Esmiúça os Sufrágios – Ferreira Leite

A Manela esteve irrepreensível. E as questões cumpriram o papel de provocar sem provocação. Foi particularmente feliz na última pergunta, pois teve a oportunidade de desmontar o episódio da sua declaração relativa à suspensão da democracia. Entretanto, o fanatismo e o ridículo disparam sempre que a Manela consegue passar meia-hora sem dizer uma asneira. É assustador.

Esta descontracção simpática, a generosidade de expor-se obedecendo a outros códigos retóricos, com que a Manela nos brindou é particularmente relevante para a compreensão do que faz quando não está a participar em programas de entretenimento, como disse o meu primo. Significa que é um ser moral, consciente das implicações políticas e éticas do que diz ou deixa por dizer. Ela reconhece diferenças, adapta-se às situações, representa. Tal como qualquer pessoa imputável, responsabilizável. Assim, quando aprovou a campanha de insídias contra Sócrates e o Governo, quando deturpa a opinião pública com o tema da asfixia democrática ou quando mente sem uma hesitação em relação à Madeira, a senhora sabe muito bem o que está a fazer, como lembrou o Francisco Clamote cá na casa. Acontece-lhe é preferir esse caminho, caindo numa armadilha, já muito investigada na psicologia, onde indivíduos que se consideram moralmente superiores permitem-se cometer imoralidades precisamente por se julgarem com direitos especiais.

Uma palavra final para os Gato Fedorento: contratem, urgentemente, alguém que saiba escrever comédia política. E se é para continuarem a ajudar a oposição, comparando o incomparável a propósito do caso TVI e assim reforçando o dano a Sócrates e ao PS, coloquem o símbolo do Bloco na esquerda baixa.

19 thoughts on “Esmiúça os Sufrágios – Ferreira Leite”

  1. não vi. mas o gato fedorento quase sempre foi fraquinho. mas não faltam, neste país, especialistas em transformar merda em banha de cheiro.

    e só me faz bem levar nas orelhas para aprender a estar calado.
    (mas eu falo pelos dedos. vês?… toma!)
    é por isso que tenho orelhas de metro e meio :-)(ou perto)

  2. A brincar, a brincar o Ricardo Araújo insistiu na calúnia de que Sócrates despediu Manuela Moura Guedes e fez o impensável: controlo de uma comunicação social, particularmente da TVI, que durante quatro anos o arrastou pela lama e, com a total colaboração da justiça e o seu desgraçado segredo de justiça, que no caso de Sócrates só serviu para fazer passar a pulhice, o deixa à beira da derrota eleitoral. Será o triunfo dos porcos! Estou convencido que os «porcos» sairiam derrotados, como em 2005, não tivesse aparecido a crise do século, que desiquilibrou os pratos da balança do bom senso. Sadicamente, a MFL ainda afirma que a crise foi uma benesse para Sócrates! Só espero que esta gente não se ria por muito tempo. E o Ricardo Araújo perderá o sentido do humor se um dia alguém lhe fizer a sacanice que fizeram a Sócrates. Brincar com as gaffes de alguém ou a personalidade de alguém é uma coisa. Alimentar uma calúnia infamante é de uma indignidade tão grande como a própria calúnia.

  3. Impagavel o favorzinho que o RAP fez à senhora. Não admira e só os mais distraídos podem estranhar que na SIC possa suceder o contrario.
    As referências a Socrates naquele contexto foram de uma sacanice primaria e cobarde.
    Apesar de eminentes zoofilos referirem com frequência o seu caracter independente acho que os gatos são muito mais doceis e respeitadores do dono do que os cães.

  4. Este comentário vai fora do contexto
    Val ou JCF
    Necessitava de saber os textos que enviei referentes à minha ida para a Angola para cumprir o serviço militar, em que posts se encontram. Queria comunicar com antigos camaradas e não lembro onde estão inseridos, além de fazer publicidade ao Aspirina B. Desde já obrigados.

  5. É só rir. Quando se espera que o Sócrates esmague e apenas dá uma simples entrevista, saiu derrotado, foi falso, só nos engana. Quando, numa entrevista, se espera que Ferreira Leite cometa mais umas gaffes e, por acaso, de forma sonolenta (aqueles tempos de espera…), não sai nada de especial, ‘domina’, é ‘genuína’… magnânima…

    são as expectativas, estúpido.

    Aspirinas, que os dedos não vos doam, continuem em frente.

  6. diria que com isto assim vem aí agravamento da crise, outra vez. Dispara o milho e o petróleo, para absorver dólares, as bolsas trambulham, tricheur baixa os juros!

  7. Manuel Pacheco, qualquer texto que queiras encontrar tem frases, orações, palavras. Basta que ponhas algumas delas no Google, junto com o teu nome, e tudo te aparecerá à frente.

  8. Z, não deve ser. Não a ouviu ontem? Entre salvar um quadro do Picasso e uma PME, salvava, sem hesitar, a PME. Pressupõe-se que é uma qualquer. :)

  9. pois foi precisamente a lembrar-me disso, aliás ela comprometeu-se a, via pme, salvar o Picasso a seguir,

    Portugal picasso de massagens

  10. Eu acho que será preciso esperar pela ida do Louçã aos Gato para perceber até que ponto os meninos são emancipados. Eu aposto que sim. Oxalá não me engane. Entretanto, hoje, com o Paulo Portas, acho que o rapaz vai-se espetar. Oxalá me engane.

  11. Assim se provou que os Gato Fedorento são só uns patetas a dizer umas graçolas.
    Conseguiram transformar a pulhice e a insídia numa imensa galhofa nacional.

  12. Sou um admirador dos gatos fedorentos e do seu humor, que não sendo um humor fácil, tem, na minha opinião, inteligência.
    Também não acredito que Ricardo Araújo tenha pretendido, de forma voluntária, insinuar as pressões de Sócrates na TVI.
    Quanto à Manuela: esteve bem? talvez, porque não..espera-se sempre tão pouco dela..

    Uma coisa é certa…o processador dela é lento demais…demora…demora..demora…nada daquilo que sai é genuíno..
    Quando sai rápido…sai asneira..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.