teorias da conspiração na América têm longa tradição. Por exemplo, Pearl Harbor é um desses casos.

  23. De facto, não gostei de ver hoje o Cavaco a defender o Dias Loureiro. Aquilo cheirou-me bastante mal. Começo a pensar que o gajo está a ficar chéché e não vai, como tu dizes, ser reeleito. Parece ter 80 anos. Se calhar nem chega ao fim do mandato.

    O Cavaco tinha 210 000 euricos no BPN. Ficarão a cargo da CGD, certamente.

    Quanto à Madeira, tenho as minhas dúvidas. Por alguma razão o cretino da Madeira chamou “sr. Silva” ao Cavaco. Despreza-o e odeia-o. Ora isso, para mim, é um ponto muito positivo a favor do Cavaco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.