Se conseguires, Portas, ainda te erguemos uma estátua

Portas foi ao aeroporto de Figo Maduro esperar Passos, que regressava de Berlim. Passos, por sua vez, tinha recusado a demissão de Portas e afastado ao mesmo tempo a sua própria demissão, porque no dia seguinte ia a Berlim. A ânsia de Paulo Portas em saber ao vivo o que achara Berlim da situação criada pela sua zanga cá na província só tem semelhança, em impulsividade, com a carta de demissão escrita numa madrugada mal despertada. Mal podia esperar pelo teor do raspanete. Correria depois a meditar na melhor forma de se redimir.

Assim, mais pose menos pose, mais jogos de palavras menos jogos de palavras, nada farão que contrarie Berlim. O que cada um pensa, sente e quer tem, pois, muito pouca importância por estes tempos que correm. Sorte de Passos, que não pensa nada. Está à vista que nada nas relações entre estes governantes e entre eles e o povo português funciona. Porém, cedendo ao ridículo, regressam à carteira e prometem portar-se bem. Bem em relação a quem é o que veremos. Ah, mas a partir de agora, deixam a linha telefónica com Berlim aberta em permanência.

O programa de resgate afundou o país. Está tudo mal, ninguém no Governo sabe o que fazer. Gaspar, que, convém lembrar, achava antes de partir que tínhamos chegado à fase do investimento com ponto de exclamação, conseguiu escapulir-se contando a Schäuble o que lhe acontecera num supermercado. Os que ficam terão que puxar mais pela imaginação se quiserem bater com a porta. Para já, mal podemos esperar pela justificação que Portas nos dará (e que não mencione Berlim) para a transformação de uma decisão irrevogável numa totalmente revogável e da recusa de uma ministra na sua inquestionável aceitação. Fazer de fantoche é isto. Mas, caso se tenham esquecido, é em Portugal que governam e é aqui também que levarão um enorme piparote no traseiro mais dia menos dia. A única hipótese de tal não acontecer é esta crise ter contribuído para uma reavaliação das linhas da austeridade, lá está, por parte de Berlim, e a loucura de cortes parar hoje mesmo. Se assim for, fez bem Portas em arrastar a “reforma do Estado” até à sua demissão e à agitação que se lhe seguiu. As piruetas e mortais encarpados à retaguarda ser-lhe-ão convictamente perdoados. Será isto uma impossibilidade? Dir-se-ia que é. Mas aluno mais cumpridor das orientações europeias nesta crise não há, nunca houve e nunca haverá. Deixar cair o país seria o maior fracasso de Berlim e da Troika. Nas próximas semanas Portas terá, portanto, o destino marcado. E Passos também, eternamente por arrasto. Ou uma versão mais desagradável do que o cuspo atirado a Gaspar ou a glória. Estás a ver, Portas?

7 thoughts on “Se conseguires, Portas, ainda te erguemos uma estátua”

  1. Isto é um plano de meticuloso e eximiamente executado para arrasar com o sistema democrático. Não é possível descer mais baixo e se o governo não cai perante o que se passou, então não mais cairá. O plano era precisamente este, humilhar o povo e encostá-lo às cordas. Era bom que os seus dois primeiros parágrafos alertassem para esta antecâmara da ditadura e não para essa novelazinha psicológica que não tem a mínima aderência à realidade. Estes políticos são pessoas muito bem treinadas, táticas e calculistas, não subestime o adversário com histórias da carochinha.

  2. A Penélope (naíve) continua a pensar que isto são tudo arrufos da “bicha” Portas. A estratégia (internacional) continua a ser implacavelmente executada e, por isso, Schaulbe e, depois dele, Barroso e o presidente do BCE, vieram aprovar a nomeação da secretária de estado, Albuquerque. Se este plano falhar (a ver vamos), lá estará o Seguro para continuar o regime. Por isso, o Balsemão o levou (com o Portas, norta bene) como convidado a Bilderberg, onde o apresentou à alta finança mundial. O poder não cairá na rua, pois a sua continuidade está garantida. Acorda, pá!

  3. acho que isto é uma luta entre submarinos e bpn, onde a tecniforma faz a entrega dos recados. até ver o portas esteve bem e soube aproveitar o momento para enfrentar o bolicoiso, vejamos se não fica no forno a coser em lume brando, especialidade do palhácio de belém. entretanto aproveitaram para legitimar mais um assalto aos bolsos dos contribuintes e do poder, desvalorizando a democracia com a ideia que eleições não resolvem nada e são vícios de ricos que não estão ao alcance das nossas possibilidades, para não falar do risco de desmaio que sexa correria se tivesse que empossar um governo seguro/portas. acho que isto vai acabar assim:
    http://www.youtube.com/watch?v=RIxHdE_eJ0w

  4. rui mota: Mantenho tudo o que disse. Se for verdade o que se lê nos jornais, ou seja, que Paulo Portas passa a vice-primeiro-ministro e o CDS reforça poderes no executivo, temos Passos a passar da tutela de Gaspar para a de Portas. Se alguma coisa mudar para melhor na orientação do Governo, Portas sairá beneficiado. Se não, o Governo tem os dias contados e o descrédito agaravar-se-á, se é que tal é possível. Não se aguentarão.

  5. quando for para melhorar o boliqueime mete lá os fiés do gang original, na fase de destruição ofensiva convém manter os adversários internos e se possível comprometer os externos. o gajo é bronco mas sabe fazer pela vidinha.

  6. Em que supermercado foi? Não houve lugar a queixa formal contra os alegados agressores? Gajos que mostram um A4 levam porrada e vão presos, outros que apelidam o Inquilino de Palhaço vão a tribunal…. Relvas continua a ter guarda-costas passados 3 meses mas, o ministro mais odiado passeia-se com a mulher sem qualquer escolta? Porque são os textos de noticia, de todos os media, iguaizinhos mais palavra menos palavra? Essa história esta muito mal contada.

  7. E essa cartinha do Gaspar se foi ele que a escreveu vou ali e já venho. Parece uma Sales letter de lavagem cerebral para distraídos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.