65 thoughts on “Do vidalismo e da vidalização”

  1. Curioso sentido democrático o dos juízos destes “bons rapazes”…
    … assim sendo, nada temos a acrescentar já que eles falam por si…
    Obrigado pelo público esclarecimento, caro Valupi.
    Abraço.

  2. Valupi, vai apanhar onde apanham as galinhas. Ora PORRA PÀ. Ke keres que sa escreba nesta merda? FOGO, num consegues pôr-me a falare vem, carago!

  3. Ana Paula Fitas, é uma parte da esquerda que explica muito do que se tem passado – e ainda mais do que não tem passado – desde o 25 de Abril. Uma cápsula do tempo.

  4. Olá e boa noite para todos. Eu sou o Cláudio França e tenho 16 anos. Ando na net a ver vários blogs e calhei de vir a este. Achei o assunto interessante visto que também se fala destas coisas entre o pessoal da minha idade. Não tenho idade para votar, mas gosto de estar a par destas coisas. Muito sinceramente aquilo que entre a malta se fala é das risotas que damos do desfecho que esta estorieta toda teve. Acho que os político são todos vendedores da banha da cobra, por isso não aprecio nenhum em particular. Mas o que mais comentamos é que depois de tanta coisa que se dizia do Sócrates afinal foi tudo uma palhaçada que o Psd e o Cds montaram contra ele. E como chegamos a essa conclusão? Fácil: é que tudo teve início na tal carta “anónima” combinada entre pj’s um Zeferino Boal, jornalistas e um membro do Santana Lopes. E para confirmação daquilo que já desconfiavamos foi ver o tal relatório final em que os investigadores disseram que “não tiveram tempo para fazer 27 perguntas” ! Isto é assim: não sou um especialista nestas coisas, mas em 6 anos não tiveram tempo para fazer as perguntas ?? ;)) eh eh eh …esta é mesmo esfarrapada, só um deficiente mental é que cai nessa.
    Boa noite para todos. Cláudio França.

  5. Cláudio França,

    Rapaz, ora com dezasseis anos debias tar aí já com uma garina, a descuvrire os ossos do corpu humanu. Mas tu és inteligente ó cagamelu, e acavaste de dar uma mensagem muito importante aki para o maralhale. Deicha-me esplikar-te isto: nunca acradites em tudo o ke lês. A gente só fala dum processo judiciale dapoje du lere. Olha cus processos falam.

    O Socrates, pá tem cú e kem tem cu tem medo. O Pinto munteiro, o PGR dabia ter juízo, purque esse manganaoe anda a dizere que tem os poderes da queen da englaterrra. Oube, o gajo tá maluku, mas ainda bem, saves ppurquê? Puurque o gaju num bai lá ficare muita mais tempu e saves, vasta só parecer um factu nobo e a mERDA bolta a boiare e aí eu kero ber se há tempu ou nãoe. Tás a bere?

  6. Este miúdo, espero que não me leve a mal, tem mais de adulto que uma grande parte dos comentadores do Aspirina. Bem-haja para uns pais que tem assim um filho.

  7. Também acho, Manuel. E que falta de imaginação para o nome: Cláudio França.

    Quanto ao resto, o Valupi cheira-me a Carrilho, juro, nem o tamboril cheira assim.

  8. Les beaux esprits se rencontrent.

    Como positivo o facto de (ainda?) não serem magistrados do MP.É desta massa que são feitos.

  9. Bom dia ( será ? ),
    Eu não tenho 16 anos como o Claúdio França…
    sou assim mais da idade do Miguel Serras Perreira e os tiques nunca se perdem , toca de apelidar de fascista ao primeiro que tem argumentos que não consegue desmontar.
    E já agora ao Carlos VIdal chamaria social-fascista. Apenas uma precisão.
    Cumprimentos

  10. Ó valupi, diz lá ao artolas que mantém está merda do tubarão esquilo para dar um jeito nisto, a versão mobile é uma cagada

  11. António P.

    “Social-fascista” não faz parte do meu vocabulário político: é um pseudo-conceito estalinista cuja utilização sempre denunciei (enfim, desde que os m-l locais começaram a usá-lo, nos idos de 70).
    Gostava também que me citasse um único argumento que o Valupi tenha utilizado no longo rol de insultos que me dirigiu e que só a ele enxovalham. Cf., por favor: http://viasfacto.blogspot.com/2010/08/o-formalismo-foi-por-agua-abaixo.html

    Ana Paula Fitas,
    confesso que esperava um pouco menos de sectarismo da sua parte. Tenha, por favor, a decência de ler a troca que teve lugar no Vias ( http://viasfacto.blogspot.com/2010/08/o-formalismo-foi-por-agua-abaixo.html) entre o seu protegido Valupi e este seu ainda há dias cordial interlocutor. E diga-me depois quem vidalizou quem.

    msp

  12. msp,

    Eu sei que social-fascista não fazia ( não faz ) parte da sua escola. Era uma provocação.
    E para os grupos estalinistas m-l ( há que ser rigoroso, já que o PCP também é estalinista ) não era um pseudo-conceito era um conceito.
    Mas também nunca pensei que chamasse fascista ao Valupi.
    Quanto aos argumentos e insultos se só enxovalham o Valupi …então não se preocupe.
    E fascista é um insulto ?
    Cumprimentos

  13. cara ou caro valupi,
    deixei-lhe uma resposta no vias de facto. acho que os seus comentários no post em causa foram absolutamente nojentos. não voltarei a este assunto, mas gostaria que os seus leitores percebessem que o meu comentário não se referia às suas posições políticas ou não nem ao seu estilo político (não o conheço para isso e não discuto política com recurso a insultos). os meus insultos referiam-se, isso sim, e creio que com pertinência, às bocas e boatos que lançou em relação à vida pessoal de outrem.
    passe bem, seja como for.

  14. António P

    “Fascista” é aqui um termo descritivo – caracteriza uma maneira de fazer política – demonstrável. Sendo um termo descritivo, é também, para mim pelo menos, veículo de um juízo (político) de valor. Só isto.

    Saudações republicanas

    msp

  15. Quando o Zé Neves fala de lançar “bocas e boatos” está a referir-se às ondas que regularmente procuram atingir o eng. Sócrates, I presume. Por acaso vou lendo aqui o Valupi e nunca vi tal coisa (com o eng. ou com outrem, assim à primeira vista). Já os srs. procuradores e tutti quanti são profissionais do ramo (ondas é metáfora estival – olhe outras: lançar lama, não largar o osso, só para dar 2 exemplos). Haja paciência!

  16. Juro que li atentamente a troca de galhardetes e o único “longo rol de insultos” que apanhei foi este, todos assinados pelo Miguel Serras Pereira:

    bobo subalterno

    rosnador e ladrador

    anti-democrata

    um Tersites (nota:apesar de tudo já na esfera divina :)

    praticante do culto da servidão voluntária

    praticante de difamação e de insinuações ad hominem

    não ter boas razões

    não ter boas maneiras

    concebe e pratica a política como arruaça e panóplia de golpes baixos

    nunca será capaz de uma atitude minimamente elegante no campo de honra

    fascista

    utiliza linguagem de delinquentes da alta roda

    praticante do culto da violência

    cobarde

    nojento

    vidalista
    (…)

    Sobre o assunto do post não vi nenhuma posição do MSP…mas vi do Valupi.

  17. edie, muito bem, mas esqueceste-te do “anónimo”, que só por si já engloba uma série vasta de insultos… :)

  18. Edie

    você escolhe alguns fragmentos de réplicas minhas, esquecendo-se de mostrar aquilo a que respondem.
    1. Não fui eu que acusei fosse quem fosse de alcoolismo
    2. Não aconselhei psicoterapia ao Valupi
    3. Não insinuei que as suas posições eram ditadas por motivos pessoais infamantes ou inconfessáveis.
    4. Não me acoitei no anonimato

    Portanto, mais vale os leitores irem à fonte (através do link que indiquei acima) em vez de se fiarem na sua “síntese”, anónim@ que assina Edie. E, já agora, consultem também o meu post desta manhã: http://viasfacto.blogspot.com/2010/08/aprovo-na-integra-e-assino-por-baixo-o.html

    Persisto, reitero e assino

    miguel serras pereira

  19. guida,

    como vês, também o MSP fez questão de lembrar que me esqueci desse :)

    MSP,

    totalmente de acordo, o melhor é que as pessoas vão à fonte; a minha lista está incompleta.

  20. Achar que o “larga o vinho” é uma acusação de alcoolismo é empobrecedor e de uma literalidade atroz. Já os epítetos acima fazem jus a todo um “mundo” e a um jargão bem datado, encapsulado, totalmente off.

  21. A minha alma está parva! Como não sou profissional disto, nem me tenho numa conta que vá além de uma compreensão razoável das coisas e de uma sensibilidade mínima para lhes captar alguns sentidos menos óbvios, dou por mim perplexa.
    Por isso, sem cinismo, nem retórica desnecessária, e unicamente para meu esclarecimento já que não tenho a mínima veleidade prosélita, gostaria de ser esclarecida acerca dos fundamentos que levam alguém a afirmar que o Valupi é fascista.

    Se não for pedir muito, gostaria que a resposta fosse directa.

  22. K,

    tal e qual como ser chamado de filho da puta e pensar que é a mãe que está a ser insultada …. Mas compatível com níveis de inteligência aos quais pouco se pode pedir.

  23. muito bem , Miguel. dê-lhes , que os dois merecem. fascistas não serão , que nem sei o que isso é ao certo , mas lá que são autoritários e falam de ex catedra como se os outros fossem todos idiotas…

  24. As claques do Valupi podem continuar a dizer o que quiserem. Podima, no entanto, perceber uma coisa: eu não afirmei nem insinuei nada quanto à vida pessoal do Valupi: qualifico duramente afirmações políticas e falhas éticas suas, raiando a delinquência (a coberto do anonimato). Por isso, a diferença está em quem faz acusações e insinuações ad hominem e quem se abstém delas. Como escreveu o Zé Neves uns comentários acima: as minhas respostas referem-se “às bocas e boatos que [o Valupi] lançou em relação à vida pessoal de outrem”. Considerando o modo como pôs em causa o meu bom nome, hábitos pessoais, costumes, integridade mental, o Valupi usou contra mim de recursos que são característicos do Carlos Vidal e seus sequazes de caixas de comentários e que PARECEM inspirados nas campanhas por ele empreendidas. Nessa medida – e com a agravante de se refugiar no pseudónimo para esquivar qualquer eventualidade de ser responsabilizado pelo que faz – tudo o que possa ouvir não será de mais. A paciência é que começa a escassear por estas minhas bandas. Doravante não responderei a quem mais não faça do que vidalizar-me o juízo.

    msp

  25. Tenho um amigo jornalista, da velha e boa escola, amigo do Afonso Praça, do Fernando Assis Pacheco e do Zé Cardoso Pires que, quando topa prosa prenhe de advérbios e de adjectivos diz:- Foge, que temos criatura reles e incompetente.
    Quando não se tem nada de substantivo para dizer, foge-se, cobardemente, para trás do adjectivo ranhoso e do advérbio labrego.
    A turma do Zé Neves & do Miguel Serras Pereira ( se a memória não me atraiçoa, ambos ex-militantes do PCP…eu também andei a mourejar por lá durante 11 anos…) tem razão numa coisa.
    O Valupi insultou e fê-lo como eu gosto, olhos nos olhos.
    Disse do Miguel Serras Pereira que era um “labrego”.
    Assino por baixo (tendo em conta a polémica em que participou e somente isso).
    O diálogo final, em caixa de comentários, do blog a que pertencem ambos, travado entre Zé Neves e Miguel Serras Pereira…um must da bloga.
    Ainda não tinhamos assistido a tal.
    Parece uma remake dos Processos de Moscovo.
    -Achas que o Valupi é fascista?
    -Acho, pois.
    -O que vamos fazer com o gajo/gaja?
    -Barramos-lhe a entrada na nossa caixa de comentários.
    -Boa. Não me tinha lembrado dessa.
    Essa pecha “estalinista”…de querer “assassinar” os adversários.
    Como disse o Sócrates ao JPP, em pleno debate na AR (desvariando eu um bocadinho…):- Estalinista uma vez, estalinista para sempre.
    Para fecho de conversa, um detalhe mais.
    A turma dualista, Neves & Pereira, tem uma espécie de fixação com o sexo de Valupi.
    Acham mesmo importante?
    E se Valupi for um transexual?
    E se Valupi for um colectivo (desta gostaram, colectivistas que são…)?
    Estes dois rapazes são danados para a brincadeira.
    Eu não costumo dar conselhos, mas vou deixar uma sugestão.
    Caros Zé Neves e Miguel Serras Pereira, não se levem tão a sério e não invistam tanta energia nestas pequeninas polémicas.
    Namorar, fazer sexo, conviver com os amigos, ler um bom livro, ver uma boa fita, dá muito, mas mesmo muito, mais prazer.
    Em tempo de centenário da República, saudações republicanas.
    Saúde e fraternidade.

  26. José Albergaria,
    fui colega e amigo do Afonso Praça – trabalhámos ambos na Vida Mundial com Augusto Abelaira, continuámos a ver-nos – em Lisboa, em Abrantes, na Igrejinha – quando calhava ao longo dos anos seguintes e até à sua morte. Também tive a sorte de conhecer bem e ser amigo do Assis. Dito isto, o que sei é que qualquer deles sempre repudiou os métodos e o estilo do Valupi e que é completamente abusivo evocar os seus nomes – para não falar no do José Cardoso Pires – para os brandir contra o Zé Neves (que tem idade para ser meu filho) e contra mim. Quanto ao meu passado político, não vou resumi-lo aqui, mas você engana-se redondamente na sua reconstrução hipotética mesclada de provocação.
    O que o ZN e eu fazemos, pensamos e propomos responsabiliza-nos e assumimo-lo – cada um por si, de acordo sobre muita coisa e divergindo noutras. Somos solidários na defesa da democracia – da igual e livre participação de todos no seu próprio governo – e também como membros da equipa de um blogue em que todos dão o nome e a cara, não recorrendo ao anonimato nem à difamação ou insinuação difamatória contra quem quer que seja. (Aliás, se lhe respondo, é porque você pelo menos assina o que escreve e dá a cara – embora o faça em termos que o não favorecem aos meus olhos).
    Finalmente, fazer do PM Sócrates um expoente do anti-estalinismo é, ainda que involuntariamente, fazer o jogo da peste que se quer combater e identificar o anti-estalinismo com um governos marcadamente autoritário e ferozmente inimigo dos direitos de cidadania activa cujo pleno exercício seria equivalente ao de um poder político democrático.

    Boa tarde para si

    msp

  27. Já agora a minha achega: e que tal irem a banhos ? Férias? Descansar essas moleirinhas? A história do anónimo, não anónimo, mulher ou homem, insulta não insulta, fascista ou não, comentários ou não, safa!…claramente há aí muito tempo livre. Se calhar ocupa-lo com uma sesta ou um livro não seria má ideia, não?

  28. Seus cagalhotos da merda. Pior do que isso, caganistas de cabrita.

    Perdeis tempu a insultarbos, pois ka bos tenho dito eu? á maje ordinarice nas porras dos nomes que escreverdes do ka na merda fuleira ka escrebo. por essas e pur outras é ka gozu o prato, purque ma dibirto cumo o caraças, aliás, cumo o caralho. ~Seu cumeço a escrevere a sériu, bai haber ravuluçaoe, ai bai bai.
    Prefairo dibartime, num pensare.

    Sim cumo o caralho. Sabem qual é a origem do caralho? Eu bou dizerbos a origem do caralho e garantobos que num tem nada a ber cum o que os manganões tem no meio das pernas.

    O caralho é um castigo. dantes ir pro caralho era um castigo e tudo cumessou coumo um termo nautico. a língua é uma cousa vela, num é, ebolui, ebolui e pimba, caralho ao pendente umano.

  29. Eu cá tinha um amigo de um bisneto do conhecido de um primo do outro amigo que dizia que quem escrevia em forma de diálogos imaginados cheirava mal dos pés. Haja dó…

  30. Caro Miguel Serras Pereira,
    Você anda mesmo falho de sentido de ironia, por que humor é outra coisa…
    A frase (eu avisei…) do Sócrates, em direcção ao deputado José Pacheco Pereira, foi:- Uma vez revolucionário, revolucionário toda a vida.
    E mais não lhe digo, por que, você, leva tudo muito ao sério.

  31. A proposito um “praticante do culto da servidão voluntaria” poderá bem ser numa versão hardcore alguem que pratica bdsm :))) …logo uma acusação fortemente discriminatória sobre habitos pessoais e costumes sexuais. Ridiculo tudo isto…perdão, risivel.

  32. K.

    A “servidão voluntária” – tem origem num título de La Boétie, amigo dilecto de Montaigne, que nada tem a ver com essas fantasias lúbricas a que V. quis associar a expressão.
    Saiu-lhe na água o tiro que visava o porta-aviões.

    msp

  33. MSP, ainda não percebeu os usos por aqui? Eu explico, quando alguém afronta sua santidade, vêm logo os cães de guarda, enquanto a figura parda fica nas covas.

    Será que usei muitos adjectivos, como diz o estarola que é amigo de metade do mundo? Ele há cada um.

  34. Henriques, não te ponhas em bicos de pés…
    OOOH, MSP não me diga…agora que isto estava a ficar interessante. mas ok aceito uma partidinha de batalha naval.
    Fantasias lubricas :)) essa cabecinha é todo um programa.

  35. também acho a cabeça do Miguel todo um programa. um programa muito à frente no que diz respeito a cidadania.
    isto aqui é mais do valupismo e da vitimização. expor caixas de comentários de outros blogs é o prato do dia. o preferido das comadres diz que disse , aliás.

  36. Senhor Ibn,
    Fui consultar os livros, os alfarrábios, as doutas sentenças, e as caganças em uso no seu bairro, telefonei aos meus amigos, e aos seus (sim, “parce que monsieur á des études…”) e descobri que, e cito:
    – Estarola: o que se veste à moda, janota.
    Agora, e sempre, insisto: – Uma vez labrego, labrego toda a vida.
    Este adjectivo também lhe pode servir a si e, senhor Ibn Labrego, não fica nada mal ataviado.
    Se não tem argumentos, por que é que se mete nesta confusão?
    Para tontices, já bastavam as dos citados, alunos da alta escola da suspeição, guardiães da verdade e do pensamento único.
    Não gosta?
    Aceite-se, pois, mas mude de ares.

  37. Ó Albergaria,

    Desculpa aí meu, que já vebi um bom dum binho hoje e a inspirãssaoe vateu-me à caveça.

    Oube lá ó meu garnda cagão, foste consultare a caganças do outro e as doutas sentenças e meu granda destraídu pá, atãoe num saves que num podes escrever assim
    “parce que monsieur á des études…”) mas deves escrebere assim
    “parce que monsieur a des études…”) Saves puerquê pá? Eue esplicute: o «à» é uma prepusissaõe e o «a» é um verbo pá, é do verbo «avoir», calaro meue se falares á Puorto podes sempre dizere «aboire» ka gente num simporta, caragu.

    Tás aber, tens da ter cuidado cum as caganças, meu, podes burrarte.
    Oube, nem tatrebas a risponder-me!

  38. Dentro de muito em breve os jornalistas que andam à procura da mãe do filho do Ronaldo deixarão de o fazer para andarem à procura do(a) Valupi… tenho a certeza que se o 24horas não tivesse fechado essa seria uma capa garantida!

    este tipo de conversas dá mesmo vontade de rir…

  39. josé estalagem, larga o vinho pá!

    Ainda bem que telefonaste aos amigos, sozinho não chegavas lá, era?

    pena que a ajuda tenha sido tão fraquinha. Ó pá busca lá mais um bocadinho, verás que encontras outros significados, ah se os amigos não te conseguirem ajudar diz qualquer coisa!

  40. boas e más noticias.
    1º as más : descobriu-se uma correlação positiva forte entre alardeamento de conhecimentos e idiotia.
    depois as boas : o barnard junior realizou , com sucesso , o 1º transplante de neurónios , logo há esperança para quem diz que toma café com o senhor do lacinho e mais não sei quantos tipos célebres na aldeia.

  41. “Eu explico, quando alguém afronta sua santidade, vêm logo os cães de guarda, enquanto a figura parda fica nas covas.” Já se os cães de guarda forem autores do blog está tudo bem. Vai-te esconder, Ibn.

  42. Tentar dialogar com crentes social-fascistas revisionistas, que nunca foram democratas na puta da vida, é uma pura perda de tempo.
    O Valupi tem razão, o fantoche lambe-botas Miguel Serras Pereira é um labrego.

  43. Chamar uranista a um gajo depois de ele lhe ter corrigido o francês é mesmo à Mação de Cima! Il est des hommes comme ça…

    Uranus is so wide, dear, can I come another day?

  44. Ó Albergaria do catanu….eu meto-te uma coube pelo ravo acima, meto, e tu bais ber o ké um uranista. Vais chiar até dizer xega. Toma lá outra em francês das tuas cunsultas: va te faire chier, t´as compris salaud duma figa? bai chamra panaska à toi-même, ó pêdé duma figa.

    Grazie Giroflé.

    Tás a ber estes gajus pensam mesmo keu sou panasca, só purke digu ke gosto domens.Imagina lá meu, num bêm ao longe, tás ber?

    Ó traques,

    Pára de largá-los pá. Tu da besz em kuando, passas-te.

  45. Ó Zé pousada, afinal para além de estarola também és rabeta? Não fugas que também foram as companhias e as amizades!

  46. Ó tou-te a ber, o teu francês é maravilhoso! Quando eu tiver dúvidas nas traduções que estou a fazer, é contigo que as esclareço, oh cabecinha iluminada!

  47. Cáudia, bella,

    Num traduzas aquela gaita, pá. Kando não bem aí a outra e xama-nos prostitutas, mas o balupi teve muita bem na resposta, o cagão de merda respondeue muita vem à outra. O gaju suviu pra cima da minha considerassãoe.

  48. Balupi, mio amore, si ma bisses caias de cue. Olha keu nun sou o ka paresso. Ai loube iu.

    Só escrebes merda, mas mesmo assim, ai lobe iu. cunta aí, tu fazese puvlicidade a pensus higienicus ou ao goberno? inda num ta perssavi. o socratese é taoe feioe pá, o gajo nem tem cu pra apanhare um balente puntapé. Num gostes dele. Se num gustares dele, eu encinota a escrabere, a dissertare, a filosofare, eças merdas todas katu keres fazere e num cunsegues. Porra.
    Disculpa, eue sou cumo a namorada do pimpe do filme, sofro de tourette, come na merda, desculpa lá outrabez, ka lingua foje-me e só ovedece ao neurónio mais urdinário ka tenho na caveça.

    Cunta ái quanto medes?

  49. Tás parva, tou ta ber. Hoje ainda não conseguiste largar o modo suspensão.
    Que não conheças o figurante ainda vá que não vá, mas deixares dicas para ele se esconder é pior que um treçolho. Ele percebeu, mas vê lá se rebateu.
    O de vez em quando é que me chateia. A blogue está cheia de gente a arrotar postas de pescada. Cada uma melhor do que a anterior. É muito pior do que peidos. Pois eu não faço parte desse filme. Chamem-me gaiato ou peidolas. Essa é a parte para onde eu durmo melhor.

  50. Ó traques,

    Mas tu agora mudaste-me o seço. Tás a dizere keu sou mulhere? Ó artolas do carago proba lá isso.
    Num sãoe peidus, sãoe punze, mas ka merda da linguajem é eça?

    Cala-me eça bucarra, acavaste de largare diarreia. Se tapanhao, partu-te o calcio, seu pum mal xeiroso. Porra, pá já esgutei as maskaras todas.

    Ai loube iu Balupi. nunka retribuis o meue comprimento, seu cagãoe do catanu.

    TRAQUES vai cumer milhu.

  51. tou.te a ber, és o maior.
    um tipo que consegue arrumar a esgrouviada da nazzie em duas penadas, que escrebe com a pronúncia do nuorte e que ainda faz gratuitamente correcções de francês a boas almas que são o cúmulo da erudição, só merece a minha admiração.

  52. Deixa lá isso, ttb. O PPereira também é a loira do regime com barbas e tudo. Mas fica descansada que já me penitenciei com 42 vergastadas e tenho aqui o cilício cravado na coxa durante o resto da semana.
    Só cá faltava mesmo um Marcelo RSousa, versão pindérica, a avaliar os comentários. Até para o original raramente tenho pachorra.

  53. TRAQUES,

    tu num boltes a xamar-me mulhere, seu cagãoe. olha keu tenho pelos e num saves tu onde. Seu cara de nadega encardida. tu gustas de mie, já bistes ke tás sempre a respundere-me, daki num lebas nada. num te cunvido pra ir aos figus, purque perdias cumigo. e o marcelo é bué da giru, é giru, giru, giru. tá sinbejoso, é o kacho.

    num falu mais cuntigu. istás a acidiar-me.

    GIROFLÉ,
    bem ká defendere-me do puto, mal tiroue as fraldas e tásse a atirare a mie.

    balupi, descansa, tenhu um lugar guardadu pra ti no meu curacoe, vem lá no fundu, pra ningem dar pur ele.

  54. Já estás a pedir apoio “jurídico”? Não sabes que quem anda à chuva corre o risco de se molhar? Não fazes o meu género. Tens muita garganta.

    Vamos, então, ver quem se mete com quem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.