Psst, ó Paulo Rangel, o homem não acha que exista algo de que reclamar!

Paulo Rangel, na sua página de hoje no Público, defende, conciliador e crítico suave, que o Governo jogue em dois tabuleiros: no primeiro estaria o Gaspar a fazer de bom aluno, no segundo o Portas a exercer pressão diplomática junto da UE para sensibilizar os seus dirigentes para o efeito contraproducente da austeridade e demonstrar-lhes “que esse não será talvez o melhor caminho”. O oximoro governativo que tal situação criaria não preocupa Rangel. O Gaspar e o Portas a colaborarem? Nem Portas ousaria, nem Gaspar sabe quem é Portas. Gaspar sente-se “confortável” com o que está a fazer, já o disse pela voz de Passos. Gaspar nem quer ouvir falar da possibilidade de uma flexibilização das medidas. Para ele, este é o caminho e quem o contradisser é burro e não sabe ler folhas Excel.

O problema de Paulo Rangel é não estar a ver bem quem é no Governo o primeiro-ministro em termos práticos. Mais: parece não saber de onde ele saiu e para onde vai voltar não tarda.

Aqui fica a parte final do seu artigo:

“Poderia também objectar-se que o ministro dos Negócios Estrangeiros ao fazer — registe-se a ironia — “diplomacia paralela” ameaçava entrar em divergência com o eixo do primeiro tabuleiro, protagonizado pelas Finanças. Mas sabemos que o ministro dos Negócios Estrangeiros não se tem inibido de expressar divergências nos mais vários domínios. Ora, não seria de esperar que as formulasse, se as tem, com mais cabimento e com mais legitimidade, precisamente na área que tutela, que melhor conhece e na qual dispõe de poder próprio de intervenção? E, feitas as contas, essa pretensa divergência e a complexidade que ela traduziria não poderiam constituir também mais um trunfo negocial junto dos nossos parceiros?
6. Mostrar disponibilidade para cumprir o que nos é exigido, mas demonstrar que esse não será talvez o melhor caminho; creio que anda por aí a solução para mais uma crise da nossa independência. Oxalá, os ministros de Estado a compreendam.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.