3 thoughts on “A quarentona mais rápida do mundo”

  1. Anatomia da errância
    No livro a que roubo o título deste post, Bruce Chatwin escreve que o “mundo é nómada nómada”. É uma fantástica história de “heróis revolucionários” que nada valem antes de terem “feito uma boa caminhada”. Heróis que passaram pela “fase nómada” (Che Guevara); uma “Grande Marcha” (Mao) ou um “exôdo” (Moisés).
    O palimpsesto de Chatwin explica ainda que os bébés dos caçadores do Calaári “nunca choram e são dos mais contentes do mundo”. Explicação: estão sempre em movimento – as mães levam-nos atados junto aos seios “e são embalados à saciedade pelo passo dela”.
    Outras pérolas: somos terrestres antes de tudo – “o pobre do Ícaro despenhou-se”; “a coisa melhor é caminhar. Devíamos seguir o poeta chinês Li Po ´nas muitas fadigas da viagem e muitas bifurcações do caminho`”; “Ninguém se torna profeta antes de ser pastor” (Maomé) ou “os surfistas falavam de si próprios como ´viajantes sempre a caminho´(…) O Ideal surfista era caminhar como pedinte ou dançar até atingir um estado de êxtase permanente, ´tornar-se um morto ambulante`, ´alguém que já morreu antes do tempo´”. Com Chatwin descobre-se que a palavra xadrez em sânscrito significa “alcançar a outra margem”; que uma bola de futebol pode ser vista como uma “ave migratória” ou que as drogas são “o veículo daqueles que se esqueceram como se caminha (particularmente acertada esta última observação)”.
    Chatwin cita ainda um Pascal sombrio: “Notre nature est dans le mouvement… La seule chose que nous console de nos miseres est le divertissemente”. Epílogo: “Não admira, pois, que uma geração protegida do frio pelo aquecimento central, do calor pelo ar condicionado, transportada em veículos assépticos de uma casa ou hotel para outros similares, sinta a necessidade de viagens do corpo ou do espírito, de excitantes ou tranquilizantes ou das viagens catárquicas do sexo, da música e da dança”.
    O meu corpo está a pedir praias desertas e aldeias fantasma. Ou então, que embarque, como o preto do Narcisus, para morrer perto da costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.