Afonsinas

O nosso amigo jafonso teve a amabilidade de nos enviar um bilhete onde dá conta das suas mais recentes peripécias.

Amigo Valupi duas palavras, embora atrasadas, sobre o teu post. Regressei ontem de Fátima onde fui em excursão organizada pelo centro dos reformados rezar por alguns frequentadores aí da farmácia. A D.Rosa confidenciou-me em voz baixa, já que estava acompanhada pela neta Cátia Vanessa, que para além do Magalhães ser o assassino da leitura entre os jovens, segundo o companheiro Barreto, ele seria também o principal responsável pela proliferação da diabetes, da incontinência urinária e das doenças da próstata. Vou tentar conferir nos sítios do costume do P.P.P. (1) e do I.D.O. (2), porque se é verdade eles já o sabem com toda a certeza.

Passando a um registo menos sério devo dizer que o facto a que te referes não é dos mais felizes. Todavia também devo considerar que a reacção dos mesmos está na linha do habitual. O que é que esperavas? O episódio do Provedor de Justiça, as reacções de prima dona do “beto” Alegre, as elocubrações tácticas dos irmãos do costume, na tentativa de posicionar um candidato que, segundo eles se oponha ao Sr. Silva, vão conseguir a reeleição do pior Presidente da República após o 25 de Abril e logo o que em condições de normal sanidade mental da esquerda seria possível derrotar. Penso que para além das inevitáveis dificuldades pelas quais a crise nos vai obrigar a passar, ela demonstra também a incapacidade congénita de nos agregarmos em torno de um objectivo comum.

Quanto ao resto, depois de almoço, vou tomar café ao sítio do costume e deixar ao Silva do B.B. umas pagelas com a inscrição “Em Fátima rezei por ti” dedicadas a alguns frequentadores aqui da farmácia, desde que devidamente identificados. Sabes que a caminho de Lisboa, talvez já iluminado pela oração, tive a sensação que o cavaquismo nunca existiu.

1) Patético Pacheco Pereira
2) Inenarrável Daniel Oliveira

5 thoughts on “Afonsinas”

  1. Confundir o Pacheco e o Daniel não me parece nada bem. Não seria de voltar atrás, pôr umas velinhas e esperar que a Senhora lhe valesse nesse Alzeihmer que a idade nos 3 a todos? Eu sei que começamos a ver tudo misturado e o Pacheco até veio das esquerdas. Mas fugiu de lá a sete pés. Mais rápido que ele só ex MRPP Barroso, que há dias era descrito no jornal do JMF que tem aquelas cabalas contra o menino de ouro da Eduarda Maia, como “o ponta de lança do neoliberalismo da Europa”. Ora não é que se fez um senhor? O problema é que anda sempre a contracíclo. Agora que se chegou lá a extrema, está o neoliberalismo a morrer. Mais uma velinha para o Sr. Barroso. E já agora para este senhor, o Gary Becker que sempre foi um míudo liberal e ajuizado vem agora, pela boca daquele moço que tem a mania que ideias de valor, Deus lhe perdoe, dizer aos 78 anos, que no fundo precisamos de mais regulação, controlo de movimento de capitais e … Keynesianismo! Não sei o que é, mas soa a satânico. Vade retro. Vê por ti: http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/03/nobel-do-liberalismo-rende-se-keynes.html
    Desta que tanto te quer,
    Maria Papoila

  2. jafonso: bem vindo à capa.

    Carlos Santos: temos mesmo de regressar a Marx pá, não chega ir a Keynes, haja coragem e pachorra – Marx com diversidade. A informação na teoria matemática da comunicação é a quantidade escalar necessária para suprir a incerteza, certo? Ou seja na fórmula de Shannon se a incerteza vale H=h temos de introduzir I=i de informação para que H=0, incerteza nula, determinação total, claro que isto é uma abstracção e ainda bem. Conclui-se então que para obtêr H=0 vem i=-h, o simétrico da incerteza estatística ou entropia da informação. Mas essa entropia estatística em Ecologia é a medida da diversidade da comunidade do ecossistema portanto convém ter isso presente, e a diversidade é a melhor garantia da resiliência do sistema.

  3. NIK
    E quem te disse que sou reformado? Ai! Nik! Nik! Desconfia do que vês.
    O reformado é um fingidor/ que finge tão completamente / que chega a fingir que o é/ embora há alguns anos o tente. Penitência: Três aspersões com água benta e uma turra, mas desta vez com o hissope.

    CARLOS SANTOS
    Não existe forma de confundir as coisas. Por isso um é o PPP e o outro o IDO, juntos ne persecução de idênticos objectivos. Penitência: Três genuflexões junto ao altar de S.Agapito, santo padroeiro deste dia.

    Z
    Obrigado! Graça concedida por amares tanto o Gerês quanto eu : Um santinho e duas cervejolas no sítio do costume.

    VALUPI
    Não temas! Não te vou chatear! Graça concedida: Também um santinho e umas cervejolas na Catedral do Cais do Sodré!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.