E os pretos? Esqueceste-te dos pretos!

Deixei de acreditar que o Estado deva gastar os recursos dos contribuintes a tentar «reintegrar» as «minorias» instaladas na assistência pública, como os ciganos, os drogados, os artistas de várias especialidades ou os desempregados profissionais” Miguel Sousa Tavares, Expresso

21 thoughts on “E os pretos? Esqueceste-te dos pretos!”

  1. A culpa é tua, Daniel Oliveira: lês os artigos do MST e elevas um bom entevistador e um escritor razoável de shit literature (tipo “Sul” ou “Equador”) à categoria de “pensador” – que é coisa que ele não é nem nunca será, por evidente falta de equipamento.

  2. E os da Santa casa da misericórdia, e os jogadores de futebol, e os políticos, e os construtores civis, e os banqueiros, e os administradores públicos, e já agora todos os Migueis que estão doentes e necessitam da ajuda do estado.

  3. Ainda bem que o rapaz foi escrever para o “Expresso”. Como já o deixei de comprar há varios anos deixei de ler o Miguel a partir de agora. O José Manuel Fernandes e o Pacheco Pereira também podiam ser transferidos para o jornal do Balsemão. O Sousa Tavares tem destas coisas porque está cheio de dinheiro, aprecia Barrancos e as touradas e gosta de ir à caça matar bichos.Logo há ali naquele cérebro qualquer coisa que não bate bem.

  4. O MST, que escreve a tal shit literature que os de esquerda nem almejam por que nem literature fazem, tem razão.
    Porque não abandonamos de uma vez por todas a escola social francesa (que deu fantásticos resultados no decorrer do último ano)e adoptamos a inglesa?
    Talvez um dia voltemos a ser um país que tenha orgulho em si mesmo.

  5. O MST, que escreve a tal shit literature que os de esquerda nem almejam por que nem literature fazem, tem razão.
    Porque não abandonamos de uma vez por todas a escola social francesa (que deu fantásticos resultados no decorrer do último ano)e adoptamos a inglesa?
    Talvez um dia voltemos a ser um país que tenha orgulho em si mesmo.

  6. É curioso o fundamentalismo com que uma e outra ala de sensibiliades (leia-se esquerda e direita) discute o tema. É mais na base do “ayatolismo” que da discussão ds ideias e princípios. O que faz do post e da generalidade dos comentário um deserto de esterilidade.

  7. Dois comentários: Primeira, a besta do Bigornas nem ao domingo descansa; segunda, o Pedro deve ter gostado muito do Sul ou do Equador e ficou chateado quando eu lhe que aquilo era shit literature…

  8. Pois ele não é o único…

    Somos uma nação pobre (estéril) e castrada (infecunda) … somos um povo descaracterizado, humilhado e cobarde cujos ídolos são uns, alguns de nós, a correr atrás de uma bola num campo relvado.

    “Eis aonde se chega na estrada do politicamente correcto: a intolerância religiosa não é de quem quer proibir os “cartoons”, mas de quem os publica.”

    http://sal-portugal.blogspot.com/
    JAC – Sal de Portugal

  9. “Escola social inglesa”!!! Só agora é que li… Não admira que, depois de ter lido tanta shit literature, o rapaz produza tanto shit mental… Outra coisa: a benefício da higiene pública, o post acima, do anormal que até aos domingos vem para aqui chatear, deve ser removido deste blog: eu sou um macaco branco, mas tenho um olfacto delicado e nojo de racistas (oh, saudosa Lubianka!)

  10. MST é absolutamente desconcertante. Muitas vezes escreve artigos bem escrtitos e com argumentos inteligentes. Noutras ocasiões escreve coisas como esta bosta. Nem se trata apenas de discordar das suas posições mas os argumentos utilizados são simplesmente patéticos ou inexistentes.

  11. O “caso” Miguel Sousa Tavares é sintomático de uma certa arrogância opinativa, derivada da tele-visibilidade (… proteja-se Daniel!).
    Muitos jornalistas/comentadores comentam tudo cheinhos de convicção. Tanto comentam aquilo de que sabem mesmo (aquilo de que são supostamente especialistas), como comentam aquilo de que pouco ou nada sabem.
    Lembro-me, por exemplo, de uma afirmação de MST sobre a arquitectura do Pavilhão de Portugal na Expo 98: “Ainda não foi desta que o Siza me convenceu”.
    Deduz-se que MST tenha grandes conhecimentos de arquitectura, mas não tem.
    Independentemente da opinião de cada um, será legítimo que os jornalistas exprimam o seu gosto pessoal legítimo como se fosse um dado universal?
    Parece-me evidente que a crítica de arquitectura, ou de outra qualquer especialidade, deva ser deixada aos respectivos especialistas.
    Infelizmente em Portugal todos parecem perceber de tudo e poucos parecem percebem daquilo que realmente lhes compete.
    Aos jornalistas cabe, certamente, um contributo informado, capaz de produzir opinião informada.

    Saudações ultraperiféricas.

  12. Portugal apoia a Dinamarca…
    Portugal está atento e sempre pronto para ajudar a Grande Nação que é a DINAMARCA.
    A tirania e fanatismo religioso, não representa nada, em relação à Liberdade.
    Nós vamos vencer.

    Viva a Liberdade de Expressão.
    Viva THE BRUSSELS JOURNAL
    Viva Portugal
    Viva a DINAMARCA

    Cumprimentos,
    Nacionalista

  13. Isto realmente é um verdadeiro pasto de néscios que só vêm aqui acicatar os opositores partidários…
    Parece que estou a vê-los a teclar de olhos esbugalhados, raiados de sangue, irados por opiniões contrárias. E prontos a debitar a doutrina, modelada por suas doutas cabeças, inflamadas pela incapacidade de sapatearem livremente os seus próprios destinos, as suas próprias ideias, condenadas a marcharem linearmente na permanente síncope cinzenta das suas convicções políticas e religiosas.
    Blinded by faith, you fling hate and irrationality instead of feces.

  14. Este comentário,
    é pólvora,
    uma bomba atómica,
    na iminência de rebentar.

    Esta afirmação é violência Pura.
    Alguém como este senhor,
    deveria pensar antes de escrever,
    uma afirmação destas.

    É deveras deprimente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.