Trânsfugas

Há uns dias, eu e o Zé Mário passámos em revista o pelotão de desertores da extrema-esquerda que hoje engorda as engravatadas fileiras do liberalismo. Confesso que dedicámos longos minutos à patusca figura de João Carlos Espada, o oxfordiano de obra invisível e famoso amigo póstumo de Karl Popper, antes um assanhado controleiro marxista-leninista-estalinista.
A páginas tantas, pergunta-me o Zé Mário: “será que o inverso também é possível, e muita desta malta que hoje escreve em blogues liberais vai dar em esquerdista daqui a uns anos?”
Por muito que me divertisse a visão do João Miranda de T-shirt do Che ou do Luciano Amaral numa manif de braço dado com a Odete Santos, tive de ser realista: “Não me parece. Aquilo deve oferecer melhores condições que a Esquerda. Pensando bem, é igualzinho ao que se passa com a homossexualidade: os gajos que para lá vão nunca voltam.”

14 thoughts on “Trânsfugas”

  1. Estás a falar para mim?!

    Quem és tu pá?!

    Não tenho nada para contar do referido senhor, a julgar pelas histórias que o meu pai conta das aventuras em que se metia, o JCE é que tem muito para contar.

  2. Não é mesmo disso que se trata.

    Mas vá lá vou-te dar qualquer coisa a ver se ficas mais contente.

    Eles viviam os dois em casa de uma tia minha, já muito depois dessa altura, a minha tia tinha por hábito viver com vários cães em casa, a minha questão é a seguinte: se a minha tia tivesse cães na altura em que o JCE vivia lá em casa será que os cães usavam gravata e havia high table lá em casa?

    E tu quem és ó empata festas: és o TT, o tchern ou o Luis Rainha?

  3. O Venâncio tem a mania que é campião. Então eu pergunto, o que é qu o Fernando entende por uma “tradução apurada” ?

  4. Quem é o Zé Mário? O Zé Mário Branco? Eu? Quem? É tão giro quando as pessoas falam assim do “Zé Mário”. Quem? Quem?

  5. Ó Sr. José Mário, Josés Mários há certamente muitos, alguns deles, há muito, que andam desaparecidos em parte incerta. A nós, que deles gostavamos, restanos a saudade.

    Boa noite

  6. Eu conheço três Zé Mários interessantes: o José Mário Silva, o José Mário Branco, o José Mário Costa.

    Aqui entre nós, o «Zé Mário» é o da casa, o primeiro citado. Nas belas casas (linguísticas) que o José Mário Costa anda construindo – para nosso conforto, claro – será ele só isso: «o Zé Mário». Acertei?

    Fernando,

    Desculpa a invasão, mas parece ser esta a única forma de comentar seja o que for.
    Trata-se do emérito Silva, é certo… Por acaso, já fui apresentado ao Costa há um ror de nos. Em que se gasta ele hoje em dia?

    Luis

    Luís,

    O José Mário Costa é (para o que mais nos interessa) o homem por trás do Ciberdúvidas e do programa «Cuidado com a língua!» da RTP.

  7. Deixem de lavar roupa suja.

    O que realmente interessa é que a velha máxima….

    Aos 20 revolucionário, aos 50 conservador….( salvo seja que eu apesar do meus 55 continuo a defender os mesmos principios da minha juventude, há e tambem ajudei a fundar a UDP ).

    Mas realmente ao longo dos anos, conheci muita gente que se dizia de esquerda, e que se passou com armas e bagagens para a direita.

    O inverso os dedos de uma mão chegavam.

    Os motivos não sei…. reaccionário uma vez…… reaccionário toda a vida…

    Talvez….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.