Europa, carteira e 112

Eu sei que já cheira mal falar da Europa, mas não há como escapar do facto de a União Europeia estar a chegar à sua última encruzilhada nesta crise. A Espanha e a Itália entraram no processo irreversível de subida das taxas de juros, não havendo medidas de contenção da despesa que lhes valham. Em Espanha não sei até se ainda sobram algumas. O ministro das Finanças alemão e a líder do FMI começaram ontem a dizer o que sempre têm dito de cada vez que um país se abeira do precipício, ou seja, “não está prevista, nem será necessária qualquer ajuda a Espanha ou a Itália”. Começamos a estar cansados destas afirmações, destinadas a acalmar mercados que não têm a mínima intenção de se acalmar.

Segundo Paul de Grauwe, economista belga ultimamente muito citado, a UE tem de reformular-se de alto a baixo, revendo os tratados, e o BCE funcionar como a FED norte-americana, com poderes para imprimir moeda. De outra maneira, o problema dos juros não se resolve.
Pergunto-me se os alemães não estão apenas a protelar qualquer decisão mais drástica – nomeadamente o fim da moeda única – para que os seus bancos consigam recuperar o máximo que emprestaram, antes de se fecharem na sua resplandecente galáxia, de onde dirigem os seus súbditos europeus, e reintroduzirem o marco com o mínimo de perdas possível.

Com estas perspectivas negras e agitadas, os cerebrozinhos que nos governam e que continuam a acreditar que assim é que é, só exangues veremos a luz do crescimento, deviam deixar de parasitar a carteira das classes média e média-baixa portuguesas e ter, eles sim, alguma contenção no entusiasmo do saque. Aumentar os transportes públicos daquela maneira e, ao mesmo tempo, não em alternativa, cobrar taxas à entrada das grandes cidades é ir verdadeiramente depressa demais no seu mandato como comissão liquidatária.

Por outro lado, efectuar uma chamada falsa para o 112, ocupando assim a linha, para comprovar a existência de 5 ou 6 segundos, repito segundos, de espera a mais no atendimento de uma chamada (aquela, claro está) em plena Assembleia da República, transformando isso numa estatística nacional instantânea, com direito a televisão e tudo, demonstra grande estupidez.

10 thoughts on “Europa, carteira e 112”

  1. Um dia, numa comissão qualquer da AR, quando estiverem a debater o problema dos crimes em Portugal, ainda vamos ver um deputado afecto ao governo, como neste caso, a praticar um, para ver qual a causa para o seu combate. Entendo que cada macaco deve estar no seu galho e não se meter em assuntos que competem a outros. No caso das chamadas falsas a deputado se tivesse o mínimo de decoro pedia a exoneração. Quanto ao ter de praticar um crime para ver a causa efeito, entendo não ser necessário, porque ali, no Governo e na Presidência da República não faltam exemplos.

  2. Val, eu penso que a pressão interna nesse sentido irá pesar alguma coisa, em função do agravamento da situação. Outra alternativa é restringir o clube do euro a uma elite de países. Enfim, o tempo está a permitir-lhes recuperar o dinheiro emprestado. A ver vamos.

  3. Cher madame

    Je vus ecri en françois técnique pour demander de me trouver une place
    pour aprendre filosofie à Paris. J`ai decidé de vous contacter pour
    obtenir um petit avantage comme on fais en bons socialistes, meme si
    vous etes royale et moi republican (ah ah ah).

    Je vais etre um grande tromphe pour votre academie, car je m`apele
    Socrates et je serais une grande inspiration pour professeurs et eleves
    même si je suis en plein moyen age et je n`ai toujours pas bu la cicute
    (ah ah ah).

    Vous pourrez peut-etre demander au recteur de me arranger un
    curriculum moins chargé. Je ne necessite pas de aprendre Filosofie
    Antigue, a cause de mon nom. Je ne necessite aussi de aprendre Filosofie
    du Conheciment, car je connais tout le monde. Je ne necessite non plus
    de aprendre Cience politique, car jai eté premier ministre du Portugal et jai toute la cience politique quil faut. Et je ne necessite aussi de
    savoir Etique car personne connait mieux la Etique que ce que la fuit
    tous les jours. Et comme la Logique est une batate (ah ah ah), je ne
    necessite de l`etudier aussi. Donc je crois pouvoir faire la licenciature en un an, ce que sera bien plus que le temps de me faire ingenieur.

    Comme vous aurez des elections en bréve je pourrais aussi vous aider,
    car je sai tout de machines et propagande, et vous non. Je le ferais
    bien plus entusiastement si vous me trouvez un apartement au XVI que je
    ne sais pas ce que c`est exactement, mais Maria me dit que ça irai bien
    avec moi.

    Je vous abrace cordialement

    Socrátes

  4. Esta chamada ilegal para experimentar a linha do 112 faz lembrar aquela da Junta de Freguesia onde um pirralho (autarca jovem) de 23 anos disse, a uma advogada que trabalha para a dita Junta há mais anos do que ele tem de idade, esta coisa assombrosa: «Não tenho confiança política em si!».

  5. A questão pode não passar pela Alemanha querer ou não manter o Euro. A questão passará provavelmente pela questão de se será viável fazê-lo. É que Espanha e Itália são economias gigantescas, e reforçar o FEEF de modo a lidar com eles vai necessitar de contribuições gigantescas por parte da Alemanha,França, Holanda, Finlândia, e os restantes países que ainda têm rating AAA, por volta de 1.8 triliões de Euros, segundo o que sei. A questão é que a economia de França já está a tremelicar, e caso se veja obrigada a endividar-se mais para pagar a sua parte da contribuição, isso degradará as suas condições de acesso aos mercados e irá conduzi-la ao mesmo caminho dos outros países. E depois?

  6. @Vega9000,mais que a tremelicar. Penso que nem a xafurdice do Sarcozy na Líbia os vai safar. E mais não digo…

  7. A gracinha da falsa carta escrita por Socrates a Segoulene Royale, ainda é mais nojenta do que a chamada falsa feita por uma idiota no PARLAMENTO, pois não merece o ordenado que recebe.

    Seria bom que as pessoas que nada mais fazem do que achincalhar pessoas respeitassem a dor dos familiares, sejam a mãe, os filhos e outras pessoas que gostam do José Socrates. Não é meu caso, pois nem sequer o conheço, nem tão pouco o seu blog onde parei por um mero acaso, mas sinto-me com náuseas, por parcialmente ser Portuguesa e haver aqui anónimos que não têm coragem de dar a cara, como é o seu caso.

  8. ó lidia sousa, vomita para bem longe essa tua náusea e deixa-te de pruridos piegas e patetas. ninguém pôs em causa a dor de ninguém e muito menos a dos seus familiares, porque não lhes foi endereçada ou dirigida. a piada refere-se ao socrates, personagem político, apenas. já agora, pede a nacionalidade do que quiseres, mas deixa de infestares esta catedral da bajulação alzheimica com rebates de consciência com timbre de falsete …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.