Dear Jean

No dia 11 de Julho, o primeiro-ministro grego, George Papandreou, escreveu uma carta a Jean Claude Junker, carta essa que creio que será lembrada como um dos ponto de viragem desta crise. É também um documento hilariante, pela maneira magnífica como a linguagem oficial é usada para, essencialmente, mandar a União Europeia e as suas soluções à merda. O documento oficial está disponível aqui, mas isto é tão bom que faço uma transcrição comentada:

Dear Jean Claude,

Let me again express my appreciation for your continued engagement and help in dealing with our crisis. You have stood by Greece in these difficult moments.

At the same time we have all become aware that this crisis has become a crisis of our shared European home.

Querido Jean Claude. Obrigadinho pela bela merda que estamos metidos. Se nós formos ao charco, lembra-te que não vamos sozinhos.

It has highlighted deep problems in the architecture of our currency, our governance structures, and our financial system. And no one member state can alone effectively deal with these questions

A culpa é vossa também,não esperes que sejamos apenas nós a pagar isto.

Again in seeking to solve problems in the Eurozone, you have tabled important and visionary proposals on behalf of Europe. Such as for example the idea of the eurobond.

Os alemães têm de pagar uma parte da dívida. Percebes a dica, ou é preciso repetir?

Fourteen months after commencing our reform program, Greece has achieved an impressive fiscal consolidation and launched numerous far-reaching structural reforms.

Já fizemos o que nos pediram, fomos bons meninos. Não têm razão de queixa.

In recent months, our government and the members of the Troika have worked tirelessly to produce a credible medium-term fiscal strategy, including an ambitious privatization plan, that will continue to drive our reform process and stimulate growth.

Temos andado aos papeis para arranjar alguma coisa que passe por uma solução, e até agora nada resulta. Nada.

We have also pinpointed key impediments to reform, particularly our difficulties in stopping tax evasion and in building the capacity of our civil service to implement change. We have initiated a process whereby implementation deficits of the past are being remedied.

E nós sabemos porquê. Somos uns aldrabões, e mudar isso é, ahem, complicado. Mas estamos a tentar, a sério que estamos.

Furthermore the President of the Commission, Jose Manuel Baroso has strongly supported a program that will insure transfer of know-how and technical assistance for best practices from other member states to assist us in the implementation of major reforms in our country. This we welcome as this is our government’s basic agenda.

Had major reforms been implemented years ago we would have avoided the current crisis.

O Zé Manel sugeriu que se nós não sabemos fazer as coisas, ele manda para cá tipos que saibam, para fazer a coisas por nós. Está a sonhar. Nunca deviam ter-nos aceite no Euro se sabiam que éramos aldrabões, e estavam fartos de saber. A culpa é, no fundo, vossa.

The Commission has also been forthcoming on proposals and help to stimulate growth and job creation through community funds. These remain priorities for our government and preconditions to reach a viable economy.

Os nossos parceiros, que não conhecem o terreno, estão constantemente a mandar bitaites imbecis sobre como é que saímos disto. Espantosamente, nenhum funciona, por isso continuamos na merda.

From our side, as you know, the Greek Parliament has approved the country’s promised medium-term financial strategy and implementing legislation-approvals that were required for release of the fifth disbursement of the initial program and for approval of additional funding until 2014. Our recent Parliamentary votes signal a renewed bold effort and strong political will to reach our goals.

Já aprovámos tudo o que queriam para mandarem a massa, embora eu tenha sido obrigado a usar o chicote e a recorrer a ameaças contra os filhos dos deputados. Foi à justa, mas conseguimos. Mas isto está por um fio.

Yet in no sense is our crisis over. Indeed, we together stand today at a fateful juncture in Greece’s and Europe’s ongoing economic adjustment program.

E já percebeste que nada disto funciona, não é? Já enterraram cá tanto dinheiro que se cairmos, vamos todos.

The markets and rating agencies have not responded as we had all expected. They continue to doubt (and therefore punish) our shared Greek and European reform program, and in so doing, are threatening Greece’s and Europe’s common recovery from the recession that began three years ago.

E depois desta linda merda, concluímos que os investidores e as agências de rating não são enganados tão facilmente como esperávamos. Não acreditam em magia, os sacanas, apesar de todas as tangas que combinámos dizer-lhes.

I am now convinced, after fourteen months, that no matter what Greece does- and we have proven ready to live up to our responsibilities- if Europe does not make the right, collective, forceful decisions now, we risk new, and possibly global, market calamities due to a contagion of doubt that will engulf our common union. Strong and visionary European leadership is needed.

Por isso, chegou a hora da verdade. Da nossa parte, não jogamos mais o jogo da austeridade, e que se lixem as consequências para a Europa e para o mundo. Desisto. Vocês que resolvam.

I say this to you because now there is a greater need to avoid mistakes of the past. “Crunch time” has arrived and there is no room for indecisiveness and errors such as:

– taking decisions that in the end prove ‘too little, too late’ to convince the markets we are serious;

– making compromises that satisfy our internal political ‘red lines’ that in the end substitute tactical politics for sound management of the crisis (although I do recognize the problems some governments have and the democratic demand for a greater say of Parliaments in trying to deal with this crisis);

– failing to use in-depth technical analysis and consultation before decisions are made;

– allowing a cacophony of voices and views to substitute for a shared agenda, thereby creating more panic than security;

– and I would add more global issues such as doing nothing substantive about the destabilizing role of the rating agencies, credit default swaps, tax havens or about plausible new revenues such as a financial transaction tax.

The above have in one way or another had profound effects on my country and others facing similar challenges.

As medidas que vocês indicaram foram pensadas em cima do joelho, se é que foram sequer pensadas, não serviram para nada, e ainda pioraram a situação. Vocês não se entendem, e andam a fingir que sabem. Chega de brincadeira. Isto não é o vosso recreio, e estamos fartos de vos aturar e às vossas soluções.

As for Greece specifically, the attempt over the past ten days to structure private participation in our recovery program, for example, has led to public warnings that the rating agencies would declare a selective default.

While we are not against PSI in principle the proposal that was tabled seems to be flawed. It could prove to be too expensive, too little and too dangerous. Too expensive for Greece and too little or inadequate to effectively deal with the management of Greek debt. And with these meager results one may still not avoid a selective default.

De qualquer maneira, a bancarrota é inevitável neste ponto. Podem brincar com as medidas que quiserem, fazer o pino, chamar gato ao cão, dizer que o preto é branco, a conclusão no final é sempre a mesma. Alguém vai perder dinheiro.

We all also know that, because there is still a deep distrust about the financial health of the banking system in Europe, that the new “stress test” results to be announced in a few days may fuel yet more market insecurity.

E esse alguém são os vossos queridos bancos, que estão borradinhos de medo porque só fizeram é merda. Podem esconder isso o que quiserem, mas nós sabemos.

All these debates-around the new Greek program, private sector involvement, the amount of funding necessary, the talk of ‘selective default’– and the continued cacophony in the media only make the problems in front of us more difficult to solve.

A vossa resposta? Falam, falam, falam e não resolvem nada. Só pioram.

Going from crisis to crisis at such a weak stage of recovery, with such a cacophonous press and frightened public, is not any longer an option Greece can sustain.

Greece is responsible for her past inaction. However over the past year Greece has taken the pain, made unprecedented decisions, and yet we have paid for too much experimentation and confusion.

Por isso, acabou! Fomos culpados, sim, mas já apanhámos forte e feio, e já chega de castigo.

The climate of uncertainty and distrust from markets and analysts is a climate that has undermined and will continue to block the efforts and sacrifices of the greek people towards a sustainable economy.

Não adianta continuar a bater. Não é isso que vai resolver nada.

Concerning Greece, it is necessary that this time we reach an effective solution to ensure three basic goals: debt sustainability, access to markets and means to restart growth of the Greek economy.

Sendo assim, isto é o que exigimos:

Liquidity provided by the new program is essential but it may only serve as relief and not as a cure.

Precisamos, antes de mais nada, de mais dinheiro para nos aguentarmos.

I thus believe it is time now to address our fundamental problems head-on—and produce a comprehensive package of solutions that clearly signals our determination not to see the European project further damaged or destroyed.

Mas sem os juros extorsionistas que cobram, senão não saímos do buraco. Nem vocês.

I believe that we must begin, as soon as possible, convening a series of closed working meetings—of leaders, advisors, and technical experts—that can offer up effective, possibly even far-reaching solutions in place of one-off and ad hoc responses.

Juntamos os nossos melhores técnicos, e vamos arranjar uma solução decente. Nós dizemos o que precisamos, e vocês passam o cheque. E acabou.

The purpose of this letter is not to get into details of possible solutions as many ideas have already been put on the table: rollovers, reprofiling, buybacks, bond exchanges, eurobonds, extension of maturities, lower interest rates, EFSF flexibility, etc.

Mas não se preocupem, nós não dizemos nada e podem ficar com os louros à vontade.

What I do believe is that we need a comprehensive and new assessment of both the problems ahead of us, and careful weighing—first and foremost, on a sophisticated technical level—of our options.

This technical assessment will in turn be the basis on which we will all have a better, solid understanding of the impact of the political decisions we collectively and soon must take.

Tenham em atenção, neste ponto, não há soluções fáceis, e temos que avançar com muito cuidado para não dar o estoiro.

At the same time today’s Eurogroup meeting needs to send a strong message that there is a strong political will to support Greece’s ambitious program of change, provide the necessary liquidity for the new program, and decisively deal with the issue of debt sustainability in a manner that does not negatively affect the greek economy, banking system and future access to markets.

Falem lá com os outros, e eles que se deixem de esquisitices. Sobretudo os Finlandeses e os Holandeses.

Dear Jean Claude,

Europe’s and the world’s economies are fragile at best, and could quite easily now begin the sort of “second recession” that would add years to our recovery.

The developments ahead will also be crucial for the fate of our nation and the greek people.

Ou então, querido Jean Claude, mandamos isto abaixo e podem ir gozar a vossa calamidade económica. Da nossa parte, já não temos medo.

Whatever decisions are made need to be taken in close cooperation which I look forward to.

My Finance Minister Vangelis Venizelos and I will be in close contact with you to help ensure our common success.

É tudo. Alguma dúvida, telefonem.

Sincerely yours,

George A. Papandreou

10 thoughts on “Dear Jean”

  1. É o velho problema conhecido como o “do Cavaleiro”: nunca saber até que ponto pode continuar a chicotear o cavalo (ou o Escravo) até que ele perceba que nada mais tem a perder e se vira a ele e só o larga depois de lhe quebrar o delicado pescocinho.

    Quem tem telhados de vidro… E quem tem o pescoço fininho, não deve abusar do chicote.

  2. E eu, Sinhã, entrei mesmo depois de ti…
    Hoje estie a ler o Jumento (blog) e ele fala de um alentejano, dono do burro que quis fazer poupadinho por causa da crise. Foi-lhe diminuindo a ração e os reultados da poupança eram visíveis. De repente o burro dá o badagaio. Morrera de fome!
    Parece que o Papandreou não está disposto a imitar o nosso alentejano. Outro tanto não direi de Cavaco e da equipa por si capitaneada.

  3. Em tempo
    Juro que não estou a mentir. Sapo.pt é a minha home page e pude ler, de manhã, esta fabulosa noticia, lá plantada pelos homens das escutas de Belém e S.Bento: uma sondagem revela que os portugueses acharam uma “boa ideia” a taxa extraordinária sobre o subsidio do Natal!!
    Arre, burro!

  4. Fosgasse, Vega, tu és um viveiro de postas baris. Se algum grego vê isto e traduz para a língua esquisita dele os serviços secretos deles ainda te raptam para te estudarem o encéfalo e perceberem se és um leitor de pensamentos.
    Mas como são os serviços secretos gregos a malta tem a vantagem de poder dizer que, mesmo de forma indirecta, a culpa terá sido (também) do Sócrates.

  5. Há trinta anos foi criado um padrão social bizarro: os yuppies. A comunicação social, consequência inevitável (pela sua apetência intrínseca notada para a degradação social), promoveu-o como símbolo superior de sucesso.

    A bizarria estava na essência do produto promovido: viciados no consumismo que não tinham nem nunca tiveram outra ideia atrelada. Ao contrário dos hippies anteriores, que promoviam modelos culturais e sociais muito superiores à própria degradação física que promoviam, os yuppies eram assumidamente só junkies financeiros. Coitados.

    Mas as gerações anteriores e as actuais não conseguiram nem quiseram lidar com eles e nunca foi criada a YAnónimos. Pudera… hoje são eles que nos governam.

    A nossa insurgência passa muito por coisas como a do merdok e a escória que é a comunicação social. Se existissem ratings à maneira, toda a nossa Comunicação Social nunca tinha sido outra coisa senão lixo.

    Pelo menos desde que o Paulo Portas apareceu na nossa vida pública. Até parece que o homem morreu desde que tomou posse. Ele percebe mesmo disto. Os tempos em que era má moeda já lá vão.

    O seu ar de nobreza, hoje manifesta-se por mandar subir a temperatura do ar condicionado. Mais um yuppie disfarçado.

  6. Afinal a cagofonia veio continuar nas páginas do Aspirina. Ao que obriga a santa intenção de querer salvar um camarada socialista (pronto embargador de iniciativas internacionais de solidariedade aos palestinianos) em apuros.

    Rating para este post: – 1 out of 10.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.