Céus! A Gucci paga assim tanto?

 

Desculpem os leitores que preferem temas mais leves, como a política… Hoje escolhi um mesmo pesado, como, aliás, podem ver pela decoração, as cores e… as sobrancelhas “à la” Cara Delevingne. Acontece que acabei de ver a série “The night manager“, protagonizada pelo senhor actor com voz de intérprete shakespeareano que ali aparece na fotografia (Tom Hiddleston), altamente sedutor, e ia-me dando um baque. Recordo que, na série, o seu papel é de agente secreto (e de apaixonado – por uma mulher) em missão de combate ao tráfico de armas para a zona mais explosiva da actualidade. E que bem o faz. Desculpem-me também os que eventualmente acham a indumentária que enverga na foto extremamente chique e bem conseguida pelo ateliê da Gucci. Mas, o que é isto? E as meias? E os sapatos? E a pose?

Ó Tom e Oh Tom! Porquê?

(foto retirada do DN de hoje)

13 thoughts on “Céus! A Gucci paga assim tanto?”

  1. até está giro , o conjunto todo . integrado numa cena ” a moda através do tempo ” , seria assim uma cena sec. XVIIIintage :) uns tecidos e sapatos e umas poses à nobre inglês do passado.
    que falta de imaginação , pá.

  2. ok. um bocado amaricado , mas quem é que compra gucci ? as mulheres não .

    de qualquer das maneiras os costureiros fizeram/fazem das mulheres palhaças a toda a hora com modelitos completamente ridículos , chegou a vez deles , dos homens serem ridicularizados pelos modisttos :)

  3. Isto é um cartaz da União Zoofila para betos. O gajo é representado como um pet, um animal de companhia juntamente com os galgos afegãos e o papagaio em ambiente familiar. Claro que é para mulheres.

  4. pode ser .. mas para mulheres que põem lacinhos rosa nas orelhas e rabos dos lulus e que têm um marido de bigode lustruso e com anelinho no mindinho :)

  5. Eheheh isso.
    Isto é altamente aspiracional, tipo donas de casa desesperadas. O gajo e o tipo que substitui imaginarianente o marido de bigode lustroso, um acompanhante de luxo sem envolvimento emocional e sem culpa. Um pet/pavão. Pelo menos essa e a minha leitura.

  6. eu que também gosto do actor, fiquei de boca aberta com esta foto. é o que eu chamo de kitsch, na verdadeira acepção da palavra.

  7. qual é o problema de o Tom estar na sala das maravilhas rodeado de poesia se a poesia é feminina? pois parece-me, muito bem, uma lufadinha de ar fresco perante tanta calça rota e tanto sapato compensado a TT. :-)

  8. Penélope, como diria o Lucas Galuxo em mais um contributo importante para «os leitores que preferem temas mais leves, como a política» como é o caso do Valupi, entendamo-nos porque o Tom também não poderia «vestir flanelas da Feira de Carcavelos» e andar por aí a mostrar-se e as fazer-nos felizes da vida.

    http://2.bp.blogspot.com/-TVMjQ_9JMP8/UmM2o4PRGDI/AAAAAAAARWU/k-xCyh3iUVo/s1600/g_2274.JPG
    (sacado de um blogue perto de si)

    Para além do estilo barroco gosto de ambas as poses, a propósito.

  9. «Embora eu corra o risco de desiludir todos aqueles que estão convencidos de que sou um beto de Cascais com motorista e caddie, a verdade é que passo a vida a andar de metro. » – João Miguel Tavares, hoje.

    Depois do estilo barroco do Tom que vidrou os olhos da Penélope, do estilo antologicamente moderno e snob do José perpetuado não no bronze do Chiado mas numa cadeira ergonómica aquando de uma importante entrevista, também antológica, com que foi obsequiada a Clara Ferreira Alves e que me rememorou a mim, eis alguém que, a coberto do saloismo mediático que vai dando para mais uma sopinha, alguém, dizia, que parece que não se importa de vestir as suas farpelas (presumivelmente das «de flanela», Galuxo dixit) e, pela fresquinha, se veio lamentar de um falso lamento alheio (um truque conhecido no tipo, sublinho) e que lhe custa desiludir os seus fãs. E porquê, …?!

    Eu por mim nem me lembraria de tal, confesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.