Antes a geringonça do que a república dos fogareiros

Quando uma decisão política, tomada por políticos eleitos e que interfere apenas com a classe política é desfeita por um tribunal (a pedido de uma minoria de políticos, entre os quais a candidata Maria de Belém...) está tudo dito sobre a rigidez do sistema. Simplesmente não se pode mudar quase nada, porque haverá sempre um argumento qualquer para abater uma mudança destinada a corrigir uma lei parola. Mais do que nunca, será preciso rever os poderes do TC, alinhando-o com o interesse da comunidade. Um governo de juízes não serve. A geringonça é isto.


André Macedo

__

O André faz um editorial no centenário DN a apelar à revisão dos poderes do Tribunal Constitucional porque… a Lei foi cumprida. Fez-se Justiça, logo algo está mal. Pelo caminho, imagina-se fogareiro e dispara contra a classe política, o regime e o Estado de direito. Às tantas, ainda vai imitar o Observador e lançar uma revisão constitucional feita na casa com o prestimoso contributo de uns cliques que representem o “interesse da comunidade”.

Foda-se. Tu é que perdeste por completo o juízo, amigo.  Olha que nessa categoria de “imprensa” a concorrência é feroz e já domina o mercado. O mercado e, pelos vistos, a elite da opinião profissional portuguesa.

11 thoughts on “Antes a geringonça do que a república dos fogareiros”

  1. o tribunal constitucional segundo parece, deu parecer para o cumprimento da lei. o problema na minha modesta opinião é da lei.não é por acaso que os deputados requerentes o fizeram debaixo do anonimato.

  2. Domina a imprernsa e o mundo. Resistem uns valorosos iluminados, na Venezuela, Coreia do Norte e aparentados, que como é de ver são mais inteligentes , melhor , são os “unicos ” inteligentes a face da terra.

  3. Repito e não me canso:

    O meu ídolo de Santa Comba tinha os tribunais plenários, lá sabia quem era a gentalha que tinha que manter na linha!

    Qual tribunal constitucional qual porra!

  4. Neojornalismo. Uma sensação desmesurada de influência sem um mínimo de responsabilidade que resulta numa evidente mediocridade e falta de credibilidade.

  5. “… a Lei foi cumprida. Fez-se Justiça, logo algo está mal.”
    O André Macedo foi claramente influenciado pela Marisa Matias: decisão vergonhosa.

  6. andré macedo, pensa assim, porque a maioria que na altura reivindicou a subvenção era do ps,caso contrario estava caladinho como bom fdpm que é.

  7. Esta conversa das geringonças é a essência da maneira de fazer política dos partidos da direita. E temos de reconhecer que é um sucesso. Tem sido sempre (um sucesso), porque os meios de comunicação social ainda dominantes (rádio, TV, jornais e revistas) ecoam até ao limite do absurdo as “bocas” da direita. Repare-se como, neste momento, está o país inteiro a tomar conhecimento de que o Sampaio da Nóvoa é um falso licenciado (tal como Sócrates). Os pares de Sampaio da Nóvoa sabem que isto é uma tremenda atoarda, mas vão deixar que ela passe e se instale na opinião de um público doutrinado por uma comunicação social de um só patrão ideológico, ainda por cima grotesco e revanchista. Os académicos deste país, todos, só reagirão quando a calúnia lhes bater à porta. Tem sido sempre assim. Serão assados, um por um, quando perderem as boas-graças dos donos da comunicação social. Qualquer dia já não tenho pena dos que vão caindo às mãos da patifaria da nossa comunicação e seus cúmplices, por saber que estiveram caladinhos até os fdp lhes baterem à porta.

  8. valupi desculpa a deriva. vi ontem a entrevista a vieira da silva na sic noticias,onde mais uma vez mostrou a sua inorme competência,perante o “canalha” do josé ferreira.boas noticias deu aos portugueses em idade de reforma.o zé perante tal competência,tinha que terminar o programa desta forma sem dar direito ao contraditorio.cito: “e quem paga saõ os contribuintes” se fosse eu chamava-lhe fdpm!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.