Agradecimento

Eu costumo agradecer quando me oferecem algo. Todos os dias, ouvimos Bom dia, Obrigado, Desculpe, Com licença. E mesmo aqueles que não agradecem, por orgulho, por complexo, lá no fundo, agradecem, nem que isso se note após em actos. Há também os ingratos. A ingratidão. Contudo, como um dia, ouvira a determinada pessoa: Nunca te arrependas do bem que fazes.
Esta introdução, para quê? Para agradecer a influência positiva, fulcral, que o João Pedro da Costa teve sobre mim, ao indicar-me o caminho das traduções.
Esquecera-me das palavras e até da verdade que as próprias pedras teriam uma vida para além das leis imutáveis que nos querem impor. Esquecera-me de mim.
Portanto, fica aqui a minha gratidão para com o meu ex-colega da Faculdade e ex-blogueiro do Aspirina B.

Cláudia Rodrigues

6 thoughts on “Agradecimento”

  1. Traduzir Perec é impossível, Claudia. Experimenta lá escrever duas páginas de texto sem a letra E. Ou duas páginas usando só a vogal E. Depois tenta traduzir para francês.
    Houve quem tivesse traduzido merdas dessas para inglês, mas não posso afiançar que o resultado seja comestível.
    Para que língua estás a pensar traduzir o Perec?

  2. Nik, por ora não estou a pensar em nada. Concordo. Há coisas que são praticamente impossíveis de traduzir. Nem tudo se traduz. Até os próprios sentimentos.

  3. Nik: reduzes a obra do Perec aos seus aspectos mais pitorescos (La Disparution e Les Revenentes, nesse caso). Aconselho-te a descobrir o verdadeiro Perec: Les Choses, La Vie Mode d’Emploi (traduzido pelo Tamen), Cabinet d’un Amateur, Sopranica, etc. etc

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.