A outra vítima dos kamikazes: a verdade

“O que faz um kamikaze na Palestina?” Esta pergunta pungente saiu da pena de Helena Matos. É mais uma das “Coisas que não entendi”. O gatilho para a prosa inflamada foi um título do Libération: “Un kamikaze tue un Israélien et deux autres Palestiniens”. Uma “pequena mas veemente introdução à questão palestiniana”, em suma.
Então vamos lá à explicação: “o que fazem os kamikazes no meio da Palestina? Nada. Simplesmente nada, porque os kamikazes pertenciam ao exército japonês durante a II Guerra Mundial. Mas indo buscar esta designação exótica acaba-se a evitar palavras incómodas como ‘terrorista’ ou ‘bombista’.”
Não ocorre à jornalista que nenhum dos “sinónimos” que ela propõe descreveria um bombista-suicida. Nem que o termo kamikaze talvez já não seja assim tão “exótico” para os leitores franceses. Mas essas coisas agora não interessam nada. Interessa mesmo é proclamar que, “habituada a viver da diabolização de Israel, sofrendo frequentemente dum forte anti-semitismo”, a imprensa europeia anda à nora com o que se passa por ali hoje em dia. Por isso, onde antes se liam exaltações com a Intifada, “não existe agora espaço para dar conta dos raptos de jornalistas e estrangeiros (…) na mesma Faixa de Gaza e na Cisjordânia.”
Chama-se a isto aldrabice pura. No próprio dia em que saiu o título que indignou Helena Matos, o mesmo Libé dava notícia que “Le processus électoral n’est pas seul pris en otage par les groupes armés, trois Britanniques ont encore été enlevés hier dans le sud de Gaza.” Deve dar muito trabalho ler um jornal por inteiro, suponho.
Hoje mesmo, surge por lá um balanço sombrio da situação na Palestina: “Les faits restent que c’est la première fois qu’une institution officielle des Nations unies a été prise pour cible par les miliciens de Gaza. Une évolution très préoccupante dans un contexte de chaos grandissant dans les territoires autonomes” ; “La sécurité palestinienne a fait preuve de son inefficacité abyssale à la faveur des cas d’enlèvement qui se sont multipliés depuis l’été.” Eis a preocupante cegueira de um jornal europeu enlouquecido pelo tal anti-semitismo.
Mas voltemos aos kamikazes: consultando um dicionário online de Francês, até descobrimos o termo por lá referenciado. Mas mais curioso é o exemplo escolhido para ilustrar o seu emprego: “Les Israéliens attaquent en kamikazes et sèment la mort, le désordre, la défaite, après avoir parcouru 400 kilomètres de désert et d’empoignade, sans sommeil depuis soixante-douze heures (J.-F. HELD ds Le Nouvel Observateur, 3 janv. 1968, p. 30, col. 2)”. Ironias do destino: há quase 40 anos, o tal termo “exótico” foi usado para descrever… o exército israelita. Suponho que a cronista também encontraria uma explicação adequada para tal; sobretudo uma que envolvesse anti-semitismo a rodos.

8 thoughts on “A outra vítima dos kamikazes: a verdade”

  1. Excelente post. Se você fosse liberal ainda o elegiam “blogger do ano” em qualquer coisinha. Já agora, tente saber porque é que o seu blog não aceita comentários a partir do meu Mac. Um abraço, L.

    Resposta: eu nem de um PC consigo comentar coisa alguma. Enquanto o PQ não me acode, só consigo entrar em comentários alheios. Desculpe lá o abuso…
    LR

  2. Fala-se de anti-semitismo francês nos media franceses, todavia Israel deve imenso ao Estado francês porque teve deste um importante apoio, nomeadamente na venda de armamento. A vitória da Guerra dos 6 dias em 1967 só foi possível porque a Israel estava mais ou menos apetrechado com armamento francês, particularmente ao nível da aviação de combate. Foram os israelitas que deram fama de combate ao caça francês Mirage.

  3. Salvador,

    Não acho. Trata-se apenas de uma curiosa coincidência. Mas esta serve para revelar que a palavra japonesa já é usada há décadas na imprensa francesa para descrever aqueles que atacam sem medir consequências para a propria vda. Não se trata portanto de importação recente e “exótica” para apoiar derivas anti-semitas..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.