11 thoughts on “Amy Cuddy: A nossa linguagem corporal molda quem somos”

  1. Sim, as hormonas são importantes para as emoções humanas, mas não me parece que sejam o principal determinante. Especialmente a testosterona, presente, por exemplo, nos peixes. Bem como os diferentes níveis de testosterona entre homens e mulheres, que não foram mencionados. Eu percebo que isto não era uma conferência cientifica, e provavelmente, a Amy Cuddy conseguiria responder às minhas dúvidas. Mas, tal como ela refere, eu sou um dos que ficam com o pé atrás :)

  2. determinante não é. nada é, aliás, determinante. assim como tudo determina tudo. somos, inteiros apesar de a maioria não viver – não pensar, não sentir – como tal. estava agora a lembrar-me do sexo, da postura do sexo, neste contexto. se um sexo sempre erecto é para a maioria forte indício de saúde numa outra perspectiva o Homem saudável será aquele que apenas se excita, e aqui excitação não é um processo meramente fisiológico nem do corpo, com o que lhe roça na alma. por outro lado, a sensação de vivacidade e de saúde que os movimentos corporais provocam são o resultado da masturbação prévia de outrem porque a sermos nós a provocar-nos estaremos perante, e sempre, um espelho e aqui a solidão conta tanto para o poder do dentro, isto da programação neurolinguística, como para o controlo do poder do fora, isto da moldagem do que somos, e estaremos perante a mera fantasia. ou seja, o sermos inteiros psicossomáticos e somaticópsicos (:-)) – apesar de realidade – não está acessível a todos. e é por isso que tanto aprecio toques sociais destes: sempre são uma ajuda, parcial, na passagem da mensagem de que afinal, no início e no meio e no fim, somos inteiros. venha quem vier.

  3. Primo, ocasião para uma anedota velhinha:

    -What is mind?

    – No matter.

    – What is body?

    – Never mind.

    __

    L*, o vídeo continua acessível. Eventuais falhas, ou serão temporárias ou relativas à tua ligação ou computador. Se procurares pelo título e autora, encontrarás outros locais onde ver o vídeo.

  4. andei à procura no fora e encontrei nada. :-( então resolvi procurar no dentro.

    as duas pencas portuguesas, nobel da completude, em entrevista à CNN para o mundo:

    diga-me lá afinal, penca-mente, mente?

    sim, amiúde, quando quero enganar a penca-corpo.

    e você, penca-corpo, mente?

    lamentavelmente sim: quando preciso de convencer a penca-mente.

    então onde está aqui a completude se ambas se baseiam na mentira?

    a completude está no que vamos, e nao no que ainda somos, ser.

    então e ser completude é…?

    caldo verde.

    caldo verde.

    podem explicar-nos o que é caldo verde?

    falas tu ou falo eu?

    falo eu: é a mistura de nós, bem fininhas, em caldo com batata bem passada a verdade. e somos servidas bem quentinhas e com chouriço a gosto.

    parece-me muito bom.

    e é; e é. nós bem dissemos que o caldo verde é para divulgar ao mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.